Return to Video

Os tesouros escondidos de Timbuktu - Elizabeth Cox

  • 0:07 - 0:09
    Na orla do vasto deserto do Saara,
  • 0:09 - 0:13
    cidadãos escaparam da cidade de Timbuktu
  • 0:13 - 0:15
    e adentraram o deserto.
  • 0:15 - 0:20
    Enterraram baús na areia,
    esconderam-nos em cavernas
  • 0:20 - 0:23
    e os selaram em galerias secretas.
  • 0:23 - 0:27
    Dentro deles havia um tesouro
    mais valioso do que ouro:
  • 0:27 - 0:30
    os livros antigos da cidade.
  • 0:30 - 0:34
    Fundada por volta de 1100 EC
    onde hoje se situa o Mali,
  • 0:34 - 0:39
    a cidade de Timbuktu começou
    como um entreposto comercial comum.
  • 0:39 - 0:42
    Mas sua localização única logo mudou isso.
  • 0:42 - 0:47
    Timbuktu marcava a interseção
    de duas rotas comerciais essenciais,
  • 0:47 - 0:50
    nas quais caravanas levando sal pelo Saara
  • 0:50 - 0:54
    encontravam-se com comerciantes
    trazendo ouro do interior africano.
  • 0:54 - 0:58
    No final dos anos 1300, essas rotas
    comerciais enriqueceram Timbuktu,
  • 0:58 - 1:02
    e os governantes da cidade,
    os reis do Império do Mali,
  • 1:02 - 1:05
    construíram monumentos e academias
    que atraíram estudiosos
  • 1:05 - 1:08
    do Egito, Espanha e Marrocos.
  • 1:08 - 1:13
    A localização da cidade a tornou um alvo
    para senhores da guerra e conquistadores.
  • 1:13 - 1:17
    Com o declínio do Império do Mali,
    um de seus domínios, Songhai,
  • 1:17 - 1:19
    começou a ganhar poder.
  • 1:19 - 1:23
    Em 1468, o rei Songhai conquistou Timbuktu
  • 1:23 - 1:27
    queimando construções
    e assassinando estudiosos.
  • 1:27 - 1:31
    Mas com o tempo, a vida intelectual
    na cidade floresceu novamente.
  • 1:31 - 1:34
    O reinado do segundo rei
    do Império Songhai,
  • 1:34 - 1:36
    Askia Mohammed Toure,
  • 1:36 - 1:41
    marcou o início de uma era
    dourada em Timbuktu.
  • 1:41 - 1:43
    Ele reverteu as políticas regressivas
    de seu predecessor
  • 1:43 - 1:46
    e incentivou a aprendizagem.
  • 1:46 - 1:50
    Os governantes Songhai e a maioria
    da população de Timbuktu eram muçulmanos,
  • 1:50 - 1:53
    e os seus acadêmicos estudavam o Islã
  • 1:53 - 1:57
    da mesma forma que tópicos seculares,
    como matemática e filosofia.
  • 1:57 - 1:59
    Nas bibliotecas de Timbuktu,
  • 1:59 - 2:03
    tratados de filosofia grega
    ficavam ao lado dos escritos
  • 2:03 - 2:07
    de historiadores,
    cientistas e poetas locais.
  • 2:07 - 2:10
    O estudioso mais proeminente
    da cidade, Ahmed Baba,
  • 2:10 - 2:12
    desafiava as opiniões prevalecentes,
  • 2:12 - 2:15
    desde sobre o fumo até a escravidão.
  • 2:15 - 2:19
    O comércio de ouro e sal financiou
    a transformação da cidade
  • 2:19 - 2:22
    em um centro de aprendizagem.
  • 2:22 - 2:24
    Os produtos dessa cultura intelectual
  • 2:24 - 2:28
    se tornaram as mercadorias
    mais procuradas.
  • 2:28 - 2:29
    Com papel da distante Veneza
  • 2:29 - 2:32
    e tinta vibrante de plantas
    e minerais locais,
  • 2:32 - 2:36
    os escribas de Timbuktu
    produziam textos em árabe
  • 2:36 - 2:38
    e idiomas locais.
  • 2:38 - 2:43
    Escritos em caligrafia e decorados
    com intrincados desenhos geométricos,
  • 2:43 - 2:49
    os livros de Timbuktu eram procurados
    pelos membros mais ricos da sociedade.
  • 2:49 - 2:53
    Em 1591, a era dourada
    chegou ao fim abruptamente
  • 2:53 - 2:57
    quando o rei marroquino
    conquistou Timbuktu.
  • 2:57 - 3:01
    Forças marroquinas prenderam Ahmed Baba
    e outros estudiosos proeminentes
  • 3:01 - 3:04
    e confiscaram suas bibliotecas.
  • 3:04 - 3:09
    Nos séculos que se seguiram, a cidade
    resistiu a uma sucessão de conquistas.
  • 3:09 - 3:13
    Em meados de 1800,
    jihadistas sufis ocuparam Timbuktu
  • 3:13 - 3:17
    e destruíram muitos manuscritos
    não religiosos.
  • 3:17 - 3:22
    Em 1894, as forças coloniais francesas
    assumiram o controle da cidade,
  • 3:22 - 3:26
    roubando ainda mais manuscritos
    e enviando-os para a Europa.
  • 3:26 - 3:29
    O francês se tornou a língua oficial
    ensinada nas escolas,
  • 3:29 - 3:31
    e novas gerações em Timbuktu
  • 3:31 - 3:35
    não conseguiam ler
    os manuscritos árabes que restaram.
  • 3:35 - 3:36
    Mesmo com tudo isso,
  • 3:36 - 3:41
    a tradição literária de Timbuktu
    não morreu, mas foi escondida.
  • 3:42 - 3:45
    Algumas famílias construíram
    bibliotecas secretas em suas casas
  • 3:45 - 3:48
    ou enterraram os livros em seus jardins.
  • 3:48 - 3:53
    Outras os esconderam em cavernas
    abandonadas ou buracos no deserto.
  • 3:53 - 3:55
    Os manuscritos inestimáveis de Timbuktu
  • 3:55 - 3:59
    se espalharam pelas aldeias
    em toda a área circundante,
  • 3:59 - 4:04
    onde cidadãos comuns os protegeram
    por centenas de anos.
  • 4:04 - 4:07
    Enquanto a desertificação
    e a guerra empobreciam a região,
  • 4:07 - 4:10
    as famílias se apegavam aos livros antigos
  • 4:10 - 4:14
    mesmo quando enfrentavam
    pobreza desesperadora e quase fome.
  • 4:14 - 4:20
    Ainda hoje, a luta para proteger
    os livros continua.
  • 4:20 - 4:22
    Dos anos 1980 ao início dos anos 2000,
  • 4:22 - 4:28
    o estudioso Abdel Kader Haidara recuperou
    meticulosamente manuscritos ocultos
  • 4:28 - 4:32
    de todo o norte do Mali
    e os levou de volta para Timbuktu.
  • 4:32 - 4:38
    Mas em 2012, a guerra civil no Mali
    mais uma vez ameaçou os manuscritos,
  • 4:38 - 4:41
    a maioria dos quais foi enviada
    para a vizinha Bamako.
  • 4:41 - 4:43
    O futuro deles permanece incerto,
  • 4:43 - 4:48
    visto que enfrentam ameaças
    humanas e ambientais.
  • 4:48 - 4:51
    Esses livros representam
    nossas melhores, e muitas vezes únicas,
  • 4:51 - 4:55
    fontes sobre a história
    pré-colonial da região.
  • 4:55 - 4:58
    Muitos deles nunca foram lidos
    por estudiosos modernos,
  • 4:58 - 5:02
    e muitos mais permanecem perdidos
    ou escondidos no deserto.
  • 5:02 - 5:07
    A história que eles contêm está em jogo
    nos esforços para protegê-los
  • 5:07 - 5:12
    e nos esforços de incontáveis gerações
    para impedir que essa história se perca.
Title:
Os tesouros escondidos de Timbuktu - Elizabeth Cox
Speaker:
Elizabeth Cox
Description:

Veja a lição completa: https://ed.ted.com/lessons/the-hidden-treasures-of-timbuktu-elizabeth-cox

Na orla do vasto deserto do Saara, os cidadãos escaparam da cidade de Timbuktu e adentraram o deserto. Eles enterraram baús na areia, esconderam-nos em cavernas e selaram-nos em galerias secretas. Dentro desses baús havia um tesouro mais valioso do que ouro: os livros antigos da cidade. Por que eles estavam escondendo esses manuscritos inestimáveis? Elizabeth Cox investiga a tradição literária de Timbuktu.

Lição de Elizabeth Cox, dirigida pela Aim Creative Studios.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TED-Ed
Duration:
05:15

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions