Portuguese, Brazilian subtitles

← Por que devemos ler "O Clube da Sorte e da Alegria" de Amy Tan? - Sheila Marie Orfano

Get Embed Code
27 Languages

Showing Revision 12 created 12/17/2019 by Maurício Kakuei Tanaka.

  1. Na casa de sua tia An-Mei,
  2. Jing-Mei senta-se relutantemente
    no canto leste da mesa de mahjong.
  3. Nos cantos norte, sul e oeste,
    estão suas tias,
  4. membros de longa data
    do Clube da Sorte e da Alegria.
  5. Esse grupo de famílias de imigrantes
    reúne-se toda semana para fofocar,
  6. deleitar-se com wonton e chaswei doce
  7. e jogar mahjong.
  8. No entanto, a fundadora do clube
    e mãe de Jing-Mei, Suyuan,
  9. faleceu recentemente.
  10. A princípio, Jing-Mei luta
    para ocupar o lugar dela na mesa.
  11. Mas, quando suas tias revelam
  12. um segredo profundamente enterrado
    sobre a vida de Suyuan,
  13. Jing-Mei percebe que ainda tem
    muito a aprender sobre sua mãe e si mesma.
  14. No romance de estreia de Amy Tan, de 1989,
    "O Clube da Sorte e da Alegria",

  15. esse encontro na mesa de mahjong
    é o ponto de partida
  16. para uma série de vinhetas
    interconectadas.
  17. O livro em si é vagamente estruturado
    para imitar o formato do jogo chinês.
  18. Assim como o mahjong
    é jogado em quatro rodadas
  19. com, pelo menos, quatro mãos cada,
  20. o livro é dividido em quatro partes,
    cada uma com quatro capítulos.
  21. Alternadamente ambientado
    na China ou em São Francisco,
  22. cada capítulo narra uma única história
  23. de uma das quatro matriarcas
    do Clube da Sorte e da Alegria
  24. ou de suas filhas norte-americanas.
  25. Essas histórias levam o leitor por zonas
    de guerra e vilarejos da China rural,

  26. até casamentos modernos
  27. e encontros tensos à mesa de jantar.
  28. Elas abordam temas
    de sobrevivência e perda,
  29. amor e a falta dele,
  30. ambições e sua realidade insatisfeita.
  31. Em uma delas, tia Lin planeja escapar
    da família hostil de seu prometido marido,
  32. levando, no final, à sua chegada
    aos Estados Unidos.
  33. Em outra, o dia todo norte-americano
    da família Hsu, na praia, fica terrível
  34. quando Rose é dominada
  35. pela responsabilidade
    que a mãe atribui a ela.
  36. A tragédia resultante traumatiza
    a família nos anos seguintes.
  37. Esses contos ilustram as divisões comuns

  38. que podem se formar
    entre gerações e culturas,
  39. especialmente em famílias de imigrantes.
  40. As mães enfrentaram grandes dificuldades
    durante a vida na China
  41. e trabalharam incansavelmente
    para dar às filhas
  42. melhores oportunidades nos Estados Unidos.
  43. Mas suas filhas sentem-se sobrecarregadas
  44. pelas esperanças não cumpridas
    e altas expectativas dos pais.
  45. Jing-Mei sente essa pressão
  46. enquanto joga mahjong
    com as amigas da mãe.
  47. Ela se preocupa:
  48. "Em mim, elas veem
    as próprias filhas, tão ignorantes,
  49. sem consideração por todas as verdades
    e esperanças que trouxeram para os EUA".
  50. Frequentemente,
  51. as mães se esforçam para lembrar as filhas
    da história e da herança delas.
  52. Enquanto isso, suas filhas
  53. lutam para conciliar a percepção
    que as mães têm delas
  54. com quem elas realmente são.
  55. "Minha filha me conhece?"
    é uma das perguntas.
  56. "Por que minha mãe não entende?"
    é a reação de outras.
  57. Ao fazer essas perguntas,

  58. Tan fala de ansiedades
    que atormentam muitas imigrantes
  59. que, muitas vezes, sentem-se
    alienadas de sua terra natal
  60. e desconectadas do país que adotaram.
  61. Porém, ao criar os contos
    dessas quatro mães e filhas,
  62. Tan deixa claro que Jing-Mei e suas amigas
  63. encontram forças para enfrentar
    seus problemas atuais
  64. por meio dos valores
    transmitidos pelas mães.
  65. Quando o livro foi publicado
    pela primeira vez,

  66. Tan esperava um sucesso mínimo.
  67. Porém, contra suas previsões,
  68. o livro foi uma enorme conquista
    decisiva e comercial.
  69. Hoje, esses personagens ainda cativam
    os leitores em todo o mundo.
  70. Não apenas pelo modo como abordam
  71. experiências sino-americanas
    e de imigrantes,
  72. mas também pela revelação
    de uma verdade mais profunda:
  73. a necessidade de ser visto e compreendido
    por aqueles que você ama.