Portuguese, Brazilian subtitles

← O mito de Jasão, Medeia e o Velocino de Ouro - Iseult Gillespie

Get Embed Code
23 Languages

Showing Revision 11 created 08/26/2020 by Leonardo Silva.

  1. No centro de Cólquida,
    em um jardim encantado,
  2. a pele de um místico carneiro voador
    está pendurada no carvalho mais alto,
  3. guardado por um dragão que nunca dorme.
  4. Jasão terá que se aproximar cuidadosamente
    para arrancá-la das garras do rei Eetes
  5. e reconquistar seu trono prometido.
  6. Mas a diplomacia não era
    um dos atributos dos argonautas.
  7. Jasão terá de executar
    essa difícil tarefa sozinho.
  8. Pelo menos, era o que ele pensava.
  9. Permitindo que a maior parte
    da tripulação desarrumada descansasse,

  10. Jasão dirigiu-se ao palácio com alguns
    de seus homens mais tranquilos.
  11. Seu primeiro instinto foi simplesmente
    pedir ao rei seu bem valioso.
  12. Mas Eetes ficou enfurecido
    com a presunção do herói.
  13. Se aquele forasteiro queria seu tesouro,
  14. ele teria que provar seu valor
    enfrentando três tarefas perigosas.
  15. As provas começariam no dia seguinte,
    e Jasão foi dispensado para se preparar.

  16. Mas outro membro da família real
    também estava tramando algo.
  17. Graças ao estímulo dos guardiões
    de Jasão no Monte Olimpo,
  18. Medeia, princesa de Cólquida
    e sacerdotisa da deusa-feiticeira Hécate,
  19. havia se apaixonado pelo competidor.
  20. A intenção dela era proteger seu amado
    dos truques do pai a qualquer custo.
  21. Após uma noite de vigília,
    Jasão marchou sombriamente para o castelo,

  22. mas foi interceptado.
  23. A princesa lhe forneceu
    frascos e adornos estranhos
  24. em troca da promessa de devoção eterna.
  25. Enquanto sussurravam
    e planejavam sua vitória,
  26. o herói e a princesa ficaram profundamente
    encantados um pelo outro.
  27. Sem saber do plano da filha,

  28. o rei, confiante, guiou Jasão
    para enfrentar sua primeira tarefa.
  29. O herói foi levado
    a um campo enorme de bois,
  30. que estavam entre ele e o velocino,
  31. e lhe mandaram arar a terra
    ao redor das manadas de bois.
  32. Uma tarefa simples, assim pensava Jasão.
  33. Mas Medeia havia preparado
    um unguento à prova de fogo.
  34. Assim, ele arou os campos
    em chamas e saiu ileso.
  35. Para a segunda tarefa,

  36. deram-lhe uma caixa com dentes de serpente
    para ele plantar na terra queimada.
  37. Logo que Jasão as espalhou,
  38. um guerreiro sanguinário
    brotou de cada semente
  39. Os guerreiros se reuniram ao redor dele,
    bloqueando sua passagem,
  40. mas Medeia também o havia
    preparado para aquela tarefa.
  41. Lançando uma pedra pesada
    que ela havia lhe dado,
  42. os guerreiros atacaram a si mesmos
    enquanto lutavam pela pedra,
  43. deixando-o fugir do combate.
  44. Para a terceira tarefa,

  45. Jasão finalmente se encontrou
    cara a cara com o guardião do velocino.
  46. Escapando de suas garras afiadas
    e de seu sopro abrasador,
  47. Jasão subiu na árvore e borrifou no dragão
    uma poção de aroma doce.
  48. Quando a melodia dos encantamentos
    de Medeia chegou aos ouvidos dele,
  49. e a poção atingiu os olhos,
  50. o dragão mergulhou em um sono profundo.
  51. Eufórico, Jasão subiu
    até ao topo do carvalho mais alto
  52. e retirou o velocino reluzente
    do ramo em que estava pendurado.
  53. Quando o rei viu o herói fugindo,

  54. não só com o velocino,
    mas também com a filha,
  55. percebeu que havia sido traído.
  56. Furioso, enviou um exército
    liderado pelo filho Absirto,
  57. para recuperar o prêmio roubado
    e levar para casa a filha conivente.
  58. Mas todos os personagens dessa história

  59. haviam subestimado a crueldade
    desses apaixonados desonrados.
  60. Para o horror dos deuses,
  61. Jasão matou Absirto
    a sangue frio com sua espada.
  62. Medeia o ajudou a espalhar
    os pedaços do corpo pela costa,
  63. distraindo o pai aflito
    enquanto os Argonautas escapavam.
  64. Quando Cólquida e seus perseguidores
    desapareciam no horizonte,

  65. fez-se um silêncio solene a bordo do Argo.
  66. Jasão podia agora retornar
    vitorioso à Tessália,
  67. mas seu ato terrível
    havia manchado a honra da tripulação
  68. e virado os deuses contra eles.
  69. Fustigada por ventos hostis,
  70. a tripulação naufragada chegou
    à ilha da feiticeira Circe.
  71. Medeia implorou à tia
    que os absolvesse das maldades,
  72. mas as ações sangrentas
    não são esquecidas facilmente,
  73. e os heróis mortos em combate
    não se redimem tão rapidamente.