Return to Video

Uma antiga rocha sugere uma nova teoria sobre a origem da vida

  • 0:01 - 0:05
    A Terra tem 4600 milhões de anos,
  • 0:06 - 0:11
    mas a vida duma pessoa, em geral,
    dura menos de 100 anos.
  • 0:11 - 0:14
    Porque é que nos preocupamos
    com a história do nosso planeta
  • 0:15 - 0:19
    quando o passado distante
    parece tão inconsequente
  • 0:19 - 0:21
    para a nossa vida diária?
  • 0:21 - 0:23
    Tanto quanto podemos dizer,
  • 0:23 - 0:26
    a Terra é o único planeta
    no nosso sistema solar,
  • 0:26 - 0:29
    conhecido por ter criado vida
  • 0:29 - 0:34
    e o único sistema capaz
    de sustentar a vida humana.
  • 0:35 - 0:37
    Mas porquê a Terra?
  • 0:37 - 0:40
    Sabemos que a Terra é única
    por ter placas tectónicas,
  • 0:40 - 0:42
    água líquida à superfície
  • 0:42 - 0:44
    e uma atmosfera rica em oxigénio.
  • 0:44 - 0:47
    Mas nem sempre foi assim.
  • 0:47 - 0:52
    Sabemos isso porque rochas antigas
    registaram momentos fundamentais
  • 0:52 - 0:55
    na história da evolução do planeta Terra.
  • 0:56 - 0:59
    Um dos melhores locais
    para observar estas rochas antigas
  • 0:59 - 1:02
    é em Pilbara na Austrália Ocidental.
  • 1:03 - 1:08
    As rochas aqui têm 3500 milhões de anos,
  • 1:08 - 1:12
    e contêm algumas das provas
    mais antigas de vida no planeta.
  • 1:13 - 1:16
    Quando pensamos na vida primitiva,
  • 1:16 - 1:19
    talvez imaginemos um estegossauro
  • 1:19 - 1:23
    ou talvez um peixe
    arrastando-se em terra firme.
  • 1:23 - 1:26
    Mas a vida primitiva de que falo
  • 1:26 - 1:30
    é uma vida simples, microscópica,
    como as bactérias.
  • 1:30 - 1:32
    E os seus fósseis estão,
    muitas vezes, preservados
  • 1:32 - 1:34
    em estruturas de camadas rochosas,
  • 1:34 - 1:36
    chamadas estromatólitos.
  • 1:37 - 1:42
    Esta simples forma de vida é quase
    tudo o que vemos no registo fóssil
  • 1:42 - 1:46
    nos primeiros 3000 milhões
    de anos de vida na Terra.
  • 1:46 - 1:50
    A nossa espécie só é
    detetada no registo fóssil
  • 1:50 - 1:52
    há poucas centenas de milhares de anos.
  • 1:52 - 1:54
    Sabemos, pelo registo fóssil,
  • 1:54 - 1:58
    que a vida das bactérias
    tinha já uma forte posição
  • 1:58 - 2:02
    há cerca de 3500 a 4000 milhões de anos.
  • 2:03 - 2:06
    As rochas mais antigas do que isso
    ou foram destruídas
  • 2:06 - 2:09
    ou profundamente deformadas
    pelas placas tectónicas.
  • 2:10 - 2:12
    A peça que falta neste "puzzle"
  • 2:12 - 2:17
    é exatamente quando e como
    começou a vida na Terra.
  • 2:19 - 2:23
    Mais uma vez aparece aquela antiga
    paisagem vulcânica no Pilbara.
  • 2:23 - 2:28
    Mal eu sabia que a nossa investigação
    aqui ia fornecer outra pista
  • 2:28 - 2:31
    a esse "puzzle" da origem da vida.
  • 2:31 - 2:33
    Foi na minha primeira viagem
    aqui no terreno
  • 2:33 - 2:37
    no final de um projeto de mapeamento
    que durou uma longa semana,
  • 2:37 - 2:41
    que eu encontrei uma coisa muito especial.
  • 2:41 - 2:45
    O que provavelmente parece
    um conjunto de antigas rochas enrugadas
  • 2:45 - 2:47
    são estromatólitos.
  • 2:47 - 2:51
    E no centro deste monte
    estava uma pequena rocha, peculiar
  • 2:51 - 2:54
    com o tamanho da mão duma criança.
  • 2:54 - 2:59
    Passaram-se seis meses até inspecionarmos
    esta rocha ao microscópio,
  • 2:59 - 3:02
    quando um dos meus mentores
    na época, Malcolm Walter,
  • 3:02 - 3:06
    sugeriu que a rocha parecia geiserite.
  • 3:06 - 3:10
    A geiserite é uma rocha que só se forma
  • 3:10 - 3:14
    dentro ou à volta de nascentes quentes.
  • 3:14 - 3:18
    Para compreenderem
    o significado da geiserite,
  • 3:18 - 3:22
    preciso de vos fazer recuar
    quase dois séculos.
  • 3:24 - 3:28
    Em 1871, numa carta
    ao seu amigo Joseph Hooker,
  • 3:28 - 3:30
    Charles Darwin sugeria:
  • 3:30 - 3:34
    "E se a vida começou
    nalguma pequena lagoa quente
  • 3:34 - 3:36
    "com todo o tipo de químicos
  • 3:36 - 3:41
    "já pronta para sofrer
    mudanças mais complexas?"
  • 3:41 - 3:44
    Conhecemos pequenas lagoas quentes,
    chamamos-lhe "nascentes quentes".
  • 3:44 - 3:47
    Nestes ambientes, temos água quente
  • 3:47 - 3:50
    que dissolve minerais
    das rochas subjacentes.
  • 3:50 - 3:55
    Esta solução mistura-se
    com compostos orgânicos
  • 3:55 - 3:58
    e resulta numa espécie de fábrica química
  • 3:58 - 4:04
    que os investigadores mostraram poder
    fabricar simples estruturas celulares
  • 4:04 - 4:07
    que são os primeiros passos para a vida.
  • 4:07 - 4:10
    Cem anos depois da carta de Darwin,
  • 4:10 - 4:14
    descobriram-se fontes hidrotérmicas
    no fundo do mar.
  • 4:14 - 4:16
    E também são fábricas químicas.
  • 4:16 - 4:20
    Esta aqui está situada ao longo
    do arco vulcânico Tonga,
  • 4:20 - 4:24
    a 1100 metros abaixo do nível do mar
    no Oceano Pacífico.
  • 4:26 - 4:29
    O fumo negro que vemos a sair
    destas estruturas parecidas com chaminés,
  • 4:29 - 4:31
    também é um fluido rico em minerais,
  • 4:31 - 4:34
    que está a ser alimentado por bactérias.
  • 4:35 - 4:38
    Desde a descoberta destas fontes
    no mar profundo,
  • 4:38 - 4:42
    o cenário favorito para a origem da vida
    tem sido no oceano.
  • 4:42 - 4:44
    E isso por uma boa razão:
  • 4:45 - 4:47
    as fontes do mar profundo
    são bem conhecidas
  • 4:47 - 4:49
    no registo das rochas antigas.
  • 4:49 - 4:52
    Pensa-se que a Terra primitiva
    tinha um oceano global
  • 4:52 - 4:54
    e muito pouca superfície terrestre.
  • 4:54 - 4:57
    A probabilidade
    de as fontes do fundo do mar
  • 4:57 - 4:59
    serem abundantes na Terra primitiva
  • 4:59 - 5:03
    encaixa bem com a origem da vida
    no oceano.
  • 5:04 - 5:06
    Contudo...
  • 5:07 - 5:11
    a nossa investigação no Pilbara
    proporciona e apoia
  • 5:11 - 5:13
    uma perspetiva alternativa.
  • 5:14 - 5:19
    Ao fim de três anos, pudemos
    mostrar que, de facto,
  • 5:20 - 5:23
    a nossa pequena rocha era geiserite.
  • 5:23 - 5:27
    Esta conclusão sugeria
    que não só existiam fontes quentes
  • 5:27 - 5:31
    no nosso vulcão em Pilbara,
    com 3500 milhões de anos,
  • 5:31 - 5:38
    mas apontava para indícios de vida
    em terra, em fontes quentes
  • 5:38 - 5:40
    no registo geológico da Terra
  • 5:40 - 5:44
    em 3000 milhões de anos.
  • 5:45 - 5:48
    Assim, numa perspetiva geológica,
  • 5:48 - 5:51
    a pequena lagoa quente de Darwin,
  • 5:51 - 5:56
    é uma candidata razoável
    para a origem da vida.
  • 5:57 - 6:01
    Claro que continua a ser discutível
    como a vida começou na Terra
  • 6:01 - 6:03
    e provavelmente sempre será.
  • 6:03 - 6:06
    Mas é óbvio que floresceu;
  • 6:06 - 6:09
    diversificou-se e tornou-se
    cada vez mais complexa.
  • 6:10 - 6:13
    Por fim, chegou à era do ser humano,
  • 6:13 - 6:17
    uma espécie que começou
    a questionar a sua própria existência
  • 6:17 - 6:20
    e a existência da vida noutros locais.
  • 6:21 - 6:24
    Haverá uma comunidade cósmica
    à espera de comunicar connosco
  • 6:24 - 6:27
    ou só nós é que existimos?
  • 6:27 - 6:32
    Uma pista para este "puzzle"
    provém do registo das rochas antigas.
  • 6:32 - 6:35
    Há cerca de 2500 milhões de anos,
  • 6:35 - 6:40
    há indícios de as bactérias
    terem começado a produzir oxigénio,
  • 6:40 - 6:42
    tal como as plantas fazem hoje.
  • 6:42 - 6:44
    Os geólogos referem-se
    ao período que se seguiu
  • 6:44 - 6:47
    como a Grande Oxidação.
  • 6:48 - 6:52
    Deduz-se das rochas chamadas
    "formações ferríferas bandadas",
  • 6:52 - 6:56
    muitas das quais podem ser observadas
    como conjuntos de rochas
  • 6:56 - 6:57
    com centenas de metros de espessura
  • 6:57 - 7:00
    que estão expostas em desfiladeiros
  • 7:00 - 7:03
    que existem no Parque Nacional Karijini
  • 7:03 - 7:05
    na Austrália Ocidental.
  • 7:05 - 7:10
    A chegada do oxigénio livre permitiu
    duas importantes mudanças no planeta.
  • 7:10 - 7:13
    Primeiro, permitiu que evoluísse
    uma vida complexa.
  • 7:13 - 7:17
    A vida precisa de oxigénio
    para crescer e ficar mais complexa.
  • 7:18 - 7:21
    E produziu a camada de ozono
    que protege a vida moderna
  • 7:21 - 7:25
    dos efeitos prejudiciais
    das radiações ultravioletas do sol.
  • 7:25 - 7:28
    Portanto, numa reviravolta irónica,
    a vida microbiológica abriu caminho
  • 7:28 - 7:30
    à vida complexa,
  • 7:30 - 7:34
    e, na essência, abdicou do seu reinado
    de 3000 milhões de anos, no planeta.
  • 7:35 - 7:39
    Hoje, nós, seres humanos,
    escavamos a vida complexa fossilizada
  • 7:39 - 7:41
    e queimamo-la como combustível.
  • 7:41 - 7:46
    Esta prática atira grande quantidade
    de dióxido de carbono para a atmosfera
  • 7:46 - 7:48
    e, tal como os nossos antepassados
    microbianos,
  • 7:48 - 7:52
    começámos a fazer mudanças
    substanciais no nosso planeta.
  • 7:53 - 7:55
    Os efeitos dessas mudanças
  • 7:55 - 7:58
    são acompanhados
    por um aquecimento global.
  • 7:59 - 8:04
    Infelizmente, esta reviravolta irónica
    pode ver a morte da Humanidade.
  • 8:04 - 8:08
    Talvez a razão por que não encontramos
    vida em parte alguma,
  • 8:09 - 8:11
    vida inteligente em parte alguma
  • 8:11 - 8:13
    é que, depois de ela evoluir,
  • 8:13 - 8:16
    rapidamente se extingue.
  • 8:16 - 8:18
    Se as rochas falassem,
  • 8:18 - 8:21
    suspeito que podiam dizer isto:
  • 8:22 - 8:25
    A vida na Terra é preciosa.
  • 8:27 - 8:31
    É o produto de 4000 milhões
    de anos, ou mais,
  • 8:31 - 8:36
    de uma evolução conjunta,
    delicada e complexa,
  • 8:36 - 8:38
    entre a vida e a Terra,
  • 8:39 - 8:41
    de que os seres humanos
    apenas representam
  • 8:41 - 8:44
    a última fase do tempo.
  • 8:45 - 8:49
    Podemos usar estas informações
    como um guia ou uma previsão
  • 8:50 - 8:53
    ou como uma explicação
    para a vida parecer tão solitária
  • 8:53 - 8:56
    nesta parte da galáxia.
  • 8:57 - 9:01
    Mas usemo-las para ter uma perspetiva
  • 9:01 - 9:06
    quanto ao legado
    que queremos deixar
  • 9:06 - 9:11
    no planeta a que chamamos o nosso lar.
  • 9:12 - 9:13
    Obrigada.
  • 9:13 - 9:16
    (Aplausos)
Title:
Uma antiga rocha sugere uma nova teoria sobre a origem da vida
Speaker:
Tara Djokic
Description:

Quando e onde começou a vida na Terra? Os cientistas há muito que pensam que ela surgiu há 3000 milhões de anos no oceano — até que a astrobióloga Tara Djokic e a sua equipa fizeram uma descoberta inesperada no deserto da Austrália ocidental. Saibam como uma antiga rocha encontrada perto duma poça vulcânica quente está a mudar a nossa compreensão do "puzzle" da origem da vida.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
09:30

Portuguese subtitles

Revisions Compare revisions