YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtitles

← A paz no mundo começa em nós mesmos | Mari Arimitsu | TEDxOhyunHighSchool

Get Embed Code
14 Languages

Showing Revision 8 created 01/12/2017 by Gustavo Rocha.

  1. No último curso de meu programa
    de pós-grraduação,
  2. nós criamos uma campanha on-line
    em vídeo sobre tráfico de pessoas.
  3. Meu professor, na época, disse:
  4. "Vocês não vão mudar
    o mundo com esse projeto,
  5. mas vão adicionar uma colher de açúcar
    num oceano salgado para adoçá-lo".
  6. Vocês podem pensar que a paz começa
    com presidentes, primeiros-ministros,
  7. e líderes de alguns países
    apertando as mãos,
  8. ou as Nações Unidas e ONGs
    trabalhando incansavelmente
  9. em campos menos desenvolvidos
    para os mais pobres dos pobres.
  10. Eu pensava o mesmo, antes
    de começar minha pós-graduação.
  11. Mas hoje vocês vão aprender que a paz,
    na verdade, começa com vocês.
  12. Eu vim para a Coreia do Sul
    para realizar minha pesquisa de campo
  13. sobre "mulheres de conforto".
  14. "Mulheres de conforto" é um eufemismo
    cunhado pelo Exército Imperial japonês
  15. antes e durante a Segunda Guerra Mundial.
  16. Eram mulheres forçadas
    pelo exército à escravidão sexual
  17. e a maioria delas é daqui,
    da Coreia do Sul.
  18. Mas também há sobreviventes
    da China, Taiwan, Indonésia e Filipinas.
  19. Quando contei aos meus amigos
    e à minha família no Japão
  20. que eu iria pesquisar a questão
    das mulheres de conforto,
  21. eles disseram: "Você vai lidar
    com uma questão muito difícil".
  22. Perguntei à minha mãe
    por quê, e ela disse:
  23. "Eu entendo que o exército japonês
    fez algo terrível no passado,
  24. mas isso é algo embaraçoso
    e nenhum de nós quer tocar nisso".
  25. Muitos de vocês provavelmente
    ouviram no ano passado
  26. que o governo do Japão
    e da Coreia do Sul fizeram um acordo
  27. sobre a questão das mulheres de conforto.
  28. Nesse acordo, o governo do Japão
    vai pagar 1 bilhão de ienes
  29. a uma fundação que o governo sul-coreano
  30. vai criar para oferecer
    serviços de saúde e outros
  31. para as ex-mulheres de conforto idosas.
  32. Além disso, o governo japonês solicitou
  33. a remoção da estátua em frente
    à embaixada japonesa,
  34. que presta tributo
    às mulheres de conforto,
  35. dizendo que o acordo foi feito
    para que futuras gerações
  36. não precisem continuar se desculpando.
  37. Ao contrário, acredito
    que a estátua não deve ser removida
  38. e a questão das mulheres de conforto
    deve continuar sendo discutida
  39. e transmitida para futuras gerações
    para que a história não se repita.
  40. Violência sexual e baseada em gênero
    não é algo que aconteceu só no passado,
  41. mas é algo que também se prolifera
    na vida cotidiana moderna.
  42. As mulheres estão sofrendo
    desproporcionalmente
  43. porque normalmente a violência
    é dirigida a gênero
  44. em ataques como estupro
    e violência doméstica.
  45. De acordo com a Organização
    Mundial da Saúde,
  46. uma em cada três mulheres em todo o mundo
  47. sofre de abuso físico
    ou sexual durante a vida.
  48. Aqui na Coreia do Sul, o número
    de ataques sexuais está aumentando.
  49. No entanto, um especialista diz
    que o número é só a ponta do iceberg,
  50. já que muitas mulheres não denunciam
  51. pois têm medo de serem atacadas novamente.
  52. A situação no Japão é muito similar.
  53. Muitas vítimas de ataques
    não querem denunciar
  54. pois se sentem
    envergonhadas ou insultadas.
  55. Sociedades patriarcais centralizadas
    nos homens tornam difícil falar
  56. sobre a experiência de ataques sexuais.
  57. Porque ser atacada sexualmente também
    reforça um estigma da nossa sociedade.
  58. Eu verdadeiramente admiro todas
    as mulheres coreanas que denunciaram
  59. e começaram a falar
    sobre suas experiências dolorosas
  60. como mulheres de conforto.
  61. Nós podemos apenas imaginar como é difícil
  62. falar em público sobre essas experiências,
  63. tendo sido estupradas repetidamente
    por soldados japoneses
  64. sem nunca receberem cuidados,
    mesmo que ficassem doentes.
  65. Muitas mulheres também foram
    abandonadas e mortas ao final da guerra.
  66. As mulheres de conforto sobreviventes
  67. ainda estão lutando por seus direitos
    e pela restauração da sua dignidade.
  68. E algumas sobreviventes estão participando
  69. na demonstração semanal
  70. em frente à embaixada japonesa
  71. pedindo que o governo japonês
  72. assuma a responsabilidade
    legal pela causa delas.
  73. Como trabalho final do meu curso
  74. queríamos criar
    uma campanha on-line em vídeo
  75. para causar impacto
    visual nos espectadores.
  76. Junto com minhas colegas
    Arunima, Caroline e Rebekka,
  77. queríamos aumentar a consciência
    sobre o tráfico de crianças.
  78. Esse foi nosso esforço
    para adoçar um pouco o oceano.
  79. [Vídeo]
  80. (Toque de despertador)
  81. (Fritura)
  82. (Raspando)
  83. [De acordo com a Organização
    Internacional do Trabalho,
  84. aproximadamente 17,2 milhões de crianças
  85. estão em situação de escravidão
    doméstica em todo o mundo.]
  86. [Crianças a partir de cinco anos.]
  87. [Isso acontece em todo o mundo.]
  88. [Você pode ser parte da solução!]
  89. Mari Arimitsu: A escravidão
    doméstica infantil
  90. é uma forma de escravidão moderna.
  91. Milhões de crianças ao redor do mundo
    são traficadas para a escravidão
  92. com uma falsa promessa
    de educação e uma vida melhor.
  93. Muitas dessas crianças
    trabalham até 18 horas por dia.
  94. Muitas vezes sem serem pagas.
  95. O mundo dará as costas
    a essas crianças exploradas
  96. a não ser que alguém tenha a coragem
  97. de questionar essa prática
    e sua moralidade.
  98. Mesmo assim, mudanças em culturas e leis,
  99. suficientes para interromper
    o tráfico de crianças
  100. ocorrerão lentamente.
  101. Vejam por exemplo a questão
    das mulheres de conforto:
  102. muitas delas tinham apenas 12 anos
  103. quando foram forçadas à escravidão sexual.
  104. Elas não podiam falar
    sobre suas experiências
  105. na sociedade fortemente patriarcal.
  106. Mas com a democratização
    da Coreia do Sul e o movimento feminista
  107. elas começaram a falar publicamente
    pela primeira vez na década de 90.
  108. Foi quando abriram a porta que permitiu
    que o tabu sobre as mulheres de conforto
  109. se tornasse uma questão discutida
    na Coreia do Sul, no Japão,
  110. e no resto do mundo.
  111. Meu trabalho começou por curiosidade.
  112. Eu tinha muitas perguntas.
  113. Por que mulheres idosas
    ainda estão lutando
  114. por seus direitos e pela restauração
    da sua dignidade?
  115. Como e por que os Estados Unidos
    têm uma parte na obtenção desse acordo?
  116. Quem realmente tem poder neste mundo?
  117. Minha esperança é também colocar
    uma colher de açúcar nesse oceano salgado.
  118. Eu gostaria de encontrar uma forma
    apropriada de honrar a vida das mulheres,
  119. não só das sobreviventes idosas,
    mas também das muitas jovens
  120. que foram abandonadas e mortas
  121. no campo de batalha fora de seu país.
  122. Com isso, acredito
    que podemos falar melhor
  123. sobre a violência sexual e de gênero
    que predomina em nossos países.
  124. Então, sejamos curiosos
    sobre a exploração no mundo atual.
  125. Vamos questionar por que o mundo
    está da forma que está.
  126. Por que alguns países são ricos
    e poderosos e outros não?
  127. Por que algumas populações
    estão sendo discriminadas?
  128. Por que algumas pessoas executam
    determinados trabalhos em sua comunidade?
  129. Por que não há mulheres
    nas salas de reunião?
  130. Por que sua amiga sofre
    "bullying" na sala de aula?
  131. E então estenda sua mão às pessoas
    que precisam da sua ajuda.
  132. Sua ajuda pode ser tão pequena
    como uma colher de açúcar.
  133. Mas se muitos de nós fizermos isso,
    acho que podemos mudar o mundo.
  134. Então você verá que a paz
    realmente começa em você mesmo.
  135. Muito obrigada.
  136. (Aplausos)