Return to Video

Vamos fazer o mundo voltar a ser selvagem

  • 0:01 - 0:05
    Eu e os meus irmãos crescemos
    na quinta do nosso avô,
  • 0:05 - 0:06
    na Califórnia.
  • 0:07 - 0:10
    Era a paisagem da nossa
    família e da nossa casa.
  • 0:10 - 0:13
    Quando ficou claro
    que ninguém na nossa geração
  • 0:13 - 0:16
    queria assumir
    o pesado fardo da agropecuária,
  • 0:16 - 0:19
    a quinta foi vendida a um vizinho.
  • 0:19 - 0:22
    A âncora das nossas vidas foi cortada,
  • 0:22 - 0:26
    e sentimo-nos à deriva
    na ausência daquela terra.
  • 0:26 - 0:30
    Pela primeira vez, eu percebi
  • 0:31 - 0:34
    que algo valioso
    pode ser mais bem compreendido
  • 0:34 - 0:37
    não pela sua presença,
  • 0:37 - 0:39
    mas pela sua ausência.
  • 0:40 - 0:42
    Era impossível saber então
  • 0:42 - 0:47
    quão poderosa é a ausência
    das coisas que amamos
  • 0:47 - 0:51
    e que teria um impacto no meu futuro.
  • 0:52 - 0:56
    Durante 23 anos, a minha vida profissional
    esteve com Yvon Chouinard.
  • 0:56 - 0:59
    Comecei quando ele estava
    a desenhar e a fabricar
  • 0:59 - 1:01
    equipamento técnico
    de escalada em rocha e gelo
  • 1:01 - 1:04
    num barracão de lata perto
    da via-férrea de Ventura.
  • 1:04 - 1:07
    Quando Yvon decidiu
    começar a fazer roupas para alpinistas
  • 1:07 - 1:10
    e chamar Patagónia a este negócio,
  • 1:10 - 1:13
    tornei-me numa das primeiras
    seis colaboradoras,
  • 1:13 - 1:15
    e, mais tarde, diretora executiva,
  • 1:15 - 1:18
    e ajudei a construir uma empresa
  • 1:18 - 1:22
    onde criar os melhores produtos
    e fazer o bem pelo mundo
  • 1:22 - 1:24
    era mais do que um mero slogan.
  • 1:24 - 1:29
    Doug Tompkins, que viria a ser
    meu marido, anos mais tarde,
  • 1:29 - 1:33
    era um velho amigo
    e companheiro de escalada de Yvon
  • 1:33 - 1:35
    e também um empresário.
  • 1:36 - 1:39
    Foi um dos fundadores das empresas
    The North Face e Esprit.
  • 1:39 - 1:41
    Todas estas três empresas
  • 1:41 - 1:45
    foram criadas por pessoas
    que tinha crescido durante os anos 60,
  • 1:45 - 1:48
    modeladas pelos movimentos
    dos direitos civis, contra a guerra,
  • 1:48 - 1:50
    pessoas feministas e pacifistas.
  • 1:50 - 1:54
    E esses valores
    foram aprendidos naqueles anos
  • 1:54 - 1:58
    e transportados
    pelos valores dessas empresas.
  • 1:58 - 2:00
    No final dos anos 80,
  • 2:00 - 2:02
    Doug decidiu deixar
    completamente o negócio
  • 2:02 - 2:06
    e consagrar o último terço da sua vida
    àquilo a que chamou
  • 2:06 - 2:08
    "pagar a renda por viver no planeta."
  • 2:08 - 2:12
    Quase ao mesmo tempo,
    quando cheguei aos 40 anos,
  • 2:12 - 2:16
    eu estava pronta para fazer algo
    completamente novo na minha vida.
  • 2:16 - 2:19
    No dia seguinte a ter-me
    aposentado da empresa Patagónia,
  • 2:19 - 2:24
    viajei 9600 quilómetros até à Patagónia
  • 2:24 - 2:30
    e juntei-me a Doug que iniciava
    o primeiro projeto de conservação
  • 2:30 - 2:32
    desse terço da sua vida.
  • 2:32 - 2:36
    Ali estávamos nós, refugiados
    do mundo empresarial,
  • 2:36 - 2:39
    enfiados numa cabana
    na costa no sul do Chile,
  • 2:39 - 2:41
    rodeados de florestas tropicais primitivas
  • 2:41 - 2:44
    onde os ciprestes-da-patagónia
    podem viver milhares de anos.
  • 2:44 - 2:47
    Estávamos no meio
    de uma grande área selvagem
  • 2:47 - 2:51
    que forma um dos dois únicos vazios
    na autoestrada Pan-Americana,
  • 2:51 - 2:54
    entre Fairbanks, Alasca, e Cape Horn.
  • 2:54 - 2:57
    Uma mudança radical na nossa vida diária
  • 2:57 - 2:59
    estimulou-nos enquanto
    começávamos a reconhecer
  • 2:59 - 3:02
    como a beleza e a diversidade
    estavam a ser destruídas
  • 3:02 - 3:04
    em quase todo o lado.
  • 3:04 - 3:07
    Os últimos lugares selvagens
    protegidos na Terra
  • 3:07 - 3:09
    ainda eram selvagens
  • 3:09 - 3:13
    principalmente porque as implacáveis
    linhas de frente do desenvolvimento
  • 3:13 - 3:15
    ainda não tinham lá chegado.
  • 3:15 - 3:18
    O Doug e eu estávamos numa das áreas
    mais remotas do planeta,
  • 3:18 - 3:21
    e ainda na área periférica
    do Parque Pumalín,
  • 3:21 - 3:24
    o nosso primeiro esforço de conservação,
  • 3:24 - 3:28
    a aquicultura industrial
    estava a crescer como uma doença maligna.
  • 3:28 - 3:32
    Em pouco tempo, outras ameaças
    chegaram à região da Patagónia.
  • 3:32 - 3:36
    A extração de ouro, os projetos
    de barragens em rios intocados
  • 3:36 - 3:38
    e outros conflitos.
  • 3:38 - 3:44
    A vibração do enorme crescimento
    económico mundial
  • 3:44 - 3:48
    podia ser ouvida até nas maiores
    altitudes de Cone Sul.
  • 3:49 - 3:54
    Eu sei que o progresso é visto,
    geralmente, em termos muito positivos,
  • 3:54 - 3:57
    como uma espécie de evolução
    cheia de esperança.
  • 3:58 - 4:00
    Mas de onde estávamos,
  • 4:00 - 4:03
    víamos o lado negro
    do crescimento industrial
  • 4:03 - 4:08
    E quando as visões do mundo industrial
    são aplicadas aos sistemas naturais
  • 4:08 - 4:11
    que sustentam toda a vida,
  • 4:11 - 4:13
    começamos a tratar a Terra
  • 4:13 - 4:18
    como uma fábrica que produz todas
    as coisas que pensamos precisar.
  • 4:19 - 4:22
    Como dolorosamente todos sabemos,
  • 4:22 - 4:27
    as consequências dessa visão do mundo
    são destrutivas para o bem-estar humano,
  • 4:27 - 4:31
    para os nossos sistemas climáticos
    e para a vida selvagem.
  • 4:31 - 4:34
    Doug chamava-lhe o preço do progresso.
  • 4:34 - 4:36
    Era assim que víamos as coisas,
  • 4:36 - 4:39
    e queríamos fazer parte da resistência,
  • 4:39 - 4:42
    contrariando todas essas tendências.
  • 4:42 - 4:45
    A ideia de comprar terrenos privados
    e, em seguida, doá-los
  • 4:45 - 4:47
    para se criarem parques nacionais
  • 4:47 - 4:48
    não é novidade.
  • 4:48 - 4:54
    Qualquer um que já tenha apreciado a vista
    do Parque Nacional de Teton, no Wyoming,
  • 4:54 - 4:57
    ou acampado no Parque Nacional
    da Acadia, no Maine
  • 4:57 - 5:00
    beneficiou desta ótima ideia.
  • 5:00 - 5:02
    Através da Fundação da nossa família,
  • 5:02 - 5:07
    começámos a adquirir "habitats"
    de vida selvagem no Chile e na Argentina.
  • 5:07 - 5:10
    Como acreditávamos
    na biologia de conservação,
  • 5:10 - 5:14
    estávamos a apostar no grande,
    no selvagem e no conectado,
  • 5:14 - 5:17
    nalguns casos,
    áreas que eram primitivas,
  • 5:17 - 5:19
    e outras que precisavam
    de tempo para sarar,
  • 5:20 - 5:22
    que precisavam de se tornar
    selvagens novamente.
  • 5:22 - 5:25
    Por fim, comprámos
    mais de 800 mil hectares
  • 5:25 - 5:27
    a vendedores dispostos a vender,
  • 5:27 - 5:31
    reunindo-os em áreas protegidas
    e com uma gestão privada,
  • 5:31 - 5:36
    enquanto se construíam infraestruturas
    como acampamentos e trilhos
  • 5:36 - 5:39
    para uso futuro do público em geral.
  • 5:39 - 5:41
    Todos eram bem-vindos.
  • 5:41 - 5:44
    O nosso objetivo
    era doar todas essas terras
  • 5:44 - 5:46
    sob a forma de novos parques nacionais.
  • 5:46 - 5:52
    Pode-se descrever isto
    como uma espécie de jiu-jitsu capitalista.
  • 5:53 - 5:57
    Mobilizámos riqueza privada
    da nossa vida empresarial
  • 5:59 - 6:02
    e utilizámo-la para proteger a Natureza
  • 6:02 - 6:07
    de ser devorada pela economia mundial.
  • 6:08 - 6:09
    Soava-nos bem,
  • 6:09 - 6:12
    mas no início dos anos 90 no Chile,
  • 6:12 - 6:15
    onde a filantropia de terras selvagens
    — que foi como lhe chamámos —
  • 6:15 - 6:17
    era completamente desconhecida,
  • 6:17 - 6:21
    enfrentámos uma tremenda desconfiança,
  • 6:21 - 6:24
    e a hostilidade de muitos setores.
  • 6:24 - 6:25
    Ao longo do tempo,
  • 6:25 - 6:28
    em grande parte porque fizemos
    o que dissemos que íamos fazer,
  • 6:28 - 6:30
    começámos a conquistar as pessoas.
  • 6:31 - 6:33
    Nos últimos 27 anos,
  • 6:33 - 6:37
    protegemos de forma permanente
    quase 6 milhões de hectares
  • 6:37 - 6:39
    de floresta tropical temperada,
  • 6:39 - 6:42
    pastagens naturais da Patagónia,
  • 6:42 - 6:43
    zonas costeiras,
  • 6:43 - 6:45
    zonas húmidas de água doce,
  • 6:45 - 6:48
    e criámos 13 novos parques nacionais.
  • 6:48 - 6:51
    Tudo formado pelas nossas doações de terra
  • 6:51 - 6:55
    e terras federais
    adjacentes a esses territórios.
  • 6:55 - 6:59
    Após a morte de Doug,
    na sequência de um acidente de caiaque
  • 6:59 - 7:00
    há quatro anos,
  • 7:01 - 7:04
    o poder da ausência apareceu de novo.
  • 7:04 - 7:09
    Mas nós na Tompkins Conservation
    reconhecemos a nossa perda
  • 7:09 - 7:11
    e acelerámos os nossos esforços.
  • 7:11 - 7:17
    Entre eles, em 2018, a criação
    de novos parques nacionais marinhos
  • 7:17 - 7:20
    cobrindo cerca de 10 milhões de hectares
  • 7:20 - 7:22
    no sul do Oceano Atlântico.
  • 7:22 - 7:26
    Sem pesca comercial
    ou extração de qualquer tipo.
  • 7:26 - 7:31
    Em 2019, concluímos a maior
    doação de terras privadas da história,
  • 7:31 - 7:35
    quando os últimos 400 mil hectares
    de terras de conservação no Chile
  • 7:35 - 7:37
    passaram para o governo.
  • 7:37 - 7:40
    Uma parceria público-privada
  • 7:40 - 7:44
    que criou cinco novos parques nacionais
    e ampliou outros três.
  • 7:44 - 7:48
    Isto acabou por ser
    uma área maior do que a Suíça.
  • 7:48 - 7:52
    Todos os nossos projetos
    são o resultado de parcerias.
  • 7:52 - 7:56
    Antes de mais nada, com os governos
    do Chile e da Argentina.
  • 7:57 - 7:59
    E isto requer uma liderança
  • 7:59 - 8:03
    que compreenda o valor da proteção
    das joias dos seus países,
  • 8:03 - 8:06
    não só por hoje, mas para o futuro.
  • 8:08 - 8:12
    Parcerias com filantropos de conservação
    que pensam da mesma maneira
  • 8:12 - 8:15
    tiveram um papel em tudo
    o que temos feito.
  • 8:15 - 8:18
    Há 15 anos, perguntámo-nos:
  • 8:18 - 8:20
    "Além de proteger a paisagem,
  • 8:20 - 8:26
    "o que temos de fazer para criar
    ecossistemas plenamente funcionais?"
  • 8:26 - 8:30
    E começámos a perguntar a nós próprios,
    onde quer que estivéssemos a trabalhar,
  • 8:30 - 8:32
    quem desapareceu,
  • 8:32 - 8:35
    que espécies tinham desaparecido
  • 8:35 - 8:39
    ou cujos números eram baixos e frágeis.
  • 8:39 - 8:41
    Também tivemos de perguntar:
  • 8:41 - 8:43
    "Como eliminamos a razão
  • 8:43 - 8:47
    "que motivou a extinção destas espécies?"
  • 8:47 - 8:49
    O que parece tão óbvio agora
  • 8:49 - 8:53
    foi para nós uma total revelação.
  • 8:54 - 8:59
    E mudou a natureza
    de tudo o que fazemos,
  • 9:00 - 9:01
    completamente.
  • 9:01 - 9:04
    A menos que todos
    os membros da comunidade
  • 9:04 - 9:06
    estejam presentes e a florescer,
  • 9:06 - 9:11
    é impossível deixarmos para trás
    ecossistemas em pleno funcionamento.
  • 9:11 - 9:16
    Desde então, temos reintroduzido
    com sucesso várias espécies nativas
  • 9:16 - 9:18
    nas zonas húmidas de Iberá:
  • 9:18 - 9:19
    papa-formigas gigantes,
  • 9:19 - 9:21
    veados-campeiros
  • 9:21 - 9:22
    porcos selvagens
  • 9:22 - 9:28
    e, finalmente, uma das mais difíceis,
    as araras-vermelhas,
  • 9:28 - 9:33
    que desapareceram durante
    mais de 100 anos neste ecossistema.
  • 9:33 - 9:37
    E hoje, elas estão de volta,
    a voar livremente, a dispersar sementes,
  • 9:37 - 9:40
    a levar a sua vida como o devem fazer.
  • 9:40 - 9:43
    O ponto alto destes esforços na Iberá
  • 9:43 - 9:47
    é devolver os superpredadores carnívoros
    ao seu devido lugar:
  • 9:47 - 9:50
    os jaguares em terra,
    as lontras-gigantes na água.
  • 9:50 - 9:55
    Vários anos de tentativa e erro
    produziram crias
  • 9:55 - 9:58
    que serão libertadas
  • 9:58 - 10:01
    pela primeira vez há mais de um século
  • 10:01 - 10:03
    nas zonas húmidas de Iberá,
  • 10:03 - 10:06
    e agora, os 600 mil hectares
    do Parque Iberá
  • 10:06 - 10:09
    vão proporcionar espaço suficiente
    para a recuperação
  • 10:09 - 10:13
    das populações de jaguares,
    com baixo risco de conflito
  • 10:13 - 10:15
    com os agricultores vizinhos.
  • 10:15 - 10:18
    Os projetos de recuperação
    da vida selvagem no Chile
  • 10:18 - 10:19
    estão a ter êxito,
  • 10:19 - 10:21
    aumentando os números
    de várias espécies fundamentais
  • 10:21 - 10:23
    na região da Patagónia.
  • 10:23 - 10:27
    O cervo sul andino que está quase extinto,
  • 10:27 - 10:28
    o nandu-de-darwin
  • 10:28 - 10:33
    e os pumas e raposas
    cuja população está a aumentar.
  • 10:34 - 10:38
    O poder do ausente
    não nos pode ajudar
  • 10:40 - 10:43
    se apenas nos levar
    à nostalgia ou ao desespero.
  • 10:45 - 10:47
    Pelo contrário,
  • 10:47 - 10:50
    só é útil se nos motivar
  • 10:50 - 10:55
    a trabalhar no sentido
    de trazer de volta o que desapareceu.
  • 10:55 - 10:58
    Claro, o primeiro passo
    para recuperar a vida selvagem
  • 10:58 - 11:01
    é, em primeiro lugar, ser capaz
    de imaginar que isso é possível,
  • 11:02 - 11:06
    que a abundância da vida selvagem
    assinalada nos registos
  • 11:06 - 11:10
    não são apenas histórias
    de alguns livros antigos empoeirados.
  • 11:12 - 11:14
    Conseguem imaginar isso?
  • 11:15 - 11:20
    Acreditam que o mundo
    pode ser ainda mais belo,
  • 11:20 - 11:22
    mais equitativo?
  • 11:23 - 11:25
    Eu consigo.
  • 11:25 - 11:27
    Porque já o vi.
  • 11:27 - 11:28
    Aqui está um exemplo.
  • 11:28 - 11:31
    Quando comprámos
    um dos maiores ranchos
  • 11:31 - 11:34
    no Chile e na Patagónia, em 2004,
  • 11:34 - 11:36
    ele tinha este aspeto.
  • 11:36 - 11:39
    Durante um século, esta terra tinha sido
    pastoreada em excesso pelo gado,
  • 11:39 - 11:42
    como a maioria das pastagens
    em todo o mundo.
  • 11:42 - 11:44
    A erosão do solo era galopante,
  • 11:44 - 11:47
    centenas de quilómetros de vedações
  • 11:47 - 11:53
    mantinham a vida selvagem
    e o seu fluxo, encurralados.
  • 11:53 - 11:56
    E isso era com a pouca
    vida selvagem que restava.
  • 11:56 - 12:00
    Os pumas e as raposas tinham sido
    perseguidos durante décadas
  • 12:00 - 12:02
    o que reduziu muito o seu número.
  • 12:02 - 12:08
    Hoje, essas terras são os 300 mil hectares
    de Parque Nacional da Patagónia,
  • 12:08 - 12:09
    e têm este aspeto.
  • 12:09 - 12:12
    Arcelio, o antigo gaúcho,
  • 12:12 - 12:17
    cujo trabalho nos últimos anos
    era encontrar e matar pumas,
  • 12:18 - 12:23
    é hoje o principal rastreador
    da equipa de vida selvagem do parque
  • 12:23 - 12:28
    e a sua história cativa a imaginação
    de pessoas de todo o mundo.
  • 12:28 - 12:30
    O que é possível.
  • 12:30 - 12:36
    Partilho estes pensamentos e imagens
    convosco não para me congratular
  • 12:36 - 12:38
    mas para fazer uma observação simples
  • 12:38 - 12:41
    e propor um desafio urgente.
  • 12:41 - 12:43
    Se a questão é a sobrevivência,
  • 12:43 - 12:48
    a sobrevivência da diversidade da vida
    e da dignidade humana
  • 12:48 - 12:51
    e comunidades humanas saudáveis,
  • 12:51 - 12:55
    então a resposta tem de incluir
    a recuperação da vida selvagem na Terra,
  • 12:56 - 12:59
    o mais possível
    e o mais depressa possível.
  • 13:00 - 13:04
    Todos têm um papel a desempenhar,
  • 13:04 - 13:08
    mas especialmente aqueles
    que têm o privilégio
  • 13:08 - 13:12
    do poder político,
  • 13:12 - 13:14
    da riqueza,
  • 13:14 - 13:19
    onde, sejamos francos,
    para o melhor e para o pior,
  • 13:19 - 13:22
    se joga o jogo de xadrez
    do nosso futuro.
  • 13:24 - 13:26
    Isto faz-nos chegar ao cerne da questão.
  • 13:27 - 13:31
    Estamos preparados para fazer o que é
    preciso para mudar o fim desta história?
  • 13:32 - 13:35
    As mudanças que o mundo tem sofrido
    nos últimos meses
  • 13:35 - 13:37
    para impedir a propagação da COVID-19
  • 13:37 - 13:39
    são, para mim, muito promissoras.
  • 13:39 - 13:44
    porque mostram que podemos unir forças
    em circunstâncias desesperadas.
  • 13:45 - 13:49
    O que estamos a passar agora
    poderá ser um precursor
  • 13:50 - 13:55
    dos danos potenciais mais vastos
    como resultado da crise climática.
  • 13:57 - 13:59
    Mas sem aviso, globalmente
  • 13:59 - 14:01
    estamos a aprender a trabalhar em conjunto
  • 14:01 - 14:04
    de formas que não
    podíamos ter imaginado.
  • 14:04 - 14:07
    Tendo visto jovens de todo o mundo
  • 14:07 - 14:09
    a levantar-se e a sair para a rua
  • 14:09 - 14:15
    para nos lembrar a nossa culpa
    e castigar-nos pela nossa inação
  • 14:15 - 14:17
    são aqueles que me inspiram.
  • 14:17 - 14:20
    Sei que já ouviram tudo isto antes.
  • 14:20 - 14:24
    Mas se alguma vez houve um momento
    para despertar para a realidade
  • 14:24 - 14:28
    de que tudo está interligado
    com tudo o resto,
  • 14:28 - 14:30
    esse momento é agora.
  • 14:30 - 14:33
    Toda a vida humana
    é afetada pelas ações
  • 14:33 - 14:37
    de qualquer outra vida humana
    em todo o mundo.
  • 14:37 - 14:42
    E o destino da humanidade
    está ligado à saúde do planeta.
  • 14:43 - 14:45
    Temos um destino comum.
  • 14:45 - 14:47
    Podemos florescer
  • 14:47 - 14:49
    ou podemos sofrer.
  • 14:50 - 14:52
    Mas vamos fazê-lo em conjunto.
  • 14:52 - 14:54
    A verdade é esta,
  • 14:54 - 14:59
    já ultrapassámos o ponto em que
    a ação individual é uma ação opcional.
  • 15:00 - 15:03
    Na minha opinião, é um imperativo moral
  • 15:03 - 15:06
    que cada um de nós
  • 15:06 - 15:10
    assuma o reimaginar
    do nosso lugar no círculo da vida.
  • 15:10 - 15:13
    Não no centro,
    mas como parte do todo.
  • 15:14 - 15:15
    Precisamos de nos lembrar
  • 15:15 - 15:19
    que o que fazemos
    reflete o que escolhemos ser.
  • 15:19 - 15:21
    Vamos criar uma civilização
  • 15:21 - 15:25
    que honre o valor intrínseco da vida.
  • 15:26 - 15:28
    Não importa quem seja,
  • 15:28 - 15:31
    não importa com o que
    se tenha de trabalhar,
  • 15:31 - 15:34
    sair da cama todas as manhãs,
  • 15:34 - 15:38
    e fazer algo que não tem nada
    a ver connosco.
  • 15:38 - 15:44
    Em vez disso, ter tudo a ver
    com aquelas coisas que amamos,
  • 15:44 - 15:48
    com as coisas que sabemos serem verdade.
  • 15:48 - 15:51
    Sermos alguém que imagina
    que o progresso humano
  • 15:51 - 15:54
    é algo que nos move para a plenitude.
  • 15:55 - 15:56
    Para a saúde.
  • 15:56 - 15:58
    Para a dignidade humana.
  • 15:59 - 16:01
    E sempre,
  • 16:01 - 16:03
    e para sempre,
  • 16:03 - 16:05
    para a beleza selvagem.
  • 16:06 - 16:08
    Obrigada.
Title:
Vamos fazer o mundo voltar a ser selvagem
Speaker:
Kristine Tompkins
Description:

A Terra, a humanidade e a Natureza estão inevitavelmente interligadas. Para recuperar a saúde de todos nós, precisamos de recuperar a vida selvagem do planeta, diz a ativista ambiental Kristine Tompkins. De diretora executiva da Patagónia a conservacionista apaixonada, partilha a forma como ajudou a estabelecer milhões de hectares de terra (e mar) em parques nacionais na América do Sul — e analisa o papel fundamental que todos temos a desempenhar na cura do planeta. "Temos um destino comum", diz ela. "Podemos florescer ou podemos sofrer, mas vamos fazê-lo juntos".

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
16:22

Portuguese subtitles

Revisions