Return to Video

Christopher McDougall: nós nascemos para correr?

  • 0:00 - 0:03
    Correr: é basicamente direita, esquerda, direita, esquerda, certo?
  • 0:03 - 0:05
    Nós fazemos isso por dois milhões de anos,
  • 0:05 - 0:08
    então é meio arrogante achar
  • 0:08 - 0:10
    que eu tenha algo a dizer
  • 0:10 - 0:13
    que ainda não foi dito ou feito melhor há muito tempo.
  • 0:13 - 0:15
    Mas o legal sobre correr, como eu descobri,
  • 0:15 - 0:17
    é que algo bizarro acontece
  • 0:17 - 0:19
    nesta atividade o tempo todo.
  • 0:19 - 0:22
    Exemplo: Há dois meses vocês viram a Maratona de Nova York,
  • 0:22 - 0:24
    eu garanto que vocês viram algo
  • 0:24 - 0:27
    que ninguém jamais viu antes.
  • 0:27 - 0:29
    Uma etíope chamada Derartu Tulu
  • 0:29 - 0:31
    aparece na linha de partida.
  • 0:31 - 0:33
    Ela tem 37 anos,
  • 0:33 - 0:35
    e ela não ganhava uma maratona de qualquer tipo há 8 anos,
  • 0:35 - 0:37
    e alguns meses antes
  • 0:37 - 0:39
    ela quase morreu durante o parto.
  • 0:39 - 0:42
    Derartu Tulu estava pronta para pendurar as chuteiras e se aposentar,
  • 0:42 - 0:44
    mas ela decidiu arriscar tudo
  • 0:44 - 0:46
    e tentar mais uma vez
  • 0:46 - 0:48
    participar do famoso evento,
  • 0:48 - 0:50
    a Maratona de Nova York.
  • 0:50 - 0:53
    Porém – más notícias para Derartu Tulu – outras pessoas tiveram a mesma ideia,
  • 0:53 - 0:55
    incluindo a medalhista de ouro Olímpica
  • 0:55 - 0:58
    e Paula Radcliffe, que é um monstro,
  • 0:58 - 1:02
    a maratonista mais rápida da história.
  • 1:02 - 1:04
    Somente 10 minutos atrás do recorde mundial masculino,
  • 1:04 - 1:07
    Paula Radcliffe é praticamente imbatível.
  • 1:07 - 1:09
    Essa era sua competição.
  • 1:09 - 1:12
    É dada a partida, e ela não é nem azarão;
  • 1:12 - 1:14
    ela está abaixo dos azarões.
  • 1:14 - 1:16
    Mas a "sub-azarão" aguenta firme.
  • 1:16 - 1:19
    E depois de 35 km dos quase 42 km,
  • 1:19 - 1:21
    lá está Derartu Tulu
  • 1:21 - 1:23
    junto com a linha de frente.
  • 1:23 - 1:26
    Isso é quando algo realmente bizarro acontece.
  • 1:26 - 1:29
    Paula Radcliffe, a única pessoa certa que vai tirar o grande prêmio
  • 1:29 - 1:32
    das mãos da "sub-azarão" Derartu Tulu,
  • 1:32 - 1:35
    de repente sente a perna e começa a ficar para trás.
  • 1:35 - 1:37
    Todos sabemos o que fazer nesta situação, certo?
  • 1:37 - 1:39
    Você empurra a adversária para trás com seu cotovelo
  • 1:39 - 1:41
    e arranca para a linha de chegada.
  • 1:42 - 1:44
    Derartu Tulu não faz isso.
  • 1:44 - 1:46
    Ao invés de zarpar,
  • 1:46 - 1:48
    ela fica para trás e pega Paula Radcliffe,
  • 1:48 - 1:50
    e diz, "Vamos. Venha conosco. Você consegue."
  • 1:50 - 1:52
    Então Paula Radcliffe infelizmente o faz.
  • 1:52 - 1:54
    Ela alcança a linha de frente
  • 1:54 - 1:56
    e vai se aproximando da linha de chegada.
  • 1:56 - 1:58
    Então ela fica para trás de novo.
  • 1:58 - 2:00
    E pela segunda vez Derartu Tulu a pega e tenta puxá-la.
  • 2:00 - 2:02
    E Paula Radcliffe a essa altura diz,
  • 2:02 - 2:04
    "Pra mim chegou. Vai."
  • 2:04 - 2:07
    Então esta é uma história fantástica, e todos sabemos como termina.
  • 2:07 - 2:09
    Ela perde o cheque,
  • 2:09 - 2:11
    mas vai para casa com algo maior e mais importante.
  • 2:11 - 2:14
    Mas Derartu Tulu não faz isso.
  • 2:14 - 2:17
    Ao invés de perder, ela passa pela linha de frente e ganha,
  • 2:17 - 2:19
    ganha a Maratona de Nova York,
  • 2:19 - 2:21
    e vai para casa com um cheque gordo.
  • 2:21 - 2:23
    É uma história emocionante,
  • 2:23 - 2:25
    mas se vocês forem mais fundo,
  • 2:25 - 2:28
    vocês vão se perguntar o que exatamente aconteceu aqui.
  • 2:28 - 2:30
    Quando se tem duas exceções no organismo,
  • 2:30 - 2:32
    não é uma coincidência.
  • 2:32 - 2:35
    Quando se tem alguém mais competitivo e com mais compaixão
  • 2:35 - 2:38
    que qualquer outro na corrida, também não é coincidência.
  • 2:38 - 2:41
    Mostre-me uma criatura com membranas entre os dedos e guelras,
  • 2:41 - 2:43
    tem algo a ver com água.
  • 2:43 - 2:46
    Alguém com aquele coração, tem algum tipo de conexão aqui.
  • 2:46 - 2:48
    E a resposta para isso, creio eu,
  • 2:48 - 2:51
    pode ser achada no Desfiladeiro Cooper do México,
  • 2:51 - 2:53
    onde há uma tribo, uma tribo reclusa,
  • 2:53 - 2:55
    chamada índios Tarahumara.
  • 2:55 - 2:58
    Os Tarahumaras são espetaculares em três coisas.
  • 2:58 - 3:00
    A primeira é que
  • 3:00 - 3:02
    eles vivem praticamente da mesma maneira
  • 3:02 - 3:04
    que nos últimos 400 anos.
  • 3:04 - 3:07
    Quando os conquistadores chegaram na América do Norte você tinha duas opções:
  • 3:07 - 3:10
    lutar contra eles ou sair correndo.
  • 3:10 - 3:12
    Os Maias e Astecas lutaram,
  • 3:12 - 3:15
    e é por isso que há tão poucos Maias e Astecas.
  • 3:15 - 3:17
    Os Tarahumaras tiveram uma estratégia diferente.
  • 3:17 - 3:19
    Saíram correndo e se esconderam
  • 3:19 - 3:21
    nesta rede de labirintos
  • 3:21 - 3:23
    e sistemas de teias de desfiladeiros
  • 3:23 - 3:25
    chamado Desfiladeiros Cooper,
  • 3:25 - 3:28
    e eles ficaram por lá desde os anos 1600 -
  • 3:28 - 3:32
    essencialmente da mesma maneira que sempre viveram.
  • 3:32 - 3:35
    A segunda coisa espetacular sobre os Tarahumaras é que
  • 3:35 - 3:38
    bem quando são velhos – 70 ou 80 anos –
  • 3:38 - 3:40
    esses caras não estão correndo maratonas,
  • 3:40 - 3:42
    eles correm mega-maratonas.
  • 3:42 - 3:44
    Eles não fazem 42 km,
  • 3:44 - 3:47
    fazem 160 km ou 240 km de uma vez,
  • 3:47 - 3:50
    e aparentemente sem lesões ou problemas.
  • 3:50 - 3:52
    A última coisa espetacular sobre os Tarahumaras
  • 3:52 - 3:54
    é que todas as coisas sobre as quais vamos falar hoje,
  • 3:54 - 3:56
    todas as coisas que tentamos fazer
  • 3:56 - 3:59
    usando tecnologia e cérebro para resolver –
  • 3:59 - 4:01
    coisas como doença cardíaca e colesterol e câncer
  • 4:01 - 4:04
    e crime e guerras e violência e depressão clínica –
  • 4:04 - 4:07
    tudo isso, os Tarahumaras não sabem o que é.
  • 4:07 - 4:09
    Eles são livres
  • 4:09 - 4:11
    de todos os males modernos.
  • 4:11 - 4:13
    Então qual é a conexão?
  • 4:13 - 4:15
    De novo, falamos de exceções.
  • 4:15 - 4:17
    Tem que haver algum tipo de causa e efeito aqui.
  • 4:17 - 4:19
    Bem, há equipes de cientistas
  • 4:19 - 4:21
    em Harvard e na Universidade de Utah
  • 4:21 - 4:23
    que estão fundindo os cérebros para tentar descobrir
  • 4:23 - 4:26
    o que os Tarahumaras sempre souberam.
  • 4:26 - 4:29
    Estão tentando resolver os mesmos tipos de mistérios.
  • 4:29 - 4:32
    E mais uma vez, um mistério dentro de um mistério -
  • 4:32 - 4:35
    talvez a chave para Derartu Tulu e os Tarahumaras
  • 4:35 - 4:38
    está dentro de outros três mistérios, e é mais ou menos assim:
  • 4:38 - 4:40
    Três coisas – se vocês têm a resposta, venham aqui e peguem o microfone,
  • 4:40 - 4:42
    pois ninguém mais sabe a resposta.
  • 4:42 - 4:45
    E se vocês sabem, então são mais inteligentes do que qualquer um na Terra.
  • 4:45 - 4:47
    Mistério número um:
  • 4:47 - 4:50
    Dois milhões de anos atrás o cérebro humano explodiu de tamanho.
  • 4:50 - 4:52
    Australopithecus tinha cérebro de ervilha.
  • 4:52 - 4:54
    De repente os humanos apareceram – Homo erectus –
  • 4:54 - 4:56
    cabeça de melão.
  • 4:56 - 4:58
    Para ter um cérebro deste tamanho,
  • 4:58 - 5:01
    é preciso ter uma fonte de energia calórica condensada.
  • 5:01 - 5:03
    Em outras palavras, os primeiros humanos estão comendo animais mortos –
  • 5:03 - 5:05
    sem disputas, é um fato.
  • 5:05 - 5:07
    O único problema é que
  • 5:07 - 5:10
    as primeiras armas afiadas só apareceram cerca de 200 mil anos atrás.
  • 5:10 - 5:13
    Então de alguma forma por dois milhões de anos,
  • 5:13 - 5:16
    estamos matando animais sem armas.
  • 5:16 - 5:18
    Não estamos usando nossa força
  • 5:18 - 5:20
    pois somos os maiores medrosos na selva.
  • 5:20 - 5:22
    Qualquer outro animal é mais forte do que nós.
  • 5:22 - 5:25
    Eles têm presas e garras e são ágeis e são velozes.
  • 5:25 - 5:28
    Achamos que Usain Bolt é rápido. Usain Bolt pode ser derrotado por um esquilo.
  • 5:28 - 5:30
    Não somos rápidos.
  • 5:30 - 5:32
    Isso seria um evento Olímpico: soltar um esquilo.
  • 5:32 - 5:35
    Quem for capaz de pegá-lo ganha a medalha de ouro.
  • 5:35 - 5:38
    Então sem armas, sem velocidade, sem força, sem presas, sem garras.
  • 5:38 - 5:41
    Como é que matávamos esses animais? Mistério número um.
  • 5:41 - 5:43
    Mistério número dois:
  • 5:43 - 5:46
    As mulheres participam das Olimpíadas já faz algum tempo,
  • 5:46 - 5:48
    mas uma coisa incrível sobre as mulheres velocistas –
  • 5:48 - 5:50
    elas não são boas, são terríveis.
  • 5:50 - 5:52
    Não existe uma mulher veloz no planeta
  • 5:52 - 5:54
    e nunca existiu.
  • 5:54 - 5:57
    A mulher mais rápida a correr 1.6 km o fez em 4.15.
  • 5:57 - 5:59
    Eu posso jogar uma pedra e acertar um garotinho
  • 5:59 - 6:01
    que pode correr mais rápido que 4.15.
  • 6:01 - 6:03
    Por alguma razão vocês são realmente bem lentas.
  • 6:03 - 6:05
    (Risos)
  • 6:05 - 6:08
    Mas vocês chegaram na maratona que estávamos falando –
  • 6:08 - 6:10
    vocês só puderam correr a maratona há cerca de 20 anos.
  • 6:10 - 6:12
    Porque, antes dos anos 80,
  • 6:12 - 6:15
    a ciência médica disse que se uma mulher tentasse correr 42 km –
  • 6:15 - 6:17
    alguém sabe o que aconteceria se vocês tentassem correr 42 km,
  • 6:17 - 6:21
    por que vocês eram banidas da maratona até os anos 80?
  • 6:21 - 6:24
    (Membro da plateia: O útero se destruiria.) O útero se destruiria.
  • 6:24 - 6:26
    Sim. Os órgãos reprodutivos se destruiriam.
  • 6:26 - 6:29
    O útero cairia, literalmente cairia do corpo.
  • 6:29 - 6:31
    Eu estive em muitas maratonas,
  • 6:31 - 6:33
    e ainda estou para ver isso.
  • 6:33 - 6:36
    (Risos)
  • 6:36 - 6:39
    As mulheres foram permitidas correr maratonas somente há 20 anos.
  • 6:39 - 6:41
    Nessa curva de aprendizado muito curta,
  • 6:41 - 6:44
    vocês foram de órgãos quebrados até
  • 6:44 - 6:46
    o fato de que estão somente 10 minutos atrás
  • 6:46 - 6:48
    do recorde mundial masculino.
  • 6:48 - 6:50
    Então vocês foram além de 42 km,
  • 6:50 - 6:53
    para a distância que a ciência médica também disse que seria fatal para humanos–
  • 6:53 - 6:55
    lembrem que Fidípides morreu quando correu 42 km –
  • 6:55 - 6:57
    foram para 80 km e 160 km,
  • 6:57 - 6:59
    e de repente o jogo é diferente.
  • 6:59 - 7:02
    Peguem uma corredora como Ann Trason, ou Nikki Kimball ou Jenn Shelton,
  • 7:02 - 7:05
    ponham elas em uma corrida de 80 km ou 160 km contra qualquer pessoa no mundo
  • 7:05 - 7:07
    e é como tirar um cara ou coroa.
  • 7:07 - 7:09
    Vou dar um exemplo.
  • 7:09 - 7:11
    Há dois anos atrás, Emily Baer entrou para uma corrida
  • 7:11 - 7:13
    chamada Hardrock 100 ["Da Pesada 160km"],
  • 7:13 - 7:16
    o nome diz tudo o que você precisa saber da corrida.
  • 7:16 - 7:18
    Eles dão 48 horas para acabar a corrida.
  • 7:18 - 7:20
    Emily Baer – 500 corredores –
  • 7:20 - 7:22
    ela chega em oitavo lugar, no top 10,
  • 7:22 - 7:24
    mesmo tendo parado em todos os pontos de ajuda
  • 7:24 - 7:27
    para amamentar seu bebê durante a corrida –
  • 7:27 - 7:29
    e mesmo assim derrotou 492 pessoas.
  • 7:29 - 7:31
    O último mistério: por que as mulheres ficam mais fortes
  • 7:31 - 7:33
    com distâncias maiores?
  • 7:33 - 7:35
    O terceiro mistério é:
  • 7:35 - 7:38
    Na Universidade de Utah, começaram a rastrear tempos de chegada
  • 7:38 - 7:40
    de pessoas correndo a maratona.
  • 7:40 - 7:42
    E eles descobriam que
  • 7:42 - 7:44
    se você começa a correr a maratona aos 19 anos,
  • 7:44 - 7:46
    você fica progressivamente mais rápido, ano após ano,
  • 7:46 - 7:48
    até atingir seu ápice aos 27 anos.
  • 7:48 - 7:50
    E então depois disso, você sucumbe
  • 7:50 - 7:52
    ao rigor do tempo.
  • 7:52 - 7:54
    E você fica cada vez mais lento,
  • 7:54 - 7:57
    até finalmente voltar a correr com a mesma velocidade de quando tinha 19 anos.
  • 7:57 - 7:59
    Então cerca de sete ou oito anos para atingir o ápice,
  • 7:59 - 8:01
    e então gradualmente declinar
  • 8:01 - 8:04
    até voltar para o ponto de partida.
  • 8:04 - 8:07
    Vocês diriam que talvez leve oito anos para voltar para a mesma velocidade,
  • 8:07 - 8:10
    talvez 10 anos – não, são 45 anos.
  • 8:10 - 8:12
    Homens e mulheres de 60 anos
  • 8:12 - 8:15
    estão correndo tão rápido quanto tinham 19 anos.
  • 8:15 - 8:18
    Agora eu desafio vocês a pensarem em outra atividade física –
  • 8:18 - 8:22
    e por favor não digam golfe – algo que seja realmente difícil –
  • 8:22 - 8:24
    onde idosos têm uma performance
  • 8:24 - 8:27
    tão boa quanto a que tinham na adolescência.
  • 8:27 - 8:29
    Então vocês têm esses três mistérios.
  • 8:29 - 8:31
    Será que existe uma peça no quebra-cabeça
  • 8:31 - 8:33
    que irá solucionar essas coisas?
  • 8:33 - 8:35
    Vocês têm que tomar cuidado sempre
  • 8:35 - 8:38
    que alguém volta para a pré-história e tenta dar uma resposta global,
  • 8:38 - 8:40
    pois, sendo pré-história,
  • 8:40 - 8:42
    você pode dizer qualquer coisa e se safar.
  • 8:42 - 8:44
    Mas eu proponho o seguinte:
  • 8:44 - 8:46
    Se vocês colocarem uma peça no meio desse quebra-cabeça,
  • 8:46 - 8:49
    de repente uma imagem coerente começa a aparecer.
  • 8:49 - 8:51
    Se vocês pensam, por que os Tarahumaras não lutam
  • 8:51 - 8:53
    e não morrem de doença cardíaca,
  • 8:53 - 8:56
    por que uma mulher etíope pobre chamada Derartu Tulu
  • 8:56 - 8:59
    pode ser a mulher com mais compaixão e ao mesmo tempo mais competitiva,
  • 8:59 - 9:01
    e por que nós de alguma forma conseguimos
  • 9:01 - 9:03
    achar comida sem armas,
  • 9:03 - 9:05
    talvez seja simplesmente porque humanos,
  • 9:05 - 9:08
    mesmo que gostemos de pensar que somos os donos do universo,
  • 9:08 - 9:10
    de fato evoluímos como nada mais
  • 9:10 - 9:12
    do que um grupo de cães caçadores.
  • 9:12 - 9:14
    Talvez evoluímos
  • 9:14 - 9:16
    assim como um grupo de animais caçadores.
  • 9:16 - 9:18
    Pois uma vantagem que temos na selva –
  • 9:18 - 9:20
    de novo, não são nossas presas ou garras ou velocidade -
  • 9:20 - 9:23
    a única coisa que fazemos realmente bem é suar.
  • 9:23 - 9:26
    Somos muito bons em suar e feder.
  • 9:26 - 9:29
    Melhor do que qualquer outro mamífero, vocês podem suar muito bem.
  • 9:29 - 9:31
    Mas a vantagem
  • 9:31 - 9:33
    deste pequeno desconforto social
  • 9:33 - 9:35
    é o fato que, quando se trata de correr
  • 9:35 - 9:38
    sob forte calor e longas distâncias,
  • 9:38 - 9:41
    somos fantásticos, somos os melhores no planeta.
  • 9:41 - 9:43
    Peguem um cavalo em um dia quente,
  • 9:43 - 9:45
    e depois de 8 km ou 10 km, o cavalo tem uma escolha.
  • 9:45 - 9:48
    Ou vai respirar ou vai se resfriar,
  • 9:48 - 9:50
    mas não fará ambos – nós podemos.
  • 9:50 - 9:53
    E se nós evoluímos como um grupo de animais de caça?
  • 9:53 - 9:57
    E se a única vantagem que tínhamos no mundo
  • 9:57 - 9:59
    era o fato de podermos nos juntar em um grupo,
  • 9:59 - 10:02
    sair pela savana africana, escolher um antílope
  • 10:02 - 10:05
    e sair como um grupo e fazer aquela coisa correr até morrer?
  • 10:05 - 10:07
    Era tudo que podíamos fazer;
  • 10:07 - 10:09
    podíamos correr muito longe em dias quentes.
  • 10:09 - 10:12
    Se isso for verdade, algumas coisas também tinham que ser verdade.
  • 10:12 - 10:15
    A chave de ser um grupo de caça é a palavra "grupo."
  • 10:15 - 10:17
    Se você estivesse sozinho, e tentasse perseguir um antílope,
  • 10:17 - 10:20
    eu garanto que haveria dois cadáveres na savana.
  • 10:20 - 10:22
    Você precisa de um grupo para dar certo.
  • 10:22 - 10:24
    Você precisa daqueles com 64, 65 anos
  • 10:24 - 10:26
    que já fazem isso há muito tempo
  • 10:26 - 10:28
    para entender qual antílope vocês realmente irão pegar.
  • 10:28 - 10:31
    O bando explode e se junta novamente.
  • 10:31 - 10:33
    Os corredores experientes precisam fazer parte do grupo.
  • 10:33 - 10:35
    Eles não podem estar 16 km atrás.
  • 10:35 - 10:37
    Você precisa ter as mulheres e os adolescentes lá
  • 10:37 - 10:40
    por que os dois períodos da vida que você mais se beneficia de proteína animal
  • 10:40 - 10:43
    é quando está amamentando e quando se é um adolescente em crescimento.
  • 10:43 - 10:45
    Não faz sentido ter o antílope lá morto
  • 10:45 - 10:47
    e as pessoas que querem comer estão a 80 km de distância.
  • 10:47 - 10:49
    Eles precisam ser parte do grupo.
  • 10:49 - 10:51
    Você precisa ter aqueles com 27 anos no ápice de suas forças
  • 10:51 - 10:53
    prontos para acabar com a presa,
  • 10:53 - 10:55
    e você precisa ter os adolescentes lá
  • 10:55 - 10:57
    que estão aprendendo tudo.
  • 10:57 - 10:59
    O grupo fica junto.
  • 10:59 - 11:02
    Outra coisa que tem que ser verdade sobre o grupo: ele não pode ser materialista.
  • 11:02 - 11:05
    Você não pode arrastar todo o acampamento junto, tentando pegar o antílope.
  • 11:05 - 11:08
    Não pode ser um grupo irritado. Não pode guardar rancor.
  • 11:08 - 11:10
    Tipo, "Eu não vou perseguir o antílope daquele cara.
  • 11:10 - 11:12
    Ele me irritou. Deixa ele perseguir seu próprio antílope."
  • 11:12 - 11:15
    O grupo tem que conseguir engolir seu ego,
  • 11:15 - 11:17
    ser cooperativo e juntar-se.
  • 11:17 - 11:20
    O que vocês têm no final, em outras palavras,
  • 11:20 - 11:22
    é uma cultura incrivelmente similar
  • 11:22 - 11:24
    aos Tarahumaras -
  • 11:24 - 11:26
    uma tribo que permaneceu a mesma
  • 11:26 - 11:28
    desde a idade da pedra.
  • 11:28 - 11:30
    É realmente um argumento convincente
  • 11:30 - 11:32
    que talvez os Tarahumaras estejam fazendo
  • 11:32 - 11:35
    exatamente o que todos nós fizemos por dois milhões de anos.
  • 11:35 - 11:38
    Nós nos tempos modernos é que desviamos do caminho.
  • 11:38 - 11:41
    Sabem, olhamos para a corrida como se fosse um alienígena,
  • 11:41 - 11:44
    uma punição por ter comido uma pizza na noite anterior.
  • 11:44 - 11:46
    Mas talvez seja algo diferente.
  • 11:46 - 11:49
    Talvez nós é que pegamos essa vantagem natural que temos e
  • 11:49 - 11:51
    estragamos com tudo.
  • 11:51 - 11:54
    Como estragamos com isso? Como estragamos qualquer coisa?
  • 11:54 - 11:56
    Tentamos ganhar dinheiro com isso.
  • 11:56 - 11:58
    Tentamos empacotar tudo e fazer melhor
  • 11:58 - 12:00
    e vender para as pessoas.
  • 12:00 - 12:02
    E o que aconteceu foi que começamos a criar
  • 12:02 - 12:04
    essas coisas estofadas,
  • 12:04 - 12:07
    que fazem a corrida melhor, chamadas tênis de corrida.
  • 12:07 - 12:10
    A razão pela qual fico pessoalmente irritado com tênis de corrida
  • 12:10 - 12:13
    é porque eu comprei um milhão deles e continuei a me machucar.
  • 12:13 - 12:15
    E acho que, se qualquer um aqui corre –
  • 12:15 - 12:17
    e acabei de ter uma conversa com Carol;
  • 12:17 - 12:20
    falamos por dois minutos antes, e ela falou sobre plantar fasciitis.
  • 12:20 - 12:23
    Você fala com um corredor e eu garanto que em 30 segundos
  • 12:23 - 12:25
    a conversa vai rumar para lesões.
  • 12:25 - 12:28
    Então se os humanos evoluíram como corredores, se essa é nossa única vantagem natural,
  • 12:28 - 12:31
    então por que são tão ruins nisso? Por que continuamos nos lesionando?
  • 12:31 - 12:33
    Uma coisa curiosa sobre corrida e lesões
  • 12:33 - 12:36
    é que lesões são coisas novas na nossa época.
  • 12:36 - 12:38
    Se vocês lerem folclore e mitologia,
  • 12:38 - 12:40
    quaisquer tipos de mitos e histórias,
  • 12:40 - 12:42
    a corrida é sempre associada
  • 12:42 - 12:45
    com liberdade e vitalidade e juventude e vigor eterno.
  • 12:45 - 12:47
    Foi só na nossa época
  • 12:47 - 12:49
    que a corrida foi associada com medo e dor.
  • 12:49 - 12:51
    Gerônimo costumava a dizer que
  • 12:51 - 12:54
    "Minhas únicas amigas são minhas pernas. Só confio em minhas pernas."
  • 12:54 - 12:56
    Isso porque o triatlon apache
  • 12:56 - 12:58
    era correr 80 km através do deserto,
  • 12:58 - 13:00
    partir para o combate homem-a-homem, roubar um bando de cavalos
  • 13:00 - 13:02
    e atirar para voltar para casa.
  • 13:02 - 13:04
    Gerônimo nunca disse, "Ah, sabe de uma coisa,
  • 13:04 - 13:07
    meu aquiles, não estou bem. Tenho que descansar o resto da semana,"
  • 13:07 - 13:09
    ou "eu preciso treinar.
  • 13:09 - 13:12
    Eu não fiz yoga. Não estou preparado."
  • 13:12 - 13:14
    Humanos corriam e corriam o tempo todo.
  • 13:14 - 13:16
    Estamos aqui hoje. Temos a nossa tecnologia digital.
  • 13:16 - 13:18
    Toda a nossa ciência vem do fato
  • 13:18 - 13:20
    de que nossos ancestrais conseguiram
  • 13:20 - 13:22
    fazer algo extraordinário todos os dias,
  • 13:22 - 13:24
    que era somente confiar nos seus pés e pernas nuas
  • 13:24 - 13:26
    para correr longas distâncias.
  • 13:26 - 13:28
    Como voltamos para isso?
  • 13:28 - 13:30
    Bem, primeiro eu proponho uma coisa:
  • 13:30 - 13:33
    livrar-se dos pacotes, das vendas, do marketing.
  • 13:33 - 13:35
    Livrem-se dos tênis de corrida fedorentos.
  • 13:35 - 13:37
    Parem de focar nas maratonas urbanas,
  • 13:37 - 13:40
    que se vocês fazem em quatro horas, vocês são horríveis.
  • 13:40 - 13:42
    Se fazem em 3.59.59, são ótimos
  • 13:42 - 13:44
    porque qualificaram-se para outra corrida.
  • 13:44 - 13:47
    Temos que voltar para aquela ideia de brincadeira e descontração
  • 13:47 - 13:50
    e, eu diria, estarmos nus
  • 13:50 - 13:52
    que fez os Tarahumaras
  • 13:52 - 13:55
    uma das culturas mais saudáveis e serenas da nossa época.
  • 13:55 - 13:57
    Então qual é o benefício?
  • 13:57 - 14:00
    Então você queima o Haagen-Dazs da noite anterior?
  • 14:00 - 14:03
    Mas talvez tenha outro benefício também.
  • 14:03 - 14:06
    Sem querer ir um pouco longe demais,
  • 14:06 - 14:08
    imaginem um mundo
  • 14:08 - 14:10
    onde todos pudessem sair de suas casas
  • 14:10 - 14:12
    e praticar um tipo de exercício
  • 14:12 - 14:15
    que irá fazê-los ficarem mais relaxados, serenos,
  • 14:15 - 14:17
    mais saudáveis,
  • 14:17 - 14:19
    acabar com o estresse -
  • 14:19 - 14:21
    onde vocês não vão mais para o escritório como maníacos furiosos,
  • 14:21 - 14:23
    onde vocês não vão para casa com muito estresse nos ombros de novo.
  • 14:23 - 14:26
    Talvez tenha algo entre o que somos hoje
  • 14:26 - 14:29
    e o que os Tarahumaras sempre foram.
  • 14:29 - 14:31
    Não estou dizendo para voltarmos para o Desfiladeiro Cooper
  • 14:31 - 14:34
    e viver a base de milho, que é a dieta preferida dos Tarahumaras,
  • 14:34 - 14:36
    mas talvez tenha algo entre as duas coisas.
  • 14:36 - 14:38
    E se acharmos essa coisa,
  • 14:38 - 14:41
    talvez tenha um grande Prêmio Nobel esperando.
  • 14:41 - 14:44
    Pois se alguém conseguir achar uma maneira
  • 14:44 - 14:46
    de restaurar a habilidade natural
  • 14:46 - 14:48
    que todos nós aproveitamos na maior parte da nossa existência,
  • 14:48 - 14:50
    que todos nós aproveitamos até os anos 70,
  • 14:50 - 14:52
    os benefícios, sociais e físicos
  • 14:52 - 14:55
    e políticos e mentais,
  • 14:55 - 14:57
    seria surpreendente.
  • 14:57 - 15:00
    Então o que eu tenho visto hoje é uma crescente subcultura
  • 15:00 - 15:03
    de corredores descalços, pessoas que jogaram os tênis fora.
  • 15:03 - 15:05
    E o que eles encontraram uniformemente é que
  • 15:05 - 15:08
    você se livra dos tênis, você se livra do estresse,
  • 15:08 - 15:10
    você se livra das lesões e dos males.
  • 15:10 - 15:12
    E o que você encontra é algo
  • 15:12 - 15:14
    que os Tarhumaras já sabem há muito tempo,
  • 15:14 - 15:16
    que isso pode ser muito divertido.
  • 15:16 - 15:18
    Eu mesmo experimentei.
  • 15:18 - 15:21
    Eu tive lesões por toda minha vida, e então nos meus 40 anos me livrei dos tênis
  • 15:21 - 15:23
    e minhas lesões de corrida também desapareceram.
  • 15:23 - 15:25
    Então espero que seja algo de que todos nós possamos tirar proveito.
  • 15:25 - 15:28
    E agradeço por terem ouvido a história. Muito obrigado.
  • 15:28 - 15:30
    (Aplausos)
Title:
Christopher McDougall: nós nascemos para correr?
Speaker:
Christopher McDougall
Description:

Christopher McDougall explora os mistérios do desejo humano de correr. Como correr ajudou os primeiros humanos a sobreviverem – e quais impulsos de nossos ancestrais nos estimulam hoje? No TEdxPennQuarter, McDougall conta a história de uma maratonista com um coração de ouro, o improvável ultra-corredor, e a tribo oculta no México que corre para viver.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
15:31
Fers Gruendling added a translation

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions