Return to Video

Filosofia do Código Aberto

  • 0:00 - 0:03
    Problemas reais
  • 0:03 - 0:06
    Eu sempre senti desde sempre que o poder da ciência
  • 0:06 - 0:09
    poderia ser utilizado para resolver questões importantes, resolver problemas.
  • 0:09 - 0:13
    Quando estudei Química em Princeton, o curso era teórico demais, sem aplicação prática.
  • 0:13 - 0:16
    E eu pensei, oh ok, talvez se mudar-me para a área de Física tudo vai correr melhor.
  • 0:16 - 0:19
    Assim o fiz, e veio a tornar-se uma grande desilusão.
  • 0:19 - 0:24
    Naquele momento estávamos estudando Propagação de Ondas, mas eu não estava entendendo nada daquilo, nada desta pesada equação.
  • 0:24 - 0:29
    Então fui ter com o professor e perguntei-lhe qual o propósito desta desta equação, onde é que ela se aplica?
  • 0:29 - 0:32
    E ele respondeu, bom na verdade ela não existe, eu apenas a inventei.
  • 0:32 - 0:35
    É como, oh ok, então é isto que se faz por aqui.
  • 0:35 - 0:39
    Este foi um daqueles pontos de viragem onde questionei-me, wow mas que raio faço aqui?
  • 0:39 - 0:43
    Numa absoluta abundância de recursos, energia,
  • 0:43 - 0:46
    desenvolvimento humano, cultura e tudo mais,
  • 0:46 - 0:51
    ainda existem muitos problemas. Principalmente os conflitos de distribuição de recursos, pobreza, guerra, necessidades.
  • 0:52 - 0:56
    Sobrevivência com a espantosa tecnologia que temos hoje em dia?
  • 0:56 - 0:59
    A sobrevivência não deveria ocupar muito tempo.
  • 1:00 - 1:05
    Quando realmente pensas sobre isto, toda a riqueza que disfrutamos hoje de forma a termos um padrão de vida moderno
  • 1:05 - 1:10
    tem por base rochas, terra, luz do sol, plantas, água.
  • 1:10 - 1:12
    Estes são todos abundantes.
  • 1:12 - 1:17
    Contudo o mecanismo produtivo criado pela sociedade faz com que haja escassez, artificialmental
  • 1:17 - 1:23
    E se conseguíssemos sobreviver e prosperar de acordo com um modo de vida moderno,
  • 1:23 - 1:28
    trabalhando apenas duas horas por dia, e utilizando recursos locais?
  • 1:28 - 1:30
    Como é que seria?
  • 1:30 - 1:33
    A parte mais importante da Open Source Ecology é esta ideia de que
  • 1:33 - 1:37
    com uma soma pequena de recursos e uma pequena quantidade de dinheiro,
  • 1:37 - 1:42
    qualquer pessoa deveria ser capaz de ter um elevado nível de vida,
  • 1:42 - 1:46
    e fazê-lo de uma forma a não ocupar muito do seu tempo, e muito do seu dinheiro.
  • 1:46 - 1:50
    A população pode na realidade tornar-se mais ativa com a tecnologia que estamos a desenvolver aqui,
  • 1:50 - 1:54
    para que em vez de uma empresa grande decidir o que as máquinas podem fazer por nós,
  • 1:54 - 1:58
    somos nós que decidimos o que queremos que as máquinas façam por nós.
  • 1:58 - 2:02
    Em vez de contarmos com outras pessoas para fazerem o que necessitamos,
  • 2:02 - 2:05
    nós podemos fazer tudo o necessitamos por nós próprios.
  • 2:05 - 2:07
    E nós podemos fazê-lo melhor do que por exemplo o Walmart pode fazer por nós,
  • 2:07 - 2:11
    nós podemos fazê-lo melhor do que a mão de obra escrava chinesa.
  • 2:11 - 2:15
    Nós podemos ter a capacidade produtiva que precisamos para viver as vidas que queremos
  • 2:15 - 2:19
    nos nossos próprios quintais, e nós podemos fazê-los de uma forma sustentável.
  • 2:19 - 2:23
    Podemos construir máquinas que utilizaremos para criar a abundância de materiais para nós próprios,
  • 2:23 - 2:26
    e depois poderemos mostrá-lo a outros como se faz.
  • 2:27 - 2:29
    Se tiveres duzentas pessoas reunidas
  • 2:29 - 2:32
    e se eles quiserem montar uma comunidade auto-sustentável,
  • 2:32 - 2:38
    eles não têm muitas opções para adquisição de equipamentos e máquinas para o fazer.
  • 2:38 - 2:42
    É nesta altura que a Open Source Ecology entra realmente em ação.
  • 2:42 - 2:48
    Os custos para construir estas máquinas são cerca de dez porcento do preço de mercado.
  • 2:48 - 2:51
    Se comprares um trator totalmente equipado da John Deer,
  • 2:51 - 2:55
    é quase impossível um vizinho conseguir copiá-lo e construí-lo para si.
  • 2:55 - 2:58
    É uma máquina muito personalizada.
  • 2:58 - 3:02
    Mas se fores capaz de pegar em motores comuns e
  • 3:02 - 3:07
    ir a uma loja de ferragens e comprar aço e construí-lo tu mesmo, como o Lifetrac,
  • 3:07 - 3:10
    então desta forma sim é muito mais exequível.
  • 3:10 - 3:12
    O benefício de uma economia local é que
  • 3:12 - 3:14
    o poder permanece dentro da comunidade, isto é, a riqueza económica.
  • 3:14 - 3:19
    Em vez do teu dinheiro, os teus rendimentos irem sempre pelo cano abaixo,
  • 3:19 - 3:21
    e se conseguíssemos estancar isto?
  • 3:21 - 3:22
    Manter a riqueza dentro da comunidade,
  • 3:22 - 3:25
    através de um mecanismo produtivo interno.
  • 3:25 - 3:29
    Tu produzes o mesmo, a riqueza mantém-se logo tu não tens de trabalhar tão arduamente.
  • 3:29 - 3:33
    Então tu podes ter tempo para a tua família e filhos, ou para o que é mais importante para ti.
  • 3:35 - 3:43
    É muito mais fácil e produtivo ter um módulo super-compatível.
  • 3:43 - 3:48
    O Powercube funciona agora com o Lifetrac e a prensa CEB,
  • 3:48 - 3:52
    e algumas outras máquinas que temos, como o Ironworker e o Coldsaw.
  • 3:52 - 3:58
    Assim consegue-se simplificar a ecologia de um produto
  • 3:58 - 4:02
    porque uma unidade de potência serve para múltiplas unidades.
  • 4:02 - 4:08
    Uma coisa é apenas poder observar as máquinas que foram aqui desenvolvidas,
  • 4:08 - 4:13
    outra coisa é perceber como correu a fase de desenvolvimento
  • 4:13 - 4:16
    e que tipo de documentação existe para estas máquinas,
  • 4:16 - 4:19
    de forma a que possa ser replicado e melhorado.
  • 4:19 - 4:26
    Felizmente temos a habilidade de guardar toda a informação das máquinas no formato digital
  • 4:26 - 4:30
    e agora que temos telecomunicações, a Internet, para retransmitir a informação e
  • 4:30 - 4:33
    ter qualquer interessado a copiar os ficheiros,
  • 4:33 - 4:37
    e ter acesso ao modelo no seu computador.
  • 4:37 - 4:40
    Assim a Open Source Ecology tenta ligar o desenvolvimento do código aberto
  • 4:40 - 4:45
    e o fato de que estamos ligados à Natureza, a outras pessoas, instituições sociais.
  • 4:45 - 4:49
    Tudo isto tem de ser considerado se estamos a falar acerca do paradigma de criar um mundo melhor.
  • 4:49 - 4:56
    O código aberto foi claramente de todas as tendências emergentes a mais poderosa.
  • 4:56 - 5:00
    Tendo como exemplo o software de código aberto como a plataforma Linux.
  • 5:00 - 5:03
    Quando um número suficiente de pessoas se juntam em torno de um projeto,
  • 5:03 - 5:05
    este projeto simplesmente se torna melhor que qualquer outro.
  • 5:05 - 5:09
    Desta forma estamos a invocar o mesmo paradigma para o mundo do hardware.
  • 5:09 - 5:13
    O que poderia acontecer se um grupo de pessoas colaborasse na construção de hardware de código aberto?
  • 5:13 - 5:16
    Nós temos tecnologia aos montes por esse mundo fora.
  • 5:16 - 5:19
    Mas para organizar esta tecnologia de forma a que esteja acessível,
  • 5:19 - 5:24
    sem barreiras para todos, isto é um passo em frente muito significativo.
  • 5:24 - 5:29
    Agora ela existe e está aí para se organizarem,
  • 5:29 - 5:35
    e para aprofundarem verdadeiramente, digamos que quase a um nível espiritual.
  • 5:35 - 5:39
    Para realmente alterar as atitudes e para obter vantagens do que já existe,
  • 5:39 - 5:43
    e para mover a nossa civilização para a frente.
  • 5:43 - 5:47
    Estou cheio de esperança de que a raça humana vai estar à altura do desafio
  • 5:47 - 5:51
    e de que vai agarrar a oportunidade oferecida por este desenvolvimento.
  • 5:51 - 5:57
    Open Source Ecology é realmente sobre criar a próxima economia: a economia de código aberto.
  • 5:57 - 6:02
    E o que é que isto significa? Uma economia que optimiza não só a produção,
  • 6:02 - 6:04
    diga-se de passagem que que a atual economia é excelente nisto,
  • 6:04 - 6:08
    é eficiente na produção, mas a distribuição não é tão boa.
  • 6:08 - 6:11
    E como fazes isso? Através da abertura...
  • 6:11 - 6:15
    mostrando os tão falados segredos da indústria,
  • 6:15 - 6:19
    ou desenvolvendo os produtos de código aberto para tudo o que utilizamos.
  • 6:19 - 6:25
    Então imagina um cenário onde em vez de empresas competindo entre si, reinventando a roda e por aí fora,
  • 6:25 - 6:30
    muito desperdício competitivo, e se todos se juntassem para fazer os melhores produtos,
  • 6:30 - 6:33
    os produtos mais robusto, que são de fonte aberta, que toda a gente tem acesso para fabricar.
  • 6:33 - 6:36
    Assim poderemos ter uma economia colaborativa,
  • 6:36 - 6:39
    em vez de competitiva e cheia de desperdícios.
  • 6:45 - 6:49
    Produzido por Tristan Copley Smith
Title:
Filosofia do Código Aberto
Description:

O fundador da Open Source Ecology, Dr. Marcin Jakubowski e a sua equipa explicam a filosofia por detrás do seu trabalho. Agradecimentos especiais aos nossos colaboradores remotos Tom Griffing, Zach Dwiel e William Neal.

Ajuda-nos a construir o futuro.

www.opensourceecology.com

more » « less
Video Language:
English
Team:
Volunteer
Duration:
06:59

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions