Portuguese, Brazilian subtitles

← Como vencer um debate, na Suprema Corte dos EUA, ou em qualquer lugar

Get Embed Code
26 Languages

Showing Revision 39 created 12/09/2020 by Maricene Crus.

  1. Catorze anos atrás,
  2. fui à Suprema Corte
    defender meu primeiro caso.
  3. E não era qualquer caso:
    os especialistas o consideraram
  4. um dos mais importantes
    que a Suprema Corte já ouviu.
  5. Considerava se Guantánamo
    era constitucional
  6. e se as Convenções de Genebra
    se aplicam à guerra ao terror.
  7. Isso foi alguns anos depois
    dos horríveis ataques de 11 de setembro.
  8. A Suprema Corte tinha sete juízes
    republicanos e dois democratas,
  9. meu cliente era o motorista
    de Osama Bin Laden
  10. e meu oponente era o procurador-geral
    dos Estados Unidos,
  11. o melhor advogado do país.
  12. Ele já havia defendido 35 casos,
  13. eu nem tinha 35 anos
  14. e, para piorar, pela primeira vez
    desde a Guerra Civil,
  15. o Senado aprovou um projeto de lei para
    tirar o caso da pauta da Suprema Corte.
  16. Os treinadores de palestrantes diriam

  17. que eu deveria criar suspense
    e não dizer o que aconteceu,
  18. mas nós vencemos.
  19. Como?
  20. Hoje, vou falar sobre
    como vencer uma argumentação
  21. na Suprema Corte ou em qualquer lugar.
  22. A sabedoria popular diz:
    fale com confiança,

  23. é assim que convencemos alguém.
  24. Acho que isso está errado,
  25. e que confiança é inimiga da persuasão.
  26. Persuasão tem a ver com empatia,
    e saber tocar a mente das pessoas.
  27. Isso é o que faz do TED o que é.
  28. Por isso você está
    assistindo a esta palestra.
  29. Você podia simplesmente ler
    em algum site, mas não fez isso.
  30. É o mesmo com argumentos na Suprema Corte:
  31. passamos as ideias para o papel,
    mas também temos as defesas orais.
  32. Não temos um sistema no qual juízes
    apenas escrevem questões
  33. e nós as respostas.
  34. Por quê?
  35. Porque argumentação envolve interação.
  36. Quero levar você aos bastidores
    para mostrar o que fiz,

  37. e como essas lições servem para tudo.
  38. Não só para vencer uma defesa na Corte,
    mas pra algo bem mais profundo.
  39. Obviamente, isso envolve prática,
    mas não uma qualquer.
  40. Na primeira sessão de treinos
    para Guantánamo, voei até Harvard
  41. e tive que responder uma enxurrada
    de questões de professores renomados.
  42. E mesmo tendo lido tudo,
    ensaiado milhares de vezes,
  43. não conseguia convencer ninguém.
  44. Meus argumentos não impactavam.
  45. Eu estava desesperado.

  46. Fiz tudo que podia:
  47. li cada livro, ensaiei milhares de vezes
    e não estava indo a lugar algum.
  48. No fim das contas, conheci um rapaz,
  49. um professor de teatro,
    que nem era advogado
  50. e nunca tinha pisado na Suprema Corte.
  51. Ele foi ao meu escritório um dia,
  52. com uma camisa amarrotada
    e uma gravata de caubói.
  53. Eu estava de braços cruzados,
    ele me olhou e disse:
  54. "Neal, sei que você acha
    que isso não vai dar certo,
  55. mas finja um pouquinho,
    me apresente a sua defesa".
  56. Peguei minhas anotações e comecei a ler.

  57. Ele disse: "O que está fazendo?"
  58. Respondi: "Estes são meus argumentos".
  59. "Seus argumentos são um bloco de notas?"
  60. Falei: "Não, mas estão escritos nele".
  61. Ele falou: "Neal, olhe pra mim.
    Me apresente a sua defesa".
  62. Fiz aquilo e naquele momento percebi
    que meus pontos estavam funcionando;
  63. eu estava me conectando
    com outro ser humano,
  64. e ele pôde ver que comecei a sorrir
    à medida em que eu falava.
  65. Ele falou: "Muito bem, Neal. Agora
    faça o mesmo segurando minha mão".
  66. Eu disse: "O quê?"
  67. Ele disse: "Isso, segure minha mão".
  68. Eu estava desesperado, então obedeci.
  69. Ali percebi que aquilo era conexão.
  70. Aquilo era o poder de persuasão.
  71. E ajudou.

  72. Mas eu ainda estava nervoso,
    pois a data da audiência se aproximava.
  73. E mesmo entendendo que argumentar
    é saber se colocar no lugar do outro
  74. e ter empatia,
  75. eu precisava de algo mais
    que me desse confiança.
  76. Saí da minha zona de conforto: usei joias,
  77. uma pulseira que meu pai usou a vida toda
  78. até falecer, apenas alguns
    meses antes da audiência.
  79. Usei uma gravata que minha mãe
    havia me dado para a ocasião,
  80. peguei meu bloco de notas e escrevi
    o nome dos meus filhos nele,
  81. porque era por eles
    que eu estava fazendo isso,
  82. pra deixar para eles um país
    melhor do que encontrei.
  83. Cheguei calmo na Corte.

  84. Tudo aquilo, a pulseira, a gravata e
    o nome dos meus filhos me tranquilizaram.
  85. Como um alpinista
    se alongando além do precipício;
  86. se ele tem algo sólido para segurar,
    ele consegue alcançar.
  87. Como argumentar é saber persuadir,
    eu sabia que precisava evitar emoção.

  88. Demonstrações emotivas falham,
  89. é como escrever um e-mail
    com tudo em negrito e em caixa alta:
  90. não convence ninguém.
  91. Tem a ver com você, o orador,
  92. e não com o ouvinte ou o receptor.
  93. Em algumas situações,
    a solução é ser emotivo;

  94. você argumenta com seus pais
    e apela para as emoções e funciona.
  95. Por quê?
  96. Porque eles te amam!
  97. Já os juízes da Suprema Corte não te amam,
  98. nem gostam de se ver como pessoas
    que se deixam levar pela emoção.
  99. Usei isso a meu favor:
  100. armei uma armadilha para o meu oponente
    e fiz com que se sentisse emotivo,
  101. assim eu seria visto
    como a voz calma e firme da lei.
  102. Funcionou.
  103. Lembro-me de estar sentado no tribunal
    ouvindo que tínhamos ganhado,

  104. que os tribunais de Guantánamo
    seriam desativados.
  105. Saí do tribunal e me deparei
    com uma enxurrada de jornalistas,
  106. centenas de câmeras
    e todos me perguntando:
  107. "O que essa decisão significa?
    O que ela diz?"
  108. A decisão tinha 185 páginas.
    Não tinha lido ainda, ninguém tinha.
  109. Mas eu sabia o que significava.
  110. Isto foi o que eu disse
    nos degraus do tribunal:

  111. "O que aconteceu hoje foi o seguinte:
  112. um joão-ninguém, um rapaz acusado
    de ser o motorista do Bin Laden,
  113. um dos homens mais horríveis que existe,
  114. que não processou apenas qualquer pessoa,
    mas sim processou o país,
  115. na verdade, o homem mais poderoso
    do mundo, o presidente dos Estados Unidos,
  116. e não foi em um fórum
    qualquer de primeira instância,
  117. mas no mais alto tribunal do país,
    a Suprema Corte,
  118. e ele ganhou.
  119. Isso é algo notável sobre este país.
  120. Em muitos outros países,
    esse motorista teria sido baleado,
  121. só por ter apresentado o seu caso.
  122. E o mais importante para mim,
    o advogado dele teria sido baleado.
  123. Essa é a diferença dos Estados Unidos,
  124. o que torna esse país especial".
  125. Por causa dessa decisão,
  126. as Convenções de Genebra
    se aplicam à guerra ao terror,
  127. o que significa o fim
    de prisões fantasmas pelo mundo,
  128. o fim do afogamento simulado
  129. e o fim desses tribunais
    militares como Guantánamo.
  130. Por construir o caso com muito cuidado
    e persuadir os juízes,
  131. conseguimos literalmente mudar o mundo.
  132. Parece fácil, não?

  133. Praticando muito e evitando
    demonstrar emoções
  134. você também pode vencer
    qualquer argumento.
  135. Lamento dizer que não é tão fácil assim,
    minhas estratégias não são infalíveis,
  136. e embora tenha vencido mais casos
    do que muitos na Suprema Corte,
  137. também perdi vários deles.
  138. Para ser sincero, depois
    que Donald Trump foi eleito,

  139. fiquei apavorado,
    constitucionalmente falando.
  140. Não me leve a mal, isso não tem a ver
    com esquerda versus direita, algo assim.
  141. Não estou aqui pra falar disso.
  142. Mas uma semana antes de o novo
    presidente assumir o comando,
  143. talvez você se lembre
    destas cenas nos aeroportos.
  144. O presidente Trump baseou sua campanha
    em promessas como, e eu cito:
  145. "Eu, Donald J. Trump, apelo
    por uma completa paralisação
  146. de toda a imigração de muçulmanos
    para os Estados Unidos".
  147. Ele também disse:
    "Acho que o Islã nos odeia".
  148. E ele cumpriu o que prometeu,
  149. proibindo a imigração de sete países
    com populações de maioria muçulmana.
  150. Minha equipe jurídica e outros foram
    à Corte imediatamente e processaram,
  151. derrubaram a primeira proibição de viagem.
  152. Trump a revisou.
  153. Fomos à Corte novamente
    e a derrubamos outra vez.
  154. Ele a revisou de novo,
  155. só que dessa vez ele incluiu
    a Coreia do Norte.
  156. Todos sabemos que os Estados Unidos
    têm um enorme problema de imigração
  157. com a Coreia do Norte.
  158. Isso deu margem para que os advogados
    dele dissessem à Suprema Corte:
  159. "Isso não é discriminação
    contra os muçulmanos,
  160. outras pessoas estão incluídas também".
  161. Eu achava que tínhamos
    a resposta final para isso.

  162. Não vou entediar você com os detalhes,
    mas no final nós perdemos.
  163. Cinco votos contra quatro.
  164. Fiquei arrasado.
  165. Estava preocupado que meu poder
    de persuasão tivesse diminuído.
  166. Então, duas coisas aconteceram.

  167. Notei uma parte da decisão
    da Suprema Corte que bania as viagens
  168. que discutia os campos de concentração
    de japoneses aqui nos EUA.
  169. Esse foi um momento
    horrível da nossa história,
  170. quando mais de 100 mil nipo-americanos
    foram presos em campos de internados.
  171. De todos que desafiaram esse esquema,
    meu favorito foi Gordon Hirabayashi,
  172. estudante da Universidade de Washington.
  173. Ele se entregou ao FBI, que disse:
    "Você é réu primário, pode ir pra casa".
  174. Gordon disse:
  175. "Não, sou quaker,
    devo lutar contra leis injustas".
  176. Então, ele foi preso e condenado.
  177. O caso Gordon chegou à Suprema Corte.
  178. Vou de novo frustrar qualquer expectativa
    que você talvez tenha criado

  179. e dizer logo como isso acabou:
  180. Gordon perdeu,
  181. mas por uma razão simples:
  182. o procurador-geral, melhor advogado
    do governo, disse à Suprema Corte
  183. que a prisão de nipo-americanos
    se justificava por necessidade militar.
  184. E isso aconteceu mesmo com sua equipe
    descobrindo que não havia necessidade
  185. para a prisão de nipo-americanos,
  186. que o FBI e a comunidade
    de inteligência pensavam assim.
  187. Na verdade, o motivo se baseava
    em preconceito racial.
  188. A equipe dele implorou ao procurador-geral
    para que dissesse a verdade
  189. e não suprimisse evidências.
  190. O que o procurador-geral fez?
  191. Nada!
  192. Ele foi lá e contou a história
    das "necessidades militares".
  193. A Corte manteve a condenação
    de Gordon Hirabayash.
  194. No ano seguinte, mantiveram
    Fred Korematsu preso.
  195. Agora, por que eu estava pensando nisso?

  196. Porque aproximadamente 70 anos depois,
    estou ocupando o mesmo cargo,
  197. Chefe do Gabinete do Procurador-Geral.
  198. E preciso esclarecer as coisas,
  199. explicando que o governo
    interpretou mal os fatos
  200. no caso da prisão de japoneses.
  201. E pensando na decisão da Suprema Corte
    sobre as proibições de viagens,
  202. me dei conta de algo.
  203. Nessa decisão, a Suprema Corte
  204. mudou seu entendimento e anulou
    sua decisão no caso Korematsu.
  205. Além do Departamento de Justiça,
  206. a Suprema Corte também entendeu
    que a prisão dos japoneses foi errada.
  207. Essa é uma lição básica
    sobre argumentação: o momento.

  208. Qualquer pessoa ao fazer uma argumentação
    precisa levar esse fator em consideração.
  209. Em que momento deve argumentar?
  210. O que conta não é só o argumento certo,
  211. você precisa do argumento certo
    no momento certo.
  212. Quando seu público, seja sua esposa
    seu chefe, seu filho, será mais receptivo?
  213. Às vezes isso estará fora do seu controle.

  214. A demora tem um custo muito alto,
  215. então você tem que lutar
  216. e pode acontecer, como foi comigo,
    de ser o momento errado.
  217. Foi isso que concluímos
    sobre a proibição de viagens.
  218. O mandato de Trump estava bem no início,
    e a Suprema Corte não estava preparada
  219. para anular uma iniciativa dele,
  220. como não estava pronta para anular
    os campos de internados
  221. de nipo-americanos do Roosevelt.
  222. Às vezes, você tem que correr o risco.
  223. Mas é muito doloroso perder
  224. e ter paciência é bem difícil.
  225. Mas isso me lembra uma segunda lição.

  226. Mesmo que a vitória só venha depois,
    percebi o quão importante a luta é agora,
  227. porque ela inspira e educa.
  228. Lembro-me de ler uma coluna da Ann Coulter
    sobre o banimento muçulmano,

  229. que dizia o seguinte:
  230. "A oposição a Trump foi feita
    pelo americano de primeira geração,
  231. Neal Katyal.
  232. Existem tantos americanos de 10ª geração
    que desprezam seu país,
  233. não havia nenhum deles que poderia
    explicar por que deveríamos destruir
  234. nosso país com a imigração em massa?"
  235. Foi ali que a emoção,
    a arqui-inimiga de um bom argumento,
  236. foi importante para mim.
  237. Foi necessária emoção fora do tribunal
    para me levar de volta lá.
  238. Quando li a coluna da Coulter,
    eu fiquei furioso.

  239. Repudio a ideia de que ser um americano
    da primeira geração me desqualifica,
  240. e que a imigração massiva
    vai acabar com nosso país,
  241. em vez reconhecer que ela foi literalmente
    a base em que esse país foi construído.
  242. Quando eu li Coulter,
    pensei muito na minha história;

  243. pensei no meu pai, que chegou
    aqui da Índia com US$ 8
  244. e que não sabia se deveria usar
    o banheiro de negros ou de brancos;
  245. pensei na primeira oferta dele
    de trabalho em um matadouro,
  246. que não era um emprego
    dos sonhos para um hindu;
  247. pensei sobre quando nos mudamos
    para um novo bairro em Chicago,
  248. com outra família indiana
  249. que tinha uma cruz
    queimada no seu quintal,
  250. porque os racistas não sabiam bem
    diferenciar afro-americanos de hindus;
  251. e pensei em todas as cartas de ódio
    que recebi no processo de Guantánamo,
  252. por ser um "amante de muçulmanos".
  253. De novo, os racistas não eram muito bons
    em diferenciar hindus e muçulmanos.
  254. Ann Coulter pensou que ser filho
    de imigrante era uma fraqueza;

  255. ela estava profundamente enganada.
  256. É minha força,
  257. porque eu sabia o que os EUA
    deveriam representar.
  258. Sabia que nos Estados Unidos,
  259. eu, o filho de um homem
    que chegou aqui com US$ 8 no bolso,
  260. podia me apresentar na Suprema Corte
    em nome de um estrangeiro detestado,
  261. na posição de motorista
    de Osama bin Laden, e vencer.
  262. Isso me fez perceber,
    que mesmo tendo perdido o caso,

  263. eu não estava errado quanto
    ao banimento de muçulmanos,
  264. independentemente da decisão da Corte,
  265. nada mudaria o fato
    de que os imigrantes fortalecem esse país.
  266. De muitas formas, os imigrantes
    são os que mais amam este país.
  267. Quando li as palavras da Ann Coulter,
  268. pensei nas gloriosas palavras
    da primeira emenda da nossa Constituição:
  269. "O Congresso não deve criar nenhuma
    lei estabelecendo religião".
  270. Pensei no lema da nossa nação:
    "E plurbis unum",
  271. "de muitos, nos tornaremos um".
  272. E, acima de tudo, percebi

  273. que a única coisa que faz alguém
    perder um argumento é desistir dele.
  274. Então, me juntei a uma ação
    do Congresso dos EUA
  275. contestando a adição de uma questão
    no censo feita pelo presidente Trump.
  276. Uma decisão de implicações enormes.
  277. Foi um caso muito difícil.
  278. Muitos pensaram que perderíamos,
    mas no fim vencemos.
  279. Cinco votos contra quatro.
  280. A Suprema Corte disse que Trump
    e seu gabinete haviam mentido.
  281. Agora eu estava recuperado
    e de volta à luta,

  282. e espero que cada cidadão,
    à sua maneira, lute também.
  283. Voltei porque acredito
    que bons argumentos vencem no final.
  284. O arco da justiça é longo,
    e se curva, muitas vezes, lentamente,
  285. mas ele se curva apenas se o curvarmos.
  286. Percebi que a questão
    não é como vencer cada disputa,
  287. e sim como voltamos depois de perder.
  288. Porque, a longo prazo,
    bons argumentos vão vencer.
  289. Se você tem um bom argumento,
  290. isso tem o poder de ir além de você,
  291. ultrapassar sua essência e existência
  292. e alcançar mentes no futuro.
  293. E essa é a razão disso ser tão importante.

  294. Não estou dizendo a você
    como ganhar defesas só por ganhar.
  295. Não se trata de um jogo.
  296. Eu estou dizendo isso,
    pois mesmo que você não vença agora,
  297. se tiver uma boa argumentação,
    a história provará que você está certo.
  298. Penso o tempo todo
    naquele professor de teatro

  299. e acabei constatando
  300. que eu estava segurando a mão da justiça.
  301. Aquela mão se estenderá para você,
  302. a decisão de ignorá-la
    ou de continuar a segurá-la é sua.
  303. Muito obrigado pela sua atenção.