Return to Video

Van Jones: a injustiça econômica do plástico

  • 0:04 - 0:06
    Estou honrado por estar aqui,
  • 0:06 - 0:08
    e estou honrado por falar sobre este tópico,
  • 0:08 - 0:10
    que eu acho de grande importância.
  • 0:10 - 0:12
    Temos falado muito sobre
  • 0:12 - 0:14
    os impactos terríveis do plástico
  • 0:14 - 0:17
    no nosso planeta e nas outras espécies,
  • 0:17 - 0:19
    mas o plástico também prejudica as pessoas,
  • 0:19 - 0:22
    especialmente pessoas pobres.
  • 0:22 - 0:24
    E na produção do plástico,
  • 0:24 - 0:27
    uso do plástico e descarte do plástico,
  • 0:27 - 0:29
    são as pessoas pobres que têm um alvo
  • 0:29 - 0:32
    desenhado nas testas.
  • 0:32 - 0:35
    As pessoas ficaram revoltadas
  • 0:35 - 0:37
    com o vazamento de óleo da BP
  • 0:37 - 0:39
    por uma boa razão.
  • 0:39 - 0:41
    As pessoas pensaram, "Oh, meu Deus.
  • 0:41 - 0:43
    Isso é terrível, o óleo. Está na água.
  • 0:43 - 0:45
    Ele vai destruir
  • 0:45 - 0:47
    todos os sistemas vivos.
  • 0:47 - 0:49
    As pessoas serão prejudicadas.
  • 0:49 - 0:51
    Isso é uma coisa terrível,
  • 0:51 - 0:53
    o óleo vai prejudicar as pessoas do Golfo."
  • 0:53 - 0:55
    O que as pessoas não pensam é:
  • 0:55 - 0:58
    e se óleo tivesse chegado de maneira segura à costa?
  • 0:58 - 1:01
    E se o óleo tivesse chegado aonde estava tentando chegar?
  • 1:01 - 1:03
    Não somente teria sido queimado nos motores
  • 1:03 - 1:06
    e contribuído para o aquecimento global,
  • 1:06 - 1:09
    mas tem um lugar chamado "corredor do câncer",
  • 1:09 - 1:11
    e a razão do nome "corredor do câncer"
  • 1:11 - 1:14
    é porque a indústria petroquímica
  • 1:14 - 1:16
    pega o óleo e o transforma em plástico
  • 1:16 - 1:19
    e, no processo, mata pessoas.
  • 1:19 - 1:22
    Diminui o tempo de vida das pessoas que moram no Golfo.
  • 1:22 - 1:25
    Então óleo e petroquímicos não são um problema só quando há um vazamento,
  • 1:25 - 1:27
    são um problema quando não há.
  • 1:27 - 1:29
    E o que muitas vezes não consideramos
  • 1:29 - 1:31
    é o preço que as pessoas pobres pagam
  • 1:31 - 1:33
    para nós termos os produtos descartáveis.
  • 1:33 - 1:35
    A outra coisa que não consideramos é que
  • 1:35 - 1:38
    não é só no momento da produção que as pessoas sofrem.
  • 1:38 - 1:40
    Pessoas pobres também sofrem
  • 1:40 - 1:42
    no momento do uso.
  • 1:42 - 1:44
    Para os que têm um certo nível de renda,
  • 1:44 - 1:46
    temos algo chamado escolha.
  • 1:46 - 1:48
    A razão que faz você trabalhar duro e ter um emprego
  • 1:48 - 1:50
    e não ser pobre e sem dinheiro
  • 1:50 - 1:53
    é para ter escolhas, escolhas econômicas.
  • 1:53 - 1:55
    Nós na verdade podemos escolher
  • 1:55 - 1:57
    não usar os produtos
  • 1:57 - 1:59
    que contêm plásticos perigosos e venenosos.
  • 1:59 - 2:02
    As pessoas que são pobres não têm essas escolhas.
  • 2:02 - 2:04
    Então as pessoas de baixa renda são geralmente
  • 2:04 - 2:06
    as que compram os produtos
  • 2:06 - 2:09
    que contêm as substâncias perigosas que as crianças estão usando.
  • 2:09 - 2:11
    São as pessoas que acabam
  • 2:11 - 2:13
    ingerindo uma quantidade desproporcional
  • 2:13 - 2:16
    de plástico venenoso e usando-o.
  • 2:16 - 2:19
    E alguns dizem, "Bem, eles deveriam comprar um produto diferente."
  • 2:19 - 2:22
    Mas o problema de ser probre é que você não tem escolhas.
  • 2:22 - 2:24
    Você geralmente tem que comprar os produtos mais baratos.
  • 2:24 - 2:27
    Os produtos mais baratos são geralmente os mais perigosos.
  • 2:27 - 2:29
    E se já não fosse ruim o suficiente,
  • 2:29 - 2:31
    se não fosse só a produção de plástico
  • 2:31 - 2:34
    também está causando câncer em lugares como "corredor do câncer" e acabando com vidas
  • 2:34 - 2:37
    e prejudicando crianças pobres no momento do uso,
  • 2:37 - 2:39
    no momento do descarte,
  • 2:39 - 2:41
    mais uma vez, são os pobres
  • 2:41 - 2:43
    que carregam o fardo.
  • 2:43 - 2:45
    Muitas vezes achamos que fazemos a coisa certa.
  • 2:45 - 2:47
    Você está no escritório,
  • 2:47 - 2:49
    e está bebendo sua água de garrafa,
  • 2:49 - 2:52
    e pensa com você, "Vou jogar isso fora.
  • 2:52 - 2:54
    Não. Vou ser virtuoso.
  • 2:54 - 2:56
    Vou colocar no lixo reciclável."
  • 2:56 - 2:58
    Pensa, "Eu usei o lixo reciclável."
  • 2:58 - 3:01
    E então olha pro seu colega e diz,
  • 3:01 - 3:03
    "Por que, seu cretino,
  • 3:03 - 3:05
    você usou o lixo comum?"
  • 3:05 - 3:07
    E usamos isso como uma cócega moral.
  • 3:07 - 3:09
    Nos sentimos bem.
  • 3:10 - 3:12
    Talvez eu me perdoe.
  • 3:12 - 3:15
    Não vocês, mas é assim que eu me sinto.
  • 3:16 - 3:19
    E então temos um certo "momento de nos sentirmos bem".
  • 3:19 - 3:22
    Mas se pudéssemos seguir aquela garrafinha
  • 3:22 - 3:24
    na sua jornada,
  • 3:24 - 3:27
    ficaríamos chocados ao descobrir que, muitas vezes,
  • 3:27 - 3:29
    aquela garrafa vai ser colocada num barco.
  • 3:29 - 3:32
    Vai seguir seu caminho pelo oceano
  • 3:32 - 3:34
    com um certo custo.
  • 3:34 - 3:37
    E vai acabar num país em desenvolvimento - geralmente a China.
  • 3:37 - 3:40
    Acho que imaginamos que alguém vai pegar a garrafinha
  • 3:40 - 3:43
    e dizer, "Oh, garrafinha.
  • 3:43 - 3:45
    Estamos tão felizes em ver você, garrafinha."
  • 3:45 - 3:47
    (Risos)
  • 3:47 - 3:50
    "Você serviu tão bem."
  • 3:50 - 3:52
    Ele faz uma massagem na garrafa,
  • 3:52 - 3:54
    dá uma pequena medalha.
  • 3:54 - 3:56
    E diz, "O que gostaria de fazer agora?"
  • 3:56 - 3:59
    A garrafinha diz, "Ah, não sei."
  • 3:59 - 4:02
    Mas isso não é o que acontece de fato.
  • 4:04 - 4:06
    Aquela garrafa
  • 4:06 - 4:09
    vai acabar sendo queimada.
  • 4:09 - 4:12
    A reciclagem de plástico em muitos países em desenvolvimento
  • 4:12 - 4:14
    significa a incineração do plástico,
  • 4:14 - 4:16
    a queima do plástico,
  • 4:16 - 4:18
    que libera substâncias tóxicas incríveis
  • 4:18 - 4:20
    e, mais uma vez, mata pessoas.
  • 4:20 - 4:22
    Então pessoas pobres
  • 4:22 - 4:24
    que fazem esses produtos
  • 4:24 - 4:27
    em centros petroquímicos como "corredor do câncer";
  • 4:27 - 4:29
    pessoas pobres que consumem esses produtos sem proporção;
  • 4:29 - 4:31
    e pessoas pobres,
  • 4:31 - 4:33
    que mesmo no fim do ciclo da reciclagem
  • 4:33 - 4:36
    têm suas vidas encurtadas,
  • 4:36 - 4:39
    são largamente prejudicadas
  • 4:39 - 4:42
    pelo nosso vício por
  • 4:42 - 4:44
    descartáveis.
  • 4:44 - 4:46
    Então vocês pensam -- pois eu sei como vocês são --
  • 4:46 - 4:48
    e dizem, "Isso é terrível
  • 4:48 - 4:50
    para estas pessoas pobres.
  • 4:50 - 4:52
    Isso é horrível
  • 4:52 - 4:54
    para estas pessoas pobres.
  • 4:54 - 4:57
    Espero que alguém faça algo para ajudá-los."
  • 4:57 - 5:00
    Mas o que não entendemos é
  • 5:00 - 5:02
    que aqui estamos, em Los Angeles.
  • 5:02 - 5:04
    Trabalhamos duro pela redução da poluição
  • 5:04 - 5:06
    que temos aqui em Los Angeles.
  • 5:06 - 5:08
    Mas vejam só!
  • 5:08 - 5:10
    Por eles produzirem tanta sujeira da Ásia agora,
  • 5:10 - 5:12
    pelas leis ambientais
  • 5:12 - 5:14
    não protejerem as pessoas na Ásia agora,
  • 5:14 - 5:16
    quase todo o ganho em ar puro
  • 5:16 - 5:18
    e ganho em ar tóxico
  • 5:18 - 5:20
    que conseguimos na Califórnia
  • 5:20 - 5:23
    tem sido eliminado pelo ar poluído que vem da Ásia.
  • 5:24 - 5:27
    Estamos todos sendo atingidos e impactados.
  • 5:27 - 5:30
    Só que as pessoas pobres são atingidas primeiro e pior.
  • 5:30 - 5:33
    Mas a produção suja, a queima de toxinas,
  • 5:33 - 5:35
    a falta de padrões ambientais na Ásia
  • 5:35 - 5:38
    está criando tanta sujeira e poluição no ar que
  • 5:38 - 5:41
    está cruzando o oceano e acabando com os ganhos aqui na Califórnia.
  • 5:41 - 5:43
    Estamos de volta onde estávamos anos 70.
  • 5:43 - 5:45
    Então estamos num único planeta,
  • 5:45 - 5:48
    e devemos ser capazes de chegar às causas desses problemas.
  • 5:48 - 5:51
    Bem, a causa desse problema, ao meu ver,
  • 5:51 - 5:54
    é a ideia do descartável em si.
  • 5:54 - 5:57
    Se você entende a conexão
  • 5:57 - 5:59
    entre o que estamos fazendo
  • 5:59 - 6:01
    para envenenar e poluir o planeta
  • 6:01 - 6:04
    e o que estamos fazendo aos pobres,
  • 6:04 - 6:06
    vecê chega a uma conclusão muito
  • 6:06 - 6:09
    problemática mas também muito útil:
  • 6:09 - 6:11
    para acabar com o planeta
  • 6:11 - 6:13
    você tem que acabar com as pessoas.
  • 6:13 - 6:16
    Mas se você cria um mundo onde não se acaba com as pessoas,
  • 6:16 - 6:18
    você não consegue acabar com o planeta.
  • 6:18 - 6:20
    Então agora estamos num momento
  • 6:20 - 6:23
    onde o encontro da justiça social como ideia
  • 6:23 - 6:25
    e ecologia como ideia,
  • 6:25 - 6:27
    nós finalmente conseguimos ver
  • 6:27 - 6:30
    que no fim das contas elas são realmente uma única ideia.
  • 6:30 - 6:33
    E é a ideia de que não temos nada descartável.
  • 6:33 - 6:36
    Não temos recursos descartáveis.
  • 6:36 - 6:38
    Não temos espécies descartáveis.
  • 6:38 - 6:41
    E também não temos pessoas descartáveis.
  • 6:41 - 6:43
    Não temos um planeta descartável,
  • 6:43 - 6:46
    e não temos crianças descartáveis -- tudo é precioso.
  • 6:46 - 6:49
    E quando começamos a voltar para esse entendimento básico,
  • 6:49 - 6:52
    novas oportunidades para ação começam a surgir.
  • 6:52 - 6:54
    Biomimética,
  • 6:54 - 6:56
    que é algo..
  • 6:56 - 6:58
    que é uma ciência que está surgindo,
  • 6:58 - 7:01
    acaba sendo uma ideia de justiça social muito importante.
  • 7:01 - 7:03
    Pessoas que estão começando a aprender essas coisas,
  • 7:03 - 7:05
    biomimética significa
  • 7:05 - 7:07
    respeitar a sabedoria de todas as espécies.
  • 7:07 - 7:09
    Democracia, por sinal,
  • 7:09 - 7:11
    significa respeitar a sabedoria de todas as pessoa -- e chegaremos a isso.
  • 7:11 - 7:14
    Mas biomimética significa respeitar a sabedoria de todas as espécies.
  • 7:14 - 7:17
    E no fim somos uma espécie bem inteligente.
  • 7:17 - 7:20
    Esse grande córtex, ou o que seja, temos orgulho de nós mesmos.
  • 7:20 - 7:23
    Mas se queremos fazer algo duro,
  • 7:23 - 7:26
    dizemos, "Eu sei, vou fazer uma substância dura.
  • 7:26 - 7:29
    Eu sei, vou usar aspiradores e fornalhas
  • 7:29 - 7:31
    e tirar coisas do solo
  • 7:31 - 7:34
    e pegar coisas quentes e envenenar e poluir,
  • 7:34 - 7:37
    mas eu consegui essa coisa dura.
  • 7:37 - 7:39
    Eu sou tão inteligente."
  • 7:39 - 7:42
    E você olha para trás e há destruição por todos os lados.
  • 7:42 - 7:44
    Mas adivinha? Você é tão inteligente,
  • 7:44 - 7:46
    mas não é tão inteligente quanto um molusco.
  • 7:46 - 7:48
    A concha de um molusco é dura.
  • 7:48 - 7:51
    Não há vácuos, não há grandes fornalhas,
  • 7:51 - 7:53
    não há veneno, não há poluição.
  • 7:53 - 7:55
    Acontece que nossa outra espécie
  • 7:55 - 7:57
    descobriu há muito tempo
  • 7:57 - 8:00
    como criar muitas das coisas que precisamos
  • 8:00 - 8:03
    usando processos biológicos que a natureza sabe como usar bem.
  • 8:03 - 8:05
    Bem, esse insight da biomimética,
  • 8:05 - 8:07
    dos nossos cientistas finalmente perceberem
  • 8:07 - 8:09
    que temos tanto o que aprender de outras espécies --
  • 8:09 - 8:11
    e não quero dizer pegar um rato
  • 8:11 - 8:13
    e enfiar coisas nele.
  • 8:13 - 8:16
    Não é isso que quero dizer: abusar das espécies menores --
  • 8:16 - 8:19
    Quero dizer respeitarmos as espécies e o que elas conquistaram.
  • 8:19 - 8:21
    Isto é biomimética,
  • 8:21 - 8:23
    e abre as portas para
  • 8:23 - 8:25
    a produção com desperdício zero,
  • 8:25 - 8:27
    produção com poluição zero --
  • 8:27 - 8:29
    podemos realmente desfrutar
  • 8:29 - 8:31
    de excelente qualidade e padrão de vida
  • 8:31 - 8:33
    sem castigar o planeta.
  • 8:33 - 8:36
    A ideia de biomimética,
  • 8:36 - 8:38
    de respeitar a sabedoria de todas as espécies,
  • 8:38 - 8:40
    combinada com a ideia
  • 8:40 - 8:42
    de democracia e justiça social
  • 8:42 - 8:45
    de respeitar a sabedoria e o valor de todas as pessoas,
  • 8:45 - 8:47
    nos daria uma sociedade diferente.
  • 8:47 - 8:49
    Teríamos uma economia diferente.
  • 8:49 - 8:51
    E teríamos uma sociedade mais verde
  • 8:51 - 8:53
    da qual o Dr. King teria orgulho.
  • 8:53 - 8:55
    Este deveria ser o objetivo.
  • 8:55 - 8:58
    E para chegarmos lá, devemos primeiramente reconhecer
  • 8:58 - 9:01
    que a ideia do descartável,
  • 9:01 - 9:03
    não só prejudica as
  • 9:03 - 9:05
    espécies das quais falamos,
  • 9:05 - 9:08
    mas também corrompe nossa própria sociedade.
  • 9:08 - 9:11
    Somos tão orgulhosos de viver aqui na Califórnia.
  • 9:11 - 9:13
    Tivemos uma votação recente, e todos disseram,
  • 9:13 - 9:16
    "Bem, não em nosso estado.
  • 9:16 - 9:19
    Não sei o que os outros estados estão fazendo."
  • 9:19 - 9:21
    (Risos)
  • 9:21 - 9:23
    Tão orgulhosos.
  • 9:23 - 9:26
    E sim, também estou orgulhoso.
  • 9:26 - 9:29
    Mas na Califórnia,
  • 9:29 - 9:32
    embora sejamos líderes mundiais em alguns aspectos ecológicos,
  • 9:32 - 9:34
    nós também, infelizmente, somos líderes
  • 9:34 - 9:37
    em alguns aspectos "gulag".
  • 9:37 - 9:40
    A Califórnia tem uma das maiores taxas de prisioneiros
  • 9:40 - 9:42
    de todos os 50 estados.
  • 9:42 - 9:45
    Temos um desafio moral neste momento.
  • 9:45 - 9:48
    Temos paixão em resgatar
  • 9:48 - 9:50
    detritos em aterros,
  • 9:50 - 9:52
    mas às vezes não temos paixão
  • 9:52 - 9:55
    em resgatar seres vivos, pessoas vivas.
  • 9:55 - 9:58
    E diria que vivemos num país --
  • 9:58 - 10:00
    5% da população mundial,
  • 10:00 - 10:03
    25% dos gases do efeito estufa,
  • 10:03 - 10:05
    mas também 25% dos prisioneiros do mundo.
  • 10:05 - 10:08
    Uma em cada cinco pessoas presas em qualquer lugar do mundo
  • 10:08 - 10:10
    está presa aqui nos Estados Unidos.
  • 10:10 - 10:13
    Então isso consiste com a ideia
  • 10:13 - 10:16
    que o descartável é algo em que acreditamos.
  • 10:16 - 10:19
    Porém,
  • 10:19 - 10:21
    como um movimento,
  • 10:21 - 10:23
    que tem que expandir o número de colaboradores,
  • 10:23 - 10:25
    que tem que crescer,
  • 10:25 - 10:28
    que tem que se extender além da nossa zona de conforto,
  • 10:28 - 10:31
    um dos desafios para o sucesso deste movimento
  • 10:31 - 10:34
    de acabar com coisas como plástico e ajudar a economia a mudar,
  • 10:34 - 10:37
    é que pessoas olham para o movimento com certa suspeita.
  • 10:37 - 10:40
    E elas fazem uma pergunta, que é:
  • 10:40 - 10:43
    Como essas pessoas podem ter tanta paixão?
  • 10:43 - 10:46
    Uma pessoa pobre, com baixa renda, alguém no "corredor do câncer",
  • 10:46 - 10:49
    alguém em Watts,
  • 10:49 - 10:51
    alguém no Harlem, alguém numa reserva indígena,
  • 10:51 - 10:53
    poderia dizer, e com razão:
  • 10:53 - 10:56
    "Como essas pessoas podem ter tanta paixão
  • 10:56 - 10:58
    e fazer de tudo para que
  • 10:58 - 11:00
    a garrafa plástica
  • 11:00 - 11:02
    tenha uma segunda chance na vida,
  • 11:02 - 11:05
    ou uma lata de alumínio tenha uma segunda chance,
  • 11:05 - 11:07
    mas quando meu filho entra em apuros
  • 11:07 - 11:09
    e vai para a prisão,
  • 11:09 - 11:11
    ele não tem uma segunda chance?"
  • 11:11 - 11:13
    Como esse movimento pode ser tão engajado
  • 11:13 - 11:16
    em dizer que não temos coisas descartáveis ou detritos descartáveis,
  • 11:16 - 11:18
    ao mesmo tempo que aceita
  • 11:18 - 11:21
    vidas descartáveis e comunidades descartáveis como "o corredor de câncer"?
  • 11:21 - 11:24
    Então agora temos a chance
  • 11:24 - 11:27
    de realmente termos orgulho deste movimento.
  • 11:27 - 11:29
    Quando abordamos tópicos como este,
  • 11:29 - 11:31
    temos a oportunidade de
  • 11:31 - 11:33
    alcançar outros movimentos
  • 11:33 - 11:36
    e de nos tornar mais inclusivos e crescer.
  • 11:36 - 11:39
    E podemos finalmente sair desse dilema louco em que estamos.
  • 11:40 - 11:42
    A maioria de vocês são pessoas boas e de bom coração.
  • 11:42 - 11:45
    Quando vocês eram jovens, vocês se importavam com o mundo inteiro,
  • 11:45 - 11:47
    e em algum momento
  • 11:47 - 11:49
    alguém disse que vocês deveriam escolher um problema,
  • 11:49 - 11:51
    tinham que focar o seu amor em um só problema.
  • 11:51 - 11:53
    Não podem amar o mundo todo --
  • 11:53 - 11:55
    devem trabalhar com árvores,
  • 11:55 - 11:57
    ou devem trabalhar com imigração.
  • 11:57 - 12:00
    Vocês devem diminuir e trabalhar somente com um problema.
  • 12:00 - 12:03
    E eles realmente falaram para vocês:
  • 12:03 - 12:05
    "Você vai abraçar uma árvore,
  • 12:05 - 12:07
    ou você vai abraçar uma criança? Escolha.
  • 12:07 - 12:09
    Você vai abraçar uma árvore,
  • 12:09 - 12:11
    ou vai abraçar uma criança? Escolha."
  • 12:11 - 12:13
    Bem, quando vocês começam a trabalhar com problemas como o plástico,
  • 12:13 - 12:16
    vocês percebem que o mundo todo está conectado,
  • 12:16 - 12:18
    e por sorte a maioria de nós é abençoada por ter dois braços.
  • 12:18 - 12:20
    Podemos abraçar ambos.
  • 12:20 - 12:22
    Muitíssimo obrigado.
  • 12:22 - 12:28
    (Aplausos)
Title:
Van Jones: a injustiça econômica do plástico
Speaker:
Van Jones
Description:

Van Jones apresenta um caso contra a poluição gerada pelo plástico através da perspectiva da justiça social. Ele mostra que o lixo plástico atinge as pessoas e países pobres "primeiro e pior", mas com consequências que todos compartilhamos, não interessando onde vivemos. No TEDxGPGP, ele oferece algumas ideias poderosas para nos ajudar a conquistar de volta nosso planeta consumista.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
12:29
Fers Gruendling added a translation

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions