Return to Video

Como dizer o que pensamos

  • 0:01 - 0:05
    Dizer o que pensamos é difícil.
  • 0:05 - 0:10
    Entendi o real significado
    desta frase há um mês,
  • 0:10 - 0:13
    quando a minha mulher e eu
    fomos pais pela primeira vez.
  • 0:13 - 0:15
    Foi um momento fantástico.
  • 0:15 - 0:17
    Foi emocionante e eufórico,
  • 0:17 - 0:20
    mas foi também assustador
    e aterrador.
  • 0:21 - 0:25
    Ficou particularmente aterrador
    quando chegámos a casa do hospital
  • 0:25 - 0:26
    e estávamos inseguros
  • 0:26 - 0:30
    se o nosso pequeno bebé estava a ter
    nutrientes suficientes da amamentação.
  • 0:31 - 0:34
    Queríamos chamar a nossa pediatra,
  • 0:34 - 0:37
    mas também não queríamos dar
    uma má primeira impressão
  • 0:37 - 0:39
    ou parecer uns pais malucos e neuróticos.
  • 0:39 - 0:41
    Então ficámos preocupados.
  • 0:41 - 0:42
    E esperámos.
  • 0:42 - 0:45
    Quando chegámos
    ao consultório médico no dia seguinte,
  • 0:45 - 0:49
    ela deu-lhe de imediato um complemento
    porque ele estava muito desidratado.
  • 0:49 - 0:51
    O nosso filho agora está bem
  • 0:51 - 0:54
    e a nossa médica assegurou-nos
    que podíamos contactá-la sempre.
  • 0:54 - 0:56
    Mas naquele momento,
  • 0:56 - 0:59
    eu devia ter dito o que penso,
    mas não o fiz.
  • 0:59 - 1:02
    Por vezes, dizemos o que pensamos
    quando não devíamos.
  • 1:02 - 1:06
    Aprendi isto há mais de 10 anos
    quando desiludi o meu irmão gémeo.
  • 1:07 - 1:09
    O meu irmão gémeo
    é realizador de documentários,
  • 1:09 - 1:11
    e num dos seus primeiros filmes,
  • 1:11 - 1:13
    recebeu uma proposta
    de uma empresa distribuidora
  • 1:13 - 1:15
    Ele estava entusiasmado,
  • 1:15 - 1:17
    e estava inclinado
    a aceitar a proposta.
  • 1:17 - 1:20
    Mas, enquanto investigador de negócios,
  • 1:20 - 1:23
    eu insisti que ele fizesse
    uma contra proposta,
  • 1:23 - 1:26
    e ajudei-o a criar a proposta perfeita.
  • 1:26 - 1:28
    E era perfeita
  • 1:28 - 1:30
    — era perfeitamente insultuosa.
  • 1:30 - 1:32
    A companhia sentiu-se tão ofendida,
  • 1:32 - 1:34
    que, literalmente, retirou a proposta
  • 1:34 - 1:36
    e o meu irmão ficou sem nada.
  • 1:36 - 1:40
    Eu falei a pessoas por todo
    o mundo acerca deste dilema:
  • 1:40 - 1:42
    quando é que podemos ser assertivos,
  • 1:42 - 1:44
    zelar pelos nossos interesses,
  • 1:44 - 1:46
    expressar uma opinião,
  • 1:46 - 1:48
    fazer uma tarefa ambiciosa.
  • 1:49 - 1:53
    A gama destas histórias
    é variada e diversa,
  • 1:53 - 1:56
    mas elas constituem também
    uma tapeçaria universal.
  • 1:56 - 1:59
    Posso corrigir o meu chefe
    quando ele comete um erro?
  • 1:59 - 2:03
    Posso confrontar o meu colega
    que insiste em prejudicar-me?
  • 2:03 - 2:06
    Posso contestar
    a piada insensível do meu amigo?
  • 2:06 - 2:10
    Posso dizer à pessoa que mais amo
    as minhas inseguranças mais profundas?
  • 2:11 - 2:14
    Através destas experiências
    comecei a reconhecer
  • 2:14 - 2:18
    que cada um de nós tem algo chamado
    um limite de comportamento aceitável.
  • 2:18 - 2:23
    Por vezes somos demasiado fortes
    puxamos demasiado por nós,
  • 2:23 - 2:25
    Foi o que aconteceu com o meu irmão.
  • 2:25 - 2:29
    Mesmo fazer uma proposta estava fora
    do seu limite de comportamento aceitável.
  • 2:29 - 2:31
    Mas, por vezes, somos muito fracos.
  • 2:31 - 2:33
    Foi o que aconteceu comigo
    e com a minha mulher.
  • 2:33 - 2:36
    Neste limite de comportamentos aceitáveis,
  • 2:36 - 2:39
    quando ficamos dentro do nosso limite,
    somos recompensados.
  • 2:39 - 2:43
    Quando saímos fora desse limite,
    somos castigados de várias maneiras.
  • 2:43 - 2:46
    Somos rejeitados ou rebaixados
    e até mesmo ostracizados.
  • 2:46 - 2:49
    Ou perdemos aquele aumento
    ou aquela promoção ou aquele negócio.
  • 2:50 - 2:53
    A primeira coisa que temos de saber é:
  • 2:53 - 2:54
    Qual é o meu limite?
  • 2:55 - 2:59
    Mas o ponto chave é
    que o nosso limite não é fixo;
  • 2:59 - 3:01
    é na verdade bastante dinâmico.
  • 3:01 - 3:05
    Expande-se ou estreita-se
    conforme o contexto.
  • 3:05 - 3:09
    O que determina o nosso limite,
    mais do que qualquer outra coisa,
  • 3:10 - 3:11
    é o nosso poder.
  • 3:11 - 3:14
    O nosso poder determina o nosso limite.
  • 3:14 - 3:15
    Que poder é esse?
  • 3:15 - 3:17
    O poder surge de muitas formas.
  • 3:17 - 3:20
    Em negociações, surge
    na forma de alternativas.
  • 3:20 - 3:22
    O meu irmão não tinha alternativas,
  • 3:22 - 3:23
    faltava-lhe poder.
  • 3:23 - 3:25
    A empresa tinha muitas alternativas;
  • 3:25 - 3:26
    eles tinham poder.
  • 3:26 - 3:29
    Por vezes é ser-se novo num país,
    como um imigrante,
  • 3:29 - 3:31
    ou novo numa organização
  • 3:31 - 3:32
    ou novo numa experiência,
  • 3:32 - 3:34
    como a minha mulher
    e eu enquanto pais.
  • 3:34 - 3:36
    Por vezes é no trabalho,
  • 3:36 - 3:39
    quando alguém é o chefe
    e alguém é o subordinado.
  • 3:39 - 3:40
    Por vezes é nas relações,
  • 3:40 - 3:43
    quando uma pessoa é mais dotada
    do que a outra.
  • 3:43 - 3:47
    E o ponto chave é que,
    quando se tem muito poder,
  • 3:47 - 3:49
    o nosso limite é mais amplo.
  • 3:49 - 3:51
    Temos muita margem
    na forma como nos comportamos.
  • 3:52 - 3:54
    Mas quando não temos poder,
    o nosso limite estreita-se.
  • 3:55 - 3:56
    Temos muito pouca margem.
  • 3:57 - 4:00
    O problema é que, quando
    o nosso limite se estreita,
  • 4:00 - 4:04
    isso produz algo chamado
    de vínculo duplo de pouco poder.
  • 4:04 - 4:07
    Este vínculo duplo do pouco poder acontece
  • 4:07 - 4:10
    quando, se não dissermos o que pensamos,
    passamos despercebidos,
  • 4:11 - 4:13
    mas se o fizermos, somos castigados.
  • 4:13 - 4:16
    Muitos de vocês já ouviram
    falar do termo "vínculo duplo"
  • 4:16 - 4:19
    e relacionam-no
    com uma coisa, o sexo.
  • 4:19 - 4:23
    Neste vínculo, as mulheres que não dizem
    o que pensam passam despercebidas,
  • 4:23 - 4:26
    e as que o fazem são castigadas.
  • 4:26 - 4:31
    A questão é que as mulheres precisam
    de se afirmar, tal como os homens,
  • 4:31 - 4:33
    mas têm barreiras para o fazer.
  • 4:34 - 4:37
    O que a minha pesquisa mostrou
    nas últimas duas décadas
  • 4:37 - 4:41
    é que o que parece ser
    uma diferença de sexos
  • 4:41 - 4:43
    não é realmente
    um vínculo duplo de sexo,
  • 4:43 - 4:46
    é na verdade um vínculo duplo
    de pouco poder.
  • 4:46 - 4:48
    E o que parece ser
    uma diferença de sexos
  • 4:48 - 4:51
    é muitas vezes uma diferença
    de poder disfarçada.
  • 4:51 - 4:54
    Muitas vezes vemos uma diferença
    entre um homem e uma mulher
  • 4:54 - 4:56
    ou entre homens e mulheres,
    e pensamos:
  • 4:56 - 4:57
    "Causa biológica.
  • 4:57 - 5:00
    "Existe algo fundamentalmente
    diferente nos dois sexos."
  • 5:00 - 5:02
    Mas, estudo após estudo,
  • 5:02 - 5:06
    descobri que a melhor explicação
    para tantas diferenças nos sexos
  • 5:07 - 5:08
    é, na verdade, o poder.
  • 5:08 - 5:11
    Por isso, é o vínculo duplo
    de pouco poder.
  • 5:12 - 5:17
    E este vínculo significa
    que temos um limite estreito,
  • 5:17 - 5:19
    e que nos falta poder.
  • 5:19 - 5:20
    Temos um limite estreito,
  • 5:20 - 5:22
    e o nosso vínculo duplo
    é muito grande.
  • 5:22 - 5:25
    Temos de procurar formas
    de expandir o nosso limite.
  • 5:25 - 5:26
    Nas últimas duas décadas,
  • 5:26 - 5:29
    os meus colegas e eu descobrimos
    duas coisas importantes.
  • 5:30 - 5:34
    A primeira: Parecemos
    poderosos aos nossos olhos.
  • 5:34 - 5:38
    A segunda: Parecemos poderosos
    aos olhos dos outros.
  • 5:38 - 5:39
    Quando me sinto poderoso,
  • 5:40 - 5:42
    sinto-me confiante, não receoso.
  • 5:42 - 5:44
    Expando o meu limite.
  • 5:44 - 5:46
    Quando os outros
    me veem como poderoso,
  • 5:47 - 5:49
    eles dão-me um limite mais amplo.
  • 5:49 - 5:54
    Então, precisamos de ferramentas
    para expandir o nosso limite.
  • 5:54 - 5:56
    E hoje vou dar-vos
    um conjunto de ferramentas.
  • 5:56 - 5:58
    Dizer o que pensamos é arriscado,
  • 5:59 - 6:02
    mas estas ferramentas
    vão fazer baixar esse risco.
  • 6:03 - 6:09
    A primeira ferramenta que vos vou dar
    foi descoberta nas negociações
  • 6:09 - 6:10
    num achado importante.
  • 6:10 - 6:14
    Em média, as mulheres fazem
    propostas menos ambiciosas
  • 6:14 - 6:18
    e têm menos contrapartidas
    do que os homens nas negociações.
  • 6:18 - 6:21
    Mas a Hannah Riley Bowles
    e a Emily Amanatullah descobriram
  • 6:21 - 6:25
    uma situação em que as mulheres têm
    as mesmas contrapartidas do que os homens
  • 6:25 - 6:27
    e são igualmente ambiciosas.
  • 6:27 - 6:31
    É quando defendem outros.
  • 6:31 - 6:33
    Quando defendem outros,
  • 6:33 - 6:38
    descobrem o seu limite
    e expandem-no nas suas mentes.
  • 6:38 - 6:40
    Tornam-se mais assertivas.
  • 6:40 - 6:43
    Isto, por vezes, chama-se:
    "o efeito mãe galinha."
  • 6:43 - 6:46
    Como uma galinha
    a defender os seus pintos,
  • 6:46 - 6:50
    quando defendemos os outros,
    podemos descobrir a nossa própria voz.
  • 6:50 - 6:53
    Mas, por vezes, temos
    de nos defender a nós próprios.
  • 6:53 - 6:55
    Como é que fazemos isso?
  • 6:55 - 6:59
    Umas das ferramentas mais importantes
    que temos para nos defendermos
  • 6:59 - 7:01
    é algo chamado
    tomada de perspetiva.
  • 7:01 - 7:04
    A tomada de perspetiva
    é algo muito simples:
  • 7:04 - 7:08
    é simplesmente olhar para o mundo
    através dos olhos de outra pessoa.
  • 7:09 - 7:13
    É uma das ferramentas mais importantes
    que temos para expandir o nosso limite.
  • 7:13 - 7:15
    Quando eu assume a vossa perspetiva,
  • 7:15 - 7:17
    e penso no que vocês querem realmente,
  • 7:17 - 7:20
    é mais provável que me deem
    o que eu quero realmente.
  • 7:21 - 7:23
    Mas eis o problema:
  • 7:23 - 7:25
    A tomada de perspetiva é muito difícil.
  • 7:25 - 7:27
    Vamos fazer uma pequena experiência.
  • 7:27 - 7:30
    Quero que levantem as mãos assim:
  • 7:30 - 7:31
    o vosso dedo — para cima.
  • 7:32 - 7:36
    E quero que escrevam
    um "E" maiúsculo na testa,
  • 7:36 - 7:38
    o mais depressa possível.
  • 7:40 - 7:43
    Ok, parece que podemos escrever
    este "E" de duas maneiras possíveis.
  • 7:43 - 7:47
    Isto foi originalmente criado como
    um teste de tomada de perspetiva.
  • 7:47 - 7:49
    Vou mostrar-vos duas fotografias
  • 7:49 - 7:51
    de alguém com um "E" na sua testa
  • 7:51 - 7:53
    — a minha antiga aluna, Erika Hall.
  • 7:53 - 7:55
    E podem ver ali,
  • 7:55 - 7:57
    que é o "E" correto.
  • 7:57 - 8:00
    Desenhei a letra de forma
    a parecer um "E" a outra pessoa.
  • 8:00 - 8:02
    Esta é o "E" da tomada de perspetiva
  • 8:02 - 8:05
    porque parece um "E"
    do ponto de vista de outra pessoa.
  • 8:05 - 8:08
    Mas este "E" aqui é focado
    apenas em si mesmo.
  • 8:09 - 8:11
    Estamos muitas vezes focados em nós.
  • 8:11 - 8:14
    Particularmente, se estivermos numa crise.
  • 8:14 - 8:16
    Quero falar-vos
    de uma crise em particular.
  • 8:16 - 8:20
    Um homem entra num banco
    em Watsonville, na Califórnia e diz:
  • 8:21 - 8:23
    "Dê-me 2000 dólares,
  • 8:23 - 8:25
    "ou faço o banco ir pelo ar
    com uma bomba."
  • 8:26 - 8:28
    A gestora do banco não lhe deu o dinheiro.
  • 8:28 - 8:29
    Deu um passo atrás.
  • 8:30 - 8:31
    Assumiu a perspetiva dele
  • 8:31 - 8:34
    e percebeu algo muito importante.
  • 8:34 - 8:37
    Ele tinha pedido uma quantia
    específica de dinheiro.
  • 8:37 - 8:38
    Então disse:
  • 8:39 - 8:41
    "Porque é que pediu 2000 dólares?"
  • 8:41 - 8:42
    E ele respondeu:
  • 8:42 - 8:44
    "O meu amigo vai ser despejado
  • 8:44 - 8:47
    a não ser que eu arranje
    2000 dólares imediatamente."
  • 8:47 - 8:48
    E ela disse:
  • 8:48 - 8:51
    "Ah! Então não quer roubar o banco,
    quer um empréstimo."
  • 8:51 - 8:52
    (Risos)
  • 8:52 - 8:54
    "Porque é que não vem
    até ao meu gabinete,
  • 8:54 - 8:56
    "e preenchemos a papelada?"
  • 8:56 - 8:57
    (Risos)
  • 8:57 - 9:02
    A sua rápida tomada de perspetiva
    resolveu uma situação explosiva.
  • 9:02 - 9:04
    Quando tomamos a perspetiva de alguém,
  • 9:04 - 9:09
    isso permite-nos ser ambiciosos
    e assertivos, continuando a ser simpáticos.
  • 9:09 - 9:12
    Eis uma outra forma
    de ser assertivo e simpático,
  • 9:12 - 9:15
    que é mostrar flexibilidade.
  • 9:15 - 9:19
    Agora, imaginem que são um vendedor
    e querem vender um carro a alguém.
  • 9:20 - 9:24
    É mais provável que concretizem
    a venda se lhe derem duas opções.
  • 9:24 - 9:26
    Digamos que a opção A é:
  • 9:26 - 9:29
    24 000 dólares pelo carro
    mais uma garantia de cinco anos.
  • 9:29 - 9:30
    Ou a opção B:
  • 9:31 - 9:33
    23 000 dólares
    e uma garantia de três anos.
  • 9:34 - 9:37
    A minha pesquisa mostra que, quando
    se oferece uma escolha às pessoas,
  • 9:37 - 9:39
    isso baixa as suas defesas,
  • 9:39 - 9:42
    e é mais provável
    que aceitem a vossa oferta.
  • 9:42 - 9:44
    Isto não funciona apenas com vendedores;
  • 9:44 - 9:46
    também funciona com os pais.
  • 9:46 - 9:48
    Quando a minha sobrinha tinha quatro anos,
  • 9:48 - 9:50
    não queria que a vestissem
    e rejeitava tudo.
  • 9:50 - 9:53
    Mas a minha cunhada
    teve uma ideia brilhante.
  • 9:53 - 9:56
    "E se eu desse uma escolha à minha filha?"
  • 9:56 - 9:58
    - Esta camisa ou aquela?
    - Ok, aquela camisa.
  • 9:58 - 10:00
    - Estas calças ou aquelas?
    - Ok, aquelas calças.
  • 10:00 - 10:02
    Funcionou às mil maravilhas.
  • 10:02 - 10:05
    Vestia-se depressa e sem resistência.
  • 10:05 - 10:08
    Quando perguntei às pessoas
    por todo o mundo
  • 10:08 - 10:10
    quando se sentem confortáveis
    para dizer o que pensam,
  • 10:10 - 10:11
    a resposta número um é:
  • 10:11 - 10:16
    "Quando tenho apoio social na audiência;
    quando tenho aliados."
  • 10:16 - 10:20
    Então queremos aliados do nosso lado.
  • 10:20 - 10:21
    Como é que fazemos isso?
  • 10:22 - 10:24
    Bem, uma das formas
    é ser uma mãe galinha.
  • 10:24 - 10:26
    Quando defendemos os outros.
  • 10:26 - 10:29
    expandimos o nosso limite
    aos nossos e aos olhos dos outros,
  • 10:29 - 10:31
    mas também ganhamos aliados fortes.
  • 10:32 - 10:37
    Outra forma de ganhar aliados fortes,
    especialmente em lugares de topo,
  • 10:37 - 10:39
    é pedir conselhos aos outros.
  • 10:39 - 10:45
    Quando pedimos um conselho,
    gostam de nós porque as estamos a elogiar,
  • 10:45 - 10:47
    e a expressar humildade.
  • 10:47 - 10:50
    E isto também resulta para resolver
    outro vínculo duplo.
  • 10:51 - 10:53
    O vínculo duplo da autopromoção.
  • 10:53 - 10:55
    O vínculo duplo da autopromoção
  • 10:55 - 10:58
    é que, se não divulgarmos
    os nossos feitos,
  • 10:58 - 10:59
    ninguém vai reparar.
  • 10:59 - 11:02
    Mas, se o fizermos,
    deixamos de ser simpáticos.
  • 11:02 - 11:05
    Mas, se pedirmos um conselho
    acerca de um dos nossos feitos,
  • 11:05 - 11:10
    parecemos competentes aos seus olhos
    e também somos simpáticos.
  • 11:10 - 11:13
    Isto é tão poderoso
  • 11:13 - 11:15
    que funciona, mesmo quando
    sabemos que vai acontecer.
  • 11:15 - 11:20
    Houve várias vezes na minha vida
    em que fui avisado
  • 11:20 - 11:24
    de que uma pessoa com pouco poder
    foi aconselhada a pedir-me conselhos.
  • 11:24 - 11:27
    Quero que reparem em três coisas nisto:
  • 11:27 - 11:30
    Primeiro, eu sabia que eles
    viriam ter comigo pedir conselhos.
  • 11:30 - 11:34
    Segundo, eu tinha pesquisado
    sobre os benefícios estratégicos
  • 11:34 - 11:35
    de pedir conselhos.
  • 11:36 - 11:38
    E terceiro, funcionou na mesma!
  • 11:39 - 11:40
    Assumi as suas perspetivas,
  • 11:40 - 11:42
    Fiquei mais interessado
    nas suas decisões,
  • 11:42 - 11:46
    Fiquei mais comprometido com eles
    por me terem pedido conselhos.
  • 11:46 - 11:50
    Outra altura em que nos sentimos
    mais confiantes para dizer o que pensamos
  • 11:50 - 11:52
    é quando temos conhecimento.
  • 11:52 - 11:54
    O conhecimento dá-nos credibilidade.
  • 11:55 - 11:58
    Quando temos muito poder,
    já temos credibilidade.
  • 11:58 - 11:59
    Só precisamos de uma boa prova.
  • 12:00 - 12:03
    Quando não temos poder,
    não temos credibilidade.
  • 12:03 - 12:05
    Precisamos de uma prova excelente.
  • 12:05 - 12:09
    Uma das formas de passarmos
    por um especialista
  • 12:09 - 12:11
    é explorar a nossa paixão.
  • 12:12 - 12:16
    Nos próximos dias quero
    que toda a gente vá ter com um amigo
  • 12:16 - 12:17
    e lhe diga:
  • 12:17 - 12:20
    "Quero que me descrevas uma paixão tua."
  • 12:21 - 12:23
    Tive pessoas a fazer isto
    por todo o mundo
  • 12:23 - 12:25
    e perguntei-lhes:
  • 12:25 - 12:27
    "O que repararam na outra pessoa
  • 12:27 - 12:29
    "quando vos descreveu a sua paixão?"
  • 12:29 - 12:31
    A resposta foi sempre a mesma.
  • 12:31 - 12:33
    "Os seus olhos aumentaram
    e começaram a brilhar."
  • 12:33 - 12:36
    "Fizeram um sorriso enorme."
  • 12:36 - 12:37
    "Gesticularam muito
  • 12:37 - 12:40
    "— tive de me desviar das suas mãos.
  • 12:40 - 12:42
    "Falaram muito depressa
    e num tom mais agudo.
  • 12:42 - 12:43
    (Risos)
  • 12:43 - 12:46
    "Inclinaram-se como se me estivessem
    a dizer um segredo."
  • 12:46 - 12:47
    E depois eu disse-lhes:
  • 12:47 - 12:50
    "O que vos aconteceu enquanto os ouviam?"
  • 12:50 - 12:53
    Eles responderam:
    "Os meus olhos brilharam.
  • 12:53 - 12:54
    "Sorri.
  • 12:54 - 12:55
    "Inclinei-me."
  • 12:55 - 12:57
    Quando exploramos a nossa paixão,
  • 12:57 - 13:01
    damos a nós mesmos,
    aos nossos olhos, a coragem de falar,
  • 13:01 - 13:04
    mas recebemos também
    a permissão dos outros para falar.
  • 13:05 - 13:10
    Explorar a nossa paixão funciona
    mesmo quando parecemos muito fracos.
  • 13:11 - 13:15
    Tanto os homens como as mulheres
    são castigados no trabalho quando choram.
  • 13:15 - 13:22
    Mas a Lizzie Wolf demonstrou que, quando
    mostramos emoções enquanto paixão,
  • 13:22 - 13:28
    a condenação do nosso choro desparece
    tanto para homens como para mulheres.
  • 13:29 - 13:32
    Quero terminar com algumas
    palavras do meu falecido pai
  • 13:32 - 13:34
    que foram proferidas
    no casamento do meu irmão.
  • 13:35 - 13:36
    Aqui está uma fotografia nossa.
  • 13:38 - 13:40
    O meu pai era psicólogo tal como eu,
  • 13:40 - 13:44
    mas a sua verdadeira paixão era o cinema,
  • 13:44 - 13:45
    tal como o meu irmão.
  • 13:45 - 13:48
    Então, ele escreveu um discurso
    para o casamento do meu irmão
  • 13:48 - 13:51
    sobre o papel que desempenhamos
    na comédia humana e disse:
  • 13:51 - 13:53
    "Quanto mais leve o nosso toque,
  • 13:53 - 13:57
    "melhor nos tornamos a melhorar
    e a enriquecer o nosso desempenho.
  • 13:57 - 14:01
    "Aqueles que aceitam o seu papel
    e tentam melhorar o seu desempenho
  • 14:02 - 14:05
    "crescem, mudam e expandem-se.
  • 14:05 - 14:06
    "Façam-no bem,
  • 14:06 - 14:09
    "e os vossos dias
    serão muito mais felizes."
  • 14:09 - 14:11
    O que o meu pai estava a dizer
  • 14:11 - 14:14
    é que nos foram atribuídos
    vários papéis e limites neste mundo.
  • 14:15 - 14:19
    Mas ele estava também a falar
    da essência desta palestra:
  • 14:19 - 14:24
    estes papéis e limites estão
    constantemente a expandir-se e a evoluir.
  • 14:25 - 14:27
    Por isso, quando a cena o pede,
  • 14:27 - 14:29
    sejam uma mãe galinha feroz
  • 14:29 - 14:31
    e procurem conselhos, humildemente.
  • 14:32 - 14:36
    Tenham provas excelentes
    e aliados fortes.
  • 14:36 - 14:38
    Tomem perspetivas de forma apaixonada.
  • 14:39 - 14:40
    E se usarem estas ferramentas
  • 14:41 - 14:44
    — e cada um de vocês pode
    usar estas ferramentas —
  • 14:44 - 14:48
    vão expandir o vosso limite
    de comportamento aceitável,
  • 14:48 - 14:51
    e os vossos dias vão
    ser muito mais alegres.
  • 14:52 - 14:53
    Obrigado.
  • 14:53 - 14:56
    (Aplausos)
Title:
Como dizer o que pensamos
Speaker:
Adam Galinsky
Description:

Dizer o que pensamos é difícil, mesmo quando sabemos que o deveríamos fazer. Aprenda a ser mais assertivo, a navegar por situações sociais traiçoeiras e a expandir o seu poder pessoal com a sábia orientação do psicólogo social Adam Galinsky.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
15:08
Margarida Ferreira approved Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Margarida Ferreira accepted Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Margarida Ferreira edited Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Margarida Ferreira edited Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Margarida Ferreira edited Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Margarida Ferreira edited Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Riaki Ponist commented on Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Joel Santos edited Portuguese subtitles for How to speak up for yourself
Show all
  • Hello, TEDx version of this talk is available in this link:
    http://www.amara.org/en/teams/ted/tasks/?team_video=414443
    If you are translating or have translated this talk, please consider taking the TEDx version as well.

Portuguese subtitles

Revisions