Return to Video

Como defender seus pontos de vista

  • 0:01 - 0:04
    Expressar nossa opinião é difícil.
  • 0:05 - 0:10
    Eu entendi isso um mês atrás,
  • 0:10 - 0:12
    quando minha esposa e eu
    nos tornamos pais.
  • 0:13 - 0:15
    Foi um momento incrível.
  • 0:15 - 0:17
    Emocionante e prazeroso,
  • 0:17 - 0:20
    mas também assustador.
  • 0:20 - 0:24
    Ficou particularmente assustador
    quando chegamos em casa do hospital.
  • 0:25 - 0:28
    Não tínhamos certeza se nosso bebê
  • 0:28 - 0:31
    estava recebendo os nutrientes
    necessários com a amamentação.
  • 0:31 - 0:34
    Queríamos ligar para a nossa pediatra,
  • 0:34 - 0:37
    mas também não queríamos
    causar uma má impressão
  • 0:37 - 0:39
    ou ser vistos como pais neuróticos.
  • 0:39 - 0:41
    Então nos preocupamos.
  • 0:41 - 0:42
    E esperamos.
  • 0:42 - 0:44
    Quando chegamos
    ao consultório no dia seguinte,
  • 0:44 - 0:49
    a médica lhe deu leite em pó na hora,
    porque ele estava muito desidratado.
  • 0:49 - 0:51
    Nosso filho está bem agora,
  • 0:51 - 0:54
    e nossa médica nos garantiu
    que sempre podemos contatá-la.
  • 0:54 - 0:56
    Naquele momento,
  • 0:56 - 0:58
    deveria ter me manifestado, mas não o fiz.
  • 0:59 - 1:02
    Mas às vezes falamos quando não devíamos.
  • 1:02 - 1:06
    Aprendi isso há mais de dez anos
    quando decepcionei meu irmão gêmeo.
  • 1:07 - 1:09
    Meu irmão gêmeo é documentarista
  • 1:09 - 1:11
    e, para um de seus filmes,
  • 1:11 - 1:13
    ele recebeu uma oferta
    de uma distribuidora.
  • 1:13 - 1:15
    Ele estava animado,
  • 1:15 - 1:17
    e inclinado a aceitar a oferta.
  • 1:17 - 1:20
    Mas, como pesquisador de negociações,
  • 1:20 - 1:22
    insisti que ele fizesse
    uma contraproposta,
  • 1:23 - 1:26
    e o ajudei a criar uma que fosse perfeita.
  • 1:26 - 1:27
    E ela era perfeita;
  • 1:28 - 1:30
    era perfeitamente insultante.
  • 1:30 - 1:32
    A empresa ficou tão ofendida
  • 1:32 - 1:34
    que literalmente retirou a oferta,
  • 1:34 - 1:36
    e meu irmão ficou sem nada.
  • 1:36 - 1:40
    Perguntei a pessoas de todo o mundo
    sobre esse dilema de se manifestar:
  • 1:40 - 1:42
    quando conseguem se impor,
  • 1:42 - 1:44
    quando defendem seus interesses,
  • 1:44 - 1:46
    quando expressam opiniões,
  • 1:46 - 1:48
    quando podem fazer um pedido ambicioso.
  • 1:49 - 1:53
    A abrangência das histórias
    é variada e diversa,
  • 1:53 - 1:56
    mas elas também formam
    uma tapeçaria universal.
  • 1:56 - 1:59
    "Posso corrigir meu chefe
    quando ele comete um erro?"
  • 1:59 - 2:03
    "Posso confrontar meu colega
    que vive pegando no meu pé?"
  • 2:03 - 2:06
    "Posso contestar a piada
    insensível do meu amigo?"
  • 2:06 - 2:10
    "Posso contar à pessoa a quem mais amo
    minhas maiores inseguranças?"
  • 2:11 - 2:14
    Através dessas experiências,
    pude reconhecer
  • 2:14 - 2:17
    que cada pessoa tem algo chamado
    "margem de comportamento aceitável".
  • 2:18 - 2:23
    Às vezes, somos fortes demais;
    nos afirmamos demais.
  • 2:23 - 2:25
    Foi o que aconteceu com o meu irmão.
  • 2:25 - 2:29
    Até fazer uma oferta estava fora
    de seu comportamento aceitável.
  • 2:29 - 2:31
    Mas às vezes somos fracos demais.
  • 2:31 - 2:33
    Foi o que aconteceu com minha esposa e eu.
  • 2:33 - 2:36
    E, nessa margem
    de comportamento aceitável,
  • 2:36 - 2:39
    quando ficamos dentro da nossa margem,
    somos recompensados,
  • 2:39 - 2:43
    e, quando pisamos fora dela,
    somos punidos de várias formas:
  • 2:43 - 2:46
    somos demitidos, desprezados,
    ou mesmo excluídos,
  • 2:46 - 2:49
    ou perdemos aquele aumento,
    promoção, ou negócio.
  • 2:50 - 2:53
    Agora, a primeira coisa a saber é:
  • 2:53 - 2:54
    "Qual é a minha margem?"
  • 2:55 - 2:59
    Mas o importante é
    que nossa margem não é fixa.
  • 2:59 - 3:01
    Na verdade, é bem dinâmica.
  • 3:01 - 3:05
    Ela se expande e se reduz
    dependendo do contexto.
  • 3:05 - 3:09
    Uma coisa determina essa margem
    mais do que qualquer outra:
  • 3:10 - 3:11
    o seu poder.
  • 3:11 - 3:14
    Seu poder determina sua margem.
  • 3:14 - 3:15
    O que é poder?
  • 3:15 - 3:17
    O poder tem diferentes formas.
  • 3:17 - 3:20
    Em negociações, vem
    na forma de alternativas.
  • 3:20 - 3:22
    Meu irmão não tinha alternativas;
  • 3:22 - 3:23
    a ele faltava poder.
  • 3:23 - 3:25
    A empresa tinha muitas alternativas;
  • 3:25 - 3:26
    eles detinham poder.
  • 3:26 - 3:29
    Ou, às vezes, ser novo em um país,
    como um imigrante,
  • 3:29 - 3:31
    novo em uma organização,
  • 3:31 - 3:32
    ou novo em uma experiência,
  • 3:32 - 3:34
    como minha esposa e eu, sendo pais.
  • 3:34 - 3:36
    Às vezes é no trabalho,
  • 3:36 - 3:39
    em que alguém é o chefe,
    e alguém é o subordinado.
  • 3:39 - 3:40
    Às vezes é nos relacionamentos,
  • 3:40 - 3:43
    em que uma pessoa
    se esforça mais do que a outra.
  • 3:43 - 3:47
    A questão é, quando temos muito poder,
  • 3:47 - 3:49
    nossa margem é muito ampla.
  • 3:49 - 3:51
    Temos muita flexibilidade
    em nosso comportamento.
  • 3:52 - 3:54
    Mas, sem poder, nossa margem se estreita.
  • 3:55 - 3:56
    Temos muito pouca flexibilidade.
  • 3:57 - 4:00
    O problema é que, quando
    nossa margem se estreita,
  • 4:00 - 4:04
    isso produz o chamado
    "duplo vínculo de pouco poder".
  • 4:04 - 4:07
    O duplo vínculo
    de pouco poder ocorre quando,
  • 4:07 - 4:10
    se não nos manifestarmos,
    não somos notados,
  • 4:11 - 4:13
    mas, se nos manifestarmos, somos punidos.
  • 4:13 - 4:16
    Muitos aqui já ouviram falar
    na expressão "duplo vínculo"
  • 4:16 - 4:19
    conectada com uma coisa: gênero.
  • 4:19 - 4:23
    O duplo vínculo de gênero é:
    mulheres que não falam não são notadas,
  • 4:23 - 4:26
    e mulheres que falam são punidas.
  • 4:26 - 4:31
    O importante é que as mulheres têm a mesma
    necessidade que os homens de se manifestar
  • 4:31 - 4:33
    mas elas enfrentam barreiras para fazê-lo.
  • 4:34 - 4:37
    Mas o que minha pesquisa tem mostrado
    nas duas últimas décadas
  • 4:37 - 4:41
    é que o que parece uma diferença de gênero
  • 4:41 - 4:43
    não é um duplo vínculo de gênero,
  • 4:43 - 4:46
    mas sim um duplo vínculo de pouco poder.
  • 4:46 - 4:48
    O que parece uma diferença de gênero
  • 4:48 - 4:51
    muitas vezes é apenas
    uma diferença de poder disfarçada.
  • 4:51 - 4:54
    Sempre vemos diferença
    entre um homem e uma mulher,
  • 4:54 - 4:55
    ou homens e mulheres,
  • 4:55 - 4:59
    e pensamos: "Causas biológicas.
    Há diferenças fundamentais
  • 4:59 - 5:00
    entre os sexos".
  • 5:00 - 5:02
    Mas, estudo após estudo,
  • 5:02 - 5:06
    percebi que uma explicação melhor
    para muitas diferenças de sexo
  • 5:07 - 5:08
    é, na verdade, poder.
  • 5:08 - 5:11
    Então é o duplo vínculo de pouco poder,
  • 5:12 - 5:17
    e esse duplo vínculo significa
    que temos uma margem estreita
  • 5:17 - 5:19
    e pouco poder.
  • 5:19 - 5:22
    Temos uma margem estreita,
    e nosso duplo vínculo é muito grande.
  • 5:22 - 5:25
    Precisamos encontrar formas
    de expandir nossa margem.
  • 5:25 - 5:26
    Nas últimas décadas,
  • 5:26 - 5:29
    meus colegas e eu descobrimos
    que duas coisas realmente importam.
  • 5:30 - 5:34
    Primeiro, parecer poderoso para si mesmo.
  • 5:34 - 5:38
    Segundo, parecer poderoso para os outros.
  • 5:38 - 5:39
    Quando me sinto poderoso,
  • 5:40 - 5:42
    me sinto confiante, não receoso;
  • 5:42 - 5:44
    e expando minha própria margem de ação.
  • 5:44 - 5:46
    Quando os outros me veem como poderoso,
  • 5:47 - 5:49
    me concedem uma margem mais ampla.
  • 5:49 - 5:54
    Precisamos de ferramentas para expandir
    nossa margem de comportamento aceitável.
  • 5:54 - 5:56
    Vou dar a vocês um conjunto
    de ferramentas hoje.
  • 5:56 - 5:58
    Manifestar-se é arriscado.
  • 5:59 - 6:02
    Mas essas ferramentas vão diminuir
    seu risco ao se manifestarem.
  • 6:03 - 6:09
    A primeira ferramenta que lhes darei
    foi revelada em negociações
  • 6:09 - 6:10
    em uma descoberta importante.
  • 6:10 - 6:14
    Em média, mulheres fazem
    ofertas menos ambiciosas
  • 6:14 - 6:18
    e conseguem resultados piores
    que os homens na mesa de negociação.
  • 6:18 - 6:21
    Mas Hannah Riley Bowles
    e Emily Amanatullah descobriram
  • 6:21 - 6:25
    uma situação em que mulheres obtêm
    os mesmos resultados que homens,
  • 6:25 - 6:27
    e são igualmente determinadas:
  • 6:27 - 6:31
    é quando elas defendem outras pessoas.
  • 6:31 - 6:33
    Quando defendem os outros,
  • 6:33 - 6:38
    elas descobrem sua própria margem de ação,
    e a expandem em sua própria mente.
  • 6:38 - 6:40
    Elas se tornam mais assertivas.
  • 6:40 - 6:43
    Isso é chamado às vezes
    de "efeito mamãe ursa".
  • 6:43 - 6:46
    Como uma mamãe ursa
    defendendo seus filhotes,
  • 6:46 - 6:50
    quando defendemos as causas de outros,
    podemos descobrir nossa própria voz.
  • 6:50 - 6:53
    Mas, às vezes, precisamos
    defender nossas próprias causas.
  • 6:53 - 6:55
    Como fazer isso?
  • 6:55 - 6:59
    Uma das ferramentas mais importantes
    para defender a nós mesmos
  • 6:59 - 7:01
    é algo chamado "tomada de perspectiva".
  • 7:01 - 7:04
    Tomada de perspectiva é muito simples.
  • 7:04 - 7:08
    É simplesmente olhar o mundo
    pelos olhos de outra pessoa.
  • 7:09 - 7:13
    É uma das mais importantes ferramentas
    para expandir nossa margem de ação.
  • 7:13 - 7:15
    Quando assumo a sua perspectiva,
  • 7:15 - 7:17
    e penso sobre o que você realmente quer,
  • 7:17 - 7:20
    você ficará mais propenso a me dar
    o que eu realmente quero.
  • 7:21 - 7:23
    Mas aqui está o problema:
  • 7:23 - 7:25
    assumir outra perspectiva é difícil.
  • 7:25 - 7:27
    Vamos fazer um pequeno experimento:
  • 7:27 - 7:30
    quero que todos vocês
    levantem a mão assim.
  • 7:30 - 7:31
    Levantem o dedo.
  • 7:32 - 7:36
    Quero que desenhem
    uma letra "E" maiúscula na testa
  • 7:36 - 7:38
    o mais rápido possível.
  • 7:40 - 7:43
    O que acontece é que podemos
    desenhar esse "E" de duas formas,
  • 7:43 - 7:47
    e isso foi pensado como um teste
    de tomada de perspectiva.
  • 7:47 - 7:49
    Vou lhes mostrar duas fotos
  • 7:49 - 7:51
    de alguém com um "E" na testa:
  • 7:51 - 7:53
    minha ex-aluna, Erika Hall.
  • 7:53 - 7:55
    Como podem ver aqui,
  • 7:55 - 7:57
    este é o "E" correto.
  • 7:57 - 8:00
    Eu desenhei o "E" para que parecesse
    um "E" para outra pessoa.
  • 8:00 - 8:02
    Este é o "E" de tomada de perspectiva,
  • 8:02 - 8:05
    porque parece um "E"
    do ponto de vista de outra pessoa.
  • 8:05 - 8:08
    Mas este "E" aqui é o "E" autocentrado.
  • 8:09 - 8:11
    Com frequência, focamos nós mesmos.
  • 8:11 - 8:14
    Focamos nós mesmos,
    especialmente em uma crise.
  • 8:14 - 8:16
    Quero lhes contar
    sobre uma determinada crise.
  • 8:16 - 8:19
    Um homem entrou num banco
    em Watsonville, na Califórnia.
  • 8:20 - 8:23
    E disse: "Passa US$ 2 mil
  • 8:23 - 8:25
    ou vou explodir o banco com uma bomba".
  • 8:26 - 8:28
    A gerente do banco não lhe deu o dinheiro.
  • 8:28 - 8:29
    Ela recuou;
  • 8:30 - 8:31
    assumiu a perspectiva dele
  • 8:31 - 8:34
    e notou algo muito importante.
  • 8:34 - 8:36
    Ele pediu uma quantia específica.
  • 8:36 - 8:38
    Então ela perguntou:
  • 8:39 - 8:41
    "Por que você pediu US$ 2 mil?"
  • 8:41 - 8:44
    Ele disse: "Meu amigo vai ser despejado
  • 8:44 - 8:46
    se eu não conseguir US$ 2 mil agora".
  • 8:46 - 8:49
    Ela falou: "Ah... então você
    não quer roubar o banco;
  • 8:49 - 8:51
    você quer é pedir um empréstimo".
  • 8:51 - 8:52
    (Risos)
  • 8:52 - 8:54
    "Venha até a minha sala
    preencher os papéis."
  • 8:54 - 8:56
    (Risos)
  • 8:57 - 9:02
    A rápida tomada de perspectiva dela
    dispersou uma situação instável.
  • 9:02 - 9:04
    Quando assumimos a perspectiva de alguém,
  • 9:04 - 9:09
    podemos nos tornar determinados
    e assertivos, mas também admirados.
  • 9:09 - 9:12
    Outra forma de ser assertivo
    e ainda assim ser admirado:
  • 9:12 - 9:15
    demonstrar flexibilidade.
  • 9:15 - 9:19
    Imagine que você seja um vendedor
    e queira vender um carro a alguém.
  • 9:20 - 9:24
    Será mais provável que você
    feche a venda, se lhe der duas opções.
  • 9:24 - 9:26
    Digamos, opção A:
  • 9:26 - 9:29
    US$ 24 mil por esse carro,
    com garantia de cinco anos.
  • 9:29 - 9:30
    Ou opção B:
  • 9:31 - 9:33
    US$ 23 mil e garantia de três anos.
  • 9:34 - 9:37
    Minha pesquisa mostra que, quando
    você oferece escolhas às pessoas,
  • 9:37 - 9:39
    elas baixam a guarda
  • 9:39 - 9:42
    e ficam mais propensas
    a aceitar a sua oferta.
  • 9:42 - 9:44
    Isso funciona não só com vendedores;
  • 9:44 - 9:46
    funciona com pais.
  • 9:46 - 9:50
    Quando minha sobrinha tinha quatro anos,
    ela resistia a se vestir e rejeitava tudo.
  • 9:50 - 9:53
    Mas então minha cunhada
    teve uma ideia brilhante:
  • 9:53 - 9:56
    "E se eu der uma escolha a ela?"
  • 9:56 - 9:58
    "Esta blusa ou aquela?"
    "Certo, aquela blusa."
  • 9:58 - 10:00
    "Esta calça ou aquela?"
    "Certo, aquela calça."
  • 10:00 - 10:01
    Funcionou maravilhosamente.
  • 10:01 - 10:05
    Ela se vestia rapidamente
    e sem resistência.
  • 10:05 - 10:08
    Quando perguntei às pessoas
    ao redor do mundo
  • 10:08 - 10:10
    quando elas se sentem
    à vontade para falar,
  • 10:10 - 10:11
    a primeira resposta foi:
  • 10:11 - 10:16
    "Quando tenho o apoio das pessoas
    ao meu redor; quando tenho aliados".
  • 10:16 - 10:20
    Então, precisamos angariar aliados.
  • 10:20 - 10:21
    Como fazemos isso?
  • 10:22 - 10:24
    Uma das maneiras é ser uma "mamãe ursa".
  • 10:24 - 10:26
    Quando defendemos os outros,
  • 10:26 - 10:29
    expandimos nossa margem
    para nós mesmos e para os outros,
  • 10:29 - 10:31
    mas também ganhamos fortes aliados.
  • 10:32 - 10:37
    Outra maneira de ganhar fortes aliados,
    especialmente em níveis mais altos,
  • 10:37 - 10:39
    é pedindo conselhos.
  • 10:39 - 10:45
    Quando pedimos conselhos aos outros,
    eles gostam de nós porque os lisonjeamos
  • 10:45 - 10:47
    e expressamos humildade.
  • 10:47 - 10:50
    Isso funciona para resolver
    outro duplo vínculo.
  • 10:51 - 10:53
    É o duplo vínculo da autopromoção.
  • 10:53 - 10:55
    O duplo vínculo da autopromoção
  • 10:55 - 10:58
    é que, se não divulgamos
    nossas conquistas,
  • 10:58 - 10:59
    ninguém nota,
  • 10:59 - 11:02
    e, se as divulgamos, não somos admirados.
  • 11:02 - 11:05
    Mas se pedimos conselhos
    sobre uma de nossas conquistas,
  • 11:05 - 11:10
    conseguimos ser competentes
    aos olhos dos outros, além de admirados.
  • 11:10 - 11:13
    Isso é muito poderoso.
  • 11:13 - 11:15
    Funciona até quando sabemos
    que vai acontecer.
  • 11:15 - 11:20
    Muitas vezes na minha vida fui avisado
  • 11:20 - 11:24
    de que uma pessoa de pouco poder tinha
    sido aconselhada a me pedir conselhos.
  • 11:24 - 11:27
    Há três coisas nisso:
  • 11:27 - 11:30
    primeiro, eu sabia que elas
    viriam me pedir conselhos.
  • 11:30 - 11:34
    Dois, eu realmente pesquisei
    sobre os benefícios estratégicos
  • 11:34 - 11:35
    de se pedir conselhos.
  • 11:36 - 11:38
    E, três, ainda assim funcionou!
  • 11:39 - 11:42
    Assumi a perspectiva delas,
    me tornei mais interessado na causa delas,
  • 11:42 - 11:46
    tornei-me mais comprometido com elas,
    porque vieram me pedir conselhos.
  • 11:46 - 11:50
    Outro momento em que nos sentimos
    mais confiantes em nos manifestar
  • 11:50 - 11:52
    é quando somos especialistas no assunto.
  • 11:52 - 11:54
    Proficiência nos dá credibilidade.
  • 11:55 - 11:58
    Quando temos muito poder,
    já temos credibilidade.
  • 11:58 - 12:00
    Só precisamos de boas evidências.
  • 12:00 - 12:03
    Quando não temos poder,
    não temos credibilidade.
  • 12:03 - 12:05
    Precisamos de excelentes evidências.
  • 12:05 - 12:09
    Uma forma de nos apresentarmos
    como especialistas
  • 12:09 - 12:11
    é explorando a nossa paixão.
  • 12:12 - 12:16
    Quero que todos, nos próximos dias,
    se aproximem de algum amigo
  • 12:16 - 12:17
    e lhe diga:
  • 12:17 - 12:20
    "Quero que você me descreva
    uma paixão sua".
  • 12:21 - 12:23
    Fiz com que pessoas
    de todo o mundo fizessem isso
  • 12:23 - 12:25
    e lhes perguntei:
  • 12:25 - 12:27
    "O que você notou sobre a outra pessoa
  • 12:27 - 12:29
    quando ela lhe descreveu sua paixão?"
  • 12:29 - 12:31
    As respostas foram sempre as mesmas.
  • 12:31 - 12:33
    "Os olhos dela se iluminaram."
  • 12:33 - 12:36
    "Elas sorriram, um sorriso radiante."
  • 12:36 - 12:37
    "Elas gesticulam muito;
  • 12:37 - 12:40
    tive de desviar porque suas mãos
    estavam me atacando."
  • 12:40 - 12:42
    "Elas falam rápido e com um timbre agudo."
  • 12:42 - 12:43
    (Risos)
  • 12:43 - 12:46
    "Elas se inclinam como se fossem
    me contar um segredo."
  • 12:46 - 12:47
    Então eu lhes disse:
  • 12:47 - 12:50
    "O que aconteceu com você
    ao ouvir as paixões delas?"
  • 12:50 - 12:53
    Elas disseram: "Meus olhos se iluminaram";
  • 12:53 - 12:54
    "Eu sorri";
  • 12:54 - 12:55
    "Eu me inclinei".
  • 12:55 - 12:57
    Quando exploramos nossa paixão,
  • 12:57 - 13:01
    damos a nós mesmos a coragem,
    em nossa visão, para falar,
  • 13:01 - 13:04
    mas também obtemos
    a permissão dos outros para falar.
  • 13:05 - 13:10
    Explorar a nossa paixão funciona
    até mesmo quando parecemos muito fracos.
  • 13:11 - 13:15
    Homens e mulheres são punidos
    no trabalho quando choram.
  • 13:15 - 13:22
    Mas Lizzy Wolf mostrou que, quando
    articulamos fortes emoções como paixões,
  • 13:22 - 13:28
    a reprovação devido ao choro
    desaparece para homens e mulheres.
  • 13:29 - 13:32
    Gostaria de terminar com algumas
    palavras de meu falecido pai,
  • 13:32 - 13:34
    ditas no casamento de meu irmão.
  • 13:35 - 13:36
    Aqui está uma foto nossa.
  • 13:38 - 13:40
    Meu pai era psicólogo como eu,
  • 13:40 - 13:44
    mas seu amor e paixão reais eram o cinema,
  • 13:44 - 13:45
    assim como meu irmão.
  • 13:45 - 13:47
    Ele escreveu um discurso
    para o casamento do meu irmão
  • 13:47 - 13:51
    sobre os papéis que desempenhamos
    na comédia humana.
  • 13:51 - 13:53
    Ele disse: "Quanto mais leveza tiver,
  • 13:53 - 13:57
    mais você vai conseguir aprimorar
    e enriquecer sua performance.
  • 13:57 - 14:01
    Aqueles que abraçam seus papéis
    e trabalham para melhorar sua performance
  • 14:02 - 14:05
    crescem, transformam e expandem seu eu.
  • 14:05 - 14:06
    Desempenhe-os bem
  • 14:06 - 14:08
    e seus dias serão sobretudo felizes".
  • 14:09 - 14:11
    O que meu pai estava dizendo
  • 14:11 - 14:14
    é que a todos foram dadas
    margens de ação e papéis neste mundo.
  • 14:15 - 14:19
    Mas ele também estava exprimindo
    a essência desta palestra:
  • 14:19 - 14:24
    esses papéis e margens
    estão sempre se expandindo e evoluindo.
  • 14:25 - 14:27
    Então, quando a cena pedir,
  • 14:27 - 14:29
    seja uma feroz mamãe ursa,
  • 14:29 - 14:31
    e um humilde buscador de conselhos.
  • 14:32 - 14:36
    Tenha excelentes evidências
    e fortes aliados.
  • 14:36 - 14:38
    Assumam perspectivas com paixão.
  • 14:39 - 14:40
    Se usarem essas ferramentas,
  • 14:41 - 14:44
    e cada um de vocês
    pode usar essas ferramentas,
  • 14:44 - 14:48
    vocês vão expandir sua margem
    de comportamento aceitável
  • 14:48 - 14:51
    e seus dias serão sobretudo felizes.
  • 14:52 - 14:53
    Obrigado.
  • 14:53 - 14:55
    (Aplausos)
Title:
Como defender seus pontos de vista
Speaker:
Adam Galinsky
Description:

Defender nossos pontos de vista é difícil, mesmo quando sabemos que deveríamos. Aprenda a ser assertivo, navegar em situações sociais delicadas e expandir seu poder pessoal com a sábia orientação do psicólogo social Adam Galinsky.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
15:08
  • Hello, TEDx version of this talk is available in this link:
    http://www.amara.org/en/teams/ted/tasks/?team_video=414443
    If you are translating or have translated this talk, please consider taking the TEDx version as well.

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions