Portuguese subtitles

← Como é que o nosso cérebro processa a fala? — Gareth Gaskell

Get Embed Code
34 Languages

Showing Revision 6 created 08/08/2020 by Margarida Ferreira.

  1. Pessoas vulgares de 20 anos conhecem
    entre 27 000 a 52 000 palavras diferentes.
  2. Perto dos 60 anos de idade, esse número
    varia entre 35 000 e 56 000.
  3. Quando faladas, a maioria dessas palavras
    dura menos de um segundo.
  4. Então, com cada palavra, o cérebro
    tem de tomar uma rápida decisão:
  5. qual desses milhares de palavras
    combina com o sinal?
  6. Cerca de 98% das vezes,
    o cérebro escolhe a palavra certa.
  7. Mas como?

  8. A compreensão da fala é diferente
    da compreensão da leitura,
  9. mas é similar à compreensão
    da língua de sinais,
  10. apesar de o reconhecimento da fala
  11. ter sido mais estudado
    que a língua de sinais.
  12. A chave para a nossa capacidade
    de entender a fala
  13. é o papel do cérebro
    como processador paralelo,
  14. que pode fazer muitas coisas diferentes
    ao mesmo tempo.
  15. A maioria das teorias diz
    que cada palavra conhecida
  16. é representada por uma unidade
    de processamento que tem uma tarefa:
  17. avaliar a probabilidade de o discurso
    combinar com aquela palavra.
  18. No contexto do cérebro, a unidade de
    processamento que representa uma palavra

  19. é como um padrão de atividade incessante
    por um grupo de neurónios
  20. no córtex cerebral.
  21. Quando ouvimos o começo de uma palavra
  22. milhares dessas unidades
    podem ser ativadas,
  23. pois só com o começo da palavra,
  24. pode haver muitas possibilidades.
  25. Então, conforme a palavra continua,
    mais e mais unidades registam
  26. que falta uma parte importante
    da informação e cessa a atividade.
  27. Provavelmente, muito antes
    do fim da palavra,
  28. apenas um padrão incessante fica ativo,
    correspondendo a uma palavra.
  29. Isso chama-se "ponto de reconhecimento".
  30. No processo de aperfeiçoar uma palavra,
  31. as unidades ativas suprimem
    a atividade de outras,
  32. poupando importantes milissegundos.
  33. A maioria das pessoas pode entender
    cerca de 8 sílabas por segundo.
  34. Contudo, o objetivo não é só
    reconhecer a palavra,

  35. mas também apreender o seu significado.
  36. O cérebro procura muitos sentidos
    possíveis ao mesmo tempo,
  37. antes de a palavra
    ser identificada por inteiro.
  38. Sabemos disso por estudos que mostram
  39. que, mesmo ouvindo apenas
    o fragmento duma palavra
  40. — como "cap"—
  41. os ouvintes começam a registar
    múltiplos sentidos possíveis,
  42. como capitão ou capital,
    antes de ouvirem a palavra inteira.
  43. Isso sugere que, sempre
    que ouvimos uma palavra,

  44. há uma breve explosão de sentidos
    na nossa mente,
  45. e, no ponto de reconhecimento,
    o cérebro define uma interpretação.
  46. O processo de reconhecimento
    ocorre mais rapidamente
  47. com uma frase que tenha contexto,
    em vez de palavras aleatórias.
  48. O contexto também ajuda a guiar-nos
    para o significado pretendido
  49. de palavras com múltiplos sentidos,
    como "banco" ou "pena",
  50. ou no caso de homófonos
    como "soar" e "suar".
  51. Para poliglotas, o idioma em que estão
    a conversar é mais uma deixa
  52. usada para eliminar possíveis palavras
    que não correspondem ao contexto.
  53. Então, e se adicionarmos
    novas palavras a esse sistema?

  54. Mesmo quando adultos, podemos encontrar
    uma palavra nova de tempos em tempos.
  55. Mas, se cada palavra é representada
    por um estruturado padrão de atividades,
  56. distribuídas entre muitos neurónios,
  57. como impedimos que palavras novas
    substituam palavras antigas?
  58. Pensamos que, para evitar este problema,
  59. as palavras novas são guardadas primeiro
    na parte do cérebro chamada hipocampo,
  60. bem distante do armazém principal
    de palavras no córtex,
  61. para não partilharem neurónios
    com outras palavras.
  62. Então, após muitas noites de sono,

  63. as palavras novas
    transferem-se gradualmente
  64. e entrelaçam-se com as antigas.
  65. Os investigadores pensam
    que este processo gradual de aquisição
  66. ajuda a evitar a perturbação
    das palavras existentes.
  67. Então, durante o dia,

  68. a atividade inconsciente gera explosões
    de significado conforme conversamos.
  69. À noite, descansamos, mas o nosso cérebro
    trabalha, integrando novos conhecimentos
  70. na rede de palavras.
  71. Quando acordamos, esse processo
    garante que estejamos prontos
  72. para o incessante mundo da linguagem.