YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtitles

← Enfrentando o medo | David Nihill | TEDxManchester

Get Embed Code
9 Languages

Showing Revision 304 created 04/22/2019 by Raissa Mendes.

  1. Quando criança, na Irlanda,

  2. tínhamos praticamente 0% de imigração.
  3. Eu era o mais moreninho
    num raio de quilômetros.
  4. (Risos)
  5. Só um vestígio de bronzeado,
  6. e as pessoas diziam:
    "Olhem pra ele... suspeito".
  7. (Risos)
  8. Agora temos 17% de imigrantes
  9. e somos um dos únicos países do mundo
  10. a não ter um único partido político
    no parlamento se opondo à imigração.
  11. Um dos únicos.
  12. Nem podemos, pois invadimos
    as árvores genealógicas transando.
  13. (Risos)
  14. Muitos de vocês nem sabem disso...
  15. (Risos)
  16. até o dia em que chega
    o resultado do teste de DNA.
  17. Você vira e diz:
    "Olha só! Sou 23% irlandês!"
  18. (Risos)
  19. E o tempo todo
    eu achando que era filipino.
  20. (Risos)
  21. Três anos atrás, nos tornamos
    o primeiro país do mundo,
  22. a legalizar, pelo voto popular,
    o casamento gay.
  23. Um dos países mais católicos do mundo
  24. vira e pergunta pro povo:
    "Casamento gay, o que você acha?"
  25. E em coro respondemos:
    "Sim, dane-se, por que não? Vai lá!"
  26. (Risos)
  27. Para colocar em perspectiva,
  28. em 1993 a homossexualidade
    era ilegal na Irlanda.
  29. E, ano retrasado,
  30. encontramos um cara gay e meio indiano
  31. e o transformamos em primeiro-ministro.
  32. (Risos)
  33. Em lugares como os EUA,
    onde moro atualmente,
  34. ainda estão debatendo
    sobre ter a primeira mulher presidente.
  35. Na Irlanda, tivemos 21 anos
    de mulheres presidentes.
  36. Fomos o primeiro país do mundo a ter
    uma sequência de mulheres presidentes.
  37. E seguimos em frente
    com pessoas gay e metade indianas.
  38. (Risos)
  39. Lá nós sabemos das coisas.
  40. (Risos)
  41. Nem sequer temos Chinatown na Irlanda.
  42. Nós os deixamos viver conosco.
  43. (Risos)
  44. (Aplausos)
  45. Todas essas coisas aconteceram
    numa fração da minha vida.
  46. Nossas vidas estão
    cheias de grandes mudanças,
  47. o tempo todo, tudo ao nosso redor.
  48. Mas, por alguma razão, quando se trata
    de uma determinada coisa,
  49. de um sentimento em particular,
  50. achamos que não pode ser mudado:
  51. o medo.
  52. Então, fiz uma experiência um tempo atrás:
  53. fazer a coisa que eu mais temia
    todos os dias, durante um ano.
  54. Foi um plano horrível.
  55. Especialmente porque, na universidade,
  56. meu apelido era "Shakin' Stevens",
    ou "treme-treme",
  57. por causa do ícone musical, suponho,
    para quem gostava dele na época.
  58. E não era pela habilidade musical.
  59. Não sei se já lhe aconteceu
  60. de estar na frente de um grupo
    de pessoas e ter de falar,
  61. ou de segurar um papel
    na mão enquanto falava
  62. e pensar: "Por que esse pedaço
    de papel está tremendo?
  63. Por que estou tremendo enquanto falo?"
  64. Isso sempre acontecia
    comigo, mas só que bem pior.
  65. Meio que passava pro meu corpo.
  66. Então, o tremor ia pros ombros
  67. através dos meus quadris,
  68. e eu involuntariamente ia...
  69. (Risos)
  70. tornando-me uma espécie
    de dançarino de salsa irlandês.
  71. Mas... (Risos)
  72. E era tão ruim que as pessoas
    vinham assistir.
  73. (Risos)
  74. Isso é uma coisa bem irlandesa:
  75. "Olhem esse cara se acabando.
    Vamos la assistir".
  76. (Risos)
  77. Eu devia saber,
  78. eu devia ter me lembrado
    de que era possível mudar isso,
  79. mas, por algum motivo, para muitos de nós,
  80. quando se trata do medo,
  81. nos esquecemos de que temos
    o poder de mudar isso de alguma forma.
  82. Às vezes só precisamos de um catalisador
    para impulsionar a mudança.
  83. Para mim, infelizmente,
    veio da pior maneira possível.
  84. Um amigo meu, Arash,
  85. que era o cara mais "vida ao ar livre"
    e atlético que já conheci,
  86. em 96 horas,
  87. foi de caminhar na trilha
    John Muir, na Califórnia,
  88. a uma maca no hospital John Muir,
  89. cercado por médicos dizendo
    a ele que nunca andaria de novo
  90. depois de sofrer uma lesão medular grave.
  91. Ele não queria aceitar esse prognóstico.
  92. Nenhum dos amigos
    queria aceitar esse prognóstico,
  93. então todos se reuniram
    para arrecadar fundos pra ele,
  94. e levá-lo a seu objetivo
    de voltar a ficar de pé de novo.
  95. E isso mexeu comigo.
  96. Pensei: "Bem, talvez eu possa
    fazer algo pra ajudar".
  97. Então, organizei...
  98. Coincidentemente,
    eu tinha um vizinho comediante,
  99. e disse a ele: "Se eu fizesse uma comédia
    beneficente, você participaria?"
  100. E ele topou.
  101. Então, falei pro Arash: "Vamos fazer
    um show pra arrecadar fundos".
  102. E ele: "Que ótima ideia, cara.
    Você vai apresentar?"
  103. E respondi: "Ah, não".
  104. Ele não sabia sobre a coisa
    toda do treme-treme.
  105. (Risos)
  106. Até aquele momento, eu teria descrito
    falar em público como meu maior medo,
  107. e um medo incapacitante,
  108. mas, quando você está ali,
  109. e seu amigo está numa cadeira
    de rodas na sua frente,
  110. esse não é o tipo de coisa
    que você acha certo falar...
  111. (Risos)
  112. por medo.
  113. Isso só fazia o medo parecer ridículo.
  114. Eu, e o povo irlandês em geral,
  115. odiamos falar em público.
  116. Mas nós, os irlandeses
    em geral, adoramos falar.
  117. (Risos)
  118. Nós adoramos falar.
  119. É tipo: "Você fala com as pessoas?"
  120. "Claro, o tempo todo."
  121. "Em público?" "Ah, claro que sim".
  122. "Falar em público?" "Ah, nem pensar!
  123. (Risos)
  124. Isso não".
  125. De repente, pareceu meio absurdo.
  126. Então era hora de pelo menos
    tentar superar esse medo sem sentido.
  127. Mas a quem você pede ajuda?
  128. Ou quem eram os mestres
    no assunto, ou aonde você vai?
  129. Eu era um grande fã da teoria
    popularizada por Malcolm Gladwell,
  130. que, para se tornar mestre em algo,
    é preciso praticar por 10 mil horas.
  131. Então pensei: "Quem são
    os mestres em falar em público?"
  132. E a resposta parecia
    inconvencional... mas óbvia.
  133. Certamente os comediantes de "stand-up"
    fazem isso melhor do que ninguém.
  134. Certamente eles conhecem muito do assunto.
  135. Ocorre que o comediante de stand-up médio,
  136. para conseguir ganhar dinheiro
    com comédia de stand-up, se for bom,
  137. leva em média sete anos para ter lucro.
  138. Os que são dedicados calculam
    passar cerca de quatro horas por dia
  139. trabalhando de alguma forma em seu ofício.
  140. E 4 horas por dia, por esses 7 anos,
    são aproximadamente as 10 mil horas.
  141. E eles fazem isso nas piores
    condições possíveis.
  142. Moro nos Estados Unidos,
    e um dia difícil pra eles lá é assim:
  143. "Estou tendo um dia difícil hoje,
    cheio de ansiedade.
  144. Fui ao supermercado,
    e não tinha abacate... foi horrível.
  145. (Risos)
  146. Estava na Bikram Yoga,
    e um cara soltou pum.
  147. Aí foi simplesmente demais pra mim.
  148. Postei quatro fotos no Instagram,
    ninguém curtiu, nem minha mãe...
  149. Então, vou a um show de comédia,
  150. para melhorar, beber algo,
    sentar, cruzar os braços,
  151. encarar uma pessoa
    e dizer: 'Me faça rir'."
  152. (Risos)
  153. Soa como o pior ambiente possível
    para se fazer isso.
  154. Então meu plano
    estava ficando cada vez pior.
  155. Eu não só ia tentar falar
    em público durante um ano,
  156. mas ia fazer comédia stand-up por um ano.
  157. E, por esse plano terrível,
    culpo os norte-americanos.
  158. Eles são muito mais positivos
    do que os irlandeses...
  159. desnecessariamente às vezes.
  160. Eles te apoiam em qualquer coisa.
  161. Você pode falar:
    "Estou largando meu emprego.
  162. É um emprego bom, mas decidi
    vender pinguins infláveis ​​na internet".
  163. E eles vão dizer: "Meu Deus,
    que plano ótimo, cara!
  164. (Risos)
  165. Tenta mesmo. Vai em frente. Toca aqui".
  166. (Risos)
  167. Às vezes estereotipamos os irlandeses
    por coisas como: "Toma jeito.
  168. Tire esses pinguins da internet,
    você está envergonhando a família".
  169. (Risos)
  170. E lembrei disso um pouco
    por causa das mídias sociais.
  171. Postei um vídeo meu praticando
    kitesurf sob a ponte Golden Gate.
  172. E pensei: "Vai ter muitas curtidas".
  173. Postei, e os comentários americanos eram:
  174. "Cara, que incrível. Demais!".
  175. Próximo comentário:
  176. "Ai, meu Deus. Parece
    que você teve um dia perfeito.
  177. Espero que você
    tenha se divertido demais".
  178. Comentário irlandês:
  179. "Espero que um tubarão
    arranque suas bolas".
  180. (Risos)
  181. E esse aí foi da minha mãe.
  182. (Risos)
  183. Então, pode-se dizer
    que eu não estava pronto
  184. pra contar aos irlandeses o meu plano.
  185. Eu precisava de uma maneira
    de esconder isso deles.
  186. E ocorre que é bem difícil
    acelerar o tempo de palco necessário
  187. para obter experiência como comediante
    se você não tem nenhuma.
  188. Então tive de fazer parecer
    que já fazia aquilo havia um tempo.
  189. Os americanos nunca conseguiram
    pronunciar meu sobrenome,
  190. que era estranho mesmo
    pros padrões irlandeses: Nihill.
  191. Por isso me chamavam de Dave Irlandês.
  192. Então eu estava tipo:
  193. "Bem, há um nome artístico
    que soa horrível".
  194. A ideia era que eu já estava bem
    fazendo comédia na Irlanda,
  195. mas aconteceu de eu passar
    um tempo nos EUA.
  196. Precisava parecer
    que eu já fazia há um tempo.
  197. Então, bola pra frente, Dave Irlandês:
    fiz um site em que fiquei bem na fita.
  198. Página do Facebook,
  199. fãs do Facebook, os quais,
    controversamente na época,
  200. podia-se simplesmente
    comprar na Internet.
  201. (Risos)
  202. Então, fui famoso lá por um tempo...
  203. (Risos)
  204. especialmente na Índia.
  205. (Risos)
  206. O primeiro show planejado
    que fiz teve cinco senhoras e eu.
  207. O nome era: "Aperitivo de estrogênio,
    com acompanhamento de bolas".
  208. Eu era o acompanhamento.
  209. (Risos)
  210. Um momento de muito orgulho,
    como podem imaginar.
  211. Mas, felizmente, cresceu daí
  212. e comecei a me apresentar em clubes
    de comédia, shows e festivais.
  213. No final daquele ano, encontrei-me
    no palco, na frente de 1,4 mil pessoas,
  214. na maior competição
    de contação de histórias dos EUA.
  215. E eu me preparando para um fiasco,
  216. porque, depois da sua história,
  217. eles te julgam na frente
    de todas as outras pessoas.
  218. É como nas Olimpíadas.
  219. Eles mostravam um cartaz com notas
    de zero a dez sobre o seu desempenho.
  220. Era horrível.
  221. É como se, ao perder sua virgindade,
  222. alguém aparecesse
    na beirada da sua cama...
  223. com uma placa: dois!
  224. (Risos)
  225. Você pode fazer melhor.
  226. (Risos)
  227. O engraçado é que, no final dessa época,
  228. tinha aprendido o que comediantes
    aprendem do jeito mais difícil.
  229. Fizemos o evento para o Arash.
  230. E foi tudo muito bem.
  231. Ninguém notou Shakin 'Stevens.
  232. O que eu estava aprendendo,
    com o tempo, e através de repetição
  233. e conhecimento desse grupo de pessoas,
    não era como superar um medo,
  234. mas como administrar um medo
    e, no meu caso, como esconder um medo.
  235. Acho que nos vendem
    muito esta ideia na vida:
  236. "Eis o jeito fácil de superar seu medo".
  237. Pode ser que nunca supere,
    mas quero saber como administrá-lo,
  238. como parar a tremedeira.
  239. E parte fundamental disso é dizer
    a si mesmo que você não está nervoso,
  240. mas é óbvio que está,
  241. pois você está suando em bicas
    e a dança de salsa está voltando.
  242. Mas eles dizem: "Diga a si mesmo
    que você está animado.
  243. Como se houvesse
    2 mil pessoas na plateia.",
  244. e eu: "Nossa, estou tão animado".
  245. (Risos)
  246. Então, me encontrei literalmente
    no palco, 1,4 mil pessoas,
  247. e, nessa competição, três em dez
    participantes eram comediantes.
  248. E eu achava que eles, os verdadeiros
    mestres, ficariam em 1.º, 2.º e 3.º lugar.
  249. E Arash descobriu que eu estava
    participando com o nome de Dave Irlandês,
  250. e ele veio ver, e todo mundo
    estava na plateia.
  251. Eu me preparei para um fiasco - não tinha
    borboletas no estômago, tinha pombos.
  252. Se tocassem minha mão
    antes de subir ao palco,
  253. parecia um peixe.
  254. (Risos)
  255. Se alguém me abraçasse,
  256. parecia que eu tinha saído do banho.
  257. Afinal, o que estava acontecendo?
  258. Mas bastava esconder o medo, certo?
  259. Então lá estava eu na competição,
  260. e a essa altura eu mesmo tinha publicado
    um livro sobre a minha experiência,
  261. que depois vendi para uma editora.
  262. E eles disseram: "Vamos precisar
    de um final diferente pra ele".
  263. Daí pensei: "Se eu ganhar
    a competição, taí um bom final".
  264. Então, no final da competição -
  265. como previ, os comediantes
    ficaram nos primeiros lugares -,
  266. eu estava ganhando, e havia
    sobrado só mais uma pessoa.
  267. E uma senhora, sem formação
    ou treinamento em comédia,
  268. entra no palco e simplesmente arrasa.
  269. Todo mundo se acabando de rir,
  270. e ela vence.
  271. Pensei: "Parece que é o fim pra mim aqui".
  272. E perguntei curioso: "Como você fez isso?
  273. Fiquei fascinado; estudei isso por anos,
    mas você deu um baile em todo mundo".
  274. E ela: "Tenho estudado
    muito os comediantes.
  275. Tenho lido muito sobre o assunto".
  276. E perguntei: "O que você leu? Me conta.
  277. Alguma coisa legal?
    Vou publicar um livro sobre isso".
  278. E ela: "É este aqui".
  279. Pegando suas anotações,
    ela falou: "Este livro foi muito útil:
  280. 'Do you talk funny?',
    de um cara chamado David Nihill".
  281. (Risos)
  282. E falei: "Você me venceu
    usando meu próprio livro".
  283. (Risos)
  284. Ai... pensei, é o fim!
  285. Contei a história e, uma semana depois,
    um cara entra em contato:
  286. "Você gostaria de dar uma palestra no TED?
    Gostei da sua história.
  287. Gostaria de compartilhar?"
  288. E eu virei: "Opa!
    Esse seria um bom final".
  289. E aí falei: "Espere aí;
    tenho um amigo chamado Arash,
  290. que é a razão de eu ter entrado
    nessa bagunça toda,
  291. e de essa loucura ter começado.
  292. Sua história é melhor e mais poderosa
    do que qualquer uma que já ouvi.
  293. Posso te enviar um vídeo dele?
  294. Ele ensaiou com uma plateia
    usando técnicas de comediantes.
  295. Posso te enviar o vídeo?
    Talvez você queira convidá-lo".
  296. E Arash foi em meu lugar.
  297. Fiquei nos bastidores assistindo
  298. ele receber uma ovação
    de pé por 51 segundos,
  299. quando contou a todos como treinou
    durante um ano inteiro, em segredo,
  300. com o objetivo único
    de ficar em pé novamente sozinho,
  301. pra poder pedir sua linda namorada
    em casamento, olhos no olhos.
  302. Ele não queria fazer isso da cadeira
    de rodas; e ela, claro, disse sim.
  303. Então, no final, ele se levantou
    da cadeira de rodas, no palco,
  304. e fez o que os médicos disseram
    que ele não faria de novo.
  305. Ela veio e se juntou a ele,
    e todo mundo foi à loucura.
  306. Fico todo arrepiado só de contar.
  307. A comédia que fizemos
    tornou-se um evento permanente
  308. chamado "Comedy for a Spinal Cause".
  309. Hoje, arrecadamos para as pessoas
    com lesões na medula
  310. pouco mais de US$ 45 mil.
  311. Arash escreveu um livro...
  312. (Aplausos) Muito obrigado.
  313. Arash escreveu um livro
    sobre suas experiências, criou uma ONG,
  314. está se recuperando
  315. e continua a ser uma inspiração
    para todos a seu redor.
  316. Seis semanas a partir de hoje,
    neste mesmo salão em Manchester,
  317. haverá uma apresentação musical,
  318. ironicamente do Shakin 'Stevens.
  319. (Risos)
  320. Quem diria!?
  321. O mínimo que se pode tirar dessa loucura
  322. é que nossa vida é cheia de mudanças
  323. e, no mais das vezes, podemos controlar
    essas mudanças mais do que imaginamos,
  324. sejam elas apenas movimentos
    de dança involuntários,
  325. seja um sentimento que temos,
    ou um país inteiro.
  326. Podemos não superar um medo,
    mas, com a ajuda das pessoas certas,
  327. acredito que possamos
    aprender a administrá-lo.
  328. Se falar em público for
    um dos seus maiores medos,
  329. como era o meu e o de tantas pessoas,
  330. tente dizer a si mesmo que está animado,
  331. não importa quantas pessoas
    estejam te olhando.
  332. Afinal, lembre-se de que você
    está apenas compartilhando sua história.
  333. Você a conhece melhor do que ninguém,
  334. e nunca se sabe o que vai acontecer
    quando você contar.
  335. Se precisar de ajuda,
    peça a um comediante.
  336. Acredito que eles sejam
    os verdadeiros mestres do mundo.
  337. Muito obrigado.
  338. (Aplausos)