YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese subtitles

← O bailado que incitou um motim — Iseult Gillespie

Get Embed Code
22 Languages

Showing Revision 4 created 02/02/2020 by Margarida Ferreira.

  1. Consideramos habitualmente o bailado
  2. como uma coisa harmoniosa,
    graciosa e delicada
  3. — características que, dificilmente,
    provoquem um motim.
  4. Mas, na primeira exibição
  5. de "A sagração da Primavera"
    de Igor Stravinsky,
  6. o público ficou tão escandalizado
    que abafou a orquestra.
  7. Relatos do acontecimento referem pessoas
    a arremessar objetos para o palco,
  8. a andarem à pancada e a serem detidas
  9. — num evento que começou
    como uma requintada noite de bailado.
  10. Exibida pela primeira vez em maio de 1913,

  11. no Teatro dos Campos Elísios, em Paris,
  12. "A Sagração da Primavera"
    situa-se nos tempos pré-históricos.
  13. A narrativa acompanha
    uma antiga comunidade pagã
  14. que adora a Terra e se prepara
    para o sacrifício duma mulher,
  15. com a intenção de provocar
    a mudança das estações.
  16. Mas o bailado está mais preocupado
    com a relação violenta
  17. entre os seres humanos,
    a Natureza e a cultura
  18. do que com a personagem ou o enredo.
  19. Estes temas manifestam-se
    numa realização deveras perturbadora

  20. que alia uma música agressiva,
  21. uma dança brusca
    e uma encenação inquietante.
  22. Começa com os bailarinos
    a acordar com um solo de fagote,
  23. tocado num registo alto e sinistro,
  24. seguido por sequências discordantes,
    entrecortadas por pausas inesperadas,
  25. enquanto os bailarinos
    se contorcem ao som da música.
  26. Essas figuras assustadoras representam
    a premissa brutal do bailado
  27. que irritou o público
  28. e estilhaçou as convenções
    da música clássica.
  29. Desta forma e não só,

  30. "A Sagração da Primavera"
    desafiou as tradições orquestrais
  31. do século XIX.
  32. Composta nas vésperas
    da I Guerra Mundial
  33. e da revolução russa,
  34. "A Sagração da Primavera"
    fervilha de urgência.
  35. Esta tensão reflete-se
    em diversas experiências formais,
  36. incluindo o uso inovador do ritmo
    sincopado ou irregular,
  37. da música atonal, ou seja,
    a falta de uma tonalidade única
  38. e a presença de múltiplos compassos.
  39. Juntamente com estas características
    chocantemente modernas,
  40. Stravinsky juntou aspetos
    da música folclórica russa
  41. — uma combinação que perturbou
    deliberadamente
  42. as expetativas da sua audiência
    urbana e sofisticada.
  43. Não foi a primeira vez
    que Stravinsky usou música popular.

  44. Nascido numa pequena cidade
    nos arredores de São Petersburgo, em 1882,
  45. a reputação de Stravinsky ficou cimentada
  46. com o bailado exuberante
    "O Pássaro de Fogo".
  47. Baseado em contos de fadas russos,
  48. esta produção estava enraizada
    no fascínio de Stravinsky
  49. pela cultura popular.
  50. Mas ele previra um projeto mais violento
    em "A Sagração da Primavera",
  51. forçando os limites populares e musicais
    para reforçar a crueza do ritual pagão.
  52. Stravinsky deu vida a este sonho

  53. em colaboração com o artista
    Nicholas Roerich.
  54. Roerich estava obcecado
    com a época pré-histórica.
  55. Tinha publicado ensaios
    sobre os sacrifícios humanos
  56. e trabalhara nas escavações
    de túmulos eslavos
  57. para além de encenar
    e desenhar os figurinos.
  58. Para "A Sagração da Primavera",
    inspirou-se na arte medieval russa
  59. e nas vestes camponesas,
    para criar roupas
  60. que pendiam desajeitadamente
    nos corpos dos bailarinos.
  61. Roerich imaginou-os em contraste
    com cenários duma Natureza primitiva,
  62. cheia de rochas recortadas,
  63. de árvores ameaçadoras
    e de cores tenebrosas.
  64. Juntamente com este cenário impressionante
    e uma música abrasadora,

  65. a coreografia original
    de "A Sagração da Primavera"
  66. era altamente provocadora.
  67. Foi obra do lendário
    bailarino, Vaslav Nijinsky,
  68. que criava bailados para repensar
    "as raízes do movimento".
  69. Embora Stravinsky mais tarde
    tenha exprimido a sua frustração
  70. com os ensaios exigentes de Nijinsky
  71. e as interpretações obstinadas da música,
  72. a coreografia dele revelou-se tão pioneira
    como a composição de Stravinsky.
  73. Contorceu o bailado tradicional
  74. — para admiração e horror do público,
  75. que, na maior parte, estava à espera
    do requinte e do romance do género.
  76. A dança em "A Sagração da Primavera"
    é agitada e irregular,

  77. com os bailarinos a esconder-se,
  78. a contorcer-se e a saltar como possessos.
  79. Com frequência, os bailarinos
    não seguem a música
  80. mas parecem estar a lutar contra ela.
  81. Nijinsky pediu-lhes para virar
    os dedos dos pés para dentro
  82. e a aterrar pesadamente após os saltos,
    muitas vezes, fora do ritmo.
  83. No final, uma cena frenética,
  84. uma mulher dança até à morte
  85. ao som de fortes estrondos
    e acordes dissonantes.
  86. O bailado acaba bruscamente
    num acorde áspero e obsessivo.
  87. Hoje, "A Sagração da Primavera"

  88. mantém-se tão inquietante
    como na sua controversa estreia,
  89. mas as ondas de choque da obra original
    continuam a ressoar e a inspirar.
  90. Podemos ouvir a influência de Stravinsky
    nos ritmos dos duelos do "jazz" moderno,
  91. na música folclórica clássica,
  92. e até nas bandas sonoras
    dos filmes de terror
  93. que ainda provocam a reação
    de um público amotinado.