Return to Video

Mapas que nos mostram quem somos (e não apenas onde estamos)

  • 0:01 - 0:04
    Imaginem o mundo de um jeito novo.
  • 0:06 - 0:08
    Quero lhes mostrar alguns mapas
  • 0:08 - 0:10
    desenhados por Ben Hennig,
  • 0:11 - 0:18
    que retratam o planeta de um modo
    que a maioria de vocês nunca viu antes.
  • 0:18 - 0:22
    Aqui temos uma imagem bastante familiar.
  • 0:22 - 0:26
    Sou velho o bastante para ter nascido
    antes de termos esta imagem.
  • 0:26 - 0:29
    Parece que minhas primeiras
    palavras foram "lua, lua",
  • 0:29 - 0:32
    mas acho que isso
    era minha mãe fantasiando
  • 0:32 - 0:35
    sobre o que seu filhinho estava vendo
  • 0:35 - 0:38
    na imagem trêmula da TV em preto e branco.
  • 0:40 - 0:41
    Faz apenas alguns séculos
  • 0:41 - 0:45
    que a maioria de nós
    pôde ver a Terra como esférica.
  • 0:46 - 0:49
    Quando essas imagens foram vistas
    pela primeira vez, nos anos 1960,
  • 0:49 - 0:53
    o mundo estava mudando
    a uma velocidade incrível.
  • 0:54 - 0:58
    Na minha disciplina de geografia humana,
  • 0:59 - 1:01
    um cartógrafo chamado Waldo Tobler
  • 1:01 - 1:04
    estava desenhando novos mapas do planeta,
  • 1:04 - 1:05
    e esses mapas se espalharam,
  • 1:05 - 1:07
    e vou lhes mostrar um deles agora.
  • 1:08 - 1:11
    Este é um mapa-múndi,
  • 1:12 - 1:14
    mas, para vocês,
  • 1:14 - 1:16
    é um pouco estranho.
  • 1:16 - 1:20
    Nele, esticamos os lugares,
  • 1:20 - 1:25
    de modo que as áreas
    com mais pessoas ficassem maiores,
  • 1:25 - 1:28
    e áreas como o Saara e os Himalaias,
  • 1:28 - 1:30
    onde vivem poucas pessoas,
    ficassem mais encolhidas.
  • 1:31 - 1:34
    Todos no planeta receberam
    a mesma quantidade de espaço.
  • 1:35 - 1:38
    Aqui, as cidades são bem brilhantes.
  • 1:39 - 1:42
    As linhas indicam cabos submarinos
    e rotas comerciais.
  • 1:42 - 1:46
    E há uma linha específica,
    que vai do porto chinês de Dalian
  • 1:46 - 1:48
    passando por Cingapura,
  • 1:48 - 1:49
    pelo canal de Suez,
  • 1:49 - 1:52
    pelo mediterrâneo, e chegando a Roterdã.
  • 1:52 - 1:53
    E ele mostra a rota
  • 1:53 - 1:57
    do que era o maior navio
    do mundo há apenas um ano,
  • 1:57 - 2:03
    um navio que carregava
    tantos contêineres de mercadorias
  • 2:03 - 2:05
    que, quando era descarregado,
  • 2:05 - 2:10
    se os caminhões estivessem em comboio,
    formariam uma linha de 100 quilômetros.
  • 2:11 - 2:13
    É assim que nosso mundo
    está conectado agora.
  • 2:13 - 2:19
    Essa é a quantidade de coisas
    sendo transportada pelo mundo.
  • 2:19 - 2:22
    E isso somente num único navio,
    numa única viagem,
  • 2:22 - 2:24
    em cinco semanas.
  • 2:26 - 2:29
    Vivemos em cidades há muito tempo,
  • 2:30 - 2:32
    mas a maioria de nós não vivia em cidades.
  • 2:32 - 2:35
    Esta é Çatalhöyük,
    uma das primeiras cidades do mundo.
  • 2:35 - 2:38
    No seu auge, há 9 mil anos,
  • 2:39 - 2:45
    as pessoas tinham de andar nos telhados
    das outras casas para chegar em casa.
  • 2:46 - 2:49
    Se olharem com atenção o mapa da cidade,
  • 2:49 - 2:51
    vão ver que não existem ruas,
  • 2:52 - 2:55
    pois as ruas são algo que inventamos.
  • 2:56 - 2:58
    O mundo muda.
  • 2:58 - 3:00
    Muda por tentativa e erro.
  • 3:01 - 3:04
    Descobrimos lenta e gradualmente
  • 3:04 - 3:06
    como viver de jeitos melhores.
  • 3:07 - 3:12
    E o mundo tem mudado
    incrivelmente rápido recentemente.
  • 3:14 - 3:18
    Foi somente nas últimas seis,
    sete ou oito gerações
  • 3:18 - 3:21
    que de fato percebemos
    que somos uma espécie.
  • 3:22 - 3:24
    E somente nas últimas décadas
  • 3:25 - 3:28
    é que um mapa assim pôde ser desenhado.
  • 3:30 - 3:34
    Novamente, o mapa mostrado
    é um mapa da população mundial,
  • 3:36 - 3:41
    mas, nele, veem-se setas que mostram
    como, saindo da África, nos espalhamos,
  • 3:41 - 3:45
    com datas mostrando
    aonde achamos ter chegado
  • 3:45 - 3:47
    em determinados momentos.
  • 3:48 - 3:52
    Tenho de redesenhar
    este mapa frequentemente,
  • 3:52 - 3:57
    pois sempre se descobre
    que uma determinada data está errada.
  • 3:57 - 4:01
    Estamos aprendendo sobre nós mesmos
    numa velocidade incrível.
  • 4:04 - 4:05
    E estamos mudando.
  • 4:07 - 4:09
    Muitas mudanças são graduais.
  • 4:09 - 4:10
    São acréscimos.
  • 4:10 - 4:13
    Não notamos as mudanças,
  • 4:13 - 4:15
    pois nossa vida é curta,
  • 4:15 - 4:18
    70, 80 e, com sorte, 90 anos.
  • 4:19 - 4:21
    O gráfico nos mostra
  • 4:21 - 4:23
    a taxa anual de crescimento
    da população no mundo.
  • 4:24 - 4:28
    Era muito baixa até 1850,
  • 4:28 - 4:31
    e então a taxa de crescimento
  • 4:31 - 4:32
    começou a aumentar,
  • 4:33 - 4:35
    até que, por volta da época em que nasci,
  • 4:35 - 4:40
    quando vimos, lá da Lua,
    aquelas imagens do nosso planeta,
  • 4:41 - 4:44
    nossa população global estava
    crescendo em torno de 2% ao ano.
  • 4:45 - 4:49
    Se continuasse a crescer nesse ritmo
  • 4:51 - 4:53
    por apenas mais alguns séculos,
  • 4:55 - 4:57
    o planeta inteiro estaria apinhado
  • 4:57 - 5:00
    de uma fervilhante
    massa de corpos humanos,
  • 5:00 - 5:02
    uns encostados aos outros.
  • 5:03 - 5:05
    E as pessoas ficaram assustadas.
  • 5:05 - 5:07
    Assustadas com esse crescimento
  • 5:07 - 5:10
    e com o que se chamou em 1968
    de "a bomba populacional".
  • 5:10 - 5:13
    Mas, se olharmos para o final do gráfico,
  • 5:13 - 5:16
    o crescimento começou a diminuir.
  • 5:17 - 5:21
    Nas décadas de 70, 80, 90, 2000,
  • 5:21 - 5:24
    e ainda mais rápido nesta década,
  • 5:25 - 5:26
    o crescimento desacelerou.
  • 5:26 - 5:28
    O planeta está estabilizando.
  • 5:28 - 5:31
    Estamos caminhando para
    9, 10 ou 11 bilhões de pessoas
  • 5:31 - 5:32
    até o fim do século.
  • 5:32 - 5:36
    Durante essa mudança, houve perturbações.
  • 5:36 - 5:38
    Houve a Segunda Guerra Mundial.
  • 5:38 - 5:42
    Vimos em 1918 a pandemia
    da gripe espanhola.
  • 5:42 - 5:44
    Vimos a grande fome chinesa.
  • 5:44 - 5:47
    E costumamos nos concentrar
    nesses eventos.
  • 5:47 - 5:51
    Tendemos a nos concentrar
    nas notícias de eventos terríveis.
  • 5:51 - 5:54
    Não costumamos nos concentrar
    nas mudanças graduais
  • 5:54 - 5:56
    e nas notícias boas.
  • 5:57 - 5:59
    Nós nos preocupamos com as pessoas.
  • 5:59 - 6:01
    Preocupamos com quantas pessoas existem.
  • 6:01 - 6:05
    Nos preocupamos em como
    nos afastar das pessoas.
  • 6:05 - 6:09
    Mas este é o mapa-múndi, novamente
    modificado para alargar a área
  • 6:10 - 6:14
    da maior distância em que as pessoas
    estão de cada área.
  • 6:14 - 6:18
    Então, se querem saber
    como viver longe de todo mundo,
  • 6:18 - 6:21
    esses aqui são os melhores lugares.
  • 6:21 - 6:24
    E, a cada ano, essas áreas crescem,
  • 6:24 - 6:27
    porque, a cada ano, estamos
    fazendo isso globalmente.
  • 6:27 - 6:28
    Nos mudamos para as cidades.
  • 6:28 - 6:30
    Estamos nos juntando mais densamente.
  • 6:31 - 6:32
    Na Europa, há lobos novamente,
  • 6:32 - 6:36
    e eles estão rumando
    para o oeste pelo continente.
  • 6:37 - 6:39
    Nosso mundo está mudando.
  • 6:41 - 6:42
    Vocês se preocupam.
  • 6:44 - 6:49
    Este é um mapa mostrando
    onde a água cai em nosso planeta.
  • 6:49 - 6:50
    Agora sabemos disso.
  • 6:50 - 6:54
    E podem ver onde era Çatalhüyük,
  • 6:54 - 6:57
    onde os continentes se cruzam,
    África, Ásia e Europa,
  • 6:57 - 7:00
    e pode-se ver que existem
    muitas pessoas vivendo ali
  • 7:00 - 7:01
    em áreas com pouca água.
  • 7:01 - 7:05
    E podemos ver áreas onde existe
    muita precipitação pluviométrica.
  • 7:05 - 7:07
    E podemos sofisticar um pouco mais.
  • 7:08 - 7:12
    Em vez de um mapa formado por pessoas,
  • 7:12 - 7:14
    podemos fazer o mapa da água,
  • 7:14 - 7:16
    e então podemos mudá-lo todo mês
  • 7:16 - 7:18
    para mostrar a quantidade de chuva
  • 7:18 - 7:21
    que cai em todos os cantos do globo.
  • 7:22 - 7:25
    E podemos ver as monções
    se movendo pelo planeta,
  • 7:25 - 7:29
    e até parece que há um coração
    pulsando no planeta.
  • 7:30 - 7:34
    E tudo isso só se tornou possível
  • 7:35 - 7:37
    no meu tempo de vida,
  • 7:37 - 7:40
    para vermos onde estamos vivendo.
  • 7:41 - 7:42
    Temos água suficiente.
  • 7:44 - 7:48
    Este é o mapa-múndi de onde
    é plantado o alimento que comemos.
  • 7:49 - 7:54
    Essas são as áreas de que mais
    dependemos para arroz e milho.
  • 7:56 - 7:59
    Nos preocupamos se vai haver
    comida suficiente, mas sabe-se
  • 7:59 - 8:03
    que, se comermos menos carne e dermos
    menos da colheita para os animais,
  • 8:03 - 8:06
    vai ter comida para todos
  • 8:06 - 8:10
    se pensarmos em nós mesmos
    como um grupo de pessoas.
  • 8:12 - 8:13
    Também sabemos
  • 8:15 - 8:17
    o que fazemos
  • 8:17 - 8:20
    de muito errado hoje em dia.
  • 8:21 - 8:26
    Vocês já devem ter visto
    este mapa-múndi antes.
  • 8:27 - 8:29
    É um mapa
  • 8:29 - 8:33
    produzido por imagens de satélites,
  • 8:33 - 8:36
    se lembrarem daqueles satélites
    ao redor do planeta
  • 8:36 - 8:38
    no primeiro slide que mostrei,
  • 8:39 - 8:42
    que gera uma imagem
    de como é a Terra à noite.
  • 8:44 - 8:46
    Normalmente, quando vemos aquele mapa,
  • 8:46 - 8:50
    o mapa "normal"
    com que estamos acostumados,
  • 8:50 - 8:53
    pensamos estar vendo
    o mapa de onde as pessoas vivem.
  • 8:54 - 8:57
    Essas luzes brilhando
    mostram onde as pessoas vivem.
  • 8:57 - 9:01
    Mas aqui, nesta imagem do mundo,
  • 9:02 - 9:04
    lembrem-se de que esticamos
    o mapa novamente,
  • 9:05 - 9:10
    todos os lugares têm a mesma densidade
    de pessoas neste mapa.
  • 9:10 - 9:13
    Se uma área não possui pessoas,
  • 9:13 - 9:16
    nós a encolhemos,
    para fazê-la desaparecer.
  • 9:16 - 9:18
    Assim, estamos mostrando todo mundo
  • 9:18 - 9:20
    com a mesma importância.
  • 9:21 - 9:25
    Agora, as luzes não nos mostram
    mais onde estão as pessoas,
  • 9:25 - 9:27
    pois elas estão por toda parte.
  • 9:27 - 9:29
    Agora, as luzes no mapa,
  • 9:29 - 9:32
    as luzes em Londres,
    as luzes no Cairo, em Tóquio,
  • 9:32 - 9:35
    na Costa Leste dos Estados Unidos,
  • 9:35 - 9:38
    as luzes nos mostram
    locais onde vivem pessoas
  • 9:38 - 9:40
    tão perdulárias com a energia
  • 9:41 - 9:43
    que podem se dar ao luxo
  • 9:44 - 9:45
    de gastar dinheiro
  • 9:45 - 9:49
    acendendo luzes que irradiam até o céu,
  • 9:49 - 9:52
    permitindo aos satélites
    formar uma imagem como esta.
  • 9:53 - 9:55
    E as áreas que estão escuras no mapa
  • 9:56 - 9:59
    ou são áreas onde as pessoas
    não têm acesso a tanta energia,
  • 10:00 - 10:02
    ou áreas onde as pessoas têm,
  • 10:03 - 10:07
    mas elas aprenderam
    a parar de irradiar a luz até o céu.
  • 10:08 - 10:11
    E se eu pudesse lhes mostrar
    este mapa animado ao longo do tempo,
  • 10:12 - 10:15
    vocês veriam que Tóquio
    na verdade ficou mais escura,
  • 10:15 - 10:18
    porque, desde o "tsunami" no Japão,
  • 10:19 - 10:21
    eles contam com 25% menos de eletricidade,
  • 10:21 - 10:24
    com a desativação das usinas nucleares.
  • 10:25 - 10:27
    E o mundo não acabou.
  • 10:27 - 10:30
    Apenas irradiou menos brilho
  • 10:30 - 10:32
    para o céu.
  • 10:33 - 10:36
    Há um enorme número
  • 10:36 - 10:39
    de boas notícias no mundo.
  • 10:40 - 10:43
    A mortalidade infantil está caindo,
  • 10:43 - 10:47
    e tem caído a uma velocidade incrível.
  • 10:48 - 10:49
    Alguns anos atrás,
  • 10:50 - 10:54
    o número de bebês que morriam
    no primeiro ano de vida no mundo
  • 10:54 - 10:57
    caiu cerca de 5% em apenas um ano.
  • 11:00 - 11:02
    Mais crianças estão frequentando a escola
  • 11:02 - 11:05
    e aprendendo a ler e a escrever,
  • 11:05 - 11:08
    conectando-se à internet
  • 11:08 - 11:11
    e indo para a universidade
  • 11:11 - 11:15
    mais do que nunca, a índices incríveis.
  • 11:15 - 11:20
    E o maior número de jovens
    que chegam à universidade no mundo
  • 11:20 - 11:22
    são mulheres, não homens.
  • 11:23 - 11:27
    Posso lhes dar uma boa
    notícia atrás da outra
  • 11:27 - 11:30
    sobre o que está melhorando no planeta,
  • 11:30 - 11:32
    mas tendemos a nos concentrar
  • 11:34 - 11:37
    nas notícias ruins imediatas.
  • 11:37 - 11:40
    Acho que Rebecca Solnit
    colocou isso de forma brilhante,
  • 11:41 - 11:46
    quando ela explicou: "A soma
    das melhorias, mudanças imperceptíveis,
  • 11:47 - 11:49
    que podem constituir progresso
    e que fazem da nossa era
  • 11:49 - 11:52
    extremamente diferente do passado",
  • 11:52 - 11:54
    o passado era muito mais estável,
  • 11:56 - 12:01
    "um contraste obscurecido pela natureza
    pouco dramática da transformação gradual,
  • 12:01 - 12:04
    pontuado por distúrbios ocasionais".
  • 12:04 - 12:07
    Ocasionalmente coisas terríveis acontecem.
  • 12:07 - 12:10
    Vemos essas coisas terríveis
  • 12:10 - 12:14
    nas notícias todas as noites.
  • 12:14 - 12:18
    Não nos contam sobre
    o decréscimo da população.
  • 12:18 - 12:21
    Não falam sobre o mundo
    se tornando mais conectado.
  • 12:21 - 12:25
    Não nos falam sobre as incríveis
    melhoras na compreensão.
  • 12:25 - 12:28
    Não nos falam sobre como estamos
    aprendendo a começar
  • 12:28 - 12:30
    a gastar e a consumir menos.
  • 12:30 - 12:32
    Este é meu último mapa.
  • 12:32 - 12:35
    Neste mapa, tiramos os mares
  • 12:35 - 12:37
    e os oceanos.
  • 12:37 - 12:39
    Agora, vocês estão olhando
  • 12:40 - 12:43
    para cerca de 7,4 bilhões de pessoas
  • 12:43 - 12:47
    com o mapa desenhado
    em proporção a essas pessoas.
  • 12:47 - 12:49
    Estão olhando para
    mais de 1 bilhão na China,
  • 12:49 - 12:52
    e podem ver a maior cidade
    do mundo da China,
  • 12:52 - 12:54
    mas vocês não sabem seu nome.
  • 12:55 - 12:57
    Vocês podem ver que a Índia
  • 12:57 - 12:59
    está no centro desse mundo.
  • 13:00 - 13:03
    Podem ver que a Europa está na borda.
  • 13:03 - 13:06
    E nós em Exeter hoje
  • 13:06 - 13:09
    estamos no extremo do planeta.
  • 13:09 - 13:12
    Estamos num minúsculo pedaço de rocha
  • 13:12 - 13:13
    na Europa,
  • 13:14 - 13:16
    que contém menos
    de 1% dos adultos do mundo,
  • 13:18 - 13:23
    e menos de 0,5% das crianças do mundo.
  • 13:24 - 13:28
    Estamos vivendo num mundo
    estabilizado, urbanizado,
  • 13:28 - 13:30
    num mundo que envelhece,
  • 13:30 - 13:32
    num mundo conectado.
  • 13:32 - 13:36
    Há muitas, muitas coisas para se temer,
  • 13:37 - 13:42
    mas não precisamos temer
    uns aos outros tanto quanto tememos,
  • 13:42 - 13:46
    e precisamos ver que agora
    vivemos num novo mundo.
  • 13:47 - 13:48
    Muito obrigado.
  • 13:48 - 13:50
    (Aplausos)
Title:
Mapas que nos mostram quem somos (e não apenas onde estamos)
Speaker:
Danny Dorling
Description:

Como fica o mundo quando o mapeamos usando dados? O geógrafo social Danny Dorling nos convida a ver o mundo de um jeito novo, com seus mapas cativantes e perspicazes, que mostram a Terra tal como ela é: um lugar fascinante, conectado e em constante mudança, ao qual todos nós pertencemos. Nunca mais você vai conseguir olhar para um mapa do mesmo jeito.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
14:07

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions