Return to Video

A Missão MAVEN rumo a Marte e "Sonhos de Outros Mundos", autor Chris Impy - SA Hangout #7

  • 0:02 - 0:06
    JM: Oi pessoal! Esta é Joanne Manaster,
    blogueira da Scientific American.
  • 0:06 - 0:10
    Sejam bem-vindos
    à essa conversa especial
  • 0:10 - 0:13
    que é transmitida após
  • 0:13 - 0:16
    a conferência de impressa da NASA ontem
  • 0:16 - 0:22
    sobre a nave espacial MAVEN
    que deve ser lançada
  • 0:22 - 0:25
    em meados de novembro em direção a Marte
  • 0:25 - 0:29
    para olhar a atmosfera que não existe
    mais por lá
  • 0:29 - 0:31
    e eu me pergunto, pra ela onde foi?
  • 0:32 - 0:35
    Então hoje eu me juntei
    a dois convidados especiais
  • 0:35 - 0:38
    que podem nos esclarecer sobre
  • 0:38 - 0:41
    o que está havendo com a órbita de Marte
  • 0:41 - 0:47
    e sobre as explorações espaciais
    não tripuladas ou robóticas.
  • 0:47 - 0:52
    Primeiro, eu gostaria de apresentá-los
    ao cientista espacial da NASA,
  • 0:52 - 0:54
    e um dos cientistas da MAVEN
  • 0:54 - 0:59
    Nick Schneider, da Universidade
    de Colorado em Boulder.
  • 0:58 - 1:02
    Ele está com o Laboratório
    de Física Espacial e Atmosférica.
  • 1:02 - 1:04
    É até difícil de falar.
  • 1:04 - 1:08
    E ele é um dos membros
    da equipe de Ciência.
  • 1:07 - 1:09
    Na verdade ...
  • 1:10 - 1:11
    Ele é um professor associado
  • 1:11 - 1:14
    no Departmento de Astrofísica
    e Ciências Planetárias
  • 1:15 - 1:16
    na Universidade de Colorado.
  • 1:17 - 1:21
    Ele é PhD em Ciências Planetárias
    pela Universidade do Arizona.
  • 1:21 - 1:25
    Seus interesses de pesquisa incluem
  • 1:25 - 1:29
    atmosferas e astronomia planetárias
  • 1:29 - 1:33
    com foco no estranho caso
    da lua de Júpiter.
  • 1:33 - 1:36
    Ele também é um líder
    de Espectrógrafo de Imagem Ultravioleta
  • 1:36 - 1:39
    na próxima missão da MAVEN a Marte.
  • 1:39 - 1:41
    Ele ensina em todos os níveis
  • 1:41 - 1:45
    e é ativo em esforços para melhorar
    o ensino de astronomia na universidade.
  • 1:45 - 1:47
    Eu diria isso.
  • 1:46 - 1:48
    Fora do trabalho, gosta
    de explorar a natureza
  • 1:48 - 1:51
    com sua família e descobrir
    como as coisas funcionam.
  • 1:51 - 1:53
    O que eu tenho aqui?
  • 1:53 - 1:56
    Eu gostaria de mostrar seu livro.
  • 1:56 - 1:58
    Você é um dos autores deste livro
  • 1:58 - 2:00
    que ouvi dizer está na sétima edição.
  • 2:00 - 2:02
    NS: Correto.
  • 2:01 - 2:03
    JM: A Perspectiva Cósmica.
  • 2:03 - 2:05
    Este é um livro de astronomia iniciante.
  • 2:06 - 2:07
    NS: Exatamente.
  • 2:07 - 2:09
    JM: Bem vindo , Nick.
  • 2:09 - 2:12
    Agora eu vou apresentar o Cris.
  • 2:12 - 2:17
    Chris Impey é um
    distinto professor universitário
  • 2:17 - 2:20
    na Universidade do Arizona.
  • 2:20 - 2:22
    Então vocês tem uma conexão.
  • 2:22 - 2:25
    E ele é chefe adjunto
    do Departamento de Astronomia.
  • 2:25 - 2:27
    Seus interesses de pesquisa incluem:
  • 2:27 - 2:33
    Cosmologia observacional,
    quasares e galáxias distantes.
  • 2:32 - 2:36
    Ele escreveu 160 artigos e 2 livros
    sobre astronomia
  • 2:36 - 2:38
    mas esses são artigos online, certo?
  • 2:39 - 2:40
    CI: Sim, os que foram redirecionados.
  • 2:40 - 2:43
    Chama-se "Ensine Astronomia" e está
    disponíveis de graça
  • 2:43 - 2:47
    JM: Oh, muito bom. Ele ganhou 11 prêmios
  • 2:47 - 2:50
    Atua como professor distinto na
    "National Science Foundation" e
  • 2:51 - 2:53
    é também aluno honorário na
    Phi Beta Kappa
  • 2:54 - 2:57
    e professor do ano na
    Carnegie Council's Arizona.
  • 2:59 - 3:02
    Ele é ex- vice presidente da
    Sociedade Americana de Astronomia
  • 3:02 - 3:04
    e membro da AAAS.
  • 3:04 - 3:07
    Ele tem quatro livros populares,
    na verdade cinco:
  • 3:07 - 3:11
    O Cosmos Vivo, Como Termina,
    Falando Sobre a Vida,
  • 3:11 - 3:13
    e o que vamos fazer referência hoje
  • 3:13 - 3:16
    chamado Sonhos de Outros Mundos
  • 3:16 - 3:19
    que é a Fantástica História de explorações
    espaciais não tripuladas
  • 3:20 - 3:21
    Então, seja bem vindo, Chris.
  • 3:21 - 3:23
    CI: Obrigado.
  • 3:23 - 3:25
    JM: É ótimo ter vocês dois aqui.
  • 3:26 - 3:28
    Antes de continuarmos
  • 3:28 - 3:31
    hoje em "Notícias do Espaco"
  • 3:31 - 3:35
    Chris Hatfield, Coronel Chris Hatfield da
    Agência Espacial Canadense,
  • 3:35 - 3:39
    que estava na ISS e retornou recentemente.
  • 3:39 - 3:42
    Como sabemos ele causou grande furor
    nas mídias sociais
  • 3:42 - 3:44
    com suas imagens e músicas
  • 3:44 - 3:47
    e seus vídeos explicando suas músicas.
  • 3:47 - 3:50
    Ele publicou um livro que
    já foi lançado e
  • 3:50 - 3:53
    se você ainda não tem ou não ouviu
    falar dele, ele se chama
  • 3:53 - 3:56
    O Guia de um Astronauta para a Vida
    na Terra: Ir ao espaço
  • 3:56 - 4:00
    me ensinou determinação e estar preparado
    para qualquer coisa
  • 4:01 - 4:03
    e nós da Scientific American
  • 4:03 - 4:06
    o teremos como convidado em 14 de novembro
    ao meio dia.
  • 4:06 - 4:10
    Então, marque isso no seu calendário
    e junte-se a nós, se puder.
  • 4:10 - 4:14
    Então, vamos falar um pouco sobre a MAVEN
  • 4:14 - 4:18
    antes de falarmos de exploração espacial
    não tripulada
  • 4:18 - 4:22
    ou exploração espacial robótica em geral
  • 4:23 - 4:26
    Há muito interesse, então por que
    não damos alguns detalhes?
  • 4:26 - 4:29
    Quando é esperado o lançamento?
  • 4:29 - 4:33
    NS: a MAVEN está pra ser lançada na
    tarde de 18 de novembro.
  • 4:34 - 4:37
    É um curto período toda tarde
  • 4:37 - 4:38
    por algumas semanas
  • 4:38 - 4:42
    quando todos os planetas estão alinhados,
  • 4:41 - 4:46
    precisamos ter a Terra na posição certa
    com relação a Marte
  • 4:45 - 4:47
    e a rotação certa da Terra,
  • 4:47 - 4:51
    assim a nave chegará em Marte a tempo.
  • 4:52 - 4:54
    Se você quiser conhecer alguém
  • 4:53 - 4:56
    cuja vida é controlada pela posição
    dos planetas,
  • 4:56 - 5:00
    bem, esse alguém é uma pessoa tentando
    lançar uma nave para outro planeta.
  • 5:01 - 5:02
    JM: Mas não o resto de nós.
  • 5:02 - 5:06
    O que está no papel
    não importa muito.
  • 5:07 - 5:09
    Mas na verdade existem vários dias,
  • 5:09 - 5:13
    há uma janela de dias nesse período
  • 5:12 - 5:15
    NS: Certo, e a principal coisa
    que acontece
  • 5:16 - 5:19
    é que se os planetas saem do alinhamento
    isso gasta mais combustível.
  • 5:20 - 5:24
    E combustível é precioso
    e precisamos manobrar
  • 5:24 - 5:26
    quando chegarmos a Marte.
  • 5:26 - 5:28
    E queremos chegar naquela janela
  • 5:28 - 5:30
    o quanto antes
  • 5:31 - 5:32
    JM: Isso é fantástico!
  • 5:32 - 5:35
    Estou muito empolgada
    para o lançamento!
  • 5:35 - 5:37
    O único lançamento que eu já vi
  • 5:38 - 5:39
    foi do ônibus espacial
  • 5:39 - 5:41
    e estou feliz por tê-lo visto
  • 5:41 - 5:44
    E espero ver um lançamento
    de Atlis-5
  • 5:45 - 5:46
    NS: Eu também.
  • 5:46 - 5:48
    Estou muito animada sobre isso
  • 5:49 - 5:51
    tanto quanto...
  • 5:52 - 5:56
    para os que não viram a
    conferência de imprensa ontem
  • 5:56 - 5:59
    O que a MAVEM vai fazer?
  • 5:59 - 6:02
    NS: Estou feliz por explicar isso.
  • 6:02 - 6:07
    Tenho certeza que
    os membros do hangout
  • 6:08 - 6:10
    vão se familiarizar
  • 6:09 - 6:12
    com o básico de Marte.
  • 6:13 - 6:15
    Há mais ou menos cem anos atrás
  • 6:15 - 6:18
    alguém que olhou para Marte
    através do telescópio
  • 6:18 - 6:21
    deve ter se perguntado o que estava
    acontecendo com as estações lá.
  • 6:21 - 6:24
    Havia realmente uma suspeita de
    que houve vida em Marte,
  • 6:24 - 6:26
    e água também,
  • 6:26 - 6:30
    mas quando as primeiras sondas
    chegaram a Marte
  • 6:30 - 6:32
    O que na realidade descobriram
  • 6:32 - 6:34
    é que a atmosfera agora
    é quase nada.
  • 6:35 - 6:39
    Não há água corrente ou evidência
  • 6:39 - 6:42
    de água abundante na superfície
  • 6:42 - 6:44
    e em vez disso é muito frio
  • 6:44 - 6:47
    é um planeta realmente seco.
  • 6:47 - 6:49
    E, no entanto, você olha essas imagens
  • 6:49 - 6:52
    e o que você vê da nave espacial
  • 6:52 - 6:55
    são leitos secos de rios,
  • 6:55 - 6:57
    deltas de rios que enchiam as crateras.
  • 6:58 - 7:01
    Deve ter havido um ambiente
    mais quente e úmido
  • 7:01 - 7:03
    bilhões de anos atrás.
  • 7:03 - 7:05
    E a única maneira possível
  • 7:05 - 7:08
    é ter havido
    um enorme efeito estufa
  • 7:08 - 7:10
    com muito mais atmosfera.
  • 7:11 - 7:13
    E o melhor palpite de todos
  • 7:13 - 7:17
    é que Marte perdeu 80, 90, 99%
    da atmosfera
  • 7:17 - 7:20
    em bilhões de anos.
  • 7:21 - 7:23
    Costumávamos pensar que
    a atmosfera em Marte
  • 7:23 - 7:26
    e a superfície eram juntas.
  • 7:26 - 7:28
    Na verdade, é daí que o calcário
    vem da terra.
  • 7:28 - 7:31
    É dióxido de carbono sendo
    sugado para a superfície.
  • 7:31 - 7:33
    Mas as missões enviadas para
    Marte até agora
  • 7:33 - 7:36
    não encontraram evidências suficientes
  • 7:36 - 7:39
    de que a atmosfera
    era misturada com a superfície.
  • 7:39 - 7:42
    Então ficamos com a outra possibilidade
  • 7:42 - 7:44
    que a atmosfera escapou para o espaço.
  • 7:44 - 7:47
    E é isso que a MAVEN
    vai checar.
  • 7:48 - 7:49
    e é possível
  • 7:49 - 7:51
    que através de vários processos
  • 7:51 - 7:55
    teve uma taxa de escape
    da atmosfera para o espaço
  • 7:55 - 7:57
    e isso explicaria para
  • 7:57 - 8:00
    onde foi quase toda
    atmosfera inicial de Marte.
  • 8:00 - 8:02
    E eu posso entrar em mais detalhes
  • 8:02 - 8:04
    sobre como fazemos
    essas medidas, se você quiser,
  • 8:04 - 8:07
    mas só queria que você
    tivesse uma ideia básica
  • 8:07 - 8:09
    sobre o que é a MAVEN,
  • 8:09 - 8:10
    JM: Isso é interessante.
  • 8:10 - 8:13
    Então parte do meu interesse nisso
  • 8:13 - 8:17
    é que fui convidada para
    um workshop de Novas Mídias
  • 8:17 - 8:19
    na Universidade do Colorado
  • 8:19 - 8:22
    e ouvi vocês cientistas falarem
  • 8:22 - 8:24
    sobre o que era a MAVEN.
  • 8:24 - 8:27
    Então, estou feliz por participar
    deste hangout
  • 8:27 - 8:29
    com o público da Scientific American.
  • 8:29 - 8:32
    Uma coisa que foi interessante foi
  • 8:32 - 8:35
    por que não enviamos uma sonda para Vênus?
  • 8:35 - 8:38
    Enviamos sondas para outros lugares
    para checar a atmosfera.
  • 8:38 - 8:40
    Mas por que não Vênus?
  • 8:40 - 8:42
    Quero dizer é tão óbvio
    pois é mais perto, mas...
  • 8:43 - 8:45
    Bom, vou perguntar
    ao Chris para
  • 8:45 - 8:47
    avaliar isso, pois você
    acabou de escrever um livro
  • 8:47 - 8:51
    sobre quase toda
    exploração não tripulada
  • 8:51 - 8:53
    que já foi enviada.
  • 8:54 - 8:56
    Eu acho que o problema com
    ciência planetária agora
  • 8:56 - 8:59
    é que há tantas boas idéias para seguir,
  • 8:59 - 9:02
    e tão poucas possibilidades
    no orçamento.
  • 9:02 - 9:04
    Você não pode fazer tudo.
  • 9:04 - 9:06
    Eu estava no JPL
  • 9:06 - 9:08
    dando uma palestra para engenheiros
  • 9:08 - 9:11
    e um deles foi o líder
    em uma missão a Vênus,
  • 9:11 - 9:12
    era uma sonda
  • 9:12 - 9:15
    que na fase final
    não foi selecionada
  • 9:15 - 9:17
    Quando chegou aos quatro finalistas
    não foi escolhido.
  • 9:17 - 9:19
    E isso foi realmente desafiador
  • 9:19 - 9:21
    porque Vênus
    é um lugar bem desagradável
  • 9:22 - 9:24
    e eles tinham uma sonda
    que iria pousar lá
  • 9:24 - 9:26
    pegar dados por dez dias
  • 9:26 - 9:29
    antes de assar e morrer
  • 9:29 - 9:31
    e aprender muito sobre Vênus.
  • 9:31 - 9:34
    Então, você sabe, existem missões
  • 9:34 - 9:35
    esperando lá na prateleira
  • 9:35 - 9:39
    do pessoal da NASA
    e pessoas que trabalham com ela
  • 9:39 - 9:42
    para fazer quase tudo o que
    você poderia imaginar
  • 9:42 - 9:43
    tipo o Hydrobot
  • 9:43 - 9:46
    indo pelo gelo da lua Europa
    e procurando por vida
  • 9:46 - 9:49
    ou voltando para a lua Titã de
    júpiter com dirigíveis
  • 9:49 - 9:51
    e avaliando todos os lagos
  • 9:51 - 9:54
    ou projetos mais avançados sobre Marte
  • 9:54 - 9:55
    que procurariam a vida e
  • 9:55 - 9:59
    indo mais fundo poderiam
    encontrar aquíferos por baixo.
  • 9:59 - 10:01
    Existem todos esses projetos por aí,
  • 10:01 - 10:04
    mas não há dinheiro suficiente
    para todos eles.
  • 10:06 - 10:07
    JM: Sim e
  • 10:08 - 10:10
    com o número de coisas que enviamos
  • 10:10 - 10:13
    aprendemos muito e
    apenas parece infinito
  • 10:13 - 10:15
    o que mais poderíamos aprender
  • 10:15 - 10:17
    se pudéssemos enviar todos
  • 10:17 - 10:20
    os projetos de cientistas.
  • 10:21 - 10:24
    Na verdade, antes de voltarmos
    à atmosfera de Marte e MAVEN
  • 10:24 - 10:27
    Eu estava interessada, quando
  • 10:27 - 10:29
    mencionei pela primeira vez
    ao meu editor,
  • 10:29 - 10:32
    que eu queria falar sobre este livro
    e a MAVEN.
  • 10:33 - 10:38
    A legenda diz "A Incrível História de
    Exploração Espacial Não Tripulada"
  • 10:38 - 10:39
    e fui imediatamente combatida com,
  • 10:39 - 10:42
    "Oh, esse não é o termo correto
  • 10:42 - 10:44
    o termo politicamente correto
  • 10:44 - 10:46
    para usar a palavra 'não tripulado'".
  • 10:46 - 10:49
    E eu perguntei a você sobre isso.
  • 10:49 - 10:53
    Então você falaria por que escolheu
    "não tripulado" versus "robótico"
  • 10:52 - 10:55
    apesar do fato de "não tripulado"
    poder chatear as pessoas?
  • 10:56 - 11:00
    CI: Para ser sincero, isso foi
    uma decisão do editor, na verdade
  • 11:00 - 11:04
    eles publicaram um livro
    e receberam o voto decisivo sobre isso.
  • 11:04 - 11:07
    "Robótico" teria sido
    uma escolha melhor, eu concordo.
  • 11:08 - 11:12
    E tivemos que avaliar
    várias línguas ...
  • 11:12 - 11:16
    Veja a evolução do Star Trek
    e a sua famosa linha,
  • 11:16 - 11:19
    "onde nenhum homem foi antes" para
    "onde ninguém foi antes".
  • 11:19 - 11:22
    Então tem havido
    evolução apropriada
  • 11:22 - 11:24
    de algumas dessas frases icônicas
  • 11:25 - 11:29
    JM: Então, vocês dois concordariam que
    "robótico" é provavelmente
  • 11:29 - 11:32
    apenas um termo melhor ou perfeito
  • 11:32 - 11:36
    ou existe um termo ainda melhor?
    Porque enviamos telescópios ...?
  • 11:36 - 11:38
    E quando penso em "robótico",
  • 11:38 - 11:40
    eu penso em muitos braços em movimento
  • 11:40 - 11:44
    pegando coisas para
    trazê-las de volta para análise
  • 11:44 - 11:49
    e não apenas em equipamentos analíticos.
  • 11:49 - 11:53
    Mas, acho que minha concepção de
    "robótica" pode ainda expandir.
  • 11:54 - 11:56
    NS: Eu uso "exploração robótica".
  • 11:57 - 11:59
    CI: Eles são bem diferentes.
  • 11:59 - 12:02
    Telescópios em órbita
    ou telescópios no Ponto LaGrange
  • 12:02 - 12:06
    são apenas a tecnologia
    que usamos na Terra
  • 12:06 - 12:08
    para observar o espaço.
  • 12:08 - 12:09
    E tudo remotamente da Terra.
  • 12:09 - 12:12
    Não tenho que ir para o
    Chili ou Havaí nunca mais
  • 12:12 - 12:14
    pois posso observar direto
    do meu escritório.
  • 12:14 - 12:17
    Mas acho que "robótico" é adequado
  • 12:17 - 12:19
    para as missões planetárias
  • 12:19 - 12:21
    pois eles estão literalmente
    como extensores.
  • 12:21 - 12:23
    Eles são nossos olhos e ouvidos
  • 12:24 - 12:28
    em outro mundo, e os
    operamos dessa forma.
  • 12:30 - 12:34
    JM: Eu vou pedir ao Chris para falar
  • 12:34 - 12:38
    para nós uma história de
    exploração robótica em Marte.
  • 12:38 - 12:41
    e depois vamos falar
    mais sobre a missão MAVEN.
  • 12:41 - 12:43
    Então, pense no seu livro,
  • 12:43 - 12:46
    sobre o que você falou,
    as diferentes sondas
  • 12:46 - 12:48
    que foram para Marte
    e o que elas fizeram.
  • 12:48 - 12:52
    Talvez suas desvantagens
  • 12:52 - 12:54
    e como estamos melhorando nisso?
  • 12:54 - 12:57
    CI: Certo, pois eu me
    interessei nesse livro.
  • 12:57 - 12:59
    É eu acho que algumas pessoas
  • 12:59 - 13:03
    apenas subestimam o quão fantástico
    essas tecnologias são.
  • 13:03 - 13:06
    Apenas deixando Marte um pouco de lado,
  • 13:06 - 13:09
    a sonda Huygens pousou suavemente
    em um mundo
  • 13:09 - 13:11
    quase um bilhão de Km de distância
  • 13:11 - 13:14
    e depois de inspecioná-lo achou
  • 13:14 - 13:17
    esses bizarros lagos parecidos
    com a Terra,
  • 13:17 - 13:20
    clima e áreas vulcânicas ,
    e todas essas coisas legais.
  • 13:20 - 13:22
    Essa é uma conquista incrível
  • 13:22 - 13:24
    e para voltar ao começo
  • 13:24 - 13:27
    as missões Vikings, há muito já
    esquecidas.
  • 13:27 - 13:30
    A maioria dos americanos não tinham nem
    nascido no tempo delas.
  • 13:30 - 13:32
    Elas eram tecnologia dos anos 1960.
  • 13:32 - 13:35
    Pense em computadores e
    em eletrônica daquela época
  • 13:35 - 13:38
    e essas sondas pousando e orbitando
  • 13:38 - 13:40
    fizeram coisas incríveis.
  • 13:40 - 13:42
    Fizeram experimentos
    para detectar vida
  • 13:42 - 13:44
    que não foram superados desde então
  • 13:44 - 13:48
    mesmo com alguns
    resultados ambíguos.
  • 13:47 - 13:50
    Então, Vikings eram missões incríveis
  • 13:50 - 13:53
    para aquela época, 40 anos atrás
  • 13:53 - 13:57
    e nós apenas continuamos
    o progresso com sondas.
  • 13:57 - 14:02
    Então a NASA foi para o mecanismo
    de aterrissagem com airbags
  • 14:02 - 14:05
    que é mais seguro e
  • 14:05 - 14:07
    aumentou muito o grau de dificuldade
  • 14:07 - 14:10
    com as máquinas Curiosity e Skycrane.
  • 14:10 - 14:12
    Então, novamente, tecnologias incríveis
  • 14:12 - 14:14
    com risco realmente alto
  • 14:14 - 14:17
    mas também com alto retorno.
  • 14:18 - 14:23
    Esses tipos de missões
    empurram nossa tecnologia.
  • 14:23 - 14:25
    Agora um geólogo diria a você
  • 14:26 - 14:28
    não há como trazer de volta
    as rochas de Marte.
  • 14:28 - 14:33
    Na Terra você poderia examiná-las
    molécula por molécula.
  • 14:32 - 14:35
    Mas o que você pode compactar
  • 14:35 - 14:39
    em uma nave ou sonda para
    que resistam a passagem
  • 14:39 - 14:41
    de entrada em Marte
  • 14:41 - 14:43
    ainda é uma tecnologia bem surpreendente.
  • 14:43 - 14:46
    Os instrumentos de Curiosity,
    por exemplo,
  • 14:46 - 14:49
    Acho que fizemos absolutamente
  • 14:49 - 14:52
    quase tudo que podemos em termos
    de tecnoogia
  • 14:52 - 14:55
    quando projetamos esse tipo de missão.
  • 14:55 - 14:57
    NS: Sim, Chris, se eu puder pular nisso
  • 14:57 - 15:00
    e adicionar o fato de você
    falar sobre alta tecnologia
  • 15:00 - 15:02
    alto desempenho e capacidade.
  • 15:02 - 15:05
    Mas parte da mensagem
    que às vezes se perde
  • 15:05 - 15:08
    também é de baixo custo.
  • 15:08 - 15:11
    Se você pensar em todas as imagens
  • 15:11 - 15:14
    que a sonda Cassini já tirou
  • 15:14 - 15:17
    ou cada pedra que a sonda Mars já pegou
  • 15:17 - 15:20
    a soma total de toda essa
    exploração robótica
  • 15:21 - 15:23
    é menos da metade do orçamento da NASA.
  • 15:23 - 15:25
    É uma pequena fração.
  • 15:25 - 15:28
    Enviar os homens ao espaço
  • 15:28 - 15:31
    apesar de ser algo tão avançado
  • 15:31 - 15:34
    e apesar de eu amar essa idéia
  • 15:34 - 15:36
    é algo caro.
  • 15:37 - 15:39
    E com os robôs,
  • 15:39 - 15:41
    pois são mais acessíveis,
  • 15:41 - 15:44
    podemos ir a qualquer lugar
    e podemos ir lá agora.
  • 15:44 - 15:49
    Então, foi realmente o imediatismo
    da exploração robótica
  • 15:49 - 15:53
    e nossa presença no espaço
  • 15:53 - 15:56
    que fez com que esse seja
    um assunto atraente para mim.
  • 15:57 - 16:00
    CI: E, claro, essa vantagem
    continuará a crescer
  • 16:00 - 16:01
    porque as missões robóticas
  • 16:01 - 16:03
    ficarão mais compactas.
  • 16:03 - 16:06
    Elas se beneficiarão da Lei de Moore
  • 16:06 - 16:08
    e os seres humanos sempre serão complexos
  • 16:08 - 16:10
    e difíceis de manter no espaço,
  • 16:10 - 16:13
    pois ele não é um lugar natural
    para nós.
  • 16:14 - 16:15
    Estamos meio que tendo um grande debate
  • 16:15 - 16:19
    que acontece em nossas várias comunidades
  • 16:19 - 16:23
    de missão tripulada versus não tripulada
    ou robótica
  • 16:23 - 16:25
    e não precisa ser um ou outro.
  • 16:25 - 16:27
    Você vai estar falando
    com Chris Hatfield
  • 16:27 - 16:29
    e quando os astronautas
    como ele ou John Grunsfeld
  • 16:29 - 16:32
    que tivemos aqui várias vezes
    e que é um herói.
  • 16:33 - 16:35
    Ele entra no auditório
    e recebe aplausos de pé
  • 16:35 - 16:39
    de 200 astrônomos, o cara que
    consertou o Hubble três vezes.
  • 16:39 - 16:42
    Portanto, também não há substituto
    para isso.
  • 16:42 - 16:43
    Mas é caro.
  • 16:43 - 16:45
    O custo real do ônibus espacial
  • 16:46 - 16:47
    foi meio bilhão de dólares por lançamento
  • 16:47 - 16:50
    e alguns desses lançamentos podem
  • 16:50 - 16:52
    comprar uma sonda planetária muito boa,
  • 16:52 - 16:55
    então essa é uma troca difícil.
  • 16:57 - 17:00
    JM: Na verdade, eu gostei
    quando você falou do Hubble,
  • 17:00 - 17:05
    sobre sua construção, lançamento e reparo
  • 17:05 - 17:07
    no seu livro.
  • 17:07 - 17:09
    Vale a pena ler o livro apenas para isso.
  • 17:09 - 17:12
    E gostei muito desses detalhes.
  • 17:13 - 17:15
    O que eu quis dizer
  • 17:15 - 17:17
    agora que o Chris tem
    falado sobre as diferentes
  • 17:17 - 17:20
    sondas que já foram enviadas e,
  • 17:21 - 17:24
    claro, sabemos que tivemos
    um desligamento do governo
  • 17:24 - 17:29
    e provavelmente vocês
    da MAVEN suaram ... muito
  • 17:30 - 17:34
    mas você teve um alívio
  • 17:35 - 17:38
    e eles permitiram que vocês
    continuassem o trabalho.
  • 17:39 - 17:43
    Você quer explicar por que vocês
    puderam continuar?
  • 17:44 - 17:46
    - Certo
    - Mas o NAH não podia?
  • 17:47 - 17:51
    NS: Então, o projeto MAVEN parou
  • 17:51 - 17:52
    por alguns dias
  • 17:52 - 17:55
    sob ordens do governo.
  • 17:57 - 18:00
    Estávamos todos muito ansiosos
    e frustrados com isso.
  • 18:01 - 18:03
    Esta missão está pronta para ir
  • 18:03 - 18:05
    e tem uma ótima tecnologia,
  • 18:05 - 18:08
    mas sob os termos do desligamento
  • 18:08 - 18:12
    isso não seria suficiente para
    continuar.
  • 18:13 - 18:17
    E até o fato de perdermos esse lançamento
    na janela que eu falei
  • 18:17 - 18:21
    e ter que esperar no refrigerador
    por alguns anos
  • 18:21 - 18:24
    a próxima oportunidade custaria
    alguns milhões de dólares
  • 18:24 - 18:27
    mesmo isso não seria suficiente.
  • 18:27 - 18:30
    Mas, o que realmente importava
    é o fato de que
  • 18:30 - 18:36
    a MAVEN tem uma capacidade
    para transmissão de rádio
  • 18:36 - 18:39
    com as sondas na superfície
  • 18:39 - 18:42
    e são realmente essas missões em andamento
  • 18:42 - 18:46
    que precisamos preservar
    a capacidade de comunicação.
  • 18:46 - 18:50
    Essa foi a principal justificativa
    para MAVEN ter
  • 18:50 - 18:53
    continuado em andamento.
  • 18:53 - 18:55
    Existem alguns satélites
    em torno de Marte
  • 18:55 - 18:57
    capazes de executar a função
    de retransmissão
  • 18:57 - 19:00
    mas eles demoram muito
  • 19:00 - 19:04
    e precisávamos garantir que a MAVEN
    chegaria lá nesta janela de lançamento
  • 19:05 - 19:08
    e seria capaz de cumprir seu papel
    conforme esperado. Agora,
  • 19:08 - 19:11
    esperamos que as outras
    missões sobrevivam
  • 19:11 - 19:12
    e a última coisa que
    você quer é
  • 19:12 - 19:15
    que Curiosity, faça grandes
    descobertas na superfície
  • 19:15 - 19:18
    e não tenha capacidade para
    retornar os dados à Terra.
  • 19:19 - 19:22
    Então foi isso que colocou a MAVEN
    de volta aos trilhos.
  • 19:22 - 19:26
    E estamos no caminho certo
    para o lançamento em 18 de novembro.
  • 19:26 - 19:27
    Eu disse 18 de novembro?
  • 19:27 - 19:28
    JM: Sim.
  • 19:29 - 19:31
    CI: Não resisto comentar isso.
  • 19:31 - 19:34
    Falamos sobre como a alta
    tecnologia de exploração é.
  • 19:34 - 19:38
    Uma das áreas realmente
    importantes é a comunicação.
  • 19:39 - 19:42
    Provavelmente alguns de seus
    espectadores saibam
  • 19:42 - 19:46
    que Vincent Serf, que é o arquiteto
    da internet original
  • 19:45 - 19:48
    agora está trabalhando com a NASA
    em uma internet interplanetária,
  • 19:48 - 19:51
    porque existem problemas reais
  • 19:51 - 19:54
    com a operação da internet
    fora da Terra
  • 19:54 - 19:58
    porque você tem missões
    com tempos de transmissão de uma hora
  • 19:58 - 20:01
    e eles precisam procurar endereços de IP
  • 20:01 - 20:04
    e eles têm que ficar conectados
  • 20:04 - 20:07
    na colcha de retalhos
    que é a internet
  • 20:07 - 20:09
    e os protocolos atuais
  • 20:09 - 20:10
    não podem fazer isso.
  • 20:11 - 20:15
    Então, temos que projetar
    uma arquitetura inteiramente nova
  • 20:15 - 20:17
    para internet interplanetária
  • 20:16 - 20:19
    em que todas essas
    missões vão usar.
  • 20:20 - 20:22
    JM: Isso é realmente interessante.
  • 20:22 - 20:26
    CI: Esse é um projeto pioneiro
    na missão que acabou de ir para a lua.
  • 20:27 - 20:29
    JM: Bellary.
  • 20:28 - 20:31
    CI: Bellary foi apenas pioneira de alguns
  • 20:30 - 20:33
    primeiros protocolos de
    transmissão sob esta nova internet
  • 20:33 - 20:36
    um protocolo para exploração planetária…
  • 20:36 - 20:39
    JM: Isso também está embutido na MAVEN?
  • 20:39 - 20:43
    NS: Não, não temos
    essa tecnologia avançada.
  • 20:45 - 20:49
    JM: Você tem uma foto
    da MAVEN atrás de você
  • 20:49 - 20:51
    e você também tem um modelo.
  • 20:51 - 20:54
    Por que você não puxa isso para frente
    e tenta explicar
  • 20:55 - 20:57
    o que está acontecendo?
  • 20:57 - 20:59
    Assim todos podem ter uma ideia
  • 20:59 - 21:01
    Porque todo mundo tem essa ideia
  • 21:01 - 21:03
    do que se parece a Curiosity, certo?
  • 21:04 - 21:06
    Porque existem apenas imagens o tempo todo
  • 21:06 - 21:09
    das sondas exibidas na internet
  • 21:09 - 21:12
    Então, pensei que poderíamos ter uma ideia
    do que um orbitador desse tipo
  • 21:12 - 21:14
    se parece e pode fazer.
  • 21:15 - 21:18
    NS: Sim, e estou feliz que você
    enfatizou a palavra "órbita".
  • 21:18 - 21:21
    Esta nave espacial não pousa
    na superfície.
  • 21:21 - 21:25
    Nós apenas orbitamos o planeta
    repetidamente
  • 21:25 - 21:27
    a cada cinco horas, mais ou menos
  • 21:27 - 21:29
    estudando as diferentes maneiras
  • 21:29 - 21:31
    que a atmosfera
    pode escapar para o espaço
  • 21:31 - 21:34
    e como suas propriedades podem
  • 21:34 - 21:37
    estar elevadas.
  • 21:37 - 21:40
    Mas para fazer um "tour"
  • 21:40 - 21:42
    este é um modelo em escala de 1/30.
  • 21:42 - 21:44
    Assim, a nave espacial MAVEN
  • 21:44 - 21:48
    de ponta a ponta é do tamanho de
    de um ônibus escolar.
  • 21:48 - 21:50
    E tudo o que você vê aqui
  • 21:50 - 21:52
    todo esse aparato, são os painéis solares.
  • 21:52 - 21:55
    Então, reunimos energia solar suficiente
  • 21:55 - 21:59
    para alimentar todos os nossos
    equipamentos eletrônicos
  • 22:01 - 22:05
    E bem aqui mantemos os explosivos
  • 22:05 - 22:07
    Este é o combustível que usamos
  • 22:07 - 22:10
    quando entramos na órbita de Marte.
  • 22:10 - 22:12
    e temos que economizar energia
  • 22:12 - 22:14
    para chegarmos lá.
  • 22:15 - 22:19
    E, então as pontas do
    foguete estão aqui embaixo.
  • 22:20 - 22:24
    E esta é a nossa antena de transmissão
  • 22:24 - 22:26
    pelo qual enviamos nossos
    dados de volta à Terra
  • 22:26 - 22:30
    e também quaisquer dados das sondas
  • 22:30 - 22:32
    quando eles precisam de nós
    para executar essa função.
  • 22:33 - 22:36
    E quando falamos de exploração robótica
  • 22:36 - 22:40
    podemos dizer que os humanos
    tem cinco sentidos
  • 22:40 - 22:44
    Bem, eu tenho que dizer isso que a
    nave espacial pode ter dezenas
  • 22:44 - 22:48
    e você pode escolher
    diferentes tipos de sentidos
  • 22:48 - 22:51
    quando você está construindo
    seu explorador robótico.
  • 22:52 - 22:55
    E o Chris já falou sobre como
  • 22:56 - 22:59
    os robôs podem ser os olhos e ouvidos
    e essas são ótimas analogias .
  • 23:00 - 23:03
    Então, por exemplo, você pode ver que
    nós temos essas antenas aqui
  • 23:03 - 23:07
    e nós temos alguns
    dispositivos no final aqui.
  • 23:07 - 23:09
    Estes são como os ouvidos da nave
  • 23:09 - 23:12
    ouvindo os campos magnéticos e elétricos
  • 23:12 - 23:15
    como eles mudam ao redor
    da dela.
  • 23:16 - 23:18
    Uma das coisas que nossa nave faz
  • 23:18 - 23:21
    é que ela realmente voa
    através da atmosfera
  • 23:21 - 23:23
    na verdade, voa dessa maneira.
  • 23:23 - 23:27
    É por isso que os painéis solares
    são angulados.
  • 23:28 - 23:30
    Enquanto voamos pela atmosfera
  • 23:30 - 23:32
    temos um punhado de instrumentos
  • 23:32 - 23:34
    que é como cheirar
    ou provar a atmosfera.
  • 23:35 - 23:38
    Partícula por partícula eles podem ver
    do que a atmosfera é feita
  • 23:38 - 23:40
    e até a rapidez dessas partículas
  • 23:40 - 23:43
    e a chance delas escaparem.
  • 23:44 - 23:47
    Meu bebê é esse bem aqui.
  • 23:47 - 23:49
    É o espectrógrafo ultravioleta
    para imagens.
  • 23:49 - 23:51
    São os olhos da MAVEN.
  • 23:51 - 23:53
    Você pode não saber
  • 23:53 - 23:55
    mas toda atmosfera no sistema solar
  • 23:55 - 23:58
    brilha muito como ultravioleta.
  • 23:59 - 24:02
    Nós temos esse instrumento
    que pode espalhar o espectro
  • 24:02 - 24:05
    e ver a quantidade de dióxido de carbono,
  • 24:05 - 24:08
    quanto hidrogênio, quanto oxigênio,
  • 24:09 - 24:10
    todos esses ingredientes diferentes
  • 24:11 - 24:13
    como eles são distribuídos
    através da atmosfera
  • 24:13 - 24:16
    e até, novamente,
    suas chances de escapar.
  • 24:16 - 24:18
    Portanto, a Maven é
    perfeitamente projetada
  • 24:18 - 24:21
    com todos os instrumentos a bordo
    que são necessários
  • 24:21 - 24:23
    para rastrear de todas
    as formas possíveis
  • 24:23 - 24:26
    como os átomos e moléculas
    da atmosfera de Marte
  • 24:26 - 24:28
    podem escapar para o espaço.
  • 24:29 - 24:31
    Eu deixei alguma coisa de fora?
    Você tem alguma pergunta?
  • 24:31 - 24:35
    JM: Quando você diz que isso vai
    através da atmosfera
  • 24:35 - 24:38
    Isso é em direção ao
    planeta ou longe dele?
  • 24:38 - 24:40
    Porque existem alguns pontos
  • 24:40 - 24:41
    você está fazendo, como
    planejado.
  • 24:41 - 24:43
    NS: Isso mesmo.
  • 24:43 - 24:46
    Deixe-me pegar meu outro suporte aqui.
  • 24:47 - 24:49
    JM: O que não será escalável?
  • 24:52 - 24:55
    NS: Eu não tenho mãos suficientes
    para fazer tudo direito.
  • 24:55 - 24:58
    Mas para manter as coisas em perspectiva
  • 24:58 - 25:00
    lembre-se que a atmosfera de um planeta
  • 25:00 - 25:03
    é realmente fina na escala do planeta.
  • 25:03 - 25:07
    Marte é consideravelmente
    menor que a terra,
  • 25:08 - 25:11
    e maior que a lua. Tem
    tamanho intermediário
  • 25:11 - 25:15
    e a atmosfera é apenas cerca
    de 100, 200 km aqui em baixo.
  • 25:15 - 25:19
    E nossa nave é projetada
  • 25:19 - 25:22
    para descer em grandes
    altitudes aqui abaixo
  • 25:22 - 25:26
    e voar, deslizando pelas
    camadas superiores
  • 25:28 - 25:31
    onde a resistência do ar
    é bastante significativa
  • 25:31 - 25:33
    e depois voltar de novo. Na verdade
  • 25:33 - 25:35
    podemos tirar fotos
    do planeta daqui de cima
  • 25:35 - 25:37
    e depois voltar.
  • 25:37 - 25:40
    E, de vez em quando
    mudamos nossa órbita,
  • 25:40 - 25:44
    para irmos ainda mais fundo
    na atmosfera.
  • 25:44 - 25:48
    Ainda está muito acima de onde
    os aviões voam ou algo assim
  • 25:48 - 25:50
    em termos de densidade
    na atmosfera da Terra
  • 25:50 - 25:53
    mas é uma região de grande interesse
  • 25:53 - 25:56
    para as camadas superiores da atmosfera
  • 25:56 - 25:57
    onde os gases começam a escapar.
  • 25:57 - 25:59
    Chamamos isso de mergulhos profundos.
  • 25:59 - 26:02
    Não obstante,
  • 26:03 - 26:08
    é bonito! Eu não vou dizer arrepiante, mas
    dizer empolgante
  • 26:07 - 26:10
    a visão de mergulhar na órbita
    e ir para atmosfera
  • 26:10 - 26:13
    com apenas um pouco de atrito
    e sair novamente
  • 26:14 - 26:16
    mostra que precisamos ter combustível
    suficiente
  • 26:16 - 26:20
    e não ir mais fundo
    do que precisamos, cientificamente.
  • 26:21 - 26:23
    JM: Então, quanto tempo vai levar ...
  • 26:23 - 26:27
    Quanto tempo a MAVEN dever durar?
  • 26:27 - 26:31
    E então vou chegar ao Chris
    sobre a longevidade das coisas
  • 26:31 - 26:33
    porque as coisas duraram
    mais do que pensávamos.
  • 26:33 - 26:36
    Então seu projeto está programado
    para durar quanto tempo?
  • 26:37 - 26:39
    Você coletará dados oficialmente ...?
  • 26:39 - 26:41
    CI: A missão principal da MAVEN
  • 26:42 - 26:43
    é um ano terrestre de duração.
  • 26:44 - 26:47
    Estávamos esperando em mudar
  • 26:47 - 26:49
    um ano terrestre para um
    ano de Marte
  • 26:49 - 26:52
    mas acontece que eles estão
    avaliando isso.
  • 26:52 - 26:55
    Mas um ano terrestre é suficiente para nós
  • 26:55 - 26:58
    para provar todas as
    condições diferentes da atmosfera
  • 26:58 - 27:03
    especialmente como ela se comporta
    quando o sol fica intenso.
  • 27:03 - 27:07
    Tenho certeza de que os espectadores
    estão cientes da atividade solar
  • 27:07 - 27:09
    e a maneira como ela
    pode liberar
  • 27:09 - 27:12
    fótons e partículas energéticas extras.
  • 27:13 - 27:16
    Esses são os processos que podem
    tirar a atmosfera de Marte.
  • 27:17 - 27:20
    E nós queremos estudar como ela
    se comporta sob essas condições
  • 27:20 - 27:24
    e devemos ver isso em nossa missão
    primária de um ano terrestre.
  • 27:24 - 27:28
    JM: Então há uma antecipação
    grande de atividade solar, certo?
  • 27:28 - 27:31
    Esse é motivo de preocupação para vocês
  • 27:31 - 27:33
    se eu me lembro bem?
  • 27:33 - 27:35
    NS: O sol é imprevisível.
  • 27:35 - 27:39
    Não sabemos como o sol estará
    quando chegarmos.
  • 27:39 - 27:41
    Você pode estar pensando sobre o cometa
  • 27:41 - 27:44
    que chega a Marte
    na mesma época que nós,
  • 27:44 - 27:47
    JM: Deve ser o que estou pensando
    sobre o que é diferente.
  • 27:47 - 27:49
    NS: Sempre tem algo acontecendo
    no nosso sistema solar.
  • 27:51 - 27:54
    JM: Agora, você não vai fazer
    qualquer tipo de leitura no cometa
  • 27:54 - 27:56
    a menos que afete a atmosfera, certo?
  • 27:56 - 27:58
    NS: É muito cedo para dizer.
  • 27:58 - 28:01
    Estamos esperando até
    fazer o lançamento com segurança.
  • 28:01 - 28:04
    Eu só precisava corrigir
  • 28:04 - 28:07
    algo que eu disse há um minuto
    e isso é
  • 28:07 - 28:09
    chegaremos em Marte
  • 28:09 - 28:12
    enquanto o sol está
    em um período ativo.
  • 28:13 - 28:15
    Então essa parte estava correta.
  • 28:15 - 28:17
    Mas se haverá ou não
  • 28:17 - 28:20
    uma tempestade solar quando formos,
  • 28:20 - 28:22
    bom, esperamos que não.
  • 28:22 - 28:25
    JM: Não sabemos ao certo,
    E as coisas são assim mesmo,
  • 28:25 - 28:28
    Eu quero voltar para o Chris
    porque, antes de tudo,
  • 28:28 - 28:31
    sobre este livro
  • 28:31 - 28:34
    sobre exploração espacial não tripulada
    não é seu campo de estudo original.
  • 28:34 - 28:38
    Não é isso que você prefere fazer
    mas você está muito interessado.
  • 28:38 - 28:42
    Você recebeu muitas idéias
    de pessoas que você conhece.
  • 28:42 - 28:45
    NS: Sim, ele escolheu o campo errado
    quando era jovem.
  • 28:45 - 28:48
    CI: Bem, eu conversei com pessoas
    como Caroline Porco
  • 28:48 - 28:50
    e ela disse que é como criar filhos.
  • 28:50 - 28:53
    Você tem que deixar de lado
    um tempo de 18 a 20 anos
  • 28:53 - 28:55
    e fazer algo como Cassini.
  • 28:55 - 28:58
    Eu sou um tipo de pessoa que gosta
    de resposta instantânea, gosto
  • 28:59 - 29:01
    de usar um grande telescópio
    pegar meus dados, escrevê-los
  • 29:01 - 29:03
    e estar pronto dentro de seis meses.
  • 29:03 - 29:06
    Então é apenas impaciência,
    essa é a única coisa.
  • 29:06 - 29:09
    Eu quero falar
    uma coisa que Nick falou.
  • 29:09 - 29:12
    A trajetória e o declínio
    dentro e fora da atmosfera.
  • 29:12 - 29:14
    Essa é outra coisa incrível…
  • 29:14 - 29:17
    as pessoas que trabalham
    com a mecânica orbital
  • 29:17 - 29:20
    fora ou dentro do sistema solar
  • 29:20 - 29:21
    é incrível.
  • 29:21 - 29:26
    Cassini vai até o final de suas
    missões no equinócio e solstício
  • 29:26 - 29:28
    e já fizemos mais de cem programas.
  • 29:28 - 29:31
    E eles se reprogramam
    em tempo real.
  • 29:31 - 29:34
    Depois de descobrir isso ???
    é interessante você voltar a isso.
  • 29:34 - 29:37
    E acho que a abordagem mais próxima
  • 29:37 - 29:40
    era 22 km de Liapitus
    e isso é incrível.
  • 29:41 - 29:44
    E isso está a um bilhão de km
    de distância e você está indo
  • 29:44 - 29:46
    pra lá com uma sonda multibilionária.
  • 29:47 - 29:50
    NS: E não esqueça que isso
    foi tudo pré-programado
  • 29:50 - 29:52
    semanas ou meses de antecedência
  • 29:52 - 29:54
    porque não há comunicação bidirecional.
  • 29:54 - 29:56
    Ninguém está dirigindo Cassini.
  • 29:56 - 29:58
    CI: Isso mesmo. Então, esses são realmente
  • 29:59 - 30:01
    feitos notáveis para se fazer,
  • 30:01 - 30:04
    e as pessoas que criam isso,
    devem estar se divertindo muito.
  • 30:04 - 30:07
    Assim como o cara que
    foi representante
  • 30:07 - 30:10
    da missão Deep Impact.
  • 30:10 - 30:12
    Ele foi citado depois dizendo
  • 30:12 - 30:14
    "Não acredito que estão nos pagando
    para nos divertirmos "
  • 30:15 - 30:17
    NS: Isso mesmo, e de vez em quando
  • 30:17 - 30:19
    alguém vem até mim e diz:
  • 30:19 - 30:22
    "Oh, você é um cientista de foguetes?"
    e você sabe, eu fico um pouco confuso.
  • 30:23 - 30:26
    Mas então fui colocado no meu lugar
    há pouco, quando disseram
  • 30:26 - 30:28
    "Uh, cientista de foguetes.
    Eu nunca viajaria
  • 30:29 - 30:31
    em um feito por um cientista ".
  • 30:33 - 30:37
    São os engenheiros de foguetes
    que realmente merecem o crédito.
  • 30:37 - 30:39
    Você sabe, temos que responder perguntas
  • 30:39 - 30:42
    e é isso que consideramos divertido,
  • 30:42 - 30:47
    mas garoto, somos sempre dependentes
    da engenhosidade desses engenheiros,
  • 30:47 - 30:50
    e do trabalho incrível eles fazem.
  • 30:50 - 30:52
    JM: Eu tenho que interferir nisso.
  • 30:52 - 30:55
    Conheci uma senhora, que era engenheira,
  • 30:55 - 30:57
    e ela acabou escrevendo
    um livro para crianças
  • 30:57 - 30:59
    sobre engenheiros e o que eles fazem,
  • 30:59 - 31:02
    porque seu próprio filho de 5 anos
    estava olhando, tipo,
  • 31:03 - 31:05
    um lançamento de ônibus, e etc, e disse:
  • 31:05 - 31:08
    "Oh, uau! Veja o que os cientistas fazem"
  • 31:08 - 31:10
    e ela diz "e os engenheiros".
  • 31:10 - 31:13
    "Engenheiros são os únicos
    que fazem isso possível ".
  • 31:13 - 31:15
    Então, sim, é muito importante.
  • 31:16 - 31:18
    Não temos um engenheiro
    aqui agora.
  • 31:18 - 31:20
    Temos dois cientistas ...
    bem, três,
  • 31:20 - 31:23
    mas eu não crio coisas espaciais.
  • 31:23 - 31:26
    Chris, eu gostaria que você falasse
    rapidamente sobre isso.
  • 31:27 - 31:29
    Nós enviamos ... bem, nós tivemos alguns
  • 31:29 - 31:32
    projetos que quase foram descontinuados,
  • 31:32 - 31:34
    mas depois deram continuidade e
  • 31:34 - 31:37
    eles são muito bons,
    mas na maior parte,
  • 31:37 - 31:39
    enviamos essas máquinas
  • 31:39 - 31:41
    e elas têm uma expectativa de vida útil.
  • 31:41 - 31:44
    Mas na maioria das vezes elas parecem
    exceder esse tempo de vida.
  • 31:45 - 31:47
    Se você pudesse falar sobre isso
  • 31:47 - 31:51
    e o que podemos fazer
    uma vez que tenhamos sorte.
  • 31:51 - 31:54
    CI: E isso é natural e boa engenharia.
  • 31:54 - 31:57
    Obviamente, os engenheiros gostam
    de ter grandes margens,
  • 31:57 - 31:59
    e essas margens nem sempre ...
  • 31:59 - 32:02
    são previsíveis e acho que no espaço
  • 32:02 - 32:06
    às vezes é ainda mais
    como uma ordem de magnitude.
  • 32:06 - 32:08
    Então, obviamente, as sondas gêmeas,
  • 32:08 - 32:11
    pobre Steve falando sobre o
    tempo de Marte,
  • 32:11 - 32:14
    Ele tem trabalhado
    com Marte por uma década,
  • 32:14 - 32:16
    e ele deveria
    fazer isso por três meses.
  • 32:17 - 32:19
    Porque a segunda
    de suas sondas ainda está funcionando.
  • 32:20 - 32:22
    Há outro exemplo maravilhoso.
  • 32:23 - 32:28
    Os pioneiros e os viajantes
    deixando nossas mensagens em uma garrafa,
  • 32:28 - 32:30
    jogado no sistema solar.
  • 32:30 - 32:32
    Eles estão colocando lá fora.
  • 32:32 - 32:34
    Seus planos são reduzidos a uma fração
  • 32:34 - 32:36
    de um Watt de energia transmitida,
  • 32:36 - 32:39
    mas temos grandes
    telescópios como Arecibo
  • 32:39 - 32:42
    para detectar mensagens a
    bilhões de distância
  • 32:42 - 32:45
    Estes novamente, Ed Stone, que
    trabalha no JPL,
  • 32:45 - 32:50
    ele tem 80 anos, eu acho,
    e essas missões
  • 32:50 - 32:54
    estão superando todas as expectativas.
  • 32:54 - 32:55
    E tudo bem,
  • 32:55 - 32:58
    porque elas ainda estão
    transmitindo dados úteis.
  • 32:59 - 33:02
    O problema, é claro, é o projeto,
  • 33:02 - 33:04
    e o dinheiro, e o financiamento
  • 33:04 - 33:06
    meio que implica um ponto final
  • 33:06 - 33:09
    e então é horrível
    quando você é obrigado
  • 33:09 - 33:11
    a desligar algo que
  • 33:11 - 33:14
    ainda está funcionando,
    ou simplesmente rejeitar os dados,
  • 33:14 - 33:16
    ou não usá-los nunca mais.
  • 33:16 - 33:18
    E essas são situações reais porque
  • 33:18 - 33:20
    obviamente você não
    pode começar coisas novas
  • 33:20 - 33:22
    a menos que você pare
    com as antigas.
  • 33:25 - 33:28
    JM: Eu vou voltar.
    Obrigado por isso, Chris.
  • 33:28 - 33:31
    Vou voltar
    para o Nick sobre ...
  • 33:32 - 33:35
    Então, o que você fará quando estiver
    passado a marca de um ano?
  • 33:35 - 33:37
    Vai depender do financiamento?
  • 33:37 - 33:40
    Você ainda manterá
  • 33:40 - 33:44
    as comunicações
    com as sondas na superfície,
  • 33:44 - 33:49
    ou vai trabalhar com a ESA
    para projetos futuros?
  • 33:50 - 33:54
    NS: A única coisa que sabemos com certeza
    depois do nosso primeiro ano,
  • 33:54 - 33:59
    é que a MAVEN será mantida
    viva e operando
  • 33:59 - 34:02
    para servir como um revezamento
    para as sondas
  • 34:02 - 34:04
    pelo maior tempo possível.
  • 34:04 - 34:07
    E, obviamente, as sondas atuais,
  • 34:07 - 34:12
    e tem outra chegando
    em Marte em 2020,
  • 34:12 - 34:15
    mas de qualquer forma, a MAVEN
    também está fazendo ciência
  • 34:15 - 34:17
    e continuará a ser vista.
  • 34:17 - 34:21
    Toda missão da NASA, seja
    o telescópio espacial Hubble
  • 34:21 - 34:24
    ou as sondas, depois de 90 dias,
  • 34:24 - 34:27
    passa por um processo muito cuidadoso
  • 34:27 - 34:29
    onde a equipe diz
    se tivermos mais dinheiro,
  • 34:29 - 34:32
    aqui está o que podemos fazer
  • 34:32 - 34:35
    e assim, são decisões ponderadas
  • 34:35 - 34:41
    embora com dinheiro apertado
  • 34:41 - 34:45
    vamos passar por esse processo
    chamado de "Revisão Sênior".
  • 34:45 - 34:48
    E talvez meses antes do
    final do nosso primeiro ano
  • 34:48 - 34:50
    diremos:
  • 34:50 - 34:53
    "se nos permitirem continuar
    com a MAVEN,
  • 34:53 - 34:56
    aqui está o que podemos fazer.
  • 34:56 - 34:58
    Ela é uma espaçonave fabulosa.
  • 34:58 - 35:00
    Tem uma excelente capacidade,
  • 35:01 - 35:03
    e tenho certeza que faremos
    um ótimo trabalho ".
  • 35:03 - 35:08
    Mas vai caber a muita gente
    fazer essas escolhas difíceis.
  • 35:09 - 35:11
    JM: Quantos instrumentos estão na MAVEN?
  • 35:11 - 35:15
    NS: Você sabe, a verdade é,
    não me lembro se são oito ou nove,
  • 35:15 - 35:16
    mas é um monte
  • 35:16 - 35:22
    e alguns deles são projetados
    para medir as ondas e os campos.
  • 35:22 - 35:25
    Alguns são projetados
    para as partículas carregadas.
  • 35:25 - 35:26
    Alguns para partículas neutras.
  • 35:27 - 35:29
    Somos a favor de fótons,
    e alguns têm duas partes
  • 35:29 - 35:32
    ou três, e é por isso que
    não consigo acompanhar.
  • 35:33 - 35:35
    Basicamente, temos
    instrumentos suficientes,
  • 35:35 - 35:39
    para não deixar escapar até um
    átomo ou molécula de Marte
  • 35:39 - 35:42
    e assim dar conta do recado.
  • 35:43 - 35:44
    JM: Percebemos isso.
  • 35:44 - 35:49
    Chris, então, lendo seu livro,
    entendi,
  • 35:49 - 35:51
    a média parece ser uma dúzia.
  • 35:51 - 35:55
    Há pelo menos uma dúzia
    em cada sonda que enviamos.
  • 35:55 - 35:58
    Você diria que é verdade?
    Eu entendi direito?
  • 35:58 - 36:03
    CI: Sim, muitas missões agora
    são como canivetes suíços.
  • 36:04 - 36:08
    Eles têm um grande número
    de instrumentos combinandos
  • 36:08 - 36:10
    e Cassini é um exemplo clássico
  • 36:10 - 36:12
    que estas são missões
    de bilhões de dólares.
  • 36:12 - 36:15
    Hubble é um exemplo. É um
    grande observatório espacial,
  • 36:15 - 36:18
    mas a NASA também teve um enorme sucesso
  • 36:18 - 36:21
    com mais missões especializadas
    com propósito único.
  • 36:22 - 36:24
    Meus dois exemplos favoritos, é claro,
  • 36:24 - 36:27
    são Keplar, como é PI, Bill Burouki,
    disse,
  • 36:28 - 36:31
    "é a missão mais chata que
    você poderia imaginar ".
  • 36:31 - 36:34
    Foi projetada para tirar uma foto
    do mesmo pedaço de céu,
  • 36:34 - 36:35
    a cada seis minutos, durante anos,
  • 36:35 - 36:37
    e é tudo o que faz.
  • 36:37 - 36:38
    É tão chato.
  • 36:38 - 36:41
    E então WMAT, um conceito completamente
    diferente. Uma espécie
  • 36:41 - 36:44
    de satélite de microondas
    olhando para o universo primitivo
  • 36:44 - 36:46
    também fazendo
    uma coisa muito simples,
  • 36:46 - 36:50
    apenas examinando o céu.
    De novo e de novo outra vez,
  • 36:50 - 36:53
    detalhando sistematicamente
    erros aleatórios
  • 36:53 - 36:55
    para fazer um mapa de microondas,
  • 36:55 - 36:57
    e é tudo o que pode fazer,
    mas é incrível.
  • 36:58 - 36:59
    Essas duas missões atingiram,
  • 36:59 - 37:02
    o custo de uma fração de
    um bilhão de dólares,
  • 37:02 - 37:06
    mais ou menos 100 milhões, digamos,
    o que obviamente não é barato.
  • 37:06 - 37:09
    Elas fazem um trabalho muito bom.
  • 37:09 - 37:12
    Portanto, existem duas maneiras de seguir
    com todas essas missões.
  • 37:13 - 37:16
    JM: Bom, haviam muitas
    perguntas sobre a MAVEN
  • 37:17 - 37:22
    ontem na conferência de
    imprensa sobre o seu custo.
  • 37:22 - 37:25
    Você se lembra de alguns
    desses números, Nick?
  • 37:25 - 37:29
    NS: Não, e eu perdi a última parte
    desta conferência de imprensa.
  • 37:31 - 37:35
    Bem, cientistas se lembram
    de números,
  • 37:36 - 37:39
    mas temos, é claro, equipes de pessoas.
  • 37:39 - 37:42
    Os engenheiros são
    um pouco mais precisos nisso.
  • 37:42 - 37:45
    E os planejadores ainda mais.
  • 37:45 - 37:52
    Tudo o que sei é que a MAVEN não
    aumentou custos excedentes.
  • 37:53 - 37:56
    Temos um pesquisador principal
    que fez algumas escolhas difíceis,
  • 37:56 - 37:58
    especialmente cedo para
  • 37:58 - 38:02
    para impedir que esta missão
    tenha custo maior.
  • 38:02 - 38:07
    Isso é real ... o que chamamos
    de "missões lideradas por PI".
  • 38:07 - 38:09
    Missões lideradas pelo
    pesquisador principal,
  • 38:09 - 38:11
    onde ele avalia o custo
  • 38:11 - 38:14
    para ter certeza de que
    isso vai funcionar,
  • 38:14 - 38:17
    vai fazer seu trabalho e não
    ultrapassar o custo.
  • 38:17 - 38:20
    Então a MAVEN definitivamente
    tem um plus a mais
  • 38:20 - 38:23
    e estarmos na universidade
  • 38:23 - 38:25
    é uma das maneiras
    que realmente nos permitiu
  • 38:25 - 38:27
    manter o custo baixo, e
  • 38:27 - 38:29
    desejamos que mais oportunidades como esta
  • 38:29 - 38:31
    continuem
  • 38:31 - 38:33
    CI: Essas também são trocas difíceis,
  • 38:33 - 38:36
    porque às vezes surge uma ideia
  • 38:36 - 38:38
    que você realmente deseja adicionar
    nos seus projetos
  • 38:38 - 38:40
    e isso, oferece um novo recurso,
  • 38:40 - 38:43
    e você tem que encaixar
    sob essa curva de custo.
  • 38:43 - 38:44
    O famoso exemplo que eu gosto,
  • 38:44 - 38:48
    é que os Vikings não eram
    originalmente projetados com câmeras.
  • 38:48 - 38:51
    E Carl Sagan argumentou, ele disse
  • 38:51 - 38:53
    "Nós vamos parecer realmente tolos
  • 38:53 - 38:55
    se houver ursos polares em Marte
  • 38:55 - 38:57
    e não tínhamos câmeras
    para tirar fotos deles ".
  • 38:57 - 39:00
    Ele estava brincando, e seu
    argumento foi considerado
  • 39:00 - 39:02
    e então os Vikings tinham câmeras,
  • 39:02 - 39:05
    e é a imagem da superfície
    de Marte
  • 39:05 - 39:07
    que chamou a atenção de todos.
  • 39:07 - 39:10
    E então vamos rapidamente
    para a Curiosity,
  • 39:10 - 39:13
    e infelizmente esta foi
    uma tentativa falha.
  • 39:13 - 39:15
    James Cameron fazia parte desse projeto,
  • 39:15 - 39:17
    e ele estava prestes a ter um design
  • 39:17 - 39:20
    para uma câmera de vídeo HD
    fazer parte da Curiosity.
  • 39:21 - 39:22
    Mas não poderia fazê-la com fio
  • 39:22 - 39:27
    e ter tudo pronto
    antes do lançamento,
  • 39:27 - 39:31
    então a Curiosity não tinha
    a conexão de James Cameron.
  • 39:31 - 39:35
    Mas manter essas possibilidades
    é realmente importante mesmo
  • 39:35 - 39:37
    que seja uma decisão financeira difícil
  • 39:37 - 39:39
    NS: Então, MAVEN a propósito,
  • 39:39 - 39:42
    não tem uma câmera de luz visível nela.
  • 39:42 - 39:45
    Quando você pensa sobre
    a tecnologia que está lá
  • 39:45 - 39:48
    para fazer o reconhecimento de Marte,
  • 39:48 - 39:51
    toda câmera tem que ser melhor
    do que a anterior.
  • 39:51 - 39:54
    Com todos esses outros instrumentos
    que temos a bordo,
  • 39:54 - 39:56
    não poderíamos ter uma câmera melhor!
  • 39:56 - 39:57
    E teremos o retorno de
  • 39:57 - 40:01
    algumas imagens e filmes bem legais
  • 40:01 - 40:03
    dos planetas no ultravioleta,
  • 40:03 - 40:06
    e isso será uma nova contribuição.
  • 40:06 - 40:10
    Não são tantos megapixels, mas isso
    não é cientificamente importante.
  • 40:10 - 40:13
    JM: Bom, estou usando,
    tenho que chegar mais perto.
  • 40:13 - 40:15
    Estou usando um colar
  • 40:15 - 40:17
    feito por uma fascinada por Marte
  • 40:17 - 40:20
    e esta é a primeira foto de Curiosity lá.
  • 40:20 - 40:24
    Então, ela tirou fotos icônicas em Marte.
  • 40:24 - 40:27
    Por Viking e tudo isso
    ela então se transformou em jóias,
  • 40:27 - 40:30
    e eu amo usá-las porque
    elas são peças da conversa.
  • 40:30 - 40:35
    Então, minha pequena contribuição
    para espalhar a emoção
  • 40:35 - 40:39
    de exploração espacial para
    o resto do mundo.
  • 40:41 - 40:45
    Deixe-me apenas ... tem uma pergunta
    que eu quero fazer.
  • 40:46 - 40:49
    Chris, há mais alguma coisa que
    você gostaria de adicionar
  • 40:50 - 40:55
    sobre a exploração espacial?
  • 40:56 - 40:58
    CI: Bem, eu vou dar um palpite
    para o futuro,
  • 40:58 - 41:02
    CI: estamos em um ponto
    de transiição interessante
  • 41:02 - 41:05
    na exploração espacial
    do sistema solar ou além
  • 41:05 - 41:07
    ou mesmo de astronomia espacial,
  • 41:07 - 41:13
    onde vemos o surgimento da
    indústria privada espacial.
  • 41:13 - 41:16
    Já que os Estados Unidos não conseguem
    manter astronautas em órbita,
  • 41:17 - 41:18
    Nós dependemos dos russos,
  • 41:18 - 41:20
    e agora vamos depender
    do setor privado.
  • 41:20 - 41:22
    Acho que vai começar um ramo
  • 41:22 - 41:24
    de negócios sobre os quais falamos.
  • 41:24 - 41:27
    Lembre-se de que existem
    mil bilionários na Terra,
  • 41:27 - 41:32
    e qualquer um deles poderia financiar
    uma sonda muito boa.
  • 41:32 - 41:36
    Então, se a NASA tiver
    recursos ao enviar Hydrobot para Europa,
  • 41:36 - 41:40
    ou voltando para Titan
    com a tecnologia dirigível,
  • 41:40 - 41:43
    eu acho que alguns bilionários
    podem se interessar,
  • 41:43 - 41:46
    e acho que o jogo todo
    pode ficar mais interessante.
  • 41:46 - 41:48
    É meio que limitante
  • 41:48 - 41:50
    quando apenas poucos
    governos se interessam
  • 41:50 - 41:52
    e eles às vezes param por terem
  • 41:52 - 41:54
    outras escolhas ou orçamento.
  • 41:54 - 41:56
    Eu acho que será mais como
    um campo de batalha,
  • 41:56 - 41:59
    mas teremos algumas
    coisas bem legais acontecendo
  • 41:59 - 42:02
    quando o setor privado e os empresários
  • 42:02 - 42:04
    realmente começarem a se interessar.
  • 42:04 - 42:06
    JM: Então, aqui está uma pergunta.
  • 42:06 - 42:10
    Alguma idéia de quantos projetos
    existem
  • 42:10 - 42:13
    e qual porcentagem dos que saem do papel?
  • 42:16 - 42:17
    NS: É uma pequena fração.
  • 42:17 - 42:23
    Toda vez que a NASA anuncia
    oportunidade com categorias abertas,
  • 42:23 - 42:26
    tendem a haver dezenas de missões
  • 42:26 - 42:29
    para cada um ou dois projetos
    selecionados.
  • 42:29 - 42:32
    enfim, tem de tudo
    para todas as oportunidades.
  • 42:32 - 42:35
    Então, muito em breve, isso será
  • 42:35 - 42:38
    centenas de projetos parados.
  • 42:38 - 42:41
    E não posso afirmar que
    são todos bons ou viáveis
  • 42:41 - 42:43
    de acordo com a tecnologia atual,
  • 42:43 - 42:49
    mas, infelizmente muitos projetos
    bons e práticos não são escolhidos
  • 42:49 - 42:52
    porque não tem um país que tenha
    interesse em financiá-los .
  • 42:54 - 42:57
    CI: Eu concordo. Quero dizer, em algumas
    competições
  • 42:57 - 43:00
    são poucos os finalistas,
  • 43:00 - 43:03
    e a engenharia,
    nós conversamos sobre isso,
  • 43:03 - 43:06
    que é requintada, e
    tecnicamente viável
  • 43:06 - 43:09
    que geralmente é escolhida.
  • 43:10 - 43:13
    Então, é realmente mais sobre a vontade,
  • 43:13 - 43:15
    sobre o dinheiro e as prioridades em jogo.
  • 43:15 - 43:18
    e é por isso que
    se tiver mais interessados
  • 43:18 - 43:21
    alguns desses projetos
    que estão esperando na prateleira,
  • 43:21 - 43:23
    poderão ser usados pela NASA
  • 43:23 - 43:24
    certamente.
  • 43:24 - 43:28
    NS: Deixe-me mudar dos bilionários
  • 43:28 - 43:33
    que Chris fala sobre
    para o bilhão de crianças no planeta,
  • 43:33 - 43:38
    quase todos estão empolgados com o espaço.
  • 43:39 - 43:45
    E o espaço é realmente a porta de entrada,
  • 43:45 - 43:48
    para incentivar a educação.
  • 43:49 - 43:52
    É muito importante que continuemos
    esse programa espacial
  • 43:52 - 43:54
    com um esforço internacional,
  • 43:54 - 43:58
    com países participando e isso é
  • 43:58 - 44:01
    realmente empolgante para
    a próxima geração.
  • 44:02 - 44:06
    E antes que os espectadores
    desanimem sobre
  • 44:06 - 44:08
    não poder fazer
    tudo o que queremos,
  • 44:08 - 44:12
    Quero que percebam que todos
    podem colaborar.
  • 44:12 - 44:15
    E eu acho que espalhar a palavra sobre
  • 44:15 - 44:20
    as grandes missões que a NASA
    está fazendo,
  • 44:20 - 44:23
    se você tiver acesso a…
  • 44:24 - 44:27
    Se você estiver confortável, saia
    e seja voluntário na sala de aula.
  • 44:28 - 44:31
    fale para os seus amigos,
  • 44:31 - 44:34
    visinhos, enfim todos
  • 44:34 - 44:37
    o que está acontecendo no espaço.
  • 44:37 - 44:39
    que isso faça parte da conversa diária e
  • 44:39 - 44:41
    assim as pessoas vão ter curiosidade.
  • 44:41 - 44:43
    O que estamos fazendo?
  • 44:43 - 44:45
    Porque no quadro geral
    do orçamento federal,
  • 44:45 - 44:48
    isso não é uma proposta cara
    sobre o que estamos falando.
  • 44:48 - 44:51
    Só precisamos conscientizar a todos
  • 44:51 - 44:53
    que isso é acessível e emocionante
  • 44:53 - 44:55
    e abre o caminho para a próxima geração.
  • 44:55 - 44:58
    JM: Então, na verdade, vocês
    ficarão felizes em ouvir
  • 44:58 - 45:01
    que eu tenho feedback do twitter
  • 45:01 - 45:04
    e do meu Google+ onde temos
    algumas aulas
  • 45:04 - 45:06
    e muitos nos assistem agora.
  • 45:06 - 45:09
    Estou tão feliz que os professores
    viram isso e disseram:
  • 45:09 - 45:12
    vamos apenas compartilhar isso.
  • 45:13 - 45:15
    Outra coisa ... eu me lembro
    de uma pergunta,
  • 45:16 - 45:18
    e para mim a resposta parece óbvia,
  • 45:18 - 45:21
    mas aqui está uma pergunta
    no meu twitter.
  • 45:21 - 45:25
    "Então, por que estamos
    voltando para Marte?
  • 45:25 - 45:30
    Por que não focar em um
    planeta parecido com a Terra
  • 45:30 - 45:32
    que está lá fora, um exoplaneta?"
  • 45:32 - 45:34
    Então, por que Marte?
  • 45:35 - 45:38
    NS: Eu vou fazer o "Por que Marte?"
    novamente,
  • 45:38 - 45:43
    e então eu vou deixar Chris falar
    sobre o próximo exoplaneta.
  • 45:44 - 45:46
    Estamos fazendo Marte novamente porque
  • 45:46 - 45:49
    o que a MAVEN está fazendo lá
    nunca foi feito antes.
  • 45:49 - 45:51
    Nunca houve uma missão,
  • 45:51 - 45:54
    para analisar para
    onde a atmosfera está indo.
  • 45:54 - 45:57
    Enviamos um grande número de missões
  • 45:57 - 46:00
    que descobriram que havia
    uma grande atmosfera no passado,
  • 46:00 - 46:03
    mas isso é apenas o maior
    mistério sobre Marte hoje em dia.
  • 46:03 - 46:05
    Para onde foi a atmosfera?
  • 46:05 - 46:08
    E nenhuma das
    missões puderam responder isso.
  • 46:08 - 46:09
    Por isso temos que voltar.
  • 46:09 - 46:12
    CI: E eu também,
    apenas para reafirmar,
  • 46:12 - 46:16
    diria que há muito
    ainda para aprender em Marte,
  • 46:16 - 46:19
    e ele é um planeta com potencial
    habitável sob a superfície,
  • 46:19 - 46:21
    então precisamos descobrir isso.
  • 46:21 - 46:24
    E sempre aprenderemos muito mais
  • 46:24 - 46:26
    sobre um planeta no sistema solar,
  • 46:26 - 46:29
    do que qualquer exoplaneta,
    por mais próximo que seja.
  • 46:29 - 46:31
    E não há comparação.
  • 46:31 - 46:37
    No entanto, o que acontece com um
    planeta e porque ele evolue e muda,
  • 46:37 - 46:39
    Marte é o grande exemplo
  • 46:39 - 46:41
    também será verdade em outros lugares.
  • 46:41 - 46:44
    E assim, quando olhamos
    para a nossa contagem
  • 46:44 - 46:46
    de planetas parecidos com a Terra
  • 46:46 - 46:48
    de Kepler a outras missões,
  • 46:48 - 46:50
    o contexto para entendê-los
  • 46:50 - 46:53
    quando temos poucos dados,
  • 46:53 - 46:55
    e quase nenhuma outra informação,
  • 46:55 - 46:58
    nosso contexto para entendê-los
    ainda é o sistema solar,
  • 46:58 - 47:01
    ainda são os planetas parecidos
    com a Terra perto de nós.
  • 47:02 - 47:04
    NS: Devemos desenvolver a capacidade
  • 47:04 - 47:07
    para detalhar melhor esses planetas.
  • 47:07 - 47:10
    O telescópio espacial de James Webb
    fará isso,
  • 47:10 - 47:13
    mas é um grande desafio tecnológico.
  • 47:13 - 47:17
    E muitos dos nossos
    engenheiros e designers favoritos
  • 47:17 - 47:18
    estão trabalhando nisso,
  • 47:18 - 47:21
    mas no momento é uma
    proposta bem cara.
  • 47:21 - 47:26
    Na verdade, é muito mais barato
    continuar aprendendo
  • 47:26 - 47:28
    dentro do nosso próprio sistema solar
  • 47:28 - 47:30
    do que aprender detalhadamente
  • 47:30 - 47:34
    sobre a riqueza dos planetas
    que agora sabemos que existem por aí.
  • 47:36 - 47:41
    JM: Então, nós estamos conversando,
    pouco mais de 45 minutos.
  • 47:41 - 47:45
    Eu gostaria de dar a vocês dois
    uma oportunidade
  • 47:45 - 47:47
    para falar qualquer outra coisa
  • 47:47 - 47:49
    que vocês gostariam para o nosso público
  • 47:49 - 47:51
    ou algo que eu tenha me esquecido
    de perguntar, e
  • 47:51 - 47:53
    então vamos encerrar a conversa.
  • 47:53 - 47:55
    Por que não começamos com o Nick?
  • 47:55 - 47:57
    NS: Não, vá para o Chris
    enquanto tento ...
  • 47:57 - 47:58
    JM: Ok, para o Chris.
  • 47:59 - 48:02
    CI: Bem, eu só quero falar algo
  • 48:02 - 48:05
    que falamos algumas vezes,
    ou seja, parece que a
  • 48:05 - 48:09
    exploração do sistema solar e
    estudo de planetas próximos ,
  • 48:09 - 48:11
    é um assunto bem explorado e
  • 48:11 - 48:14
    que aprendemos mais
    do que poderíamos aprender,
  • 48:14 - 48:16
    e isso simplesmente não é o caso.
  • 48:16 - 48:18
    Mesmo com Marte,
  • 48:18 - 48:20
    há apenas uma tonelada
    de perguntas e mistérios.
  • 48:20 - 48:22
    E quando chegamos a todos os outros,
  • 48:22 - 48:24
    o melhor palpite é que há
  • 48:24 - 48:26
    mais locais habitáveis
    no sistema solar,
  • 48:26 - 48:28
    principalmente no sistema solar externo.
  • 48:28 - 48:30
    E sabemos muito pouco
    sobre eles.
  • 48:30 - 48:33
    E então, quando se trata de ir
    para Titã ou Europa
  • 48:33 - 48:35
    ou esses destinos realmente fascinantes,
  • 48:35 - 48:39
    nosso nível de ignorância
    ainda é grande.
  • 48:39 - 48:42
    Então ainda é cedo, na verdade,
    para exploração do sistema solar,
  • 48:42 - 48:45
    e especialmente no contexto da biologia,
  • 48:45 - 48:48
    e onde podemos encontrá-la no universo.
  • 48:50 - 48:53
    NS: E se eu pudesse dar um passo atrás
    para uma perspectiva ampla,
  • 48:54 - 48:56
    Carl Sagan disse:
  • 48:56 - 48:58
    "Há uma geração que recebe
  • 48:58 - 49:01
    para experimentar essa
    transição de planetas
  • 49:01 - 49:04
    como pontos de luz,
    para mundos por direito próprio ".
  • 49:04 - 49:07
    E os homens estão sempre olhando de perto
  • 49:07 - 49:11
    para esses mundos com a última
    geração de naves espaciais.
  • 49:11 - 49:14
    Meu irmão é um cientista político,
  • 49:14 - 49:16
    e ele uma vez me disse que
  • 49:16 - 49:19
    "Tudo o que eu disse
    vai ser esquecido
  • 49:19 - 49:21
    em décadas ou 100 anos,
  • 49:21 - 49:26
    mas essa transição dos homens
    indo ao espaço,
  • 49:26 - 49:29
    vai ser lembrada
    por 1000 anos ".
  • 49:30 - 49:32
    As pessoas vão falar sobre essa era,
  • 49:32 - 49:34
    e sobre nós
  • 49:34 - 49:38
    para apreciar este momento incrível
    em que vivemos
  • 49:38 - 49:41
    e essa oportunidade
    que nos é dada para participar.
  • 49:42 - 49:44
    Coloque todos a bordo.
  • 49:44 - 49:45
    Espalhe a palavra.
  • 49:45 - 49:49
    Esta é uma verdadeira época
  • 49:49 - 49:51
    em que temos o privilégio de viver.
  • 49:51 - 49:54
    JM: Isso é incrível. Minha pergunta final:
  • 49:55 - 49:57
    Quando enviaremos homens para Marte?
  • 49:58 - 50:03
    NS: Quando eu criança
    Eu disse que queria ir para Marte
  • 50:03 - 50:05
    e criar galinhas para descobrir
  • 50:05 - 50:07
    se elas cresceriam em baixa gravidade.
  • 50:08 - 50:13
    Tornou-se claro para mim
    que não terei essa oportunidade.
  • 50:13 - 50:17
    Eu adoraria se um dos meus filhos
    tivesse essa chance.
  • 50:17 - 50:20
    E espero que as gerações
    futuras leve isso adiante.
  • 50:21 - 50:24
    Às vezes dizem que é muito caro
  • 50:24 - 50:26
    para enviar homenss a Marte,
  • 50:26 - 50:29
    mas nossa nação
    aparentemente tem vontade
  • 50:29 - 50:31
    de investir dinheiro
    em outros projetos
  • 50:31 - 50:34
    que eu acho, não serão lembrados
    daqui a mil anos
  • 50:34 - 50:39
    e eu adoraria que o nosso
    foco mudasse,
  • 50:39 - 50:41
    e até os esforços do mundo
  • 50:41 - 50:43
    para dar o próximo grande passo
  • 50:43 - 50:46
    porque eu acho que é o destino
    da humanidade.
  • 50:46 - 50:50
    Robôs lideram o caminho, mas os homens
    podem e devem seguí-los.
  • 50:51 - 50:55
    CI: E para responder sua pergunta direta-
    mente estamos falando de mais de 20 anos.
  • 50:55 - 50:57
    E, novamente, acho que o setor privado
  • 50:57 - 51:00
    já está começando a acelerar
    e ter projetos.
  • 51:00 - 51:02
    Por exemplo, há uma ideia
    bem divulgada para uma
  • 51:02 - 51:05
    viagem de ida, o que obviamente
    economizaria dinheiro.
  • 51:05 - 51:07
    A NASA foi a primeira a pensar nisso
  • 51:07 - 51:09
    e o projeto está esperando na prateleira,
  • 51:09 - 51:12
    mas não é bom para a NASA
  • 51:13 - 51:15
    enviar astronautas para morrer no espaço…
  • 51:15 - 51:18
    NS: Sim, acho que a fronteira espacial
  • 51:18 - 51:21
    será conquistada pelos homens,
  • 51:21 - 51:23
    e quando são permitidos a
    correr os mesmos tipos de riscos
  • 51:23 - 51:27
    que levaram quando se deslocavam
    para o Colorado e Califórnia,
  • 51:27 - 51:29
    ao virem para o oeste americano.
  • 51:29 - 51:31
    Os indivíduos assumiram riscos.
  • 51:31 - 51:33
    Muitos deles perderam a vida fazendo isso
  • 51:33 - 51:37
    e a maneira como abriram o caminho
    para o resto de nós,
  • 51:37 - 51:39
    nós lembraremos para sempre.
  • 51:40 - 51:42
    Eu acho que é como o Chris diz
  • 51:42 - 51:45
    será o setor privado e alguns
    que vão assumir riscos e
  • 51:45 - 51:48
    isso nos permitirá cruzar essa fronteira.
  • 51:48 - 51:51
    IC: E se você quiser evocar
    o futuro multigeracional,
  • 51:51 - 51:55
    Eu recomendo Kim Stanley Robinson's
    "Trilogia de Marte",
  • 51:55 - 51:57
    Marte: vermelho, verde e azul.
  • 51:57 - 52:00
    Evocações incríveis,
    não apenas de pessoas em Marte,
  • 52:00 - 52:03
    mas da geologia
    e a atmosfera, e assim por diante.
  • 52:03 - 52:05
    Eles são livros fascinantes.
  • 52:05 - 52:07
    JM: Obrigada pela recomendação do livro
  • 52:07 - 52:10
    porque essa é uma das minhas plataformas.
  • 52:10 - 52:12
    Adoro levar as pessoas a ler.
  • 52:13 - 52:17
    Obrigada, senhores, por
    sua contribuição hoje.
  • 52:17 - 52:20
    E obrigado à equipe da MAVEN.
  • 52:20 - 52:22
    Vamos aguardar o lançamento previsto.
  • 52:22 - 52:24
    Mas obrigada por um projeto
  • 52:24 - 52:27
    que está dentro do orçamento
  • 52:27 - 52:29
    e no tempo apropriado e
  • 52:29 - 52:31
    vocês estão fazendo um
    trabalho excelente
  • 52:31 - 52:33
    e fazendo as pessoas felizes.
  • 52:33 - 52:35
    Elas vão querer vê-los novamente
  • 52:35 - 52:38
    NS: Sim. E vamos responder
    mais algumas grandes perguntas.
  • 52:39 - 52:41
    JM: Bem, muito obrigada,
  • 52:41 - 52:43
    a todos vocês que
    se juntaram a nós
  • 52:43 - 52:47
    nessa conversa esclarecedora
    sobre a MAVEN.
  • 52:47 - 52:51
    E não se esqueça, estamos olhando
    para 14 de novembro
  • 52:51 - 52:54
    para o Chris Hatfield se juntar a nós.
  • 52:54 - 52:56
    E lembre-se, o livro dele
    está disponível hoje.
  • 52:57 - 52:59
    Então, se você quiser uma cópia,
    junte-se a nós,
  • 52:59 - 53:02
    14 de novembro, meio-dia
    Scientific American com o Chris.
  • 53:02 - 53:05
    Vamos ter mais do lado humano
    nas viagens espaciais,
  • 53:05 - 53:07
    e hoje falamos
    apenas um pouco
  • 53:07 - 53:09
    sobre viagens espaciais não
    tripuladas ou robóticas.
  • 53:09 - 53:12
    Então, obrigada, Chris, e obrigada, Nick
Titel:
A Missão MAVEN rumo a Marte e "Sonhos de Outros Mundos", autor Chris Impy - SA Hangout #7
Beschreibung:

A exploração robótica do espaço é fascinante, complexa e muito importante para compreendermos o universo. Junte-se a nós enquanto falamos com o astrônomo Chris Impey e autor de "Sonhos de outros mundos: a incrível história da exploração espacial não tripulada" e Nick Schneider, cientista atmosférico e planetário membro da equipe de ciências da missão MAVEN da NASA (Mars Atmosphere and Volatile Evolution Mission) , sobre como os cientistas e engenheiros superam os desafios da exploração robótica espacial para fazer uma coleta de dados bem-sucedida.

more » « less
Video Language:
English
Team:
Scientific American
Projekt:
SA Hangout
Duration:
53:20

Untertitel in Portuguese, Brazilian

Revisionen Compare revisions