Portuguese subtítols

← Firelei Báez: An Open Horizon (or) the Stillness of a Wound | Art21 "New York Close Up"

Obtén el codi d'incrustació
15 llengües

Showing Revision 2 created 02/12/2021 by Margarida Ferreira.

  1. Firelei Báez: Na maioria
    das relações de poder,
  2. a vítima tenta resolver a situação.
  3. Não quero criar narrativas de vitimização.
  4. Quero dar-lhes a volta.
  5. A liberdade que ofereço em cada pintura
    está nos corpos que mudam.
  6. Quando temos corpos
    em permanente transição,
  7. damos espaço para o espetador
    mudar as ideias do poder.
  8. Nesse processo, mudamos
    o mundo à nossa volta.
  9. É aqui que a beleza pode ser subversiva.
  10. ["Firelei Báez: Um Horizonte Aberto
  11. [(ou) a Quietude de uma Ferida"]
  12. [Firelei Báez Nomeada
    Artista dos EUA de 2009]
  13. Se eu pudesse,
  14. seria uma eremita
    numa montanha à beira-mar
  15. e teria um espaço gigantesco
    com as janelas abertas
  16. e ficava lixada se começasse a chover.
  17. É este o sonho.
  18. [Canto de coro]
  19. [Estúdio de Firelei, The Bronx]
  20. Mas recordo que estava
    sempre a fazer isto.
  21. Um dia, tinha talvez seis anos,
  22. umas crianças pediram-me para desenhar
    umas bonequinhas bonitas.
  23. Eu criava aqueles elaborados
    vestidos de baile.
  24. Elas tinham sempre penteados
    muito complicados.
  25. Eu tratava sempre de corpos.
  26. A minha primeira infância
    passou-se em Loma de Cabrera,
  27. que fica mesmo na fronteira
    da República Dominicana e o Haiti.
  28. Narrador: Se seguirem sempre em frente
  29. a partir da ponta sudeste de Cuba —
  30. chegam perto da segunda maior ilha
    do romântico arquipélago.
  31. FB: Fazíamos todos as suposições
    do que é ser das Caraíbas
  32. e, quando saímos de lá, de poder
    arranjar qualquer coisa melhor.
  33. Uma das principais razões
    por que eu quis trabalhar nestas pinturas
  34. foi ver algumas das primeiras
    ilustrações científicas
  35. da flora e da fauna do NovoMundo.
  36. Olhando para Carlos Lineu,
  37. cá está esse tipo que foi o fundador
    dos modernos métodos científicos
  38. de observação e de categorização.
  39. Mas grande parte do trabalho dele
    foi um absurdo total.
  40. Comparou o Negro do Novo Mundo
    e o corpo moreno
  41. à bestialidade.
  42. Quando nos fala do que eram
    os povos do Novo Mundo
  43. quase fala de canibais e de vampiros.
  44. Por isso, observo
    a sua visão já falível
  45. e faço qualquer coisa de novo.
  46. Ao observar as minhas pinturas
    de "ciguapas",
  47. peço ao espetador que ajuste contas
    com os seus sentimentos
  48. em relação ao corpo de uma mulher.
  49. [Ciguapa: uma criatura mitológica
    do folclore dominicano]
  50. A ciguapa é uma figura intrigante.
  51. É uma sedutora,
  52. Quem for seduzido por ela
    ficará perdido
  53. e nunca mais será visto.
  54. A descrição dela é muito ambígua.
  55. Pode ser tudo, de um mangusto
  56. à mulher mais maravilhosa,
  57. ou à mulher mais horrorosa.
  58. A única coisa que é certa
    é que tem as pernas ao contrário
  59. — se seguirem as passadas dela
    estão a ir na direção contrária.
  60. Ela também tem uma juba
    de cabelo lustroso.
  61. Foi feita para ser uma coisa
    que nos metesse tanto medo
  62. que ficávamos quietas o tempo suficiente
    para voltarmos à civilidade.
  63. O tom normativo da história
  64. é que são criaturas femininas lascivas.
  65. São hipersexuais e difamam a cultura.
  66. A história subjacente é que são
    profundamente independentes,
  67. são autocontroladas
  68. e têm sentimentos fortes.
  69. Então, quem queria ser isso?
  70. O que foi excitante em usar essa imagem
  71. foi poder incorporar todas as coisas
    que têm o rótulo de abjetas
  72. — que são consideradas indesejáveis —
  73. e reenquadrá-las como uma coisa bonita
  74. e com um aspeto de desejo.
  75. ["Ciguapa Antellana", 2018, Harlem"]
  76. Há pouco tempo, fui visitar a minha tia
    e ela disse:
  77. "Sabes, nunca pensei
    que tu viesses a ser artista."
  78. Foi ela que nos criou
    quando eu tinha uns sete anos.
  79. Ela achava que eu era
    um bocado preocupante.
  80. porque eu tentei coser folhas de papel
  81. e fiquei com o dedo preso na agulha.
  82. Como se estivesse a coser
    através do meu dedo.
  83. Mas eu disse:
    "Quero encadernar o meu livro."
  84. "Vai ficar perfeito."
  85. Chamavam-me... já não sei
    se era "A Demolidora" ou "A Satânica".
  86. Sempre que imagino um pintor,
  87. é alguém muito composto
  88. — tipo uma "senhora pintora".
  89. Mas eu sinto-me como a mecânica dum carro.
  90. A minha mãe é uma costureira de eleição.
  91. Faz coisas extremamente belas.
  92. Mas estava tão presa
    na sua semana de 100 horas de trabalho
  93. que faz sempre coisas para ???
  94. Faz coisas que duram pouco.
  95. Por isso, nada do que fazemos
    tem tendência a durar.
  96. Eu tento quebrar esse ciclo
    e ensinar os meus sobrinhos e sobrinhas
  97. a pensar em si mesmos como parte
    de ciclos mais longos atrás deles
  98. e ciclos longos à frente deles
  99. — que cada escolha que fazemos se baseia
    nas pessoas que esperamos amar no futuro
  100. e as pessoas que amámos no passado.
  101. Está sempre ao nosso alcance
  102. fazer qualquer coisa nova.
  103. É extenuante
  104. mas ilimitado.
  105. Tradução de Margarida Ferreira