Return to Video

Como salvar um idioma da extinção

  • 0:02 - 0:04
    Os idiomas não morrem naturalmente.
  • 0:04 - 0:08
    As pessoas abandonam a língua materna
    porque são forçadas a isso.
  • 0:09 - 0:11
    Muitas vezes, a pressão é política.
  • 0:12 - 0:15
    Em 1892, o general do exército
    dos EUA Richard Henry Pratt
  • 0:16 - 0:18
    alegou que matar culturas indígenas
  • 0:18 - 0:21
    era a única alternativa
    para matar povos indígenas.
  • 0:22 - 0:25
    "Mate o índio", dizia ele,
    "mas salve o homem."
  • 0:26 - 0:29
    Até 1978, o governo fez exatamente isso:
  • 0:29 - 0:32
    retirou crianças indígenas
    de suas famílias
  • 0:32 - 0:36
    e as forçou a entrar em colégios internos
    onde recebiam nomes em inglês
  • 0:36 - 0:38
    e eram punidas por falarem seus idiomas.
  • 0:39 - 0:42
    Assimilação era um tributo ao genocídio.
  • 0:44 - 0:46
    Temos 7 mil idiomas ativos atualmente,
  • 0:46 - 0:49
    mas poucos são reconhecidos
    por seus próprios governos
  • 0:49 - 0:50
    ou têm suporte on-line.
  • 0:51 - 0:53
    Para pessoas da maioria das culturas,
  • 0:53 - 0:56
    a globalização permanece
    profundamente alienante.
  • 0:57 - 1:00
    Significa abrir mão de seu idioma
    pelo de outra pessoa.
  • 1:02 - 1:03
    Se nada mudar,
  • 1:03 - 1:07
    até 3 mil idiomas poderão
    desaparecer em 80 anos.
  • 1:08 - 1:10
    Mas as coisas estão mudando.
  • 1:10 - 1:12
    Em todo o mundo,
  • 1:12 - 1:14
    as pessoas estão recuperando
    idiomas ancestrais
  • 1:14 - 1:16
    e reconstruindo suas culturas.
  • 1:17 - 1:19
    Até onde sabemos,
  • 1:19 - 1:21
    a recuperação de idiomas
    começou nos anos 1800,
  • 1:21 - 1:24
    quando, em um período
    de crescente antissemitismo,
  • 1:24 - 1:27
    comunidades judaicas contavam
    com seu idioma ancestral, o hebraico,
  • 1:27 - 1:29
    como um meio de renascimento cultural.
  • 1:30 - 1:33
    Embora inativo por mais de mil anos,
  • 1:33 - 1:36
    estava bem preservado em livros
    de religião e filosofia judaicas.
  • 1:37 - 1:40
    Ativistas judeus estudavam
    e ensinavam aos filhos,
  • 1:40 - 1:43
    criando os primeiros falantes nativos
    em quase 100 gerações.
  • 1:44 - 1:48
    Hoje, é a língua materna
    de 5 milhões de judeus.
  • 1:48 - 1:50
    E, pelo menos para mim,
  • 1:50 - 1:53
    um membro assimilado de língua inglesa
    da diáspora judaica,
  • 1:53 - 1:56
    um pilar da soberania cultural.
  • 1:57 - 2:00
    Dois mil anos depois,
  • 2:00 - 2:01
    ainda estamos aqui.
  • 2:02 - 2:04
    Até recentemente,
  • 2:04 - 2:06
    o despertar do hebraico era uma anomalia.
  • 2:06 - 2:09
    Poucos idiomas estão tão bem
    preservados quanto o nosso,
  • 2:09 - 2:11
    e a criação de Israel,
  • 2:11 - 2:14
    o primeiro estado judeu
    em mais de mil anos,
  • 2:14 - 2:16
    forneceu um espaço
    para o uso diário do hebraico.
  • 2:17 - 2:21
    Ou seja, a maioria das culturas
    simplesmente não teve chance.
  • 2:21 - 2:23
    (Vídeo) Boa noite, sou Elizabeth
  • 2:23 - 2:25
    e moro na Cornualha.
  • 2:25 - 2:26
    Isso foi em córnico,
  • 2:26 - 2:28
    o idioma ancestral da Cornualha,
  • 2:28 - 2:32
    que hoje é, tecnicamente,
    um condado do sul da Inglaterra.
  • 2:33 - 2:36
    Nos anos 1900, ativistas do córnico
    lutavam pela sua cultura.
  • 2:37 - 2:39
    O idioma estava inativo
    por mais de 100 anos,
  • 2:39 - 2:43
    mas eles usavam livros e peças antigas
    para ensiná-lo aos filhos.
  • 2:43 - 2:46
    No entanto, essa nova geração
    de falantes de córnico
  • 2:46 - 2:47
    estava espalhada pela Cornualha
  • 2:47 - 2:50
    e era incapaz de usar o idioma livremente.
  • 2:51 - 2:54
    Na década de 1990,
    o córnico havia despertado,
  • 2:54 - 2:55
    mas não prosperava.
  • 2:57 - 3:01
    No início dos anos 2000, falantes
    de córnico encontravam-se de modo virtual
  • 3:01 - 3:05
    e utilizavam espaços digitais
    para falar diariamente.
  • 3:06 - 3:09
    A partir daí, organizavam
    eventos semanais ou mensais,
  • 3:09 - 3:11
    em que podiam se reunir
    e falar em público.
  • 3:12 - 3:15
    Hoje, algumas escolas ensinam córnico.
  • 3:15 - 3:17
    Existem língua córnica de sinais,
  • 3:17 - 3:19
    comerciais de sorvete,
  • 3:19 - 3:21
    Wikipédia e até "memes".
  • 3:21 - 3:22
    [ASSAY!]
  • 3:22 - 3:24
    (Risos)
  • 3:24 - 3:25
    [HWEDHEL GOKKI]
  • 3:25 - 3:26
    (Risos)
  • 3:26 - 3:28
    [OMLOWENHEWGH!]
  • 3:28 - 3:29
    (Risos)
  • 3:30 - 3:33
    Com o idioma novamente intacto,
  • 3:33 - 3:35
    o povo da Cornualha
    garantiu o reconhecimento
  • 3:35 - 3:38
    como nação celta, junto com Irlanda,
    Escócia e País de Gales.
  • 3:39 - 3:41
    Eles superaram séculos
    de assimilação forçada
  • 3:41 - 3:44
    e disseram: "Não somos
    um condado da Inglaterra.
  • 3:44 - 3:46
    Somos um povo em nosso direito próprio.
  • 3:46 - 3:48
    E ainda estamos aqui".
  • 3:48 - 3:49
    E eles não são os únicos.
  • 3:49 - 3:54
    A tribo Tunica-Biloxi da Louisiana
    está recuperando seu idioma ancestral.
  • 3:54 - 3:56
    (Vídeo) Meu nome é Teyanna.
  • 3:56 - 3:59
    Meus amigos me chamam
    de "Tempestade Calma".
  • 4:00 - 4:02
    Começou na década de 80,
  • 4:02 - 4:04
    quando Donna Pierite e sua família
  • 4:04 - 4:06
    começaram a viajar
    a Baton Rouge e Nova Orleans
  • 4:06 - 4:10
    para xerocar dicionários antigos
    armazenados em arquivos da universidade.
  • 4:11 - 4:13
    O objetivo era estudar tunica,
  • 4:13 - 4:17
    ensiná-la às crianças
    e compartilhá-la com a comunidade.
  • 4:17 - 4:21
    Hoje, eles estão liderando
    um renascimento da língua tunica.
  • 4:21 - 4:26
    Desde 2014, existem quase 100 falantes
    em aulas de imersão de idioma
  • 4:26 - 4:29
    e, de acordo com um censo de 2017,
  • 4:29 - 4:32
    32 novos falantes fluentes,
  • 4:32 - 4:34
    alguns dos quais,
    como a filha de Donna, Elisabeth,
  • 4:34 - 4:36
    estão ensinando tunica aos filhos.
  • 4:36 - 4:38
    Esses novos falantes
    estão criando conteúdo,
  • 4:38 - 4:41
    vídeos no Facebook e também memes.
  • 4:41 - 4:42
    [KOSUYUWISHI]
  • 4:42 - 4:43
    (Risos)
  • 4:43 - 4:44
    [bolo - hahkamuchitowista]
  • 4:44 - 4:46
    (Risos)
  • 4:47 - 4:49
    (Risos)
  • 4:49 - 4:50
    Quanto mais eles publicam,
  • 4:50 - 4:53
    mais inspiram outros falantes
    de tunica a participarem.
  • 4:54 - 4:58
    Recentemente, um membro da tribo que vive
    no Texas escreveu a Elisabeth no Facebook,
  • 4:58 - 5:01
    perguntando como dizer:
    "abençoe essas terras".
  • 5:02 - 5:03
    Era para uma placa no quintal,
  • 5:03 - 5:07
    para poder mostrar aos vizinhos
    que a cultura dela está viva
  • 5:07 - 5:08
    e prosperando hoje.
  • 5:09 - 5:12
    Hebraico, córnico e tunica
    são apenas três exemplos
  • 5:12 - 5:15
    de uma onda de ativismo linguístico
    em cada continente.
  • 5:16 - 5:19
    Sejam eles falantes de jèrriais
    das Ilhas do Canal,
  • 5:19 - 5:22
    ou língua queniana de sinais de Nairóbi,
  • 5:23 - 5:26
    todas as comunidades que trabalham
    para preservar ou recuperar um idioma
  • 5:26 - 5:28
    têm algo em comum:
  • 5:28 - 5:29
    a mídia,
  • 5:29 - 5:32
    para que o idioma delas
    possa ser compartilhado e ensinado.
  • 5:32 - 5:34
    À medida que a internet cresce,
  • 5:34 - 5:36
    expandir o acesso e a criação de mídia,
  • 5:38 - 5:41
    preservar e recuperar idiomas ancestrais
  • 5:41 - 5:43
    é agora mais possível do que nunca.
  • 5:44 - 5:46
    Quais são seus idiomas ancestrais?
  • 5:46 - 5:49
    Os meus são hebraico, iídiche,
    húngaro e gaélico escocês,
  • 5:49 - 5:51
    apesar de eu ter sido criado em inglês.
  • 5:52 - 5:55
    Felizmente para mim, cada um
    desses idiomas está disponível on-line.
  • 5:55 - 5:58
    O hebraico, em particular,
    veio instalado em meu iPhone,
  • 5:58 - 6:00
    tem o suporte do Google Tradutor,
  • 6:00 - 6:02
    e até correção automática.
  • 6:02 - 6:05
    Embora seu idioma possa não ter
    um suporte muito amplo,
  • 6:05 - 6:07
    eu os incentivo a pesquisarem,
  • 6:07 - 6:11
    porque talvez alguém, em algum lugar,
    tenha começado a criá-lo on-line.
  • 6:12 - 6:17
    Recuperar seu idioma e aceitar sua cultura
  • 6:17 - 6:21
    é uma maneira poderosa de ser você mesmo
    na era da globalização,
  • 6:21 - 6:24
    porque, como aprendi recentemente
    a dizer em hebraico:
  • 6:24 - 6:27
    "'nḥnw 'dyyn k'n" -
  • 6:27 - 6:28
    ainda estamos aqui.
  • 6:29 - 6:30
    Obrigado.
  • 6:30 - 6:32
    (Aplausos)
  • 6:32 - 6:33
    (Vivas)
Títol:
Como salvar um idioma da extinção
Speaker:
Daniel Bögre Udell
Descripció:

Até 3 mil idiomas podem desaparecer nos próximos 80 anos, silenciando culturas inteiras. Nesta breve palestra, o ativista de idiomas Daniel Bögre Udell mostra como as pessoas no mundo todo estão encontrando novas maneiras de recuperar idiomas ancestrais e reconstruir suas tradições, e incentiva todos nós a pesquisarmos as línguas de nossos ancestrais. "Recuperar seu idioma e abraçar sua cultura é uma maneira poderosa de ser você mesmo", diz ele.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Projecte:
TEDTalks
Duration:
06:46

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions