Return to Video

Como a mudança climática pode tornar a nossa comida menos nutritiva

  • 0:02 - 0:06
    Yogi Berra, um jogador de basebol
    dos EUA, e filósofo, disse:
  • 0:07 - 0:10
    "Se não sabemos para onde
    vamos, podemos não chegar lá."
  • 0:12 - 0:16
    O progresso no conhecimento científico
    está a dar-nos uma maior compreensão,
  • 0:16 - 0:21
    maior clareza, sobre como poderá ser
    o nosso futuro num clima em mudança
  • 0:21 - 0:23
    e o que isso pode significar
    para a nossa saúde.
  • 0:24 - 0:27
    Estou aqui para falar
    sobre um aspeto relacionado,
  • 0:27 - 0:30
    de como as emissões de gases
    com efeitos de estufa
  • 0:30 - 0:32
    derivados da queima
    de combustíveis fósseis
  • 0:32 - 0:36
    estão a reduzir a qualidade
    nutritiva dos alimentos.
  • 0:37 - 0:39
    Vamos começar com a pirâmide alimentar.
  • 0:39 - 0:41
    Todos vocês conhecem
    a pirâmide alimentar.
  • 0:41 - 0:44
    Todos precisamos de comer
    uma dieta equilibrada.
  • 0:44 - 0:45
    Precisamos de proteínas,
  • 0:45 - 0:47
    precisamos de micronutrientes,
  • 0:47 - 0:49
    precisamos de vitaminas.
  • 0:49 - 0:51
    E assim, esta é uma maneira
    para pensarmos
  • 0:51 - 0:54
    em como ter a certeza de obter
    o que precisamos, todos os dias,
  • 0:54 - 0:56
    para crescer e prosperar.
  • 0:57 - 0:59
    Mas não comemos
    só porque precisamos,
  • 0:59 - 1:01
    também comemos por prazer.
  • 1:01 - 1:04
    Pão, massas, "pizzas",
  • 1:04 - 1:08
    há toda uma gama de alimentos
    que são culturalmente importantes.
  • 1:08 - 1:10
    Gostamos de comer isso.
  • 1:10 - 1:12
    Portanto, eles são importantes
    para a nossa dieta,
  • 1:13 - 1:15
    mas também são importantes
    para as nossas culturas.
  • 1:16 - 1:21
    O dióxido de carbono vem aumentando
    desde o início da Revolução Industrial,
  • 1:21 - 1:27
    de cerca de 280 partes por milhão
    para mais de 410, atualmente,
  • 1:27 - 1:29
    e continua a aumentar.
  • 1:29 - 1:33
    O carbono de que as plantas necessitam
    vem deste dióxido de carbono.
  • 1:33 - 1:35
    As plantas absorvem-no,
  • 1:35 - 1:38
    separam o carbono,
  • 1:38 - 1:40
    e usam-no para crescer.
  • 1:41 - 1:44
    Necessitam também dos nutrientes do solo.
  • 1:44 - 1:48
    E assim sim, o dióxido de carbono
    é alimento para as plantas.
  • 1:49 - 1:54
    O aumento da concentração do CO2
    devia ser uma boa notícia
  • 1:54 - 1:57
    para a segurança alimentar
    em todo o mundo,
  • 1:57 - 2:01
    garantindo que as pessoas tivessem
    o suficiente para comer, todos os dias.
  • 2:01 - 2:07
    Cerca de 820 milhões de pessoas
    não comem o suficiente, todos os dias.
  • 2:07 - 2:11
    Portanto, há muitas coisas escritas
    sobre como um CO2 mais alto
  • 2:11 - 2:13
    vai ajudar o nosso problema
    de segurança alimentar.
  • 2:14 - 2:19
    Precisamos de acelerar o nosso progresso
    na produtividade agrícola
  • 2:19 - 2:23
    para alimentar os 9 a 10 mil milhões
    de pessoas que estarão vivos em 2050
  • 2:23 - 2:26
    e alcançar os Objetivos
    de Desenvolvimento Sustentável,
  • 2:26 - 2:28
    particularmente o Objetivo nº. 2,
  • 2:28 - 2:31
    sobre a redução da insegurança alimentar,
  • 2:31 - 2:33
    o aumento da nutrição,
  • 2:33 - 2:36
    e o aumento do acesso aos alimentos
    de que precisamos para todos.
  • 2:36 - 2:41
    Sabemos que a alteração climática
    está a afetar a produtividade agrícola.
  • 2:41 - 2:44
    A terra tem aquecido
    cerca de um grau centígrado
  • 2:44 - 2:46
    desde os tempos pré-industriais.
  • 2:46 - 2:49
    Isso está a mudar a temperatura local
    e os padrões de precipitação,
  • 2:50 - 2:54
    e tem consequências
    para a produtividade agrícola
  • 2:54 - 2:56
    em muitas partes do mundo.
  • 2:56 - 3:00
    Não são apenas mudanças locais
    na temperatura e na precipitação,
  • 3:00 - 3:01
    são os extremos.
  • 3:02 - 3:05
    Os extremos em termos
    de ondas de calor, inundações e secas
  • 3:05 - 3:09
    estão a afetar significativamente
    a produtividade.
  • 3:11 - 3:13
    Esse dióxido de carbono,
  • 3:13 - 3:16
    além de fazer crescer as plantas,
  • 3:16 - 3:18
    também tem outras consequências.
  • 3:19 - 3:22
    As plantas, quando têm
    dióxido de carbono mais alto,
  • 3:22 - 3:26
    aumentam a síntese de carboidratos,
    açúcares e amidos,
  • 3:26 - 3:31
    e diminuem as concentrações
    de proteínas e de nutrientes essenciais.
  • 3:31 - 3:38
    Isso é significativo para como pensamos
    na segurança alimentar daqui para frente.
  • 3:39 - 3:42
    Algumas noites atrás,
    em conversas sobre a alteração climática,
  • 3:43 - 3:46
    alguém disse que era
    um otimista de cinco sétimos:
  • 3:46 - 3:49
    era otimista cinco dias da semana
  • 3:49 - 3:52
    e este era um tema
    para os outros dois dias.
  • 3:53 - 3:55
    Quando pensamos nos micronutrientes,
  • 3:55 - 4:00
    quase todos são afetados
    por concentrações mais altas de CO2.
  • 4:00 - 4:02
    Dois em particular são o ferro e o zinco.
  • 4:02 - 4:06
    Quando não temos ferro suficiente,
    podemos desenvolver uma anemia.
  • 4:06 - 4:09
    Está associada a fadiga, a falta de ar
  • 4:09 - 4:13
    e também a algumas consequências
    bastante graves.
  • 4:13 - 4:15
    Quando não temos zinco suficiente,
  • 4:15 - 4:17
    podemos perder o apetite.
  • 4:17 - 4:19
    É um problema significativo
    em todo o mundo.
  • 4:19 - 4:22
    Há cerca de mil milhões de pessoas
    que são deficientes em zinco.
  • 4:22 - 4:25
    É muito importante
    para a saúde materna e infantil
  • 4:25 - 4:28
    Isso afeta o desenvolvimento.
  • 4:28 - 4:32
    As vitaminas B são essenciais
    por várias razões.
  • 4:32 - 4:35
    Ajudam a converter
    os nossos alimentos em energia.
  • 4:35 - 4:36
    São importantes para as funções
  • 4:36 - 4:40
    de muitas das atividades fisiológicas
    do nosso corpo.
  • 4:40 - 4:43
    Quando temos mais carbono numa planta,
  • 4:43 - 4:44
    temos menos azoto
  • 4:44 - 4:46
    e menos vitaminas B.
  • 4:47 - 4:48
    Mas não somos apenas nós.
  • 4:48 - 4:50
    O gado já está a ser afetado
  • 4:50 - 4:54
    porque a qualidade
    da forragem está em declínio.
  • 4:54 - 4:57
    De facto, isso afeta
    todos os que consomem plantas.
  • 4:57 - 5:01
    Pensem, por exemplo,
    nos cães e gatos de estimação.
  • 5:01 - 5:05
    Se olharmos para a etiqueta
    da maioria dos alimentos para animais,
  • 5:05 - 5:09
    há uma quantidade significativa
    de cereais nesses alimentos.
  • 5:09 - 5:11
    Isso afeta todos.
  • 5:11 - 5:14
    Como sabemos que
    isso é um problema?
  • 5:14 - 5:16
    Sabemos por estudos de campo
  • 5:16 - 5:19
    e sabemos por estudos
    experimentais em laboratórios.
  • 5:19 - 5:21
    Nos estudos de campo
  • 5:21 - 5:25
    — e vou-me concentrar
    principalmente no trigo e no arroz —
  • 5:25 - 5:27
    há campos, por exemplo, de arroz
  • 5:27 - 5:30
    que são divididos
    em diversas parcelas.
  • 5:30 - 5:33
    As parcelas são todas iguais:
  • 5:33 - 5:34
    o solo é o mesmo,
  • 5:34 - 5:36
    a precipitação é a mesma,
  • 5:36 - 5:38
    tudo é igual.
  • 5:38 - 5:42
    Exceto que sopram o dióxido de carbono
    só sobre algumas das parcelas.
  • 5:43 - 5:45
    Assim, podemos comparar
  • 5:45 - 5:48
    como resulta nas condições de hoje
  • 5:48 - 5:53
    e nas condições de dióxido de carbono
    mais tarde no século.
  • 5:53 - 5:56
    Eu fiz parte de um dos poucos estudos
    que fizeram isto.
  • 5:56 - 6:01
    Observámos 18 linhas de arroz
    na China e no Japão
  • 6:01 - 6:04
    e cultivámo-los sob condições
    que serão de esperar
  • 6:04 - 6:05
    mais tarde no século.
  • 6:07 - 6:09
    Quando olhamos para os resultados,
  • 6:09 - 6:12
    a barra branca mostra
    as condições de hoje,
  • 6:12 - 6:16
    e a barra vermelha mostra
    as condições mais tarde no século.
  • 6:17 - 6:21
    A proteína diminui cerca de 10%,
  • 6:21 - 6:25
    o ferro cerca de 8%,
    o zinco cerca de 5%.
  • 6:25 - 6:28
    Não parecem grandes mudanças,
  • 6:28 - 6:32
    mas quando começamos a pensar
    nos pobres em cada país
  • 6:32 - 6:34
    que comem principalmente amidos,
  • 6:34 - 6:37
    isso porá as pessoas
    que já estão no limite
  • 6:37 - 6:40
    numa franca deficiência,
  • 6:40 - 6:42
    criando todos os tipos
    de problemas de saúde.
  • 6:42 - 6:46
    A situação é mais significativa
    para as vitaminas B.
  • 6:46 - 6:50
    Quando olhamos para
    a vitamina B1 e a vitamina B2,
  • 6:50 - 6:52
    há um declínio de cerca de 17%.
  • 6:52 - 6:58
    o ácido pantoténico, a vitamina B5,
    tem um declínio de 13%.
  • 6:58 - 7:01
    o ácido fólico tem um declínio de 30%.
  • 7:01 - 7:05
    Estas são médias das experiências
    que foram feitas.
  • 7:05 - 7:09
    O ácido fólico é fundamental
    para o desenvolvimento infantil.
  • 7:09 - 7:11
    As mulheres grávidas
    sem suficiente ácido fólico
  • 7:11 - 7:14
    correm um risco muito maior
    de ter bebés com defeitos congénitos.
  • 7:15 - 7:19
    Estas são consequências potenciais
    muito graves para a nossa saúde
  • 7:20 - 7:22
    à medida que o CO2 continua a subir.
  • 7:24 - 7:25
    Num outro exemplo,
  • 7:25 - 7:29
    este é um trabalho que foi feito
    por Chris Weyant e seus colegas,
  • 7:29 - 7:31
    observando esta sequência
  • 7:31 - 7:34
    de CO2 mais alto
    para ferro e zinco mais baixos
  • 7:34 - 7:36
    — e eles só olharam
    para o ferro e o zinco —
  • 7:36 - 7:38
    em relação aos vários resultados da saúde.
  • 7:39 - 7:42
    Observaram a malária,
    a diarreia, a pneumonia,
  • 7:42 - 7:44
    a anemia por deficiência de ferro
  • 7:44 - 7:48
    e observaram quais seriam
    as consequências em 2050.
  • 7:48 - 7:50
    Quanto mais escura é a cor,
  • 7:50 - 7:52
    maiores são as consequências.
  • 7:52 - 7:55
    Então, podemos ver
    os principais impactos
  • 7:55 - 7:57
    na Ásia e na África,
  • 7:58 - 8:01
    mas também observamos que,
    em países como os EUA
  • 8:01 - 8:02
    e países na Europa,
  • 8:02 - 8:05
    as populações
    também poderão ser afetadas.
  • 8:05 - 8:09
    Estimaram que cerca de 125 milhões
    de pessoas poderão ser afetadas.
  • 8:10 - 8:14
    Modelaram também quais seriam
    as intervenções mais eficazes,
  • 8:14 - 8:18
    e a conclusão deles foi reduzir
    os gases com efeito de estufa,
  • 8:19 - 8:22
    reduzindo as emissões desses gases
    até meados do século
  • 8:22 - 8:25
    para não termos de nos preocupar tanto
    com essas consequências
  • 8:25 - 8:27
    mais tarde no século.
  • 8:29 - 8:31
    Essas experiências e estudos de modelos
  • 8:32 - 8:34
    não levaram em conta
    a alteração do clima.
  • 8:34 - 8:37
    Só se concentraram na componente
    do dióxido de carbono.
  • 8:38 - 8:40
    Então, quando juntamos os dois,
  • 8:40 - 8:43
    o impacto deve ser muito maior
    do que o que eu disse.
  • 8:44 - 8:47
    Eu adorava poder dizer agora
  • 8:47 - 8:52
    quanto o que comeram ao pequeno almoço
    o que vocês vão almoçar,
  • 8:52 - 8:55
    é diferente do que os vossos avós comeram
  • 8:55 - 8:57
    em termos de qualidade nutritiva.
  • 8:58 - 9:00
    Mas não posso.
  • 9:00 - 9:02
    Não temos investigação sobre isso.
  • 9:02 - 9:05
    Eu adorava dizer quanto
    a insegurança alimentar atual
  • 9:05 - 9:08
    é afetada por essas mudanças.
  • 9:08 - 9:09
    Mas não posso.
  • 9:09 - 9:12
    Também não temos investigações sobre isso.
  • 9:12 - 9:16
    Há muita coisa que necessita
    de ser conhecido nesta área,
  • 9:16 - 9:20
    incluindo quais podem ser
    as possíveis soluções.
  • 9:20 - 9:23
    Não sabemos exatamente
    quais são essas soluções,
  • 9:23 - 9:25
    mas temos várias opções.
  • 9:26 - 9:28
    Temos avanços nas tecnologias.
  • 9:28 - 9:31
    Temos o cruzamento de plantas.
    Temos a fortificação biológica.
  • 9:31 - 9:33
    Os solos podem fazer a diferença.
  • 9:33 - 9:36
    E, claro, será muito útil saber
  • 9:36 - 9:40
    como essas mudanças podem afetar
    a nossa saúde futura,
  • 9:40 - 9:44
    a saúde dos nossos filhos
    e a saúde dos nossos netos.
  • 9:44 - 9:47
    Esses investimentos levam tempo.
  • 9:47 - 9:50
    Vai demorar a resolver
    todas estas questões.
  • 9:51 - 9:55
    Não há nenhuma entidade nacional
    ou grupo de empresa
  • 9:55 - 9:58
    que esteja a financiar esta investigação.
  • 9:58 - 10:03
    Precisamos imenso desses investimentos
    para sabermos para onde estamos a ir.
  • 10:04 - 10:07
    Entretanto, o que podemos fazer
  • 10:07 - 10:12
    é garantir que todas as pessoas
    tenham acesso a uma dieta completa,
  • 10:13 - 10:17
    não apenas nas partes ricas
    do mundo, mas em todo o mundo.
  • 10:18 - 10:20
    Precisamos individual e coletivamente
  • 10:20 - 10:22
    de reduzir as emissões de gases
    com efeitos de estufa
  • 10:22 - 10:26
    para reduzir os desafios
    que virão mais tarde no século.
  • 10:28 - 10:32
    Já foi dito que, se pensamos
    que a educação é cara,
  • 10:32 - 10:34
    tentemos a ignorância.
  • 10:34 - 10:36
    Não façamos isso.
  • 10:36 - 10:39
    Vamos investir em nós mesmos,
  • 10:39 - 10:40
    nas nossas crianças
  • 10:40 - 10:41
    e no nosso planeta.
  • 10:42 - 10:43
    Obrigada
  • 10:43 - 10:46
    (Aplausos)
Títol:
Como a mudança climática pode tornar a nossa comida menos nutritiva
Speaker:
Kristie Ebi
Descripció:

O aumento dos níveis de carbono na atmosfera pode fazer crescer as plantas mais rapidamente, mas há outra consequência oculta: isso rouba às plantas nutrientes e vitaminas de que precisamos para sobreviver. Numa conversa sobre a segurança alimentar mundial, a epidemiologista Kristie Ebi explora as consequências potencialmente enormes para a saúde dessa crescente crise nutritiva - e explora os passos que podemos dar para garantir que todas as pessoas tenham acesso a alimentos saudáveis e seguros.

more » « less
Video Language:
English
Team:
closed TED
Projecte:
TEDTalks
Duration:
11:00

Portuguese subtitles

Revisions