Return to Video

Como as empresas podem atender todos, e não apenas os acionistas

  • 0:01 - 0:04
    Ultimamente, muitos líderes de empresas
  • 0:04 - 0:07
    vêm prometendo mudar
    seu modelo de negócios.
  • 0:07 - 0:10
    Eles se comprometem a atender
    todas as partes interessadas,
  • 0:10 - 0:12
    e não apenas os acionistas.
  • 0:12 - 0:15
    O retorno do investimento, dizem eles,
  • 0:15 - 0:17
    não terá mais precedência
  • 0:17 - 0:19
    sobre a saúde e o bem-estar
    dos funcionários,
  • 0:19 - 0:21
    dos fornecedores,
  • 0:21 - 0:22
    e até mesmo do planeta.
  • 0:22 - 0:24
    E não só durante uma crise,
  • 0:24 - 0:26
    mas todos os dias.
  • 0:26 - 0:30
    Essa é uma mudança que as empresas
    definitivamente precisam fazer,
  • 0:30 - 0:33
    o que não significa que vá ser fácil.
  • 0:34 - 0:38
    É como deixar de ser um jovem casal
    para se tornar um jovem casal com filhos.
  • 0:38 - 0:39
    Quando tentamos tomar decisões
  • 0:39 - 0:42
    tendo apenas uma outra pessoa
    no relacionamento
  • 0:42 - 0:44
    é muito simples.
  • 0:44 - 0:46
    Onde vamos almoçar no domingo?
  • 0:46 - 0:48
    Que filme vamos assistir?
  • 0:49 - 0:51
    Mas, quando incluímos um filho,
  • 0:51 - 0:53
    um segundo filho,
  • 0:53 - 0:55
    ou seja, novos tomadores de decisão,
  • 0:55 - 0:57
    as coisas se complicam.
  • 0:57 - 1:01
    E cada um tem necessidades específicas
  • 1:01 - 1:03
    e uma perspectiva individual.
  • 1:03 - 1:07
    Todos sabemos que os pais
    não deveriam ter um filho favorito,
  • 1:08 - 1:12
    e que ser justo nem sempre
    significa ser igual.
  • 1:13 - 1:15
    Esse é um dos maiores
    desafios da paternidade,
  • 1:16 - 1:18
    e do capitalismo das partes interessadas.
  • 1:18 - 1:22
    Os funcionários precisam
    de um salário decente.
  • 1:22 - 1:26
    De que outra forma podem garantir
    o sustento de suas famílias?
  • 1:26 - 1:30
    Investidores de fundos de pensão
    precisam obter um retorno positivo.
  • 1:30 - 1:32
    Só então eles podem ter certeza
  • 1:32 - 1:35
    de que estão administrando
    a poupança e a aposentadoria
  • 1:35 - 1:37
    de seus investidores de forma responsável.
  • 1:37 - 1:41
    Os consumidores querem e merecem
    produtos e serviços
  • 1:41 - 1:44
    que sejam tanto acessíveis quanto seguros.
  • 1:45 - 1:48
    E todos nós queremos
    uma sociedade e um planeta
  • 1:48 - 1:50
    que nos permitam respirar.
  • 1:50 - 1:55
    Passei minha carreira
    ajudando empresas e seus líderes
  • 1:55 - 1:57
    a melhorar seu desempenho,
  • 1:57 - 1:59
    especialmente em tempos de transição:
  • 2:00 - 2:02
    todos nos tornamos digitais,
  • 2:02 - 2:05
    nos adaptamos às novas
    regulamentações de saúde,
  • 2:05 - 2:07
    melhoramos a produtividade
  • 2:07 - 2:10
    e tornamos as empresas
    mais diversas e inclusivas.
  • 2:10 - 2:11
    Levou um tempo para entendermos
  • 2:11 - 2:15
    que não podemos tornar
    uma empresa mais digital
  • 2:15 - 2:18
    simplesmente criando
    o cargo de diretor digital,
  • 2:18 - 2:21
    ou achando que um diretor
    de diversidade sozinho
  • 2:21 - 2:25
    vai conseguir tornar a cultura
    da empresa mais inclusiva.
  • 2:26 - 2:31
    Então sabemos que não basta nomear
    um diretor das partes interessadas
  • 2:31 - 2:35
    se realmente quisermos atender
    todas as partes interessadas.
  • 2:35 - 2:37
    Em vez disso, precisamos começar do zero.
  • 2:38 - 2:41
    Se quisermos mesmo atender
    as necessidades das partes interessadas,
  • 2:41 - 2:43
    precisamos envolver todos.
  • 2:44 - 2:46
    Não há soluções rápidas,
  • 2:46 - 2:48
    mas tenho algumas ideias.
  • 2:48 - 2:51
    Vamos começar pelo topo:
    a sala da diretoria.
  • 2:51 - 2:55
    É ali que a estratégia de uma empresa
    é definida e determinada,
  • 2:55 - 2:59
    e, se as necessidades de todas as partes
    não forem levadas em consideração ali,
  • 2:59 - 3:02
    nada vai mudar de verdade.
  • 3:03 - 3:06
    Por definição, uma diretoria
    pode ser um entrave
  • 3:06 - 3:09
    para atender todas as partes interessadas.
  • 3:10 - 3:11
    Por quê?
  • 3:11 - 3:15
    Porque normalmente uma diretoria
    é eleita pelos acionistas.
  • 3:15 - 3:17
    Ela representa os interesses
    dos acionistas.
  • 3:17 - 3:20
    Ela está lá para agir em nome deles.
  • 3:21 - 3:24
    Não se trata de uma definição
    de dicionário apenas.
  • 3:24 - 3:27
    É algo consagrado na legislação dos EUA,
  • 3:27 - 3:28
    e isso pode de fato limitar
  • 3:28 - 3:32
    quantas mudanças um CEO
    ou conselho podem efetuar
  • 3:32 - 3:36
    se quiserem atender as necessidades
    de mais partes interessadas.
  • 3:36 - 3:38
    Durante anos, se olharmos bem,
  • 3:38 - 3:41
    ticamos alguns itens:
  • 3:41 - 3:44
    etnia, idade, gênero.
  • 3:44 - 3:48
    Temos procurado pessoas
    com aparência diferente,
  • 3:48 - 3:51
    mas as diretorias
    ainda fazem a mesma coisa.
  • 3:51 - 3:54
    Elas cuidam dos interesses dos acionistas.
  • 3:54 - 3:56
    Não precisamos de símbolos.
  • 3:56 - 4:00
    Precisamos de pessoas
    que verdadeiramente entendam a experiência
  • 4:00 - 4:04
    e representem a diversidade
    das partes interessadas.
  • 4:04 - 4:08
    Conselhos empresariais podem aprender
    com o mundo sem fins lucrativos.
  • 4:08 - 4:11
    Dirijo uma instituição
    beneficente, a Teach First.
  • 4:11 - 4:14
    Ela tem objetivos educacionais
    e produz excelentes professores
  • 4:14 - 4:16
    e escolas.
  • 4:16 - 4:19
    Nosso conselho inclui
    uma ampla gama de talentos:
  • 4:21 - 4:23
    ex-funcionários públicos,
  • 4:23 - 4:27
    ativistas, professores, embaixadores,
  • 4:27 - 4:28
    tecnólogos.
  • 4:28 - 4:31
    No papel, alguns deles têm muito pouco
  • 4:31 - 4:34
    do perfil óbvio para uma instituição
    beneficente educacional.
  • 4:34 - 4:39
    Mas todos eles têm experiência real
    com todas as partes interessadas.
  • 4:39 - 4:40
    Cada conselho é diferente.
  • 4:41 - 4:46
    Imagine um mundo onde a governança
    corporativa fosse muito diferente de hoje:
  • 4:46 - 4:50
    líderes comunitários com assento
    nas diretorias dos bancos locais;
  • 4:50 - 4:54
    filósofos morais aconselhando
    empresas de mídia social;
  • 4:54 - 4:59
    e ativistas ambientais dirigindo
    empresas globais de energia.
  • 4:59 - 5:02
    Os CEOs continuam fazendo promessas.
  • 5:02 - 5:04
    Eles continuam falando
    sobre os fins sociais,
  • 5:04 - 5:07
    mas a mudança real só vai acontecer
  • 5:07 - 5:09
    se mudarmos quem está no comando
  • 5:09 - 5:11
    e com que propósito.
  • 5:12 - 5:16
    Temos de mudar as leis
    corporativas que nos limitam,
  • 5:16 - 5:18
    e nos lembrar de quem estamos servindo.
  • 5:19 - 5:22
    Agora, vamos falar sobre o grande "M",
  • 5:22 - 5:24
    o meio ambiente.
  • 5:24 - 5:29
    Metas de sustentabilidade estão
    em relatórios anuais pelo mundo todo.
  • 5:29 - 5:30
    Os objetivos são grandiosos,
  • 5:30 - 5:32
    a muito longo prazo,
  • 5:33 - 5:35
    e nenhum deles será concretizado
  • 5:35 - 5:38
    se não tiverem definidos
    passos reais ao longo do caminho.
  • 5:38 - 5:40
    É como dizer:
  • 5:40 - 5:44
    "Vou correr uma maratona de 5 km,
    em algum momento no futuro".
  • 5:45 - 5:49
    Ninguém vai acreditar
    até que te vejam sair do sofá,
  • 5:49 - 5:50
    começar a treinar,
  • 5:50 - 5:53
    e adicionar quilômetros todos os dias.
  • 5:54 - 5:56
    Os CEOs precisam fazer a mesma coisa.
  • 5:56 - 6:00
    Eles precisam de metas concretas,
    alcançáveis ​​e mensuráveis,
  • 6:00 - 6:04
    e precisam compartilhar os dados
    e o progresso ao longo do processo.
  • 6:05 - 6:09
    Ser verde é bom para os resultados
    financeiros a longo prazo,
  • 6:09 - 6:11
    mas isso requer investimentos,
  • 6:11 - 6:13
    e eles precisam ser compartilhados.
  • 6:13 - 6:18
    A Natura, com sede no Brasil, é a quarta
    maior empresa de cosméticos do mundo.
  • 6:18 - 6:20
    Eles têm o tradicional
    resultado do exercício
  • 6:20 - 6:22
    para os investidores e executivos,
  • 6:22 - 6:24
    mas são o lucro e as perdas
  • 6:24 - 6:27
    que os tornam um pouco mais especiais.
  • 6:27 - 6:31
    Um mede o bem que eles fazem
    para o meio ambiente.
  • 6:31 - 6:34
    O outro mede seu impacto na sociedade.
  • 6:34 - 6:36
    Eles medem tudo:
  • 6:36 - 6:38
    sementes plantadas,
  • 6:38 - 6:40
    empregos gerados,
  • 6:40 - 6:42
    os entulhos descartados.
  • 6:42 - 6:45
    Shell, a empresa de energia
    anglo-holandesa,
  • 6:45 - 6:46
    é outro exemplo.
  • 6:46 - 6:49
    Eles descobriram
    o que muitos de nós já sabíamos:
  • 6:50 - 6:54
    não basta cuidar
    de suas próprias emissões.
  • 6:54 - 6:57
    Na verdade as emissões
    representaram cerca de 15%
  • 6:57 - 6:59
    das emissões do sistema deles.
  • 6:59 - 7:00
    Então eles mudaram.
  • 7:00 - 7:04
    Trabalhando com ativistas
    e fundos de pensão,
  • 7:04 - 7:06
    eles definiram metas
    progressivas de três anos
  • 7:06 - 7:09
    com marcadores de progresso ano a ano.
  • 7:10 - 7:14
    Em 2050, eles esperam reduzir
    sua pegada de carbono líquida
  • 7:14 - 7:16
    em quase dois terços.
  • 7:16 - 7:17
    Essa é uma grande redução.
  • 7:18 - 7:21
    Inicialmente, essas metas
    estão ligadas aos bônus
  • 7:21 - 7:24
    de seus 150 principais
    tomadores de decisão,
  • 7:25 - 7:31
    e, com o tempo, o pagamento
    de quase 17 mil funcionários
  • 7:31 - 7:35
    poderia ser ligado em parte
    a como eles tratam a Mãe Terra.
  • 7:37 - 7:41
    Essa indústria e muitas dessas iniciativas
    ainda estão engatinhando.
  • 7:41 - 7:45
    O sucesso vai depender
    de como mantemos o curso
  • 7:45 - 7:47
    quando os investimentos
    se tornam mais significativos,
  • 7:47 - 7:49
    quando as partes interessadas discordam,
  • 7:49 - 7:52
    ou quando a concorrência aperta.
  • 7:54 - 7:56
    Vamos pensar um pouco na parte interessada
  • 7:56 - 7:58
    que às vezes está oculta,
  • 7:58 - 8:00
    que são os nossos fornecedores.
  • 8:00 - 8:04
    Eles são o tecido subjacente
    que liga muitas empresas:
  • 8:04 - 8:08
    motoristas de Uber, fabricantes
    de widgets, prestadores de serviço.
  • 8:09 - 8:12
    Eles são como uma força vital invisível
    que impulsionam nossa economia,
  • 8:12 - 8:15
    e uma coisa que sabemos com certeza
  • 8:15 - 8:17
    é que o sucesso ou fracasso de um negócio
  • 8:17 - 8:20
    depende de seus fornecedores e parceiros.
  • 8:20 - 8:22
    É uma lição dolorosa que muitos hospitais,
  • 8:22 - 8:24
    inclusive nos EUA e no Reino Unido,
  • 8:24 - 8:26
    vão aprender com a COVID-19.
  • 8:26 - 8:30
    Em pandemias, cadeias
    de abastecimento robustas e ágeis
  • 8:30 - 8:33
    entregam as máscaras, os respiradores,
  • 8:33 - 8:35
    os kits de teste e as vacinas
  • 8:36 - 8:37
    de que todos precisamos.
  • 8:37 - 8:39
    Isso salva vidas
  • 8:39 - 8:42
    e ajuda a reabrir nossa economia.
  • 8:42 - 8:46
    Os fornecedores não são importantes
    apenas nas crises.
  • 8:46 - 8:49
    Se você realmente deseja aumentar
    seu impacto positivo,
  • 8:49 - 8:51
    precisa olhar além
    dos muros da sua empresa.
  • 8:52 - 8:53
    BHP Billiton,
  • 8:53 - 8:55
    a mineradora australiana,
  • 8:55 - 8:57
    fez exatamente isso
    quando assumiu o compromisso
  • 8:57 - 9:01
    de acabar com o desequilíbrio de gênero
    em sua força de trabalho até 2025.
  • 9:01 - 9:07
    E decidiu encorajar, ou meio que cutucar,
    seus fornecedores a participar,
  • 9:07 - 9:10
    fornecendo treinamento e tecnologia.
  • 9:10 - 9:12
    No Chile, Kal Tire
  • 9:12 - 9:15
    ajuda a trocar os pneus enormes
  • 9:15 - 9:17
    dos caminhões da BHP.
  • 9:17 - 9:21
    É um trabalho que exige, que é perigoso
    e exige muito esforço físico,
  • 9:21 - 9:22
    e, para ser honesta,
  • 9:22 - 9:25
    não havia muitas mulheres
    interessadas ​​no emprego.
  • 9:26 - 9:28
    As duas empresas mudaram isso.
  • 9:28 - 9:30
    Primeiro, desenvolveram um braço mecânico.
  • 9:30 - 9:34
    Depois, encorajaram proativamente
    mulheres a se candidatarem às vagas.
  • 9:35 - 9:39
    Bem, a Kal Tire é apenas uma empresa.
  • 9:40 - 9:41
    É só um exemplo.
  • 9:41 - 9:45
    A BHP Billiton possui
    milhares de fornecedores,
  • 9:45 - 9:48
    e se quisermos realmente envolver
    nossa rede de fornecedores,
  • 9:48 - 9:51
    podemos usar incentivos para tanto.
  • 9:52 - 9:56
    Hoje, a Kal Tire ilustra
  • 9:56 - 9:58
    como isso pode ser feito
  • 9:58 - 10:01
    e, através das redes
    de fornecedores da BHP,
  • 10:01 - 10:05
    agora as mulheres têm uma probabilidade
    15% maior de conseguir o emprego
  • 10:05 - 10:07
    do que um há ano.
  • 10:08 - 10:10
    Fornecedores e parceiros
  • 10:11 - 10:13
    vão construir ou quebrar seu negócio.
  • 10:13 - 10:16
    Nos bons tempos,
    eles são o segredo do seu sucesso,
  • 10:16 - 10:19
    crescendo no mundo todo,
  • 10:19 - 10:22
    e, nos tempos difíceis, eles são
    o segredo da sua sobrevivência.
  • 10:23 - 10:25
    Se os fornecedores são
    as partes interessadas ocultas,
  • 10:25 - 10:28
    provavelmente os clientes
    são a parte mais visível.
  • 10:29 - 10:32
    Mas, quando os acionistas dão as cartas,
  • 10:32 - 10:34
    algumas empresas podem ser tentadas
  • 10:34 - 10:38
    a focar os desejos
    de curto prazo dos clientes
  • 10:38 - 10:40
    em vez de suas necessidades a longo prazo.
  • 10:40 - 10:44
    O consumo de alimentos processados
    decolou ao redor do mundo
  • 10:44 - 10:48
    e, com ele, os índices mundiais
    de obesidade aumentaram.
  • 10:49 - 10:56
    É por isso que a Access to Nutrition
    Foundation rastreia sal, gordura e açúcar
  • 10:56 - 11:00
    que as multinacionais de alimentos
    e bebidas embutem em seus produtos.
  • 11:00 - 11:03
    Ela também rastreia se eles
    os comercializam de forma responsável.
  • 11:03 - 11:06
    Eu acho que é como medir
    as calorias consumidas
  • 11:06 - 11:08
    para cada dólar que essas empresas ganham.
  • 11:09 - 11:11
    Empresas que estavam
    prestando atenção nisso
  • 11:11 - 11:13
    começaram a fazer mudanças,
  • 11:13 - 11:16
    incluindo ingredientes e receitas.
  • 11:16 - 11:20
    A Nestlé reduziu o açúcar
    em seu cereal matinal.
  • 11:20 - 11:25
    A Unilever reduziu o tamanho
    e as calorias de seu sorvete.
  • 11:25 - 11:28
    Bem, não sei se é uma boa ideia,
  • 11:28 - 11:31
    mas posso dizer que é preciso
    criatividade e investimento.
  • 11:32 - 11:37
    Sabemos que as necessidades
    do consumidor mudam ao longo do tempo,
  • 11:37 - 11:41
    mas as empresas que fazem
    esses investimentos de forma proativa
  • 11:41 - 11:45
    podem se posicionar melhor
    no longo prazo, mesmo para os acionistas.
  • 11:45 - 11:48
    Como todos nós temos tentado
    melhorar nossos hábitos alimentares,
  • 11:48 - 11:50
    tomar menos sorvete, por exemplo,
  • 11:50 - 11:53
    essas empresas estavam bem posicionadas
    para capturar esse mercado.
  • 11:53 - 11:56
    Elas estavam à frente, mais competitivas,
  • 11:56 - 11:59
    e capazes de ser mais relevantes.
  • 11:59 - 12:01
    Isso também se alinha a governos,
  • 12:01 - 12:03
    muitos dos quais implantaram
    a rotulagem nutricional,
  • 12:03 - 12:06
    programas de exercícios,
    ou mesmo impostos sobre o açúcar
  • 12:06 - 12:09
    para incentivar
    uma alimentação mais saudável.
  • 12:09 - 12:12
    Se os clientes são partes interessadas,
  • 12:13 - 12:16
    então eles não deveriam ser prejudicados
  • 12:16 - 12:21
    pelos bens, serviços
    e produtos que produzimos.
  • 12:21 - 12:22
    É simples assim.
  • 12:24 - 12:27
    Para que o capitalismo das partes
    interessadas realmente funcione,
  • 12:27 - 12:31
    todos nós precisamos nos ver
    como diretores executivos.
  • 12:32 - 12:34
    Se realmente queremos mudar,
  • 12:34 - 12:36
    temos de estar dispostos
  • 12:37 - 12:39
    a aguentar a pressão.
  • 12:39 - 12:40
    Nem sempre vamos acertar,
  • 12:41 - 12:42
    e tudo bem.
  • 12:43 - 12:46
    Mudanças reais e substantivas levam tempo.
  • 12:47 - 12:50
    A resposta certa sempre muda.
  • 12:51 - 12:54
    Mas temos de tentar melhorar.
  • 12:55 - 12:57
    Tem uma citação que eu adoro
    que realmente captura
  • 12:57 - 12:58
    a essência deste momento.
  • 12:59 - 13:02
    É da poeta norte-americana
    Gwendolyn Brooks:
  • 13:03 - 13:06
    “Somos a colheita umas das outras;
  • 13:06 - 13:08
    somos o negócio umas das outras;
  • 13:08 - 13:12
    somos a magnitude e o vínculo
    umas das outras”.
  • 13:13 - 13:18
    Os negócios são um conjunto
    de vínculos humanos em constante mudança
  • 13:18 - 13:23
    através dos quais plantamos,
    florescemos e colhemos.
  • 13:23 - 13:26
    Nossa colheita são nossas vidas
    e meios de subsistência,
  • 13:26 - 13:30
    nossas liberdades civis,
    nossos talentos e nossas comunidades.
  • 13:30 - 13:33
    Negócios é o que fazemos com tudo isso.
  • 13:34 - 13:36
    Vamos começar do zero
  • 13:36 - 13:38
    e atender todas as partes interessadas.
  • 13:39 - 13:40
    Obrigada.
Títol:
Como as empresas podem atender todos, e não apenas os acionistas
Speaker:
Dame Vivian Hunt
Descripció:

Empresas em todo o mundo estão se comprometendo a desempenhar um papel mais significativo no bem-estar de seus funcionários, de seus clientes e do meio ambiente. Como elas podem transformar suas promessas em ação? Da criação de uma diretoria que represente todos envolvidos ao compromisso com metas de sustentabilidade mensuráveis, a líder empresarial Dame Vivian Hunt discute as mudanças necessárias que as empresas podem fazer para abraçar o capitalismo das partes interessadas — e nos explica como isso poderia mudar para sempre o mundo dos negócios.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Projecte:
TEDTalks
Duration:
13:53

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions