Return to Video

Perdi a visão e descobri o meu superpoder

  • 0:07 - 0:10
    Sabem como é quando perguntam
    a uma criança qual vai ser o seu futuro
  • 0:10 - 0:14
    e ela responde que quer ter
    superpoderes ou apenas ser grande?
  • 0:14 - 0:19
    Se me perguntassem em criança
    como seria o meu futuro aos 16 anos,
  • 0:19 - 0:22
    provavelmente, eu diria que queria
    ser mais alta do que o meu pai,
  • 0:22 - 0:24
    ter muitos amigos,
    andar sozinha pela cidade,
  • 0:24 - 0:28
    ser totalmente independente
    e ter o cabelo muito comprido.
  • 0:29 - 0:32
    Sempre tive muita imaginação
    e sempre adorei ler.
  • 0:33 - 0:35
    Traduzir as letras em imagens e sons,
  • 0:35 - 0:38
    embora tudo estivesse
    religiosamente silencioso,
  • 0:38 - 0:42
    era uma forma de uma criança,
    humana e "muggle", ser especial.
  • 0:44 - 0:46
    Todas as histórias me levavam a acreditar
  • 0:46 - 0:50
    que a vida normal não era
    a única coisa e que a magia existia.
  • 0:50 - 0:54
    A determinada altura comecei
    a ver as coisas escuras,
  • 0:54 - 0:57
    a minha visão começava a escurecer
    na área periférica,
  • 0:57 - 1:01
    até que tudo se tornava escuro
    e eu ficava um pouco tonta
  • 1:01 - 1:03
    mas a minha imaginação era tão fértil
  • 1:03 - 1:06
    que eu pensava que me estava
    a acontecer qualquer coisa mágica
  • 1:06 - 1:09
    ou que estava a receber
    informações do universo.
  • 1:10 - 1:11
    Eu sempre quis ser especial
  • 1:11 - 1:14
    mas, à medida que crescia,
    tive de enfrentar o facto
  • 1:14 - 1:17
    de que o mundo mágico estava
    cada vez mais longe de mim.
  • 1:17 - 1:19
    Eu enfiava-me no armário lá de casa
  • 1:19 - 1:23
    e pensava que, se esquecesse
    o painel do fundo,
  • 1:23 - 1:26
    ele se desintegraria e eu poderia
    chegar a Nárnia.
  • 1:26 - 1:30
    Mas não descobri nenhum
    armário mágico aos 8 anos,
  • 1:30 - 1:33
    e não recebi nenhuma carta
    de Hogwarts, aos 11 anos
  • 1:33 - 1:36
    e nenhum sátiro me disse
    que eu era uma semideusa, aos 12 anos.
  • 1:36 - 1:37
    (Risos)
  • 1:38 - 1:43
    A minha última esperança era que Gandalf
    me levasse para uma aventura, aos 50 anos.
  • 1:45 - 1:48
    Mas, entretanto, aos 13 anos,
  • 1:48 - 1:51
    subitamente, tornei-me
    numa pessoa muito especial,
  • 1:51 - 1:54
    embora não fosse da forma
    que eu desejava.
  • 1:55 - 1:58
    O universo não estava a dar-me
    informações secretas,
  • 1:58 - 2:01
    estava a arrastar-me para um buraco nego.
  • 2:01 - 2:06
    No dia 23 de setembro de 2015,
    às 7:35 da manhã,
  • 2:07 - 2:09
    cheguei atrasada à escola,
    como de costume,
  • 2:09 - 2:14
    porque o autocarro da cidade demorou
    muito a chegar a minha casa, como sempre.
  • 2:14 - 2:17
    Entrei na sala de aula e caí,
  • 2:17 - 2:20
    no meio da sala,
    em frente de toda a gente.
  • 2:20 - 2:23
    Não vi uma mochila que estava no chão.
  • 2:23 - 2:28
    Sentei-me na minha carteira e percebi
    que não conseguia ler as letras no quadro.
  • 2:28 - 2:30
    Não conseguia ler.
  • 2:31 - 2:34
    Liguei à minha mãe
    e, mais tarde, fui ao hospital,
  • 2:34 - 2:38
    pensando que seria giro
    arranjar uns bonitos óculos.
  • 2:38 - 2:42
    Mas não arranjei, nem sequer
    saí do hospital nesse dia.
  • 2:45 - 2:48
    Diagnosticaram-me hidrocefalia,
  • 2:48 - 2:52
    uma palavra pouco criativa que significa
    que temos demasiado líquido no cérebro,
  • 2:52 - 2:54
    e vou revelar-vos um segredo.
  • 2:54 - 2:56
    No meu caso, era provocado
    por um glioma
  • 2:56 - 2:59
    que se tinha formado na passagem
    entre o primeiro e o terceiro ventrículo,
  • 3:00 - 3:01
    na base da cabeça.
  • 3:01 - 3:04
    Isso não permitia que o líquido
    do cérebro circulasse.
  • 3:04 - 3:06
    Conseguia entrar, mas não conseguia sair
  • 3:06 - 3:09
    o que tornava muito alta
    a minha pressão intracraniana
  • 3:09 - 3:11
    e estava a danificar
    os meus nervos óticos.
  • 3:11 - 3:14
    Mas os médicos não perceberam isso.
  • 3:14 - 3:19
    Fiz uma operação, depois outra,
    e mais outra e mais outra.
  • 3:19 - 3:24
    Eu estava numa espiral, num ciclo
    em que os meus pais e eu nos erguíamos,
  • 3:24 - 3:26
    e depois a vida atingia-nos
    e nós voltávamos a cair,
  • 3:26 - 3:28
    vezes sem conta.
  • 3:28 - 3:29
    O meu mundo virou-se ao contrário
  • 3:30 - 3:32
    e estávamos todos anestesiados
    com esta situação.
  • 3:32 - 3:35
    Os meus pensamentos mágicos
    foram substituídos, de repente,
  • 3:35 - 3:37
    por uma cascata de santos e de seres
  • 3:37 - 3:39
    tão imateriais
    como a minha esperança em Gandalf.
  • 3:40 - 3:43
    O problema é que o médico achava
    que sabia o que estava de errado comigo
  • 3:43 - 3:47
    mas, como o meu problema era causado
    por uma coisa totalmente diferente,
  • 3:47 - 3:48
    drenavam demasiado líquido
  • 3:49 - 3:52
    e transformaram a pressão intracraniana
    demasiado alta
  • 3:52 - 3:54
    numa pressão demasiado baixa.
  • 3:54 - 3:58
    Em oito meses, sofri quatro operações
    com este procedimento.
  • 3:58 - 4:02
    e outras três para tentar remediar
    as asneiras que aquele médico fez.
  • 4:03 - 4:05
    Mas os estragos estavam feitos.
  • 4:06 - 4:08
    Por fim, pude voltar para a escola
  • 4:08 - 4:10
    mas eu já não era a mesma.
  • 4:10 - 4:13
    A vida continuava para as pessoas normais
  • 4:13 - 4:15
    mas eu tinha perdido
    muitos dos acontecimentos clássicos
  • 4:15 - 4:19
    e a crise da adolescência,
    coisa que, honestamente, não me faz falta.
  • 4:22 - 4:24
    Praticamente, passei um ano a dormir
  • 4:24 - 4:26
    porque, como me tinham
    tirado a literatura,
  • 4:26 - 4:29
    era a única forma de mergulhar
    noutra realidade,
  • 4:29 - 4:31
    numa altura em que mais precisava.
  • 4:31 - 4:33
    Mas, atenção, estou hoje aqui.
  • 4:34 - 4:36
    Há um ditado que diz:
  • 4:36 - 4:39
    "Caí num buraco,
    saí de lá como um gigante".
  • 4:39 - 4:41
    É assim que eu me sinto
  • 4:41 - 4:45
    porque sempre que uma coisa difícil
    nos acontece, há uma força,
  • 4:45 - 4:48
    mesmo que seja quase invisível,
  • 4:48 - 4:50
    que nos obriga a levantar-nos
  • 4:50 - 4:53
    e, dessa vez, seremos muito mais sábios.
  • 4:53 - 4:56
    Eu agora consigo concentrar-me
    e prestar muito mais atenção.
  • 4:57 - 5:00
    E comer é uma experiência
    totalmente diferente.
  • 5:01 - 5:03
    Sempre que como "bolinhos de chuva",
  • 5:03 - 5:05
    tipo bolas de Berlim,
  • 5:05 - 5:08
    sou transportada imediatamente
    a um sítio bom e seguro
  • 5:08 - 5:11
    onde há nuvens de açúcar e canela.
  • 5:11 - 5:13
    Também quando oiço ou toco música,
  • 5:14 - 5:17
    é uma forma de fugir às dificuldades
    que passo na minha vida.
  • 5:18 - 5:20
    E agora lembro-me
    de todas as letras de Bob Dylan
  • 5:20 - 5:22
    o que é uma loucura.
  • 5:23 - 5:26
    A minha imaginação
    é mais intensa do que nunca,
  • 5:26 - 5:30
    porque agora uso-a
    como um dos sentidos mais importantes.
  • 5:30 - 5:33
    É o sentido que me permite
    criar um mundo totalmente novo,
  • 5:33 - 5:36
    com base naquilo que vi
    e noutros canais sensoriais.
  • 5:36 - 5:40
    Tenho de usar a imaginação
    como um instrumento criativo e lógico
  • 5:40 - 5:44
    para sobreviver nesta realidade
    que repousa demasiado na simulação visual.
  • 5:45 - 5:50
    Consigo fazer isso porque há uma diferença
    entre olhar e ver
  • 5:50 - 5:53
    como a que existe entre ouvir e escutar.
  • 5:53 - 5:58
    Ver e escutar não são apenas
    capacidades apuradas dos nossos sentidos
  • 5:59 - 6:00
    mas significam sensibilidade
  • 6:00 - 6:03
    para compreender as coisas
    e sentir empatia pelos outros,
  • 6:03 - 6:07
    por isso penso que agora
    vejo melhor do que antes.
  • 6:07 - 6:11
    Por exemplo, vejo que vocês
    estão a prestar atenção.
  • 6:13 - 6:19
    Na mitologia grega, o adivinho
    mais famoso, Tirésias, era cego
  • 6:19 - 6:21
    porque não se deixava enganar
  • 6:21 - 6:24
    pela armadilha do aspeto
    e do mundo visual.
  • 6:26 - 6:29
    Claro que não sou a pessoa de 16 anos
    que pensava vir a ser
  • 6:29 - 6:31
    e não tenho a vida que julgava vir a ter
  • 6:31 - 6:34
    mas, se me perguntarem
    se eu gostaria de voltar atrás
  • 6:34 - 6:36
    e impedir o que me aconteceu,
  • 6:36 - 6:40
    eu aprendi tanta coisa que não quero
    esquecer que a resposta é não.
  • 6:40 - 6:41
    Obrigada.
  • 6:41 - 6:44
    (Aplausos)
Títol:
Perdi a visão e descobri o meu superpoder
Descripció:

Portais mágicos, cartas de Hogwarts, aventuras com Gandalf — são apenas algumas das fantasias literárias com que Maria Stockler sonhava. Mas, aos 13 anos, depois de uma série espantosa de acontecimentos que lhe fizeram perder a visão, Maria também deixou de ver o mundo dos seus sonhos. Nesta palestra inspirada, Maria conta como perder um dos seus sentidos a ajudou a conquistar um novo sentido, um sentido que acabou por se tornar no seu superpoder. "Há uma diferença entre olhar e ver... penso que agora vejo melhor do que nunca".

more » « less
Video Language:
English
Team:
closed TED
Projecte:
TED-Ed
Duration:
06:47

Portuguese subtitles

Revisions