YouTube

Teniu un compte YouTube?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtítols

← Expedição aos recifes: bastidores

Como foi feita a animação da apresentação sobre recifes de corais.

Obtén el codi d'incrustació
19 llengües

Showing Revision 5 created 05/10/2018 by Mariana Alves Passos.

  1. Criar uma cena como essa
    é um projeto enorme.
  2. Então, há muitas pessoas envolvidas,
  3. investimos muita pesquisa nisso.
  4. No começo, não tínhamos ideia
    de como seríamos capazes,
  5. tecnicamente, de criar esta cena
    em toda a sua riqueza,
  6. porque ela requer
    uma capacidade incrível de processameto
  7. para criar um ambiente fotorrealístico,
  8. cheio de diversidade e complexidade.
  9. O que gostamos de fazer aqui é usar
    computação gráfica
  10. para criar ambientes, animais
    e criaturas do zero,
  11. a partir de modelos e de vídeos.
  12. Também usamos uma técnica
    chamada fotogrametria.
  13. A fotogrametria é uma técnica
  14. de combinar imagens estáticas
  15. para criar modelos no computador,
    ou criar mosaicos de uma área grande.
  16. A fotogrametria já é bem difícil,
  17. mas fazê-la embaixo d'água
    é impressionante.
  18. Trabalhamos com pesquisadores,
  19. tanto dentro e fora do Instituto,
    que foram a recifes de corais
  20. e tiraram milhares de fotos
    de várias espécies de corais.
  21. Foi assim que conseguimos
    muitos dos modelos de corais
  22. que usamos via fotogrametria.
  23. Com a experiência do Vizualization Studio
    em produzir mosaicos
  24. do ponto de vista da fotogrametria,
  25. eles conseguem me informar
  26. sobre como posso tornar esse processo
    mais eficiente, para que eu possa usá-lo
  27. como ferramenta
    para pesquisas científicas futuras.
  28. Acho que a parte mais difícil foi começar
    essa tarefa gigantesca
  29. de juntar milhares e milhares
    de pedaços de coral
  30. e descobrir fazer
    para ficar bonito.
  31. O que fazemos é pegar algo
    e replicar muitas vezes,
  32. e tentar mudar o mínimo cada vez.
  33. Rotacionamos, dimensionamos,
    e tentamos orientar de jeitos diferentes,
  34. talvez mudar um pouco a cor,
  35. ou outras variações sutis
    que podemos fazer sistematicamente.
  36. E quantas instâncias individuais
    de cada coisa estão ali?
  37. São milhares, dezenas de milhares,
  38. mais do que eu consigo contar.
  39. Além dos corais, que são animais,
  40. também criamos outras criaturas
  41. para atrair os espectadores a este local.
  42. A cena em si é cheia
    de mais ou menos 3000 peixes.
  43. Temos 31 espécies diferentes de peixes.
  44. Começamos olhando para os peixes
    que temos aqui no nosso aquário.
  45. Por um tempo, eu ia até lá todas as manhãs,
  46. só para observar os peixes
    e tentar aprender como eles se movem.
  47. Então eu sentava ali e tentava aprender
    o máximo que conseguia
  48. sobre o que acontecia
    com o comportamento deles.
  49. Então começamos a construir
    os modelos de cada peixe.
  50. Enquanto isso, precisávamos descobrir
    um jeito de ter o volume de peixes
  51. que queríamos na cena,
    e queríamos bastante.
  52. Então, comecei a pesquisar
    um programa que usamos
  53. que é muito bom em simular multidões,
  54. como um número grande de pessoas,
  55. e conseguimos adaptá-lo para simular
    grupos grandes de peixes.
  56. Aí nos afastamos e vemos
    uma relação muito interessante
  57. entre essa estrela do mar chamada
    coroa de espinhos,
  58. que é uma estrela do mar maravilhosa,
    coberta em espinhos.
  59. Elas comem corais, então podem consumir
    e dizimar um recife inteiro
  60. se não ficarem sob controle.
  61. Mas tem um caranguejinho,
    chamado caranguejo das acroporas,
  62. vive dentro do coral,
  63. e quando uma dessas coroas de espinho
    chega para atacar a sua casa,
  64. ele tenta defendê-la.
  65. Eu tive que fazer muita animação à mão
  66. para a cena da briga entre o caranguejo
    e a coroa de espinhos,
  67. porque o caranguejo as segura
    pelos espinhos e chacoalha,
  68. e isso precisou de muita atividade manual.
  69. Uma cientista veio aqui outro dia.
  70. Quando ela viu, ela reagiu:
    "Uau! Como você fez isso? Está ótimo!"
  71. O processo todo tem sido totalmente
    fascinante e muito divertido para mim
  72. trabalhar com a equipe de visualizações.
  73. É esse o coral que você está falando?
  74. Não, esse é um...
  75. Quando eles estavam desenvolvendo
    uma cena específica,
  76. eles me incluíam para assessorar
    em como tornar aquela cena
  77. totalmente precisa
    do ponto de vista científico.
  78. Mas o nível de detalhe
    que eles queriam alcançar era incrível.
  79. Isso realmente me desafiou
  80. a pesquisar literatura pioneira
    e bem atualizada,
  81. para tentar passar para eles o máximo
    de informações que tínhamos.
  82. A cena de abertura mostra
    os riscos que corremos
  83. e que eles realmente valeram a pena,
  84. com imagens lindas
    que os espectadores poderão experimentar.
  85. Queremos muito
    que os espectadores saiam da apresentação
  86. não só entretidos mas também esperamos
    que terão uma noção melhor
  87. do que é um recife de corais.
  88. Atualmente, os recifes de corais
    pelo mundo estão sendo ameaçados
  89. por fatores de tensão sem precedentes,
    a maioria feito por humanos.
  90. Esta apresentação introduz
    um senso de esperança.
  91. É uma história difícil,
    e um momento decisivo para os recifes,
  92. mas não é tarde demais.
  93. Podemos mudar isso, coletivamente,
  94. se tomarmos decisões responsáveis
    daqui em diante.
  95. Legendas por Mariana Alves Passos